Professor, publique aqui!

Para publicar nesse blog envie E-mail p\ blogdoprofessor.postar@blogger.com Cc peutzenfc@yahoo.fr

Se for REGISTRADO publique aqui

Não é registrado no blog (registre aqui)



sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

ATENÇÃO!!! TODO CUIDADO COM O QUE VC RECEBE É POUCO!!!!

A gente tem de sofrer na pele para saber que esse pessoal arranca dos professores .....didos pra dar aos indolentes cofres que são tudo, menos públicos (do povo)!!! Pois é.
Fui à regional pampulha fazer aquele dramático cadastramento e saber porque não havia recebido a restituição daquele 13 que me haviam usurpado ano retrazado (veja aqui) e entender porque me haviam descontado ainda não sei o quê, sem nem me avisar e os filhos desnaturados de suas arrependidas mães, já haviam armado mais uma, que pelas contas dos pulhas soma de quase 6000 reais no total que terei de restituir à prefeitura. Pois é, não pedi que errassem (se é que erraram, pois o da vez passada teriam que me restituir e só não recebi porque já haviam descontado do suposto saldo devedor acima), não contraí nenhum empréstimo e à minha revelia, sem me avisar, eles já estão descontando 10% por 35 meses do meu salário. 
Pois bem, isso é que é PT. Vota neles que irão fazer isso com vc também!!! Fiquem atentos!!!


Todo cuidado com artigos como o abaixo é pouco (não foi o meu caso). Mas que eles vão chamar muita gente que fez cursos que não deixarão  de ser reconhecidos pela PBH para devolver a grana, isso vão!
Eu vou ter de correr atrás de mais esse prejuízo (que lucro com que me pagam, não vou ter nunca). Um dia eles levam o troco, aliás, um dia eu faço eles me devolverem esse troco e muito mais. E vão pagar do bolso deles!!!

§ 4º - Apurada eventual irregularidade no cumprimento das condições estabelecidas neste artigo e seus parágrafos, o servidor restituirá o que tiver percebido indevidamente por conta do nível de escolaridade que lhe for conferido nessa condição, sem prejuízo das penalidades administrativas e penais cabíveis à espécie.” (NR).

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Votação em segundo turno do projeto 1465

Votação em segundo turno do projeto 1465 e em primeiro turno do
projeto 1497/07
 
Colegas,
 
a Câmara convocou reuniões extraordinárias para os dias 30 e 31 de
outubro. Nossos projetos estão na pauta. Vamos chamar uma Assembléia
para o dia 30 e marcar presença no plenário, pois as emendas que nos
interessam só serão aprovadas se a casa estiver cheia! O fax deve
chegar nas escolas amanhã, ou no máximo na segunda.
 
Aproveito para solicitar que enviem mais e-mails para os vereadores
falando da importância da supressão do artigo das férias (emenda
04), e demais emendas (13, 15, 16, 17, 27). Coloquem no e-mail as
regionais de vcs, pois os vereadores que tem base eleitoral nestas
regiões ficarão mais sensíveis ao apelo. No entanto, reforço q os e-
mails só surtirão efeito se vcs estiverem presentes na hora da
votação.
 
Com relação ao projeto 1497/07 (aposentados e celetistas),
conversamos com a Luzia Ferreira para apresentar a emenda dos
celetistas. Enviem e-mails para ela reafirmando a importância de
incluir os empregados públicos da educação no projeto.
 
Encontramos na Assembléia!
Abraços,
Thaís
 
 
 
 Qui, 25 de Out de 2007 10:28 pm
 
 Exibir opções da mensagem
Thaís Tavares Lacerda <thais@orl.trix.net>

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

IV Conferência Municipal de Educação.


          Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XIII - Nº: 2.950 - 10/16/2007        Poder Executivo        Secretaria Municipal de Educação        Portaria SMED nº 263/2007
 
    PORTARIA SMED N.º 263/2007
 
Aprova e divulga o Regimento da IV Conferência Municipal de Educação.

Projeto 1465/07

Durante a semana de outubro, a PBH procurou alguns vereadores com o
objetivo de retirar todas as emendas do projeto 1465/07 (férias,
reajuste, pós-graduação e gratificações) o que inviabilizaria
qualquer conquista no âmbito legislativo. No entanto, o sindicato
não tirou folga nestes dias e em conjunto com representantes de
escola, visitou vários gabinetes e garantiu que nenhum vereador
retiraria emendas antes da discussão ampla com a categoria.
 
No dia 11 de outubro, véspera do feriado, o projeto 1465/07 foi
aprovado em primeiro turno e os 33 vereadores presentes na sessão
puderam ver e sentir que estamos acompanhando de perto quem vota em
quê. O projeto, depois de aprovado em primeiro turno, volta para as
comissões para apreciação das emendas. No entanto, a câmara vai
acelerar o trâmite chamando reuniões e plenárias extras para que ele
seja votado ainda este mês.
 
O projeto 1465/07 já passou por duas comissões até hoje (17/10). A
primeira foi a de Legislação e Justiça e teve dois relatores
(Vinícius Dantas - emendas 1 a 4 - e Fred Costa - emendas 5 a 26)
que votaram pela constitucionalidade e legalidade das emendas. A
emenda de nº 27, que igualava o reajuste dos auxiliares de escola,
biblioteca e secretaria ao dos professores, não foi apreciada.
 
A segunda comissão foi a de Administração Pública e a relatora das
emendas foi a vereadora Neila Batista. Seu parecer foi pela
aprovação de apenas 6 emendas, todas sobre a pós-graduação. As
outras, inclusive a da supressão do artigo 5º (FÉRIAS), foram
REJEITADAS pela vereadora.
 
Mesmo as emendas REJEITADAS vão para a plenária e os vereadores
podem votar contra ou a favor do voto da relatora. Portanto, ainda
há tempo de reverter a situação. Para tanto pedimos que todos/as
enviem e-mails para os vereadores reafirmando a necessidade de
votarem nas emendas que suprime o artigo 5º, e nas demais emendas
que nos favorecem. Além disso, solicito que enviem e-mails
especialmente para os vereadores Vinícius Dantas e Fred Costa,
agradecendo o posicionamento favorável nos relatórios e pedindo que
o mesmo posicionamento se reverta em votos no 2º turno. Questionem
também sobre a emenda 27. Enviem e-mails para a vereadora Neila
Batista demonstrando nosso desagrado com o parecer e pedindo a ela
que reveja sua posição, pois está em jogo a qualidade da educação,
incluindo a vida das/os trabalhadoras/es em educação e das crianças
da cidade.
 
Enviar e-mails para estes três vereadores especialmente tem o
objetivo de demonstrar a todos que estamos atentos/as ao
posicionamento deles e esta é uma das maneiras de conseguirmos
enfrentar a pressão que o executivo tem realizado na câmara.
 
Contamos com a força e disposição da categoria.
Abraços,
Thaís.
 

E-mails:
 
 
 
 
 

 

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

APBS - Nota de Falecimento

NOTA DE FALECIMENTO
 
Faleceu em 12 de Setembro de 2007 em Brasília o Senado Federal,
acometida por infecção ética e moral generalizada. A Instituição
não resistiu à sessão secreta dos ilustres senadores e morreu longe
do povo, por falência múltipla dos órgãos institucionais.
Que Deus nos dê forças para bradarmos a nossa indignação e nos
ilumine para revertermos tamanha tragédia.


População Brasileira.

Fw: Abaixo Assinado Auxiliares

ABAIXO-ASSINADO

Nós, professores, auxiliares, estudantes, pais e toda a comunidade escolar abaixo-assinados, exigimos que o senhor prefeito converta o montante destinado ao pagamento de gratificações (artigo 3º do Projeto de Lei 1465/07) para que o reajuste concedido aos auxiliares de biblioteca, secretaria e de escola seja melhorado. Entendemos que as gratificações não são necessárias, uma vez que todo servidor que desenvolve projetos específicos já é devidamente remunerado para tal. Pedimos também que os auxiliares de escola terceirizados e os contratados pelo caixa escolar faça jus ao reajuste destinado aos demais auxiliares de escola.
Para baixar o Abaixo-Assinado clique aqui

Fw: Boletim da Assembléia (Texto)

Atendendo a pedidos, estamos enviando agora os boletins como texto, pois muitos emails estão bloqueando as mensagens via imagens.

BOLETIM DA REDE - ASSEMBLÉIA 13/09/2007

A Negociação

No dia 11 de setembro a SMAD, depois de muito insistirmos, concordou em receber a Comissão de Negociação. Não nos surpreendemos quando todos os pontos do Projeto foram reafirmados categoricamente. A Administração justifica não ser correto negociar pontos do projeto já que está tramitando na câmara. A secretaria se comprometeu a divulgar a listagens das universidades conveniadas com a PBH para conhecimento da categoria, "prometeu pensar" sobre quem está em estágio probatório e já concluiu o curso de pós-graduação, mas afirmaram que o diploma só será aceito se a data dele for anterior a data da publicação da lei. Afirmou que os diplomas protocolados se não apresentarem nenhum problema serão pagos após a promulgação da lei (de acordo com os critérios atuais), já os cursos em andamento eles afirmam que não justifica um processo de transição e só serão pagos os que estiverem de acordo com a definição na nova lei.

O projeto 1465/07

O projeto 1465/07 está tramitando na Câmara Municipal e já tem 17 propostas de emendas.
- As emendas de 1 a 4 (Fred Costa) tratam sobre o artigo 5º, das férias.
*As três primeiras propõem alteração, o que não nos atende.
- As emendas de 5 a 7 (Anselmo Domingos) também propõem alterações do artigo 5º.
- As emendas 4 e 7 propõem a supressão de todo o artigo, exatamente o que foi definido em Assembléia da categoria.
Conversamos com os vereadores que apresentaram estas emendas, esclarecendo nossa posição de pedir a supressão total do artigo, pois é muito arriscado suprimir apenas parte dele por que todo o artigo apresenta problemas.
- O inciso I transfere as férias dos/as professores/as para janeiro;
- O inciso III afirma que os auxiliares e os professores em readaptação terão férias como os outros profissionais da prefeitura, de acordo com a chefia imediata e mediante escala planejada.
- O parágrafo segundo deste artigo atribui ao Secretário de Educação o poder de decidir os recessos da categoria a cada ano, configurando que a SMED soltará uma portaria estabelecendo os calendários de acordo com a vontade do titular, desconsiderando a Assembléia Escolar.
As emendas de 8 a 17 (Divino Pereira), tratam da questão econômica e plano de carreira.
- As emendas de 8 a 12 propõem o adiantamento da terceira e quarta parcelas do reajuste para os meses de março e maio de 2008.
- A emenda 13 suprime o artigo 3º, que concede a gratificação de 750 reais para 400 servidores.
- As emendas 14, 15, 16 e 17 versam sobre o artigo 4º que trata dos critérios para a pós-graduação.
- A emenda 14 suprime o Parágrafo 4º deste artigo que responsabiliza o servidor pela restituição do valor recebido em caso de apuração de irregularidades no cumprimento do artigo.
- Já a emenda 15, institui a proporcionalidade de quatro dos sete critérios estabelecidos.
- A emenda 16 altera o inciso I, inserindo como um dos critérios os cursos autorizados pelo MEC, ou credenciados pela CAPES, ou conveniados com a PBH.
- A emenda 17 institui que os critérios deste artigo serão aplicados apenas ao servidor estável que ingressou no curso após a publicação da lei.

A Câmara só realiza plenárias nos 10 primeiros dias úteis de cada mês, e neste mês as plenárias estão envolvidas em apreciar os vetos do prefeito, que têm preferência nas plenárias. Na avaliação da comissão que acompanha o tramite do projeto, ele só irá para a plenária em outubro.

Os Auxiliares

No dia 04 de setembro os auxiliares reuniram-se no sindicato para organizar o movimento desse segmento da categoria e definiram por realizar DOIS DIAS SEM AUXILIARES. No primeiro, dia 19 de setembro, os auxiliares de biblioteca, escola e secretaria realizarão um debate nas escolas com os estudantes, pais e professores sobre a necessidade de reconhecimento e valorização do trabalho desenvolvido por eles. Durante o dia 19, a biblioteca e a secretaria ficarão fechadas e os auxiliares passarão um abaixo-assinado pela conversão do montante destinado aos projetos específicos (artigo 3º do Projeto de Lei 1465/07) para o aumento do índice salarial deles.
No dia 20 de setembro iremos até a Prefeitura entregar este abaixo-assinado, às 14 horas, junto com os auxiliares de escola, biblioteca e secretaria. Uma comissão estará no mesmo dia na Câmara para conversar com os vereadores sobre o Projeto e as implicações específicas para este segmento.

Informes:

Nos dias 17/09 e 04/10, às 18h30min, na sede do Conselho Municipal de Educação (Rua Carangola) acontecerão discussões do CME sobre o projeto de lei, que tramita na Câmara Municipal e que trata do reajuste do pessoal da Educação, das férias e das pós-graduações entre outras coisas.

Na última reunião de representantes de escolas do noturno foi aprovada a organização de uma manifestação pedindo abertura de negociação sobre a redução drástica de turmas de Ensino Médio para 2008. Solicitaremos também solução para a situação dos professor@s após esta medida da PBH. Esta manifestação está ainda sem data e local, mas apontamos que deveria ser o mais central possível e que contasse com o maior numero de profissionais envolvidos pela decisão unilateral da SMED.

CALENDÁRIO APROVADO

18/09 Terça Feira – 14h
Reunião com Auxiliares de Escola Terceirizados e Contratados pelo Caixa Escolar
Local: Sind-REDE/BH

19/09 Quarta Feira
Dia de Mobilização dos Auxiliares de Biblioteca e Secretaria dentro das Escolas.
Reunião do fórum mineiro de educação infantil na sala de plenária do conselho municipal de educação, de 9h às 13h

20/09 Quinta Feira – 13h
Dia de mobilização dos auxiliares com ato na câmara e na PBH. Concentração no Sindicato.

25/09 Terça Feira – 8h/14h18h30m
Reuniões de Representantes na CÂMARA MUNICIPAL DE BH.
Obs.: A reunião do noturno (18h30min) será no Sindicato.

04/10 Quinta Feira – 18h30min
Reunião do Coletivo da Educação Infantil
Local: Sind-REDE/BH

20/10 Sábado
Pré conferência Municipal de Educação

Fw: Panfleto Auxiliares

A educação das crianças e jovens da cidade de Belo Horizonte realizada dentro das escolas municipais não é uma ação apenas entre professores/as e estudantes. Para que a educação ocorra com qualidade, é necessária a participação de todos os profissionais que atuam na escola. Auxiliares de biblioteca, de escola e de secretaria, se responsabilizam diariamente com o trabalho educativo, dentro das escolas da rede municipal. Nós, auxiliares, estamos parando nossas atividades hoje, 19 de setembro de 2007, para conversar com vocês sobre a importância do trabalho que desenvolvemos e a necessidade de reconhecimento e valorização.


Estamos reivindicando a melhoria dos nossos salários e das condições de trabalho. Além disso, queremos desenvolver nossas atribuições, sem assumir outras funções que não são do nosso cargo. Queremos que haja concurso público para auxiliares de escolas, que os concursados tomem posse e que não sejamos substituídos por estagiários/as ou professores/as em readaptação funcional (estes profissionais podem trabalhar conosco nas bibliotecas e secretarias, mas é necessário garantir auxiliares em todos os turnos de trabalho).


Por fim, amanhã, dia 20 de setembro, levaremos este abaixo-assinado à Câmara e à Prefeitura de Belo Horizonte, dando continuidade a nossa luta por reconhecimento e valorização dos Auxiliares.

Contamos com o apoio de vocês na luta pelo reconhecimento e valorização do nosso trabalho.

Atenciosamente,

Auxiliares de Biblioteca, Escola e de Secretaria.

 

Para baixar o panfleto em PDF clique aqui

Fw: Abaixo Assinado Auxiliares

ABAIXO-ASSINADO

Nós, professores, auxiliares, estudantes, pais e toda a comunidade escolar abaixo-assinados, exigimos que o senhor prefeito converta o montante destinado ao pagamento de gratificações (artigo 3º do Projeto de Lei 1465/07) para que o reajuste concedido aos auxiliares de biblioteca, secretaria e de escola seja melhorado. Entendemos que as gratificações não são necessárias, uma vez que todo servidor que desenvolve projetos específicos já é devidamente remunerado para tal. Pedimos também que os auxiliares de escola terceirizados e os contratados pelo caixa escolar faça jus ao reajuste destinado aos demais auxiliares de escola.
Para baixar o Abaixo-Assinado clique aqui

Fw: Mobilização pelo FIM da CPMF

 

REPASSANDO...

 

 

 Assunto: Mobilização pelo FIM da CPMF

 

Pessoal, vamos assinar!!!!!

 

A votação pela extinção da CPMF acontecerá em ago/2007.

Vamos participar pelo menos esta é fácil!

No site da FIESP, tem uma campanha realmente séria e assinada pelo seu presidente, Paulo Skaf, pelo fim da CPMF.  
Vamos participar e divulgar para os nossos amigos.
http://apps.fiesp.com.br/pesquisas/cpmf/cpmf.asp 
 

Vejam o texto original :
A CPMF, quando surgiu em 1996, era apenas uma contribuição provisória criada para salvar a saúde pública, uma vez que o Sistema Único de Saúde estava em cheque, vivendo grandes tragédias.
Passados 11 anos de sua criação, corremos o risco de que se torne definitiva, contrariando o desejo da população brasileira, que é ser desonerada, liberada deste ônus. Assim, manifestamo-nos contra a suposta necessidade de prorrogação, pelo Governo, da vigência da CPMF.
Para que nosso apelo seja ouvido e atendido, solicitamos o seu apoio, que poderá ser expresso mediante adesão ao abaixo-assinado encontrado na seqüência do texto explicativo, e que será encaminhado aos poderes públicos competentes.
Paulo Skaf
Presidente  

http://apps.fiesp.com.br/pesquisas/cpmf/cpmf.asp

 

Ana Paula Paiva 

 



 

 

--

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

ASSEMBLÉIA GERAL DA REDE

13 de Setembro de 2007 - Quinta Feira

Atividade: ASSEMBLÉIA GERAL DA REDE

Horário: 14h

Local: Espaço Hórion (Av dos Andradas, nº 841 - Centro)

Pauta: Discussão do Projeto da Educação

quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Sobre o processo de INQUISIÇÃO por que nós, professores, estamos passando!


Conheço razoavelmente as circunstâncias em que se deu o processo abaixo:

http://bhz5.pbh.gov.br/dom.nsf/domgeral/9FFCEF19AA05CA8A8325733A00707026?OpenDocument
(Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XIII - Nº: 2.911 - 08/18/2007)

A sentença, como outras de alguns colegas que acompanhei, mostra que a lógica com que trabalha a atual gestão, já arrogante e prepotente de sua longa permanência no poder, prima por impor com desmesurada e desproporcional força as penalidades aos colegas.
Embora não possa revelar aqui, que circunstâncias são essas, mesmo porque não fui autorizado pelos réus a fazê-lo, não creio que um erro, aliás, um equívoco e mesmo até, ingenuamente bem intencionado, sem clara intenção de dolo, cometido em vista do açodamento de um dos servidores e desconhecimento de outro, na urgência de REFAZER uma tarefa que foi mal instruída e que já tinha sido razoavelmente realizada, a fim de cumpri-la em prazo curtíssimo para não atrasar a gratificação dos colegas, comete um erro, posso dizer, até simplório, venha receber tamanha penalidade. Um deles, o José Carlos, é meu colega, que acompanho de perto, extremamente zeloso no cumprimento de sua função e outro, a Ângela Luci, que nunca soube de qualquer atitude que a desmerecesse profissionalmente.
Essa penalidade atinge especialmente a mim, na qualidade de um profissional como eles, de um professor que se esmera no cumprimento de minha função e no empenho pela superação das limitações que o nefasto quadro educacional em que se encontra a minha cidade e o meu país nos submetem. Ela reafirma a convicção de que a profissão que abracei, é, ultimamente, vítima do descaso das autoridades e bode expiatório das mazelas e desacertos dessa equivocada gestão educacional. Ela tornou a administração da educação no município uma questão meramente política, comprometendo a qualidade técnica da SMED e renegando para último plano a qualidade do aprendizado dos alunos. Não se considerou, creio eu, o comprometimento da qualidade do ensino ministrado, em função da interrupção de um excelente trabalho de mais de seis meses! Não se levou em conta o desmedido prejuízo da imagem de profissionais que não prejudicaram ninguém: nem a escola, nem os alunos, nem os colegas, nem a regional, nem os cofres públicos da prefeitura, NADA! Pelo contrário, só desejavam encaminhar um documento a fim de que se comprovasse o cumprimento de uma Reunião Pedagógica (que foi rigorosamente cumprida), apesar da forma intempestiva e desorganizada como essas reuniões foram concebidas pela SMED.
Punir, dessa forma, um profissional competente, é contraproducente e uma estupidez. Psicologicamente, para aqueles que sofrem essa punição, não é modelar, é aviltante. É punir, exemplarmente, os melhores exemplos profissionais que a PBH dispõe. É estimular os demais a serem medíocres, como os espertalhões que jamais erram, entretanto, nunca cumprem aquilo a que lhes foi incumbido fazer.
Financeiramente, fazer isso no meio do ano, retirar de um pai e de sua família, o sustento e da Ângela, que é arrimo de família, é completamente desastroso.
Não se trata aqui de negar uma esmola, nem de sustar uma bolsa, nem de impedir que haja uma remuneração indevida ou que se aufira um ganho de modo ilegítimo, como graça acontecer, escandalosamente, nas altas esferas. Trata-se de impingir a trabalhadores honestos, por um erro infeliz e, até mesmo provocado, até por negligência e excessos da gerência, a supressão de cerca de 1/6 e 1/4, respectivamente, daquilo que esses excelentes funcionários receberiam no ano, sem possibilidade nenhuma que esses possam, de alguma forma, ter como compensar isso. A chibata, nos tempos da escravidão, devia ser tão dolorosa e indigna quanto esse tipo de tortura oficial! Seremos ainda tão escravos quanto outrora foram nossos irmãos?
Como é que nós, professores, podemos continuar convivendo impassivelmente, sendo submetidos a esse tipo tratamento degradante por parte da PBH? Não me lembro ter notícia de semelhante onda de punições, tão disseminada e injustificável, contra os professores, nem no mais terrível dos períodos da ditadura. O que pretendem esses gerentes (uns até ex-colegas nossos) com esse tipo de atitude? Onde irão chegar?
Enquanto isso, nossos alunos, nosso futuro, passam quase o ano todo, ou de forma intermitente, sem professores de algumas matérias, sem livro didático, sem acesso aos novos meios tecnológicos, sem um reforço e apoio adequado para as demandas educacionais daqueles que estão extremamente defasados, comprometendo a qualidade do ensino e a possibilidade deles prosperarem e terem condições semelhantes aos das classes mais abastadas. Alguns até sendo brutalmente assassinados durante ou após sua passagem pela escola. Isso sem que ninguém seja exemplarmente responsabilizado ou punido. O exemplo que vem de cima é outro, não é mesmo?!
Sinceramente, meu sentimento é de profunda revolta e extrema desilusão. Se não amasse tanto a vida e não tivesse tanto carinho e consideração por meus alunos, familiares e colegas, e esperança de que um dia essa arrogância irá roer a corda desses que nos fazem mirar o abismo, não sei mesmo o que acabaria fazendo. Felizmente, não sou como nossos, hoje, algozes. Sou e sempre serei aluno/professor e estou certo que eles aprenderão a lição e se arrependerão, um dia, dessas atitudes levianas. Acredito que isso se dê pela evolução e aperfeiçoamento da via civilizada e democrática do nosso Estado de Direito. A menos, é claro, que isso chegue tarde demais.



sábado, 14 de julho de 2007

Decreto reduz a classificação das RME

Vejam os decretos e portarias que regulamentam a classificação das escolas:
 
 
 
 
 
Classificação anterior das escolas:
 
 
Classificação atual das escolas:
 
 
 
Pra variar, essas mudanças, também, podem resultar na diminuição das verbas para as escolas. Se eles adotam esse índice, como querem fazer, para definir os salários dos professores, será o caos!!!
É a "lógica" absurda do gerenciamento de empresas (que costuma não dar certo nem por lá) aplicado ao gerenciamento de escolas. Já viram coisa mais Neo Liberal que essa? Só os desavergonhados desse partido para fazerem coisa tão inepta! E olha que não tenho tanta birra com sistemas de gerenciamento que premiem pelo mérito e iniciativa! Contudo, o sistema (se existe um) adotado pela prefeitura  distorce essa relação de mérito. Ele não privilegia a qualidade do ensino e sua aprendizagem, desconsidera as dificuldades que a escola enfrenta, em razão dos problemas que a comunidade possui . Ele premia somente a adequação a parâmetros simplórios e superficiais e não procura investir, tendo em vista as necessidades e o baixo nível de escolaridade e desenvolvimento social da comunidade estudantil e suas famílias ! Nossas escolas estão virando uns Frankeinsteins, graças a estupidez e despreparo (falta de estudo, mesmo) desses gerenciadores inumanos! Esse problema também foi herdado da LDB, que possui alguns artigos totalmente estúpidos como o que define a que nível de escolaridade deverá se incumbir cada esfera de governo. Alguém pode me explicar por que uma prefeitura não pode investir na educação de nível médio, havendo essa demanda em suas escolas? Esse tipo de gerenciamento aposta na bem aventurança, na boa vontade gratuita dos professores e funcionários e na pseudo gratuidade dos serviços prestados pelas ONGs para educar. O único objetivo está mais do que claro, é cortar gastos para, na outra ponta, gastar com propósitos eleitoreiros, para financiar as bolsas esmola, a compra dos eleitores. Quem tem mérito e iniciativa, termina desistindo, tanta falta de razoabilidade e tanto baixo nível!
Por isso que o Lula foi vaiado no Maracanã. Desfilou a semana inteira com corruptos, a quem está e esteve sempre associado, de rabo preso: Calheros, Severinos etc. Os investimentos em obras, ou não acontecem, ou se esvaem em obras desnecessárias, não estratégicas e na corrupção. Gasta horrores com os apadrinhados e companheiros, tornando a máquina pública dispendiosa demais. Investimentos são irrisórios, ineficientes,  em vista da arrecadação e dos gastos com a máquina pública. E ainda vem economizar em setores que poderiam tirar o país desse atoleiro e inércia: a educação que já é horrível, em razão do despreparo das equipes, falta de escolaridade, de estudo, de humildade para estudar, ou,  pelo menos, investigar, pesquisar aquilo sobre o qual não se sabe ou que se sabe pouco.
E, então, pra não ser atingido por cidadãos descontentes, impede (sem aviso prévio) que o público leve alimentos à abertura do PAN, no Maracanã, e deixa todo mundo, até crianças, famintas: um presidente do FOME ZERO !!! Pior, foi não ter aberto os jogos, o que revela o quanto o cidadão Lula não sabe lidar com o estado democrático de direito que permite esses arroubos de lucidez aos cidadãos comuns, permitindo-os se manifestar quando insatisfeitos. Contudo, para ele, o presidente, só ele pode se manifestar  (o Fidel pernambucano) e a gente que tem de agüentar calado, as asneiras que ele diz em público, seja por falta de conhecimento, ou por falta de humildade, ou por ser mal assessorado, ou por achar, agora, que tudo terminou mesmo, em pizza (não para o povo), ele pode falar pelos cotovelos, de improviso, sem a menor reflexão, como a gafe que cometeu ao fazer uma analogia que quis nos fazer acreditar que, para a galinha, é difícil e complicado botar um ovo. Difícil, senhor Lula, é o senhor e o nosso prefeito não tomarem ovo podre, na cara!
 
Woodson FC

segunda-feira, 2 de julho de 2007

DENUNCIE e DEFENDA-SE, PROFESSOR!!

 Está sendo gestado uma nova reforma que irá para votação, brevemente, na Câmara dos Vereadores. Dentre os itens que pretendem cassar nossos direitos, estão:
  • Fim das férias em Julho!
  • Fim do Quinquênio
  • Não liberação para Licença Prêmio de seis meses a cada 10 anos de serviço!!!
O que irá restar?!!! Além disso, há uma política dúbia que está sufocando nosso Sindicato, ainda que esse não represente adequadamente a classe e esteja infestado de pessoas submetidas aos partidos políticos PSTU PSOL e PT, é o que nossa classe escolheu e deve ser respeitado como tal!!!

Acompanhe o que vem acontecendo no site do Sind-Rede BH Clicando aqui!!

ou colando o endereço abaixo no seu navegador:

http://www.redebh.com.br/

Escreva para o seu candidato ou o candidato do partido em que votou, na Câmara de Vereadores, mostrando o seu descontentamento.
Faça isso já!
 

sábado, 30 de junho de 2007

REVISÃO DA ESCOLA PLURAL: fim da aprovação automática ou mais intervenção?

A lei abaixo pretende acabar com a aprovação automática ou  criar mais um mecanismo externo para intervir nas escolas? A aprovação dos alunos voltarão para as mãos dos professores ou estarão a cargo do olhar de mais esse organismo fictício, pára-escolar, que atormentará os professores ou para o qual os professores terão que participar sem receber nada por isso? Isso é para nos auxiliar ou impedir que nós despachemos, rapidamente, aqueles indivíduos que se recusam sair da escola, não querem mais aprender e se submeter ao regime disciplinar da escola? Alguém conversou com o Ronaldo Gontijo e sabe pra que servirá isso?! Quando é que a decisão sobre a progressão do aluno voltará para o âmbito daquele que realmente lida com o problema, diariamente?
LEI N° 9.370 DE 18 DE JUNHO DE 2007 :Institui o Programa Municipal de Acompanhamento, Avaliação e Revisão do Regime de Ciclos com Progressão Continuada na rede municipal de ensino e dá outras providências.

CHEGA DE INTERVENÇÃO: MANDEM PARA O INFERNO ESSES PLANOS ABSURDOS E DEIXEM OS PROFESSORES FAZEREM SUA FUNÇÃO!!!!
QUE ALIBI AINDA IRÃO INVENTAR PARA NÃO TEREM QUE ADMITIR QUE A ESCOLA PLURAL OU INTEGRAL ACABOU, SIFU..., FOI PRO ESPAÇO, e já cumpriu o seu papel que foi mandar Aquela, entre outros, PRA BRASÍLIA e muitos  dos nossos alunos, professores, verbas pros quintos...!!!
PAREM DE DE MAQUIAR ESSE FRACASSO!!!! QUEREM COM MAIS ESSE ÓRGÃO FAZER O QUÊ? O MESMO QUE FIZERAM COM O BH PELA PAZ?

NAAAAAAAAAAAAADDDDDDDDAAAAAAAAAAAA!!!!!!!!!!!
ou pior
Atrapalhar nosso trabalho ainda mais!!!!

Prof. Woodson

quarta-feira, 27 de junho de 2007

DIGA NÃO AO VOTO EM LISTA E AO FINANCIAMETO PÚBLICO DE CAMPANHA!!!

A câmara dos deputados deve votar, HOJE, os ítens que (comprovado por pesquisas) mais de 70% dos eleitores reprovam:
  • O voto em lista: não saberemos mais em quem estaremos votando;
  • O financiamento público de campanha: a roubalheira vai ser institucionalizada!!!
Se isso for aprovado, sem uma consulta (referendo) popular, teremos uma crise no sistema democrático. Não haverá mais a representação da vontade da maioria da população que deseja, cada vez mais, controlar as atividades de seus deputados e senadores.
Essa crise poderá evoluir de tal forma que, com a desmoralização do Senado e da Câmara dos Deputados, o governo terá plenos poderes para fazer o que bem entender.
Desse modo, não teremos como impedir os governos (Poder Executivo) em sua ânsia insana de manter-se indefinidamente no poder.

Escreva para o seu candidato ou o candidato do partido em que votou, na Câmara dos Deputados, mostrando o seu descontentamento.
Faça isso já!
Veja aqui a relação dos e-mails dos deputados federais : 
http://www2.camara.gov.br

 




terça-feira, 12 de junho de 2007

Professor, reprovado, GD, deeeeezzzz!!!

Sobre artigo Folha Online - Gilberto Dimenstein pensata 05/06/2007 Socorro


Sr. Gilberto Dimenstein


Como membro desse, denominado, "bando de ignorantes" a que se referiu no artigo "Socorro" da Folha Online - de 05/06/2007 (clica aqui), venho dar-lhe todo apoio e parabenizá-lo por esculachar com esses "professores" que nada fazem para sanar os verdadeiros problemas da escola, afinal, eles estudaram para que, não é mesmo?! Além disso, eles ganham mais do que o suficiente para suprir, com tremenda criatividade, todos esses imensos buracos que as políticas sociais não alcançam fazer por nossas crianças.
Portanto, faço minhas, as suas inspiradas e respeitosas palavras. De agora em diante, os antes, amados e temidos PROFESSORES, que de uns tempos pra cá já eram chamados de TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO, por uma moderníssima visão sindical, sem aquela pompa, aquela antiquada visão que mitificava nossa profissão, serão chamados de BANDO DE IGNORANTES!!!!
Dedico, então, a todos os professores - perdão – a todo esse BANDO DE INNGNORANTES com quem, uma vez, estudei e que me conduziram, apesar das anemias que tive, as cáries (verdadeiras panelas, cavernas dignas de um estudo espeleológico), problemas de vista etc. até o Mestrado e, com sorte, quem sabe um Doutorado, os meus mais sinceros aborrecimentos. Eles nos meteram medo, realmente, porque nos 200 dias letivos de cada ano, só compareceram às aulas para assinar o boletim com caneta vermelha, impiedosamente nos reprovando a todos nós, criatórios de vermes e outras doenças. Eles foram nos cultivando e torturando, distantes, impiedosos, frios e muitos, até, verdadeiros psicopatas, BANDO DE INNNNNNGNORANTES!!! E digo mais, porque não tenho o pudor do colega GD de dizer que esses professores são, mesmo, uns ABUTRES REPROVADORES, CARNICEIROS DA MISÉRIA HUMANA, OPERÁRIOS DA DESGRAÇA INFANTO-JUVENIL, SACANAS, INDECENTES, PEDÓFILOS, TERRORISTAS!!!
Por que não nos passavam?!! Para que nos reter tanto?!! Que fase anal foi essa que nem Freud explica?!! O que eles ganhavam, nos torturando assim?!! Afinal, o que vale saber contar, ler, escrever, entender os problemas do mundo, fazer as operações fundamentais, diante da beleza e pujança da descoberta da VIDA?!!! Aquelas coisas, a gente já aprende brincando, no Orkut, navegando na Internet, mandando recadinho no celular, rebolando num show de uma Tati Quebra Barraco!!! Digo ainda muito mais, porque não tenho mais escrúpulos e quero ver essa corja, essa maldita e anacrônica "profissão" acabar de vez. Não é preciso mais estudar porcaria nenhuma!! Tudo isso se aprende até por osmose, com um IPOD no ouvido, o dia inteiro, até mesmo sem professor (DESCULPEM!) sem esse CANCER DA SOCIEDADE, sem esses BANDOLEIROS DA IGNORÂNCIA!!!
Afinal de contas, se não fossem eles, esses desnaturados CHUPA-INFÂNCIAS, esse mundo não teria se desenvolvido tanto e estaríamos agora, felizes, vivendo nas matas, nas cavernas, de preferência, sem aquelas pinturas rupestres horrorosas, feito por proto professores (DIDASCALUS IMBECIlIS) que nem sabiam pintar direito. Já repararam como eles desenham quando inventam fazer uma simples ilustração ou coisa parecida, no quadro-negro?!! Com tanto tempo ocioso e ganhando tão bem, poderiam, pelo menos, preparar melhor suas aulas, tornando-as mais interessantes para alunos raquíticos como nós. São tantos recursos didáticos avançados oferecidos nas Escolas Públicas, por aí!!! Internet "bunda larga", rapidíssima, tem aos montes e nunca são usadas. Mas, não, não, NÃO!!! Eles, esses debilóides preferem irritar nossos ouvidos com aquele giz rasgando o quadro, nos matando de escrever idiotices, enquanto ficam maquinando, se deliciando, pervertidamente, em imaginar diferentes formas que irão nos humilhar, pobres, abandonadas e inocentes criaturas, retirando nossos escassos pontos dos nossos já anêmicos corpinhos.
É preciso mesmo acabar de vez com essa CULTURA DA REPROVAÇÃO!! Nada justifica reprovar um aluno! Se não aprendeu a ler, nem escrever, nem fazer contas, interpretar, entender o mundo, em doze anos, numa escola com esses BILTRES, essas BESTAS DO APOCALIPSE, não vai mesmo aprender COISÍSSIMA ALGUMA!!! Pra que gastar mais dinheiro com coisa tão inútil e degradante?!! Melhor jogá-los, alunos e prof... (ops!) na rua, que o tráfico, as profissionais do sexo, os empresários, os políticos, os escritores, os terroristas, os padres, pastores, os DJs, os médicos, os sites pornográficos e de trabalhos prontos, os técnicos de futebol, os jornalistas, os marqueteiros, os sindicalistas, os corruptos, o trânsito irão dar conta deles e a ESCOLA DA VIDA irá ensiná-los muito melhor!! E sabe por quê????
Simplesmente porque eles não são essa CAMBADA DE VICIADOS que só sabem inventar prova, para-casa, trabalhos, gincanas, festivais, todo tipo de coisa que até a gente odeia e que faz tão mal à inteligência emocional, um jiló didático para os desamparados alunos. Antes a gente tivesse um MacDonalds do conhecimento como o Show do Milhão cheio de peladonas, bonecas Samambaia, estimulando nosso córtex, fazendo um strip-tease educacional. Não!!! A gente tem que agüentar aquelas múmias paralíticas, roucas, grisalhas, antiquadas, babando, dizendo o que devemos ser e fazer. Ensinando valores, vejam só, até parece!!! Acontece que os outros, profissionais de verdade, não são como esses estúpidos CHEIRADORES DE PÓ DE GIZ, VAGABUNDOS, OCIOSOS, eles, cheiram, fumam, tomam só o do Bom e do melhor!!!! São tudo CB, "Sangue Bão", e nunca puseram os pés numa sala de aula para dar uma aula sequer, a não ser, é claro, para serem torturados pelos tais... – que perdoem ter que dizer mais uma vez – professores. Por isso, eles entendem tanto de educação!!! Né, GD?!!!

O sem vergonha, ignorante, idiota, estúpido, reprovador, crítico, ainda
professor Woodson FC

O link para o artigo "Socorro" , Pensata, Folha On Line é


http://www1.folha.uol.com.br/folha/dimenstein/colunas/gd050607.htm

sexta-feira, 25 de maio de 2007

Audiência Pública: Prestação de Contas Orçamentária do Município e da Câmara Municipal referente ao 1º quadrimestre deste ano

ARNALDO GODOY - e_mail
CONVITE

A Comissão de Orçamento e Finanças Públicas da Câmara Municipal de Belo Horizonte realiza Audiência Pública na quarta-feira da semana que vem dia 30/05/07 às 10hs no Plenário Camil Caram para discutir a Prestação de Contas Orçamentária do Município e da Câmara Municipal referente ao 1º quadrimestre deste ano.

Participe, de sua opnião e verifique se os recursos do Município estão sendo bem aplicados.

Contamos com a participação de todos na fiscalização na Execução Orçamentária.

Aproveito para informar também que começa a tramitar na Câmara Municipal a Lei de Diretrizes Orçamentárias. Sendo assim é o momento ideal para a sugestão de emendas que podem ser incluídas por meio de nosso mandato. Aguardo sugestões.

Um abraço,

Vereador Arnaldo Godoy
Presidente da Comissão de Orçamento e Finanças Públicas

quarta-feira, 4 de abril de 2007

Raptaram a Princesinha da Pampulha!!!

Raptaram a Princesinha da Pampulha!!!

Quem não conhece a Princesinha da Pampulha que fica em frente ao Mineirão e ao CEU (Centro Esportivo Universitário) ?

Pois é, faz mais de 25 anos que ela está ali. Um antigo caminhão com os pneus furados, que, além de ser parte da história de todos nós, freqüentadores e turistas da região, sempre matou a nossa sede, nos servindo um delicioso caldo de cana e uma água de coco fresquinha, entre outras coisas, com a maior presteza, bom humor e honestidade que só o Paulinho, pessoa trabalhadora, pode oferecer. É graças a ele, que a fama desse ponto se mantém, um velho conhecido dos freqüentadores da região. Com ele ali, nos sentimos mais seguros, pois ele observa tudo que acontece no entorno e dificilmente há roubos ou assaltos, quando o Princesinha está aberto, mesmo quando os flanelinhas não aparecem. Paulinho é uma pessoa que também se incorporou à história da região da Pampulha, como Dona Filomena (a flanelinha de uns 90 anos) e a Dona Clorina (que vende frutas em frente ao CEU!). Seu caminhãozinho é parte desse cartão postal. Além disso, ele é um anfitrião que faz questão de conhecer seus fregueses e quando chegamos, vai logo nos servindo, antecipando o gosto particular de cada um.

E aí, um belo dia, tudo isso acaba, sem mais nem menos. Só porque um fiscal da Prefeitura resolveu que ele não podia mais trabalhar ali. Foi na última quinta-feira, dia 29 de março de 2007, quando ocorria um festival de confusão e roubos no Mineirão, na noite de mais um dos tantos eventos que ali acontecem.

Os ladrões, se foram presos, já devem estar soltos, assaltando livremente. Já o nosso amigo Paulinho, vai fazer o quê? Roubar? Certamente que não! Sem esse "point", a Pampulha ficará mais triste, um mero lugar cada vez mais cheio de frios monumentos históricos, de história morta, pois a história viva da região vai, aos poucos, cedendo lugar a amplos espaços vazios, perigosos de transitar, impessoais, desertificados, meras fotos de cartões postais ou de trágicos momentos da imprensa marrom. A Pampulha perdeu mais um que cuida realmente dela, que é parte da sua verdadeira alma e essência, como um Jucelino ou um Oscar, também, foi um dia.

Perdeu parte de seu charme, aquele velho caminhãozinho de pneus furados, a Princesinha da Pampulha, palavra remanescente de uma cultura em extinção que enfeita os pára-choques de caminhão. Esse caminhão desafia as obras e espaços monumentais dali - a lagoa, o Mineirão, lembrando que eles foram feitos para o deleite diário do cidadão que vive perto ou transita por ali, seja o catador de latinha, o flanelinha, o torcedor, o trabalhador, a Dona Clorina ou o velho presidente da república, não só para ficarem eternizados, inertes, estupidificados por insensíveis gestores que não sabem o valor da memória das pessoas comuns que, com seu trabalho honesto, fazem, preservam e guardam a verdadeira história do lugar e sabem o valor que ela tem.

A Princesinha da Pampulha é símbolo disso, cristalizado na forma de uma fábula ou uma lenda, de um Ulisses contra o Ciclope, que nós, cidadãos dessa cidade, podemos reescrever. É a história de um popular amigo, decente, honesto e trabalhador contra os desmandos, a insensibilidade de um imenso poder distorcido que já deixou, faz muito tempo, de ser público e agora só serve aos interesses de poucos particulares, arrogantes e usurpadores!

Precisamos reverter isso! Devolvam a nossa dignidade, devolvam a nossa Princesinha!!!

Woodson Fiorini de Carvalho

segunda-feira, 12 de março de 2007

Pedagogia da Confusão

Texto que está no Portal Educação, reinaugurando o www.educacao.pro.br

Por favor, leiam e repassem se concordarem.

Caso queiram escrever uma réplica ou aproveitar o Portal, não se acanhem.

_____________________________________________________

Pedagogia da Confusão ou "Os erros de juventude de Ioschpe"

Você pode ser jovem, mas não precisa, por isso, não saber das coisas. A não ser que esteja falando de modo falso, por ser mau caráter. Qual das duas opções é a do jovem Gustavo Ioschpe?

Caso eu fosse um anti-americanista eu diria que sua formação nos Estados Unidos é que é a culpada dele não saber o que fala sobre educação em geral e sobre educação brasileira em especial. Mas não sou anti-americanista. Ao contrário, sou um filósofo que tem tudo a ver com os Estados Unidos. Por isso mesmo posso desmentir o jovem gaúcho que, em poucos anos de estudo, acha que pode fazer afirmações descuidadas na imprensa brasileira a respeito de educação. E, de fato, vou dizer o que ocorre com ele: os Estados Unidos possuem grandes filósofos, grandes cientistas mesmo, grandes músicos e atores. Todavia, quando seus economistas pensam sobre educação o que produzem é um rol de frases desconexas que dariam vergonha a um John Dewey. Aliás, em geral os economistas americanos são muito pouco informados sobre como lidar com a educação de um modo qualitativo, e eles têm uma velha ligação com a corrente de pensadores dos Estados Unidos que, desde 1957, quis retirar a educação

americana de sua influência do liberalismo radical de Dewey. Os norte-americanos inteligentes do campo educacional que, enfim, não são ligados à economia, mas à filosofia da educação, não aprendem sobre o tema da educação mais nada que vem dos Estados Unidos quando o pacote é produzido por tecnocratas e economistas. Ao contrário, aprendem conosco. Por isso o livro Pedagogia do Oprimido, de Paulo Freire, já ultrapassou nos Estados Unidos a vigésima edição. Todavia, nós aqui, só somos anti-americanos para rechaçar o que é bom dos Estados Unidos. Quando aparece o que devíamos descartar, nós absorvemos. E a moda agora é ouvir um Gustavo Ioschpe falar em nome do Banco Mundial coisas do seguinte tipo. Vejam:

"Dos estudos mais sérios sobre o assunto, depreende-se justamente o contrário: eles mostram que o professor brasileiro está longe de ser discriminado no mercado de trabalho. Esses profissionais recebem, no Brasil, o esperado para pessoas com as suas qualificações e com a mesma rotina de trabalho. Se a classe docente fosse realmente injustiçada, o magistério não seria uma das carreiras mais populares do país, com mais de 2 milhões de profissionais – número que só faz crescer." (Gustavo Ioschpe, na Veja – podia ser outra revista?)

Paulo Renato e Delfim Neto são economistas. Quando eles puseram a mão na educação – o primeiro diretamente, o segundo de modo indireto – todos nós sabemos o que ocorreu. Houve privatização indevida, massificação sem cálculo e piora do sistema. Agora, mais essa novidade: um economista do Banco Mundial, extremamente jovem para ter as certezas que tem, começa a falar aos mais velhos, que o escutam por estranhas razões. Ele estudou, estudou, estudou e não aprendeu algo que os americanos ensinam bem: lógica. Ou aprendeu e usou o sofisma acima por má fé? Vamos desmontar o sofisma.

Vejam só: ele afirma que no Brasil os professores recebem o esperado, segundo o tipo de qualificação que eles possuem. Ele afirma, também, que se o magistério fosse injustiçado, não haveria crescimento da profissão, e no entanto, segundo ele, a carreira do magistério é a "mais popular no país". A "lógica" do jovem é a seguinte:

Enunciado 1: o magistério recebe o merecido – ele quem diz isso, e ele assume como verdade.

Enunciado 2: o magistério é a carreira mais popular no Brasil, só cresce – ele quem diz isso, e ele assume como verdade.

Enunciado 3: caso 1 não fosse verdade e, então, o magistério poderia ser visto como injustiçado, então 2 não ocorreria, ou seja, as pessoas não procurariam a carreira do magistério.

Para um economista, o "raciocínio" acima mostra só uma coisa: ele está aquém da fase das operações lógicas, registrada por Piaget como uma idade mental de mais ou menos nove anos. Pois como que ele pode dizer que o fato de uma carreira não ser atraente, do ponto de vista financeiro, é o que determina seu crescimento em número de adeptos ou não? Qualquer exemplo poderia mostrar que isso é um erro crasso. Por exemplo: há o adágio popular que diz que "o crime não compensa" e, de fato, as estatísticas mostram que os criminosos, na sua maioria, não usufruem do que roubam; e os criminosos já assistiram bastante os filmes que mostram isso, mas isso não determinou nunca, em tempo algum e em lugar algum o aumento ou não do número de pessoas que pegaram a carreira do crime. Outro exemplo: o "boom" da informática no Brasil criou uma "bolha". Em dez anos apareceram profissionais de informática no mercado e este não os absorveu para as funções que eles se formaram. Ainda assim,

continua a ser uma profissão buscada por muitos jovens. E o número de advogados que o país forma? Eles vão advogar, vão passar no exame da OAB e vão viver da advocacia? Veja, então, o vestibular da UFSCar para a carreira de "Imagem e Som". É concorridíssimo. É o vestibular mais concorrido do país. No entanto, o profissional de "Imagem e Som" vai trabalhar onde? Ora, os jovens não são tontos, eles sabem que estão optando por algo que não tem emprego! Mas eles estão optando por motivos outros que o financeiro – ao menos no momento. Eu poderia multiplicar os exemplos em que a determinação de uma escolha profissional ou, melhor dizendo, a escolha da busca de um diploma superior, em um país não está correlacionada com o que é mais atraente do ponto de vista financeiro. As pessoas fazem o que podem, não o que querem – todos nós sabemos isso. Todos, menos o Gustavo Ioschpe. E no caso do Brasil, bastaria estudar um pouco nossa história (ai de mim!) e ver como que a chamada

"carreira do magistério" foi enraizada em nossa cultura feminina, por um lado, e como que no Brasil o diploma de professor (de Pedagogia, principalmente) é requisitado para tudo, não necessariamente para ser professor, por outro lado. Além disso, o diploma de Pedagogia é um do*****ento tido como "fácil", exatamente pelo fato do curso em questão ter sido transformado em um curso massificado e descaracterizado, como o que está acontecendo agora, guardada as especificidades, com Direito e Administração.

Só há uma única coisa que faz com que exista relação entre esses dois elementos, êxito financeiro e escolha de profissão: o cérebro vazio de quem imagina que possa haver relação. Ou o jovem economista fez o sofisma, mesmo sabendo que qualquer um iria vê-lo como um tolo, por ser uma pessoa má intencionada? Não! Não, não creio. Creio, mesmo, que é um caso de incompetência mesmo. E não me espanta que ele se apresente com títulos americanos – sei bem como esses títulos são tirados nos Estados Unidos e como é o tal "mestrado" lá. Gosto dos Estados Unidos e conheço a vida americana em detalhes. Títulos americanos não me enganam (nem os títulos franceses ou alemães, cada país tem o seu "jeitinho brasileiro"). Não estou dizendo que não estudou. Pode ter estudado sim – mais ou menos. Mas estudou a coisa errada e do modo errado. Economia? Não, não, isso é a parte mais fraca dele. Ele não tem raciocínio lógico correto, é capenga.

Não acredito em "teoria da conspiração". Não acho que o Banco Mundial e o "imperialismo" pegaram o jovem economista como agente, propositalmente. Todavia, ele está servindo, sim, de agente. Não do "imperialismo", é claro, mas da confusão. Ele é um agente da confusão. Ele, com sua formação acadêmica fraca, está servindo aos que querem negar que no Brasil há um descuido com o salário dos professores e, pior, um descuido que é de fato um ponto central na nossa política educacional. Então, nesse sentido, ele, querendo ou não, é uma pessoa que causa desgraça – é uma erva daninha. Ainda que de modo não intencional, ele serve exatamente aos que, no Brasil e no Exterior, preferem que nosso país continue como está em educação. Caso o MEC venha a escutar o jovem, pode querer propor a tal "capacitação em exercício", ou seja, fazer com que os professores, já humilhados salarialmente, venham a gastar os fins de semana em cursinhos maçantes.

Mas, vamos voltar, ainda, ao "raciocínio" do Gustavo. Os enunciados que ele coloca em jogo são da cabeça dele. Ele diz que tirou de "estudos", mas não cita e, quando citar, duvido que vamos poder confiar. Pois veja o modo como ele enuncia números, que é o modo obliquo, para criar confusão:

"E nessa conta os docentes brasileiros aparecem numa situação mais favorável: enquanto eles recebem salário 56% superior à média nacional, nos países mais ricos a remuneração dos professores é 15% menor" (ainda o mesmo Gugu, na mesma Veja)

O que ele quer dizer? Ele faz um tortuoso esquema para dizer que os países mais ricos pagam menos aos seus professores do que o Brasil, proporcionalmente em relação ao salário médio nacional. Mas qual a razão dele, um economista, não ter fugido só da aula de lógica, mas também da aula de história? Sim, pois se ele tivesse estudado história (de lógica, já vimos, ele é ruim), ele não poderia comparar os países desenvolvidos conosco. Pois os países desenvolvidos já são desenvolvidos. Em geral, eles acabaram (ou reduziram muito) com o analfabetismo antes do final do século XX. Somente os Estados Unidos é que completou tal façanha no século XX. A Alemanha, por exemplo, antes mesmo de existir como país, tinha 0, 003% de analfabetos.

Quando olhamos os gastos de um país com a sua educação, temos de fazer isso olhando a história e vendo, também, a produção da literatura pedagógica do país. Qual a razão de tal comparação? Historicamente, países que possuem uma economia que não está em crise profunda (ainda que nunca seja uma economia em crescimento), e que possuem o problema educacional básico não resolvido, produzem muita literatura pedagógica. Os germânicos produziram isso nos séculos XVIII e XIX. Os Estados Unidos tiveram o maior filósofo da educação mundial do pré I Guerra – John Dewey. O Brasil deu ao mundo a produção de Paulo Freire após a Segunda Guerra. Vejam: isso é correlato ao fato do problema educacional ser percebido no país em questão, e o país ter condições, ao menos teórica, de resolvê-lo. Alguns, em tal momento histórico, investem e, então, a teoria e a prática se casam. Foi o que ocorreu na Europa no século XIX e nos Estados Unidos no século XX. Foi o que parecia que ia ocorrer no

Brasil antes de 1964. Não é o que ocorreu no Brasil. Não é o que ocorre. Temos teoria, mas nossa prática não anda. E não anda exatamente pelo fato de que nossa teoria é barrada por pessoas como o Gustavo Ioschpe. Todos nós, da filosofia, dizemos: estamos de posse dos métodos, falta agora dinheiro para uma condição de vida boa para os professores e, então, vamos "fazer e acontecer". Ora, nós, que amassamos o barro da escola pública, lecionando na zona rural e urbana nesse Brasil (coisa que o Gustavo não tem a mínima idéia do que é), sabemos que se o professor brasileiro tiver uma condição de vida um pouco melhor, damos um salto inimaginável. Mas o que acontece? Aparece aí alguém dizendo: não, não, não é essa a questão. Hoje, quem faz esse papel, é o Gustavo.

Gustavo Ioschpe não sabe nada disso, pois é muito menino. Mas eu já vivi bastante e estou há trinta anos pensando a filosofia e a filosofia educação no Brasil, e já passei por muitos momentos onde esse tipo de gente, como ele, é inflado pela mídia para criar confusão. É música nos ouvidos dos dirigentes e dos ricos o que ele fala. Não é à toa que ele apareceu nessa hora e fala o que está falando. Então, ele imagina que o êxito que está tendo, ao ser convidado para falar ali e aqui, é devido ao que ele estudou. Mas ele não estudou. Ele tem uma formação fraca – fica visível isso no sofisma que montou, acima exposto. E seu êxito advém do fato de que está falando o que alguns dirigentes – que não querem investir na melhoria de vida dos professores – querem ouvir. Mas isso passa. No futuro, vamos voltar a ler Paulo Freire, Anísio Teixeira, Monteiro Lobato, Fernando de Azevedo e, enfim, Gustavo Ioschpe desaparecerá. Mas enquanto puder, ele irá fazer estrago. Já apareceram

outros iguais a ele no passado. Alguns, tivemos de botar para correr, pois iam acabar de vez com a profissão do magistério caso continuassem a falar.

Paulo Ghiraldelli Jr.

"O filósofo da cidade de São Paulo"

Mestre e doutor pela USP em filosofia, mestre e doutor pela PUC-SP em filosofia da educação. Livre docente e Titular em História e Filosofia da Educação pela Unesp. Editor, em Nova Iorque, da Contemporary Pragmatism. Paulo Ghiraldelli Jr., entre tantos livros, publicou em 2007 o Filosofia da Educação (São Paulo: Ática, 2006), e em 2006 o História da educação brasileira (São Paulo: Cortez, 2006). É articulista da Coluna "Olho Grego", em filosofia, da Revista Filosofia, Ciência e Vida, da Revista Flash e, na revista Profissão Mestre, faz a coluna especial "Click Filosofia". É fundador e coordenador do GT-Pragmatismo e filosofia americana da Associação Nacional de Pós-graduação em Filosofia (ANPOF).

Paulo Ghiraldelli Jr.

O Filósofo de São Paulo

Site: www.filosofia.pro.br

terça-feira, 6 de fevereiro de 2007

Reunião de representantes - dia 08

REUNIÃO DE REPRESENTANTES DE ESCOLAS:


DIA 08/02/07, QUINTA-FEIRA, NA SEDE DO SIND-REDE

MANHÂ: 08 HORAS;

TARDE: 14 HORAS;

NOITE: 18:30 HORAS;

PAUTA: ENSINO MÉDIO; CALENDÁRIO 2007; LIBERAÇÕES SINDICAIS; CAMPANHA SALARIAL 2007;

Prof. Geraldinho
E. M IMACO e Diretoria Sind-REDE

domingo, 4 de fevereiro de 2007

Jornal Estado de Minas - 04.02.2006

Prefeitura - Nenhuma escola de BH será fechada

Lia Lombardi - Gerente de Comunicação Social da PBH - Belo Horizonte

"Em resposta às carta das leitoras Gislane Gana e Cristiane de Oliveira, a Prefeitura de Belo Horizonte informa que reservou 10 dias do calendário escolar para a formação profissional e planejamento de atividades, o que não implica em aumento da carga horária do professor. A nomeação de diretores e vices das escolas municipais e unidades de educação infantil foi publicada no Diário Oficial do Município (DOM), dia 20/1. Dos 384 eleitos pelas comunidades, sete aguardam julgamento de processos (Portaria 147/06) que viabilizam a candidatura aos cargos de direção. Mais: a PBH não vai fechar nenhuma escola e a transição dos alunos do ensino médio para a rede estadual dar-se-á de forma gradativa. E nenhum professor vai perder o emprego, porque são todos concursados, efetivos e estáveis."

sábado, 3 de fevereiro de 2007

É mole?

E hoje saiu uma matéria horrorosa no Estado de Minas dizendo que os professores do estado resolveram aderir aos da prefeitura, e só começarão as aula em 5 de fevereiro.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2007

É FOGO.

Não é brincadeira. O início do ano 2007 é bastante ilustrativo sobre os métodos rasteiros utilizados pela Administração contra os professores desta rede municipal.
Retornamos às Escolas, em clima de castigo, com o aumento abrupto de nossa carga horária, que se estendeu pelo mês de Janeiro. O aumento da jornada, como se isso só já não bastasse, vem acompanhado de uma convocação arrogante e autoritária. Fomos surpreendidos, em nossas casas, com uma convocação intimidatória. A Dinâmica sugerida pela SMED nos cursos de formação dos dias 31 de Janeiro e 01 de Fevereiro seguem a lógica da repetição, da mesmice, do burocratismo e do vazio. Nada de novo, além do exercício da prepotência dos burocratas de plantão, que querem mesmo, sistematicamente, é nos ferrar. Pura pirraça e demonstração de força. Além do mais, querem que façamos outra vez, papéis de palhaços. Acha que é exagero?? Pois não é. Antes dos encontros com o pessoal das GEREDS, recebemos nas Escolas, uma horrorosa "Agenda do Professor". Muitos colegas, inocentes ou iludidos, se alegraram com o presentinho de início de ano, que a Prefeitura e a Sra. Maria do Pilar, mandou para os professores, com cores vibrantes e material de boa qualidade, para que possamos lembrar sempre que nosso calendário, desta vez, conseguiu superar todos os antecessores, em tamanho. A Agenda, neste sentido, é um marco. Um marco da humilhação, a que historicamente, vimos sendo submetidos. Para coroar a tentativa de afrontar, abater, o Prefeito e a Secretária, assinam uma carta dirigida aos educadores da cidade, onde afirmam que: " A agenda que colocamos em suas mãos objetiva facilitar o planejamento, levando em conta os compromissos e as reflexões que o ato de educar implica. (...) Com a agenda, reafirmamos o compromisso com a educação de qualidade que estamos construindo na escola pública municipal." Perceberam caros e nobres colegas? Querem fazer chacota. Imagine a frustração daqueles pobres coitados que um dia se iludiram com o abono recebido no ano passado. Sobrou uma agenda. Não podemos permitir que a construção de uma escola pública de qualidade, se dê através do aumento da jornada dos professores e de agendas que caçoam de nós. Talvez fosse interessante se pudéssemos, em um organizado ato público, devolver para o Prefeito e para a Senhora Secretária, todas as agendas recebidas. Um grande ato, onde centenas delas pudessem ser devolvidas, ou quem sabe, até mesmo, queimadas. Talvez fosse uma demonstração de que não nos vendemos por tão pouco e que não podemos mergulhar tão raso. O fogo ilumina e purifica. As chamas reanimam a alma. Lancemos as cinzas ao vento.

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2007

REUNIÃO DO ENS. MÉDIO NO IMACO - NOTAS...

Ontem, na reunião do Ensino Médio no IMACO com a SMED, os docentes do Barreiro e de algumas outras regiões da cidade comunicaram a decisão da categoria de iniciar o dia primeiro com alunos e a adesão de boa parte das escolas a esta deliberação. Isto não quer dizer, creio eu, que a maioria das escolas vá cumprir, mas que parcela considerável vai, criando um problema para a PBH: o ano letivo não iniciará num único dia em toda a RME.

Denunciamos também o autoritarismo de PiLLar, SMED e PimenteLL que anunciaram portaria sobre calendário no apagar das luzes do ano de 2006, para evitar reações da categoria e o anúncio extemporâneo de encerrar o ensino médio na REDE PELA IMPRENSA, sem conversar com pais, estudantes, trabalhadores e sequer com o Conselho Municipal de Educação.

Quanto a portaria, cremos que o que está por trás é a vontade da PBH de diminuir os dias de recesso até o mínimo permitido: 45 dias anuais. Aumentaria-se assim os dias trabalhados sem nenhum acréscimo ou reajuste salarial. Querem de quebra anular a bobagem que fizeram ao inviabilizar as reuniões pedagógicas.

Outra coisa importante foi a denúncia da não liberação dos dezoito diretores sindicais do Sind-REDE eleitos democraticamente, tratamento diferente do que a PBH dispensa aos sindicatos mais afinados com sua política, como o Sind-UTE Estadual.

A representante da PBH, ex-professora Áurea, disse desconhecer se o Sind-REDE tem filiados o que é uma contradição, pois se eles - PBH - apontam a liberação de sete diretores baseando-se no alegado número de filiados, como afirmar que desconhecem A EXISTÊNCIA DE FILIADOS?

Esta representante da PBH, ex-professora Áurea afirmou se sindicalista e filiada ao Sind-UTE estadual. Debitou na nossa conta o fato de não termos negociação ainda com a PBH. Tem base?

Entre outras bobagens e contradições ditas na chamada noite de formação proposta pela SMED uma pérola: a SMED teria sido tão autoritária quanto o Sind-REDE, pois o sindicato teria anunciado o início do ano letivo para dia 01/02 ISOLADAMENTE numa assembléia.

Traduzindo: para defender a PBH, ela reconhece o autoritarismo da mesma, confunde reunião coletiva da categoria com tomada individual de decisão e apela para falácia muito usada por políticos ao estilo Maluf: atacar para não responder a uma crítica. É muito para uma ex-sindicalista, não? Mesmo se considerarmos a forja na qual a ex-professora foi moldada....

Prof. Geraldinho - direção colegiada do Sind-REDE e E. M IMACO

quarta-feira, 31 de janeiro de 2007

Pagamento PBH

Pagamento do mês de janeiro: 7(sete) de fevereiro/2007.

terça-feira, 30 de janeiro de 2007

RME BH na imprensa + décimo quarto salário deLLes.

saiu na imprensa:

No Estado de Minas de hoje, 30 de janeiro, notícia sobre o recuo da PBH/ PiLLar no seu anúncio de não receber mais matrículas de Ensino Médio em 2008. Agora PiLLar diz que a estadualização será gradual;

No Jornal da Alterosa, de hoje, primeira edição, em matéria que trata do mesmo assunto acima - redução do Ensino Médio na Rede, estudantes e pais da E. M Salgado Filho falam de sua preocupação. Ana Márcia da direção colegiada também dá depoimento;

No O Tempo de hoje: publicada matéria com nossa colega professora Modesta, ganhadora do concurso de Contos do referido jornal. No dia 10 de fevereiro será publicado o conto vencedor de autoria da nossa colega de RME. Parabéns Modesta. Pelo prêmio e pela sua inestimável contribuição a causa da Educação Municipal!!!

No DOM de hoje, mais uma vez se publica nas entrelinhas o décimo quarto salário de PimenteLLL, PiLLar e do secretariado. Leiam na prestação de contas do quarto trimestre de 2006. Notem que em Fevereiro e Outubro, os subsídios do prefeito, do seu vice e dos titulares das secretarias dobra. Seria interessantíssimo conseguir os contracheques desta turma e publicar!!!

Abraço a todos.
Geraldinho.
E. M IMACO e diretoria do Sind - REDE.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2007

Assembléia - Dia 29/1

A Assembléia definiu que as aulas terão início no dia 1º de fevereiro. Será feita uma chamada na mídia. Foi votado que amanhã e depois serão dias escolares, dentro das escolas. A secretária enviou uma carta aos/às professores/as citando leis dedicadas à formação e planejamento. No nosso entendimento, o planejamento e a avaliação acontece no decorrer, quando conhecemos os/as estudantes. Não se avalia o desconhecido, não se planeja sem saber para que tipo de estudante. Cremos que, realmente, estão matando a pedagogia. Carecemos de pessoas no poder que entendam de avaliação, planejamento, professores/as e estudantes. Que o prefeito consiga reverter a situação. Quando se dá poderes ilimitados para cargos de confiança, corre-se o risco de, a qualquer momento, estatelar-se no chão.

sábado, 27 de janeiro de 2007

más novas para 2007

A PBH está assumindo de vez o papel de madrasta malvada do funcionalismo e em particular dos trabalhadores em educação. As más novas se multiplicam e agora PimenteLL , PiLLar e cia não buscam mais esconder a raiva e o revanchismo para com o Sind REDE, os docentes e a educação municipal. Eis um resuminho da caixa de perversidades aberta pelos representantes do Partido dos TraPalhadores:

1- acréscimo de mais dias de trabalho - entre oito e onze no mínimo - no calendário escolar 2007, isto sem um centavo de reajuste sequer;

2- retirada do bolsa esmola - abono - para os que escolhiam, premidos pela penúria, trabalhar aos sábados. Significa que agora nas reuniões de sábados não haverá mais distribuição do pirulito pecuniário para engabelar os docentes e demais servidores. Em 2006 ia quem queria receber o abono. Em 2007, irão todos?

3- desmarcada por telefone a reunião de negociação, agendada no início de janeiro para o dia 25 do referido mês, para tratarmos do calendário escolar;

4- Para coroar: a PBH, via fax, comunicou que as liberações sindicais para o Sind-REDE serão sete - 07 . Até 2006, contávamos com 24 diretores, sendo 18 liberados para organizarmos nossa luta. A dupla PimenteLL e PiLLar joga pesado com os trabalhadores e abre a mão, cada vez mais, para os empreiteiros, os publicitários, cargos de confiança e aliados.

Agora começo a entender a metereologia que previu 2007 como um ano quente em demasia....

Prof. Geraldinho
E. M IMACO - diretor do Sind- REDE BH

domingo, 21 de janeiro de 2007

Nomeação de diretores/as e vices de escolas municipais de BH

DOM de sábado, dia 20/01

"Nomeia para cargo em comissão de Diretor de Estabelecimento de Ensino e para função pública de Vice-Diretor de Estabelecimento de Ensino, para o biênio de 2007/2008, nos termos das Lei nºs. 5.796/90, 6.534/94, 7.169/96, 9.011/05, 9.232/06 e em conformidade com o Decreto nº 12.531/06, a partir de 01/01/2007"

Caso queira ver a situação de sua escola, acesse o DOM: Secretaria de Governo/ Atos do prefeito, (anexo) .

sábado, 13 de janeiro de 2007

Divisor 81

O grupo ganhou esta causa em 1991. Quem entrou primeiro com a causa (divisor 81), que teve grande repercursão, foi o professor e advogado Dante Turra. Depois o sindicato entrou, ganhando algumas e perdendo outras. Querendo observar o valor do abono busque os anexos do decreto no DOM de 13/01. Se o seu nome constar... Felicidades!
Modesta .

"DECRETO Nº 12.610 DE 12 DE JANEIRO DE 2007

Regulamenta os artigos 4º e 5º da Lei nº 9.310, de 12 de janeiro de 2007.O Prefeito de Belo Horizonte, no exercício de suas atribuições legais, considerando o disposto nos artigos 4º e 5º da Lei nº 9.310, de 12 de janeiro de 2007,
DECRETA:
Art. 1º - O abono temporário a que se refere o art. 4º da Lei nº 9.310/07 será pago aos Professores Municipais ativos e inativos, e aos pensionistas, que obtiveram provimento jurisdicional favorável e definitivo referente ao denominado "divisor 81", e que, expressamente, renunciaram ao recebimento do crédito judicial, por transação homologada em juízo, em parcelas mensais e sucessivas, a partir de janeiro de 2007, nos valores e prazos fixados nos Anexos I, II e III deste Decreto.
§ 1º - O valor do abono temporário a que se refere o caput deste artigo será reajustado anualmente, a partir de janeiro de 2008, pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor - INPC, acumulado dos últimos doze meses.
§ 2º - Observada a base de cálculo fixada nos Anexos I, II e III deste Decreto e a situação jurídica específica dos servidores e pensionistas que fizerem jus ao abono a que se refere o caput deste artigo, incidirá imposto de renda e contribuição previdenciária sobre os valores do abono temporário.
§ 3º - O abono temporário previsto neste artigo não se incorporará à remuneração do servidor, nem servirá de base para cálculo de adicionais, gratificações ou vantagens de qualquer natureza.
Art. 2º - Aos Cirurgiões Dentistas ativos e inativos, e aos pensionistas, que obtiveram provimento jurisdicional favorável e definitivo referente ao pagamento de adicional de insalubridade, e que, expressamente, renunciaram ao recebimento do crédito judicial, por transação homologada em juízo, fica concedido abono temporário a ser pago em parcelas mensais e sucessivas, a partir de janeiro de 2007, nos valores e prazos fixados no Anexo IV deste Decreto, com fundamento no art. 5º da Lei nº 9.310/07.
§ 1º - Observada a base de cálculo fixada no Anexo IV deste Decreto e a situação jurídica específica dos servidores e pensionistas que fizerem jus ao abono a que se refere o caput deste artigo, incidirá imposto de renda e contribuição previdenciária sobre os valores do abono temporário.§ 2º - O abono temporário previsto neste artigo não se incorporará à remuneração do servidor, nem servirá de base para cálculo de adicionais, gratificações ou vantagens de qualquer natureza.
Art. 3º - Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação."

Belo Horizonte, 12 de janeiro de 2007
Fernando Damata Pimentel
Prefeito de Belo Horizonte

segunda-feira, 8 de janeiro de 2007

Primeiro Plantão no Sindicato

Olá todos! Hoje é meu primeiro plantão no Sind Rede.

Estamos Maria Helena, eu e Klaus. Atendemos até agora - 13 horas e 15 minutos, duas colegas aposentadas buscando saber sobre reajustes para quem não está na ativa e uma outra professora querendo comprar uma agenda - creio que da Conlutas.

Professora Virgínia, da benjamim Jacob, ligou perguntando sobre a possibilidade de pós graduação pelo sindicato. Vamos estudar esta possibilidade cm carinho. Nos deixou também uma ótima notícia: é a mais nova mestra da RME. Foi titulada pela PUC Minas e defendeu tese que versa sobre Currículo, Inclusão e Diferença. Sua experiência com o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil - PET , com oficineiros do programa Fica Vivo e com a EM Benjamim Jacob foram importantes subsídios para esta conquista. Parabéns a nova Mestra Virgínia Coeli Bueno de Queiroz Matias!!!

Espero escrever neste fórum pelo menos uma vez por semana para dar notícias do sindicato e de nossas pelejas. Convoco a todos para debatermos e apontarmos caminhos para nossas lutas coletivas aqui neste espaço virtual. É chegada a hora - creio que até já passou da hora- de tomarmos nosso sindicato nas mãos e ditarmos o ritmo.

Acredito que nós diretores não somos os protagonistas da luta, mas facilitadores das demandas e reivindicações de todos. Daí não podermos atropelar e nem adivinhar as intenções da Rede, mas diagnosticar a realidade dos trabalhadores e ouvir, mais que interpretar, seus rumos e reais interesses.

Em tempo: A PBH, conforme o previsto, através de portaria, aponta 210 dias de trabalho para nós em 2007. Desta vez sem abono, como também já prevíamos. E sem sinal de reajuste a vista. Bem a cara de PimenteLL e cia. Bem nos moldes da escola plural; mais serviço, mais exploração do trabalhador. Menos salários e recursos.

Em tempo 2 : No dia 29 de Janeiro de 2007, as 14 horas no espaço Hórion teremos reunião pedagógica coletiva da Rede Municipal de Educação para tratar do assunto. Que faremos?

Em tempo 3: Fui voto vencido na proposição acima. Eu e mais seis diretores votamos por chamarmos reuniões nos três turnos. Para permitir que as pessoas do noturno e da manhã, que trabalham em outras redes e locais pudessem também participar.

Abraço a todos.

Prof. Geraldinho - diretoria Colegiada do Sind REDE - professor do noturno do IMACO.

quinta-feira, 4 de janeiro de 2007

Jornal Hoje em Dia

Não deixe de ler "Escola Plural faz dez anos sob críticas" - 31/12/2006

segunda-feira, 1 de janeiro de 2007

Pagamento

Mês referência: Dezembro
Data do pagamento: 09/01/2007