Professor, publique aqui!

Para publicar nesse blog envie E-mail p\ blogdoprofessor.postar@blogger.com Cc peutzenfc@yahoo.fr

Se for REGISTRADO publique aqui

Não é registrado no blog (registre aqui)



RECUPERADOS 2008 e 2007

 PUBLICADO EM
31/12/08 18:45
Fim da Escola Plural?
de Modesta Trindade Theodoro
Educação
Escola Plural será extinta na nova gestão

O prefeito eleito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, demonstrou ontem
mais uma vez um descontentamento com a política educacional da
administração municipal nos últimos anos. Ele criticou a Escola
Plural, modelo implantado pelo PT desde 1993.

“É um projeto que não foi bem-sucedido e nós queremos encerrá-lo”,
afirmou.

Lacerda negou que estaria com dificuldades de encontrar um nome forte
do PT para a secretaria. O primeiro nome seria de Jorge Nahas, mas ele
foi mantido na secretaria de Políticas Sociais, outra pasta
estratégica para os petistas.

“A história da educação de Belo Horizonte nos últimos anos está ligada
ao PT e o partido tem a tarefa de melhorar o ensino fundamental”,
considerou.

O nome de Macaé Evaristo aparece como interina, mas Lacerda fez
questão de defendê-la e quer que ela seja efetivada. “É uma pessoa
muito qualificada e seria bom tê-la do nosso lado”, disse. (RG)

Publicado em: 30/12/2008 ( O Tempo)

Interessante a postura do prefeito eleito, mas contraditória a escolha da secretária Macaé. Se Márcio quer o fim da Escola Plural por que escolher alguém que é totalmente aderente a esta proposta de escola?

 PUBLICADO EM
30/12/08 16:46
Pagamento e 1/3 de férias
de Modesta Trindade Theodoro
O pagamento referente a dezembro PBH) será creditado no dia 7 de janeiro de 2009, quarta-feira. Lembrem-se de que para funcionários cujas férias são em janeiro haverá o pagamento de 1/3 das férias (vide Constituição). O último virá junto ao pagamento.

Feliz 2009 para todos. Tudo de bom.

 esta Trindade Theodoro
 PUBLICADO EM
28/12/08 20:07
O PLANALTO TE ESPERA
de Modesta Trindade Theodoro
Muito tem se falado, e mal, da educação brasileira; do seu baixíssimo nível, decorrência do pouco caso dos nossos governos, principalmente do atual, cujo chefe se vangloria pelo fato de ter, sem estudar, chegado aonde chegou. O Brasil é um país em que qualquer um pode ser presidente - são palavras dele. Mas, não tenham dúvida, ainda há os que achem ser a crítica a esse estado de coisas exagero daselitis; que não é bem assim, coisa e tal. Pois é para esses que transcrevo o teor de uma resposta a questão formulada numa prova de Biologia da segunda série do ensino médio. Por favor, não riam. Eu ri, confesso que ri, mas depois me arrependi. Me arrependi porque não é pra rir, é pra chorar. Vejam só:

 A questão, discursiva, pedia que os alunos "citassem e justificassem dois aspectos positivos e negativos dos fungos aos interesses humanos". Pois vejam o que um aluno escreveu:

 "Os fungos realmente são bastante nocivos aos interesses humanos. Fungando, uma pessoa pode estar inalando milhões e milhões de vírus e bactérias do ambiente em que se respira. Mas há também a utilidade. Uma boa fungada pode efetivamente retirar aquele catarro preso na garganta, sendo que quanto maior o som emitido pela fungada maior é sua eficiência e precisão na retirada daquela substância indesejada. Há quem diga que fungar é porcaria, mas pesquisas científicas revelam que, além de serem métodos eficientes, as fungadas fazem parte do dia-a-dia de pessoas em todo o mundo. É como diz a famosa frase: aquele que nunca deu uma fungada que atire a primeira pedra."

 Vá em frente meu jovem, quem sabe se, depois de dona Dilma, não seja você. O prestígio do homem está lá em cima. Cola com ele.


http://homeroviannajr.zip.net/
 PUBLICADO EM
28/12/08 19:44
PAULO FREIRE, AYRES BRITTO E O CONSTRUTIVISMO DA IGNORÂNCIA
de Modesta Trindade Theodoro
PAULO FREIRE, AYRES BRITTO E O CONSTRUTIVISMO DA IGNORÂNCIA
Percival Puggina
14/12/2008
Em 1996, já com quase 30 anos de formado em arquitetura e sem nunca mais haver retornado a uma sala de aula, decidi fazer vestibular para Jornalismo, só para ver o que aconteceria. O único livro didático que abri foi um que estava sendo consultado por minha filha, então se preparando para o ingresso no curso de Psicologia. Era, na verdade um livrinho, pouco mais que um caderno, sobre Literatura Brasileira. Fiquei curioso por saber como se podia enfrentar uma prova sobre o tema a partir de um folheto de tão poucas páginas. Seu conteúdo consistia num sumário de livros que mais nenhum estudante brasileiro lê, diga-se de passagem, e respostas a questões que poderiam ser formuladas a respeito. É admissível uma coisa dessas? Sim. Em qualquer outro lugar do mundo, não. Mas no Brasil é perfeitamente possível obter nota de aprovação num exame sobre literatura nacional sem precisar ler coisa alguma do que escreveram nossos grandes. Joguei fora o tal livro, entre escandalizado e repugnado, e levei meus já escassos cabelos, então grisalhos, para enfrentar o vestibular na Famecos da PUC. Tirei o primeiro lugar.

Essa curiosa experiência, se não me valeu para prosseguir no curso, que abandonei logo na primeira semana de aula por absoluta falta de tempo, serviu-me para identificar a perda de qualidade sofrida pela educação brasileira no espaço entre duas gerações consecutivas. Saltou-me aos olhos que a minha geração, a minha, politizada e ideologizada até a raiz dos pelos pubianos (em que pese tudo que se diga sobre a alienação introduzida pelos governos autoritários), quando chegou às cátedras, fritou o cérebro dos seus alunos em banha marxista. Multidões de professores abandonaram os conteúdos e partiram para a militância. Construíram a ignorância dos alunos, mas conseguiram seus objetivos doutrinários. Mentiram sobre história, optaram pelas piores vertentes do pensamento, abandonaram os clássicos e produziram uma geração onde só evoluíram aqueles que, voluntariamente, chutaram o balde e trataram de avançar por conta própria. Eles e seus pupilos alcançaram os postos de mando do país e continuam ideologizando tudo por onde passam: a universidade e o material didático nacional; o direito positivo em todos os seus níveis; as denúncias, as investigações e as sentenças; as notícias e as manchetes; o cinema, o teatro, as artes, a música popular e o escambau. Lembram-se do que escrevi, há poucos meses, sobre aquele professor de matemática que, defendendo tese de mestrado, discorreu sobre o papel da sua disciplina na formação dos intelectuais orgânicos? Pois é.

Foi assim que, assistindo a leitura dos votos no julgamento do caso Raposa Serra do Sol pelo STF, pude me deparar com as delirantes abstrações da realidade com que nossos ministros se puseram a decidir. Para transformarem a reserva indígena num paraíso às vésperas da perdição faltou nada. O momento culminante do julgamento ocorreu quando o versejador sergipano Ayres Britto, em apoio a Eros Grau que falava sobre a sabedoria dos indígenas, lascou, citando Paulo Freire: “Não existe saber maior ou menor; existem apenas saberes diferentes”. De fato, aquelas tribos praticam o infanticídio, o ministro defende o aborto, e viva Paulo Freire.

Eis aí, tout court, num verdadeiro safanão à inteligência, o resumo da causa e a alma da decisão já bem engatilhada contra a soberania brasileira na Amazônia. A culminância do relativismo. Não é que já não mais existam verdade e mentira, nem certo e errado, fora da conveniência ideológica. É negada existência à própria ignorância, transformada em cada vez mais comum forma de saber. Tomas de Aquino e Frei Betto, Beethoven e Mano Brown, Aristóteles e Marilena Chauí. É tudo a mesma coisa, ta entendendo mano?
 PUBLICADO EM
26/12/08 15:53
Discutindo o texto abaixo: "Aprovar quem não aprendeu?"
de WoodsonFC

Pessoal,Vamos discutir esse texto abaixo?!

Aprovar quem não aprendeu?


A tese que esse texto defende, baseado no estudo a que se refere, de que a "aprovação automática" é um mal menor que a reprovação me parece falaciosa.

Primeiro porque o autor parte do raciocínio aparentemente periférico no seu texto e certamente preconceituoso, que é a tese de que lança mão a atual gestão da SMED para negar todas as licenças para mestrado e doutorado, de que os trabalhos acadêmicos, em sua grande maioria, são um amontoado de bobagens e de que só alguns poucos trabalhos realmente são significativos. Ora, essa visão maniqueísta da função da pesquisa como algo que deve ser imediatamente útil e prático ignora intencionalmente dois aspectos muito importantes da essência de uma pesquisa e da produção de conhecimento:

O primeiro aspecto é de que muitas pesquisas são isso mesmo - uma luz de pirilampo - não brilham e nem parecem ter grande importância, mas associadas à outras luzes de outros pesquisadores insignificantes vão iluminando um caminho antes ignorado e esclarecendo aspectos que um dia podem mudar nossa visão e prática arraigada de algo como a "bomba" ou "reprovação". Foi preciso que muitos estudos insignificantes e que nem versavam sobre o assunto, a educação, demonstrassem que o aprendizado se dá por outros mecanismos que o da coerção e que esse mecanismo anacrônico da reprovação estava servindo como instrumento, muitas vezes, para a escola selecionar o aluno que de coagi-lo a estudar. Assim, foi preciso que pesquisas como uma hipotética e insignificante idéia de um doutorando estudar o "o uso de artigos definidos e indefinidos pelos falantes de uma variante do português numa dada tribo indígena" para que outros pesquisadores, fazendo estudos correlacionados, se dêem conta de que o aprendizado de uma língua envolve diversas questões antes ignoradas e que o seu ensino pode se dar de outras formas diferentes, com outro ritmo, tempo, prioridades. É graças a essas pesquisas, aparentemente insignificantes, fruto de elucubrações acadêmicas tolas, inúteis, que se pode demonstrar que uma coisa aparentemente simples de se aprender como o uso formal "correto" dos artigos envolve problemas e conhecimentos complexos da língua antes ignorados, pois o falante os ignora em estágios iniciais, já que a língua de partida do aluno tem um uso bastante diferenciado da variante padrão da língua final, e que, portanto, talvez se deva mudar a forma de ensinar as línguas.
Além disso, esse tipo de pesquisa, aparentemente hermética e inconveniente, pode nos levar a pensar em outras forma de ver a realidade, como ocorre em uma dada língua, que não me lembro agora qual, em que o futuro é representado como algo que está atrás de nós e o passado na nossa frente. Isso seria interpretado até a década de 50 como uma ingenuidade, um primitivismo por antropólogos. Acontece que os falantes dessa língua pensam que o passado é algo que já se vivenciou, portanto pode ser visto, daí ele estar representado como algo que está diante dos nossos olhos e que o futuro é uma incógnita, portanto está nas nossas costas, pois não podemos prevê-lo. Então,a doideira inútil de um pesquisador que teve o desplante de usar verba pública para estudar uma variante de uma língua praticamente morta e falada por uma população economicamente insignificante lançou uma luz de pirilampo que põe em cheque uma visão estática de mundo e abre possibilidades para novas interpretações e métodos que corroboram com essa tese de que não devemos simplesmente reprovar um aluno que não sabe usar os artigos em língua portuguesa, talvez devêssemos apenas mudar a forma de abordar esse ensino ou até não exigir mais que se aprenda isso para iniciantes. Dizer que uma pesquisa é válida ou não é desconhecer que a Teoria da Relatividade de Einstein jamais teria sido formulada sem os pequenos erros e acertos de pessoas que viveram muito antes de Einstein existir. Foram esses visionários amalucados, sem instrumentos estatísticos adequados, que não chegaram lá, que prepararam o terreno para que Einstein tivesse sua solução genial. Sem eles, provavelmente, a teoria da relatividade nunca teria existido.

O segundo preconceito é de que as pesquisas que se baseiam em dados estatísticos sólidos são necessariamente inqüestionáveis e que é a genialidade e idoneidade, honestidade do pesquisador que garantem a eficácia e legitimidade de sua pesquisa. Não necessariamente. A interpretação de dados, estatisticamente formulados, pode levar a, em um dado momento, por um dado pesquisador, com uma certa formação, a pensar que "sendo X portanto Y" e em outro momento, até pelo mesmo pesquisador, já com outra formação e convicção, a pensar "sendo X portanto NÃO Y". A Ciência nos permite isso, pois ela não é um dogma ou metodologia, ainda que seus pressupostos não sejam tão fluidos como querem alguns pedagogos e teóricos de teorias plurais. Ela nos permite contestar os próprios dados e a relativizar afirmações contundentes como as do autor do texto a que respondo, sem tirar o mérito do Cláudio de fazê-lo, apenas tentando mostrar um outro lado da moeda que vem sendo obscurecido por um raciocínio, que está por trás da tese da NÃO REPROVAÇÃO a qualquer custo, que tem por objetivo apenas economizar o dinheiro que deveria ser gasto com a educação para desviá-lo, a fim de atender compromissos eleitoreiros.

Assim, concordo com a tese de que a "reprovação" não seja o único caminho para melhorar o desempenho de nossos alunos, mas o fato de “aprová-los automaticamente”, eliminando absolutamente o critério do MÉRITO, também não o é. O fato explicitado pela pesquisadora de que o desempenho dos alunos não reprovados seja melhor que os dos reprovados não é suficiente para a adoção desse modelo a todo custo. Acontece que o aluno tem chegado, tanto em um, como em outro modelo, do mesmo jeito. Sua auto-estima não parece ficar melhor só porque está sendo aprovado. Tenho experienciado que eles têm até piorado, pois não internalizam critérios que o permitem se auto-avaliar e se auto-regular adequadamente. Os que apresentam problemas de aprendizagem terminam o primeiro grau com o conhecimento formal semelhante ou pior que um aluno de quarta-série ou segundo ciclo. No modelo antigo, esse aluno, provavelmente, abandonaria a escola. Estatisticamente melhorou, qualitativamente deu na mesma ou ficou pior, que resulta em desastre, pois o imobilismo de um aluno na escola (automaticamente aprovado) acaba contaminando os colegas (pois se esse aluno nada tem que fazer, alguma coisa ele fará, e atrapalhar os que estão superando-o é uma alternativa interessante de competição). O aluno continua sendo excluído pelo modelo da aprovação automática, já que após concluir os estudos será surpreendido com o fato de que a escola pouco ou nada contribuiu e até prejudicou suas chances de ter uma vida melhor. No antigo modelo, ele se viraria sozinho e buscaria uma alternativa autodidata para o seu fracasso escolar. No modelo da não reprovação, ao sair da escola, para entrar no glorioso hall das estatísticas, o aluno tem de lidar com, somado ao seu disfarçado fracasso escolar, com a frustração de ter de lidar com sua inexperiência, fomentada por anos de vagabundagem e, além disso, de aquisição de maus hábitos. Se ele aprendeu mais conteúdos que os das escolas que reprovam, não parece ser suficiente, pois, provavelmente, aprendeu muito mais coisas ruins que boas. A pesquisa deveria levar em conta ( se não levou) se os alunos ascenderam socialmente na vida, se consguiram uma colocação no mercado de trabalho melhor que os oriundos da escola que reprova, após o tempo escolar e não apenas compará-los com aqueles frustrados que insistiram ficar na escola, apesar das bombas que levaram. Esse deveria ser o foco de uma pesquisa que pretende avaliar o desempenho dos alunos!

Partir do preconceito de que as classes populares têm uma cultura que os leva a nunca se preocupar com o desempenho de seus filhos e que a reprovação só é eficiente com os filhos das classes média e alta é reproduzir o mesmo conceito, piorado, de que a "cultura da reprovação" usava para excluir os despossuídos que não alcançavam um bom desempenho nas escolas.

Aprovar automaticamente é desastroso, pois leva ao imobilismo social, das classes políticas, pois estatisticamente a educação parece ir bem, e das classes populares, pois essas não vêem (enxergam) seus filhos, nem participam ativamente da sua formação, pois eles estão trancafiados lá nas escolas, aparentemente sendo atendidos e educados, quando não estão. Aliás, estão até aprendendo coisa pior que em casa e nas ruas.

Assim, a aprovação automática de nada vale, pois a qualidade das escolas não melhorou com ela, pelo contrário. A ligeira melhora do desempenho dos alunos aprovados automaticamente não é suficiente para dizer que o modelo da reprovação está superado. O modelo da aprovação automática reconhece sua insuficiência, pois institui a reprovação no fim do ciclo, o que cria um problema ainda maior. De que adianta reprovar após três anos de fracasso? Quem poderá garantir que o aluno irá recuperar em um ano o que não aprendeu em três anos repetindo o último ano do ciclo? O fosso criado é ainda maior que aqueles que fracassaram por um ano apenas no modelo seriado.

Além do mais, o conhecimento adquirido nas fases iniciais da escolaridade é fundamental para o sucesso nas fases seguintes, pois as séries iniciais é quando a criança apresenta mais disponibilidade para aprender. Assentar alguns conhecimentos primordiais na fase inicial é fundamental para criar um alicerce sólido para permitir criar uma autonomia e autodisciplina do futuro aluno. Por isso que os ditos fracassados que abandonavam a escola, muitas vezes conseguiam se virar na vida, pois sabiam ler escrever minimamente e fazer as operações fundamentais. Caso contrário, eles aprenderiam a lidar com e superar sua deficiência mais tarde. Foi assim com meus pais e com os pais de muitos, oriundos de classes populares e de etnias socialmente discriminadas. Na época, a escola reprovava e excluía como fizeram com meus pais, que não completaram o primeiro grau. Contudo, eles já tinham autonomia e conhecimento suficiente, relativamente maior que aqueles que agora terminam o segundo grau ou se formam nas faculdades, para se virarem sozinhos, pois eles não ficaram atoa se alimentando de ilusões na escola plural. Eles aprenderam um ofício e se virariam mesmo que ficassem desempregados. Minha mãe aprendeu a costurar e meu pai foi um autodidata que estudou eletrônica em manuais escritos em espanhol já que o pouco tempo que esteve na escola permitiu que ele tivesse uma base para estudar o que quisesse aprender.

Assim, a escola não precisa apenas melhorar sua didática! Esse discurso joga para a escola e para os professores um problema que é da nação: o da INCLUSÃO SOCIAL.

É preciso criar escolas voltadas para atender as demandas de cada público, não porque eles são oriundos das classes populares que não cuidam da educação de seus filhos, mas porque qualquer aluno, independente da origem, tem demandas diferentes de acordo com suas habilidades, personalidade, experiência e a escola precisa fornecer (ou voltar a oferecer) essa variedade de formação. Além disso, a escola tem que ter profissionais, senão dentro dela, pelo menos disponíveis para oferecer um atendimento médico, psicológico, social, educacional adequado. São especialistas a que as classes abastadas têm acesso fora das escolas, que, para fazer economia, os governos afastaram do ambiente escolar após essas reformas educacionais inclusivas.

A base desse preconceito com a pesquisa que faz a atual política educacional ignorar instrumentos pedagógicos que se considera eficientes apenas para lidar com a burguesia, com a classe média em diante.
Eles ignoram que, como seres humanos, independente da origem, somos todos capazes de aprender com nossos acertos ou fracassos. O que precisamos é de um apoio e incentivo para superar os obstáculos, não eliminá-los artificialmente, pois eles não deixarão de existir por decreto de um governo, seja ele do PT, do PSDB, de que partido ou ideologia for.

O que devemos ser, é mais responsáveis com a forma de lidar com a EDUCAÇÃO, pois há muito que deixamos ela à mercê de modismos pedagógicos. As gerações não se recuperam ao fracasso de um insanidade metodológica desses modismos. Temos que dosar a aplicação dos instrumentos pedagógicos, coercivos ou não, ao indivíduo, de acordo com a sua tendência. Esses instrumentos devem estar disponíveis, à mão do professor e da escola, até mesmo, os mais radicais, o da reprovação, da suspensão, até da expulsão ou transferência, pois são os professores e profissionais que lidam diretamente com o aluno que podem verificar a adequação de sua aplicabilidade, de acordo com a condição que lhe é dada, que permita a possibilidade de recuperar ou dar seguimento adequado a educação de um aluno. Isso, nem a pesquisa, nem a estatística ou qualquer instrumento de intervenção nas escolas pode substituir - O PROFESSOR- e a escola vem fracassando ultimamente por ignorar o verdadeiro valor dele, negando-lhe autonomia e os instrumentos pedagógicos adequados para o trabalho com o aluno e infringindo sua autonomia de definir como levar sua própria formação e a do seu aluno. É mesmo uma ECONOMIA PORCA do governo essa da APROVAÇÃO AUTOMÁTICA a todo custo, pois não o leva a dar um aporte adequado à curiosidade natural dos educadores e dos alunos, só uma escola meia boca que tem ensinado a alunos e professores a fazer cada vez menos para DESatender a todos.

Professor Woodson Fiorini de Carvalho
 PUBLICADO EM
26/12/08 13:44
Piso do Magistério
de Modesta Trindade Theodoro
Piso com degrau
Piso de R$ 950 para professores vale a partir de 2009

por Lilian Matsuura

A partir de janeiro de 2009, os professores do magistério e do ensino básico da rede pública poderão contar com o novo piso salarial de R$ 950, por 40 horas/aula semanais. O aumento, concedido pela União através da Lei 11.738/2008, no entanto, será concedido parcialmente. Dois terços em janeiro de 2009 e o restante, um ano depois. Nesta quarta-feira (17/12), ao analisar Medida Cautelar em Ação Direta de Inconstitucionalidade, apresentada por cinco governadores, os ministros do Supremo Tribunal Federal consideraram constitucional os dispositivos da lei.

Havia uma discussão em relação à data de entrada em vigor do piso salarial. A lei diz que o valor passou a vigorar em janeiro de 2008, mas a primeira parte será paga em janeiro de 2009. O medo dos governadores era ter de pagar o aumento de forma retroativa. Os ministros concluíram que os R$ 950 devem ser concedidos aos professores a partir de 2009.

A ADI foi proposta pelos governadores Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Ceará, contra a Presidência da República e o Congresso Nacional.

Ao analisar outro dispositivo questionado da lei, a corte, no entanto, suspendeu cautelarmente o dispositivo que diminui o tempo em que o professor deve estar em sala de aula e aumenta o de atividades extra-classe. O parágrafo 4º, do artigo 2º, prevê o limite máximo de dois terços da carga horária para o “desempenho das atividades de interação com os educandos”. Até então, 25% da carga horária deveria ser reservada para planejamento das atividades.

O relator, ministro Joaquim Barbosa, entendeu que essa mudança é pequena, passando de 25% para 33% as atividade fora de classe. Por isso, não mudaria muito a situação atual. Além do que, esta discussão não caberia propriamente ao Judiciário, e sim ao Legislativo durante o debate para aprovação ou rejeição do projeto de lei.

O ministro Menezes Direito abriu divergência só em relação a esse ponto do voto do relator. Entendeu que é de competência dos estados e dos municípios regulamentar os horários dentro e fora da classe, de acordo com as peculiaridades locais. Além do que, essa redução do tempo com os alunos culminará na necessidade de contratação de professores. O que pode levar tempo maior do que o previsto na lei.

Piso x vencimento básico

Contra a vontade dos professores, o piso salarial de R$ 950, incluindo o pagamento de vantagens pecuniárias, deve ser mantido até o julgamento do mérito da ADI. A lei prevê que esse modelo pode ser mantido até 31 de dezembro de 2009. A partir daí, as vantagens deveriam ser pagas além do piso de R$ 950.

A sugestão foi feita pelo ministro Menezes Direito e aprovada por maioria. Segundo ele, “a lei foi sábia ao reconhecer a existência de dificuldade para a aplicação do piso salarial”. No entanto, a diferença entre os dois conceitos ainda deve ser discutida e por possíveis problemas técnicos, seria melhor aguardar a decisão do Supremo antes de a regra entrar em vigor.

O ministro Cezar Peluso entende que a Constituição Federal não definiu a estrutura dos subsídios. “Ela não se preocupou em conceituar a composição dos vencimentos e muito menos os valores. Quer apenas garantir o mínimo”, disse ao se referir à Emenda Constitucional 53, de 2006, que impôs a criação de um piso salarial nacional para professores da rede pública.

Revista Consultor Jurídico, 17 de dezembro de 2008

Colaboração de Klauss
postado por Geraldinho.
Sind-Rede/BH
CME
 PUBLICADO EM
22/12/08 23:38
Aprovar quem não aprendeu?
de profpublico
Aprovar quem não aprendeu?

Claudio de Moura Castro

"O medo da repetência leva o aluno de classe média a estudar, para evitar os castigos. Nas famílias mais modestas não há medo nem pressão para que os filhos estudem"
Para chamar atenção sobre pesquisas irrelevantes, um bando de gaiatos de Harvard criou o prêmio Ignobel (um brasileiro já foi agraciado, por estudar o impacto dos tatus na arqueologia). De fato, esse é um problema clássico da academia. Como às vezes aparecem descobertas de valor na enxurrada de idéias que parecem bobas, todos se acham no direito de defender as suas. Diante disso, é reconfortante encontrar pesquisas colimando assuntos palpitantes e com resultados precisos e definitivos. Esse é o caso da tese de Luciana Luz, orientada pelo professor Rios Neto (UFMG), que examinou um problema fundamental: no fim do ano, o que fazer com um aluno que não aprendeu o suficiente? Dar bomba, para que repita o ano? Ou deixá-lo passar? O uso de dados longitudinais permitiu grande precisão na análise. A autora tratou os números com cuidado e sofisticação estatística. O cuidado aumenta a confiança nos resultados. Mas a sofisticação impossibilita que se faça aqui uma explicação acessível da análise estatística.
Contudo, a interpretação das conclusões é clara. A tese permite comparar um aluno que repetiu o ano por não saber a matéria com outro que foi aprovado em condições similares. Os números mostram com meridiana precisão: um ano depois, os repetentes aprenderam menos do que alunos aprovados sem saber o bastante. Tudo o que se diga sobre o assunto não pode ignorar o significado desses dados, que, aliás, corroboram o que foi encontrado pelo professor Naércio Menezes e por pesquisadores de outros países.
Ao que parece, para os repetentes, é a mesma chatice do ano anterior, somada à frustração e à auto-estima chamuscada. Andemos mais além da tese. Não reprovando, a nação economiza recursos, pois, com a repetência, o estado paga a conta duas vezes. E, como sabemos por meio de muitos estudos, os repetentes correm muito mais risco de uma evasão futura. Logo, ganha-se de três lados. Como a "pedagogia da reprovação" não funciona, a "promoção automática" é um mal menor.


A história não acaba aqui. A angústia de decidir se devemos aprovar quem não sabe torna-se assunto secundário, diante da constatação de que o aluno não aprendeu. Esse é o drama mais brutal do ensino brasileiro. Por isso, a discussão está fora de foco. Precisamos fazer com que os alunos aprendam. De resto, não faltam idéias nos países onde a educação dá certo. Por exemplo, na Finlândia – e mesmo no Uruguai – há professores cuja tarefa é dar uma atenção especial aos mais fracos. Por que se digladiam todos contra a "promoção automática", quando a verdadeira chaga é o fraco aprendizado? De fato, há uma razão. Grosso modo, três quartos da população brasileira é definida como de "classe baixa". Dada essa enorme participação, o que é verdade para seus membros é verdade para o Brasil como um todo. Mas há os 20% de classe média e alta. Para esses pimpolhos, a situação é diferente. Famílias de classe baixa são fatalistas, assistem passivamente à reprovação dos seus filhos. Se não aprenderam a lição, é porque "sua cabeça não dá". Já na classe média a regra é outra. Levou bomba? Antes zunia a vara de marmelo, depois veio o confisco da bola, da bicicleta ou do iPhone. Santo remédio!
Reina a "pedagogia do medo da repetência". Essa é a arma dos pais para que o filho se mantenha por longo tempo colado à cadeira e com os olhos no livro. Cá entre nós, eu estudava por medo da bomba. É também a ameaça da bomba que permite aos professores forçar os alunos a estudar. Sem ela, sentem-se impotentes. Portanto, estamos diante de um dilema. O medo da repetência leva a minoria de classe média a estudar, para evitar os castigos. Pode não ser a pedagogia ideal, mas ruim não é. Já nas famílias mais modestas não há medo nem pressão para que os filhos estudem. O que há são as bombas caindo do céu e criando repetência abundante e disfuncional. Pouquíssimos países no mundo têm níveis tão altos de repetência como o nosso. Ao contrário de outros dilemas, esse tem solução clara, ainda que difícil. Basta melhorar a qualidade da educação para todos.
 PUBLICADO EM
10/12/08 11:44
Greve dos professores em Portugal
de profpublico
Caros amigos, proponho para leitura e análise este texto sobre a greve dos professores de Portugal, pois esta tem a ver com a avaliação de desempenho do professor e a política de mérito. Na sequência do mesmo alguns blogs que tratam da greve.

Um abraço e obrigado,
Geraldinho.

Greve Nacional dos Professores de Portugal
Depois da grande manifestação de 8 de Novembro - mais de 100 mil professores - e da inédita nas últimas décadas e organizada pelos movimentos e activistas independentes com 12 mil no dia 15, os professores demonstraram mais uma vez que têm força para lutar e vencer as políticas do governo Sócrates/Lurdes Rodrigues. Ao seu lado, colocaram-se não só os alunos, com a sua mobilização contra o Estatuto do Aluno, mas também grande parte da sociedade. Lurdes Rodrigues e o seu método de avaliação enfrentam hoje a oposição da maioria dos portugueses - e esta é já uma importante vitória dos professores.

Consciente do desgaste e com medo do seu impacto nas eleições de 2009, o governo começa a recuar para tentar abrandar a luta da classe: anunciou medidas no sentido de aligeirar o modelo de avaliação do desempenho, embora não mudando a sua essência economicista e o afunilamento da carreira para a maioria do setor, imediatamente denunciadas por sindicatos e movimentos independentes de professores; e convocou os sindicatos para sucessivas reuniões com a ministra, uma delas (a de dia 29 de Novembro) ainda por realizar.

Já escaldadas com o repúdio da classe ao tristemente famoso Memorando de Entendimento (o acordo firmado após a manifestação de 8 de Março entre a Plataforma Sindical de Professores/Fenprof e o Ministério da Educação e que paralisou aquela onda de mobilização e propiciou a tentativa por parte do governo de impor a avaliação do desempenho neste ano lectivo), a Plataforma/Fenprof têm garantido que não haverá uma reedição do Memorando: "Não está a ser forjado nenhum memorando de entendimento. Não há espaço para soluções intermediária, a única saída é a suspensão do actual modelo", garantiu o líder da Fenprof, Mário Nogueira, aos jornalistas.

Gato escaldado...
É positivo que o dirigente da Fenprof reafirme este compromisso com a classe, mas é imprescindível que, tendo em vista o passado recente, os professores mantenham-se atentos para evitar que novas negociações sejam feitas às suas costas.

No entanto uma dúvida começa a surgir: por que os dirigentes sindicais apresentam primeiro a sua proposta à ministra? Não deveria essa proposta de avaliação ser primeiro apresentada, discutida e sufragada democraticamente pelos professores de base antes de apresentá-la ao ministério? Além da importância democrática, não reforçaria ainda mais essa proposta ao Ministério da Educação se tivesse o apoio inequívoco dos professores que realmente estão nas escolas a sofrer com este modelo insustentável?

Acreditamos na força da base dos professores (sindicalizados ou não), que querem deixar de ser meros objectos na realidade e passar cada vez mais a ser sujeitos da realidade, com capacidade não só para levantar o braço, mas também de apresentar propostas alternativas. Foi este também o sentido da manifestação de 15 de Novembro, convocada exclusivamente por movimentos independentes de professores, como a APEDE e o MUP.

Além disso, a suspensão desta avaliação de desempenho é uma das reivindicações dos professores. Há outras igualmente importantes, como a revogação do Estatuto da Carreira Docente, a matriz da política demagógica do governo Sócrates que retira qualidade à escola pública e transforma professores em artífices de um sucesso escolar enganoso. É do ECD que decorre a divisão da carreira em duas categorias e o actual modelo de avaliação de professores.

Mobilização e organização continuam
O calendário de mobilização apresentando pela Plataforma/Fenprof permite a continuidade da luta, com as manifestações regionais de 25 a 28 de Novembro e a Greve Nacional dos Educadores e Professores a 3 de Dezembro. Mas existe um item essencial, relacionado com a organização dos professores pela base, que não consta do calendário dos sindicatos: o Encontro Nacional de Escolas em Luta, convocado pela APEDE (Associação de professores e Educadores em Defesa do Ensino), MUP (Movimento Mobilização e Unidade dos Professores) e outros movimentos e associações de professores.

De fato, na longa lista de ações (que correm o risco de serem um fator de dispersão e cansaço) não existe em momento algum a possibilidade de a base em luta decidir e avaliar as formas de luta correntes ou decidir outras, nomeadamente através de Plenários democráticos locais ou regionais. Por isso, o Encontro Nacional de Escolas em Luta é uma iniciativa muito positiva, pois coloca a possibilidade de os activistas de cada escola se pronunciarem sobre a condução da luta no país. Outro dos seus objectivos, segundo os seus promotores, seria canalizar as energias adquiridas na luta contra o modelo de avaliação para derrubar o Estatuto da Carreira Docente.


Para mais informações, visite os sites dos movimentos:
" http://apede.blogspot.com
" http://mobilizacaoeunidadedosprofessores.blogspot.com
 PUBLICADO EM
04/12/08 18:01
O desafio é como EXCLUIR-NOS e não mais INCLUIR !!
de WoodsonFC
Em uma canoa que está Furada, o desafio está em como resgatar os futuros náufragos, em EXCLUIR os que ali estão e não INCLUIR outros e ficar vendo o barco afundar de vez!! É preciso descobrir, antes de qualquer INCLUSÃO, em como consertar a canoa e verificar se ela comporta mais gente e não comportando, arrumar outra canoa ou reprojetar a mesma.

Considero a idéia da INCLUSÃO, por isso, improcedente na atualidade, pois o problema que se impõe urgentemente é o de como vamos nos excluir desse modelo social e econômico e não mais, como incluir outros nele e reafirmá-lo.

Em razão da ilustração acima, que revela um raciocínio básico, uma lógica primária que tem sido sistematicamente ignorada pelo partidários da INCLUSÃO a todo custo que penso que a escola precisa, urgentemente, formar pessoas capazes de fazer uso de sua cidadania em prol da coletividade, do bem comum, caso contrário, se não tiverem essa competência, estaremos incluindo os segmentos da sociedade despossuídos, igual o fazem o coronéis nos paus-de-arara que levam os trabalhadores para a colheita em suas imensas terras. Para isso, é preciso que os indivíduos formados no seio da escola estejam cientes de que é urgente a necessidade de construir uma sociedade que tenha coragem de abandonar os grandes centros,que deixe de consumir indiscriminadamente, que dedique-se a fazer e construir seus utensílios e objetos duráveis e a preservá-los e não mais só comprá-los nos hipermercados para logo descartá-los em lixões. Devemos nos empenhar em formar cidadãos que procurem gastar menos energia, água potável e a desenvolver formas caseiras de contribuir com essa economia no seu cotidiano.

A escola, então, deve formar cidadãos que busquem desenvolver e reafirmar valores que levem as pessoas a ter maior autonomia financeira, intelectual e laboral, a agir de forma a resolver os problemas pela iniciativa individual ou pela via da organização e participação coletiva, em busca de soluções criativas de forma negociada, pacífica e arrazoada. Essa participação pressupõe indivíduos bem formados que possam efetivamente contribuir de forma competente e não mais pela força, de forma caótica, utópica, a qualquer custo. Esses cidadãos seriam legitimados pela sociedade por colaborar com o aperfeiçoamento do sistema político, social e econômico. Esse aperfeiçoamento deve permitir cada vez mais a participação efetiva de todos, ao externar seu pensamento sem cercear os contraditórios, nem serem cerceados por eles em decisões não só democráticas, socialmente justas, mas inteligentes, priorizando preservar esse mundo para as futuras gerações. Essas gerações, sim, absolutamente excluídas das decisões das instâncias de poder. O que estão por vir não podem organizar protestos nem boicotar nossas aulas contra a merda que estamos fazendo com o seu futuro mundo. A nós professores, cabe a missão de fazer com que elas também sejam ouvidas.

Enfim, é preciso excluir a escola desse processo massificador e alienante de valores hedonistas, individualistas ou, por outro lado, centrados em dogmas ou crenças estúpidas e crendices oportunistas de indivíduos que só se apoderam do Estado e da economia para fazer o que bem entendem, prejudicando a natureza, esse patrimônio que deve nos servir, mas também, às futuras gerações. É preciso conscientizar as pessoas que não podemos nos dar ao luxo de ignorar os problemas que estão levando a humanidade a caminhar a passos largos para a sua inexorável extinção, porque embarcamos em sistemas sociais e econômicos que só funcionam se aceitamos a inadmissível idéia que temos obrigação de crescer incessantemente, social e economicamente. Esse crescimento incessante e desordenado é que cria a ilusão de que se pode incluir a todos nessa avalanche consumista e que se pode usufruir indefinidamente de bens sociais e naturais escassos. Eles são escassos porque seu consumo desenfreado afeta de tal maneira o equilíbrio do nosso meio ambiente e da sociedade que um dia ele irá romper-se e não haverá mais bens nem sociedade para dividir alguma coisa.

Para construir um projeto que permita a todos se sentirem parte integrante dessa economia e sociedade irresponsáveis, a escola tem, cada vez mais, reproduzido e valorizado modelos de comportamento que nos desviam da urgente missão de capacitar os a alunos a buscarem formas de construir novos modos de viver que permitam preservar a vida do ser humano, agora e no futuro, retirando-o de grandes e dispendiosas cidades, reintegrando-o à ecologia do planeta e aperfeiçoando formas que permitam cada vez mais a solução de conflitos pela via negociada, honesta, arrazoada, consciente e pacífica, do contrário só iremos exacerbar ainda mais os conflitos sociais e agravar os problemas ecológicos existentes.

Se continuarmos a pensar que devemos integrar e incluir, a todo custo, aqueles que se encontram a margem desse sistema econômico suicida que aí está, e se achamos que podemos nos calar diante dessa estupidez e deixar a canoa virar, procurando nos isolar radicalmente desse mundo, acreditando que, se a canoa afundar teremos um coletes salva-vidas que nos salvará, aí que tudo irá se perder, porque essa canoa já é nosso minúsculo planeta abarrotado de gente e o mar é todo esse intransponível universo. Não podemos nos virar mais sozinhos, deixarmos de evoluir, resolver egocentricamente apenas nossos problemas ou da nossa comunidade. Temos que ter um olhar que abranja a todos no mundo: estejam incluídos ou excluídos desse perverso sistema econômico/social que, se não é de todo homogêneo, trabalha na mesma lógica inflacionante. Porém, não podemos querer resolver o problemas dos excluídos, incluindo-os no problema de uma sociedade que não só os exclui, mas também nos excluirá a todos e nossos filhos, em breve.

Devemos nos capacitar a todos, os excluídos e os incluídos a resolver problemas e a saber participar solidariamente da solução desses problemas, que já são “cabeludos”, ou em breve a humanidade destruirá tudo que ela herdou e nada haverá pelo que lutar ou deixar para nossos filhos, as futuras gerações, a não ser, como herança, uma triste lição e uma sofrida lembrança, se ainda existirem, de que fracassamos porque os abandonamos e morremos afogados de maneira ridícula, tentando fazer a “boa-ação” de INCLUIR a todos nessa "canoa furada".

Woodson Fiorini
 PUBLICADO EM
04/12/08 17:41
ATENÇÃO: REUNIÃO COM EXCEDENTES NO SIND -REDE
de profpublico
Olá pessoal!


Estive na reunião de excedentes na tarde de hoje (04/12) na Smed.

Estavam dezenas de docentes e os gestores faziam a chamada de um por um para os enviar para as escolas, cada uma mais longe que a outra.

Avaliei com muitos que conhecia alí, que o fato de a SMED buscar resolver individualmente os problemas leva a fragmentação de nossa categoria e ao isolamento dos profissionais.

Resolvemos então chamar uma reunião para discutir estratégias para a questão dos excedentes: será no dia 12/12, sexta-feira, 14 horas e 30 minutos, na nossa sede: Av. Amazonas 491/ sala 1009, décimo andar (Ed. Dantes) Centro de BH. telefone 3226 3142; fax 3212 9044;

A marcação já foi comunicada na própria reunião da SMED aos que alí estavam presentes (professores de Matemática, disciplinas "extintas", e "outras").
Peço que avisem também aos colegas excedentes e a todos os possíveis interessados.

Um abraço a todos e até lá!
Geraldinho.
Diretoria Colegiada do Sind-REDE
 PUBLICADO EM
03/12/08 15:52
Pagamento e 13º
de profpublico
Ontem postei o texto abaixo. Pois bem. A PBH teria até o dia 20 para pagar o restante do 13º. Ela o creditará no dia 05/12(cinco de dezembro).
O salário com a última parcela do reajuste também será creditado no dia cinco. Deve ser aquela coisa de "gastem tudo pelo bem da economia" ou quer mesmo se igualar ao estado.
 Modesta Trindade Theodoro
...........................

O 13º pode ser pago até o dia 20. A Lei 9469/2007 revogou o art. 119 do Estatuto. A redação passou a ser:"Art.119 - A gratificação será paga à razão de 50% (cinqüenta por cento) até o dia 20(vinte) do mês de julho de cada ano, e 50% (cinqüenta por cento) até o dia 20(vinte) de dezembro de cada ano."O valor, segundo o artigo 122 da mesma Lei será equivalente ao provento do mês de dezembro de cada ano (Pagamento nas mesmas datas para o pessoal da ativa e aposentados). Por lei a última parcela do reajuste deverá ser paga agora. Cada qual com a sua percentagem.
 PUBLICADO EM
02/12/08 16:40
(título desconhecido)
de profpublico
DOM de Terça-feira, 2 de Dezembro de 2008
Ano XIV - Edição N.: 3232
Poder Executivo
Secretaria Municipal de Governo

COMUNICADO

Os feriados do ano de 2009 no Município de Belo Horizonte, conforme a legislação específica, são os que constam do quadro (relação) anexo.


Belo Horizonte, 28 de dezembro de 2008


Ricardo Carvalho Ferreira Pires

Secretário Municipal Interino de Governo


FERIADOS 2009 - NO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE


1 de Janeiro; quinta-feira; Confraternização Universal;Feriado Nacional
Lei nº 662, de 06/04/49, alterada pela Lei nº 10.607, de 19/12/02

24 de Fevereiro;terça-feira;Carnaval;Feriado do Comércio
Lei nº 5.913, de 21/06/91

10 de Abril; sexta-feira; Paixão de Cristo;Feriado Municipal
Lei nº 1.327, de 08/02/67


21 DE ABRIL; terça-feira;Tiradentes;Feriado Nacional
Lei nº 10.607, de 19/12/02

1 DE Maio;sexta-feira;Dia do Trabalho;feriado Nacional
Lei nº 662, de 06/04/49, alterada pela Lei nº 10.607, de 19/12/02

11 DE Junho;quinta-feira;Corpus Christi;Feriado Municipal
Lei nº 1.327, de 08/02/67

15 DE Agosto;sábado; assunção de Nossa Senhora;Feriado Municipal
Lei nº 1.327, de 08/02/67

7 DE Setembro; segunda-feira;Independência do Brasil; Feriado Nacional
Lei nº 662, de 06/04/49, alterada pela Lei nº 10.607, de 19/12/02

12 de Outubro; segunda-feira;Nossa Senhora Aparecida;Feriado Nacional
Lei nº 6.802, de 30/06/80

2 de Novembro; segunda-feira;Finados;Feriado Nacional
Lei nº 10.607, de 19/12/02

15 de novembro; domingo;Proclamação da República;Feriado Nacional
Lei nº 662, de 06/04/49, alterada pela Lei nº 10.607, de 19/12/02

8 de Dezembro; terça-feira;Imaculada Conceição;Feriado Municipal
Lei nº 1.327, de 08/02/67

25 de dezembro; sexta-feira;Natal; Feriado Nacional
Lei nº 662, de 06/04/49, alterada pela Lei nº 10.607, de 19/12/02

 Fonte: Secretaria Municipal de Governo
 PUBLICADO EM
02/12/08 08:20
Sobre a beleza e a velhice
de profpublico
Há beleza na velhice para quem a vê.
É difícil enxergá-la quando não sabemos se nossas são as nossas pernas, ou são elas as muletas que carregamos com mãos trêmulas.

Texto: Modesta Trindade Theodoro
 PUBLICADO EM
01/12/08 18:10
Pagamento
de profpublico
O pagamento referente ao mês de novembro será efetuado no dia 5 (cinco) de dezembro/2008 a todos/as servidores/as da PBH. Nada oficial.Tomara que não venham com o erro apontado pelo colega no texto abaixo.É mês de reajuste.

Modesta Trindade Theodoro
 PUBLICADO EM
27/11/08 17:56
COMO SERIA O INFERNO DOS ADMINISTRADORES DE REGIONAIS
de profpublico
Nunca me senti tão humilhado em toda a minha vida.

Está certo que apertos a gente passa, mas minha situação é sui generis: Sem uma extensão de jornada, não consigo me manter.

Parece que a PBH gosta de me perseguir, pois sempre que dobro, acontece um “pepino” que inevitavelmente resulta em erro no meu salário.

 A situação é estressante: Nunca fui contemplado com erro para a mais no meu salário. Sempre o erro é desvalorizando o que eu deveria receber.

O mais interessante disto tudo é como algumas administradoras de regionais lidam com isto:

 - De quem é o erro? Ah, por que a gente arruma só se o erro for nosso.Caso contrário,você terá que aguardar o próximo pagamento . Isto é uma ordem do secretário bláblá

O que as pessoas se esquecem é que, com o minguado salário, o professor muitas vezes fica praticamente impossibilitado de trabalhar devido a uma falha.

Você colega, quando recebe seu salário com erro,quer lá saber de quem é a falha? O que você quer é receber pelo seu trabalho. E e errar é humano.

E esta pouca vergonha de em caso de erro, o acerto só se fizer em uma ordem de pagamento para o dia 20 e olha lá? Ora, eu trabalhei e tenho compromissos financeiros a saudar. Não faço extensão de jornada por que sou um “tarado “pedagógico, mas sim por necessidade financeira”.

Por justiça, acho que a prefeitura deveria arrumar meios de que o acerto fosse feito o mais breve o possível (24 horas a partir da queixa do servidor).

Mas como a falta de boa vontade é geral, (temos que contribuir com o combustível do Aerolula né?), Fiquem aqui com o texto: COMO SERIA O INFERNO DOS ADMINISTRADORES DE REGIONAIS.

Um dia, elas (apesar de acharem que são infalíveis e imortais) morrerão.

Por uma falha, serão todas (incluindo o chefe que deu esta ordem) levadas ao quinto dos infernos por engano de Satanás.

Ao chegarem lá e perceberem o erro, irão negociar com as entidades superioras (anjos, arcanjos e querubins) que sempre foram boas pessoas, realizaram tudo conforme Deus desejou e que merecem, portanto, subir o mais breve o possível.

Alguns anjos tentam contornar o problema, enquanto outros, não estão muito interessados em resolver o problema das almas das pobres senhoras (Tocar harpa deve ser mais interessante, e a Andina está conversando sobre a linda túnica celestial de Angélica).

O anjo diz ao telefone:

- Esperem ... Deixe-me consultar o sistema... (Deus informatizou tudo, mas a burocracia do papel é moda ainda no Paraíso)

-É, realmente vocês não deveriam estar aí. Mas a gente só arruma quando o erro é nosso ..Como o erro não é nosso, vcs terão que ficar aí até o dia 20...
Caso não chegue a tempo uma requisição celestial, terão que passar o mês todo aí...

São ordens superiores... Sinto muito ...

 - A quem podemos recorrer? É uma emergência... Não merecemos ficar aqui no inferno ...Fizemos nossa parte

- Só com o “Chefe”. Mas creiam –me : Ele não irá recebê-los ...É melhor irem se acostumando com o inferno mesmo.


 Pedro Marcos L Filho
 PUBLICADO EM
24/11/08 20:09
Sindicato de professores de SP vai lançar portal para coletar dados de violência
de profpublico
O Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) vai lançar um sistema on-line para coletar dados sobre violência escolar. Os representantes das escolas receberão uma senha para cadastrar os casos de agressão, problemas de infra-estrutura e outras irregularidades. A idéia é que o Observatório da Educação Pública Paulista, nome dado ao programa, funcione como um raio-X da rede de ensino. Uma equipe multidisciplinar, formada por psicólogos, pedagogos e outros profissionais, deverá acompanhar os casos e produzir estudos periódicos.

O sistema poderá ser abastecido por 11 mil pessoas – são, em geral, dois representantes em cada uma das cerca de 5.500 escolas estaduais paulistas. Em São Paulo, há aproximadamente 250 mil professores na rede. A Apeoesp espera que o portal esteja em funcionamento nas próximas semanas. Dados da Secretaria de Estado de Educação apontam que, de janeiro até o início de novembro deste ano, foram registrados 90 casos de agressão física nas escolas paulistas. Em 2007, foram 180 casos e, em 2006, 217. A pasta informou que possui um sistema semelhante ao proposto pela Apeoesp, em que os professores podem cadastrar eventos.
Fonte: Site e Jornal do SINEP
Prof. Geraldinho
 PUBLICADO EM
21/11/08 16:27
Escola NÃO é lugar de INCLUSÃO, escola é lugar de CONHECIMENTO
de WoodsonFC
Como sempre, Dalvo, esse texto VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS aponta o alvo, mas erra-o pela mesma razão que ele denuncia: a OMISSÃO. Mesmo que não seja a intenção do JORGE WERTHEIN e da MIRIAM ABRAMOVAY. Esse pessoal toma os PRINCÍPIOS norteadores de Paulo Freire como MÉTODO. Esses teóricos acham que Paulo Freire pretendia romper radicalmente com a forma de se dar aulas e acreditam que a prática, a metodologia, o fazer que o professor leva anos para refinar é que geram os conflitos na escola e reproduzem o processo de exclusão do sistema e da sociedade, agravando os históricos problemas sociais que temos. Ledo engano. O que agravou a violência nas escolas foi pensar exatamente o que escreveram abaixo:

"Expulsando os esporádicos responsáveis pela violência, não estaremos expulsando as causas que a originam dentro das escolas."

Pensar radicalmente, assim, ao invés de levar a sociedade a buscar uma solução para o problema, tem efeito contrário, o problema achou um lugar fértil para tomar dimensões ainda maiores, permitindo a sociedade elevar o nível de tolerância para com a violência. Explico o porquê:


Quando os atores (professores como nós) dessa reforma da escola assumiram que nós deveríamos abandonar totalmente a prática da EXPULSÃO e da SUSPENSÃO é que o problema se agravou porque a sociedade e os políticos aproveitaram a oportunidade e varreram esse problema para debaixo do tapete: a escola. Que tranqüilidade!!! Esses ingênuos atores, bem como a sociedade, as mídias, os políticos, os catedráticos, os pais, a comunidade em torno da escola e alguns ingênuos professores acreditaram ou quiseram acreditar que pode-se educar "sem punir, só prazerosamente". Acontece que esses partidários dessa INCLUSÃO a todo custo omitiram dois aspectos fundamentais ao formular sua utopia escolar:


Primeiro: o prazer não só cria, mas também destrói, mata, emburrece, aliena, idiotiza, droga, vicia o ser humano. Basta não negar nada a seu filho e verá o monstrinho com quem, em pouco tempo, terá de lidar. A civilização alcançou o estágio em que se encontra graças a muito sacrifício e dor, também, não só prazer. Educar necessita um equilíbrio de punição e prazer, entre EROS e TANATUS. A eliminação da

 punição não acabou com esse terrível aspecto excludente da nossa sociedade; apenas o mascarou, escondeu, omitiu, fingiu que não existe. Isso nos levou ao segundo equívoco:


Pensaram os INCLUSIVOS que trazer a violência e os problemas das classes pobres para dentro da escola iria sensibilizar a sociedade e obrigá-la a resolvê-lo. Outro ledo engano! A escola, enquanto um Aparelho de Estado, não coloca seus principais atores ali e nem é ali que se encontra o calcanhar de Aquiles da sociedade. A escola não faz nem cosquinha nas autoridades. O problema está nas ruas. Se o trânsito e o comércio pára, é como se os pulmões, o coração deixassem de funcionar. Isso sim, sensibiliza a sociedade, o que está nas ruas e interfere no ir e vir das pessoas. Porém, tiramos esse problema das ruas, das penitenciárias, dos manicômios e o transferimos para a escola pública. Então me perguntam os inclusivos: "os pais não têm filhos nas escolas?" "Eles não ficariam sobressaltados com a convivência deles com esses violentos colegas?!"


Na verdade, não. Não na escola pública porque a elite e a nomenclatura partidária da INCLUSÃO tem seus filhos nas escolas particulares e não na pública. Isso poderia ter sido um problema no passado, quando as escolas públicas eram disputadas pelos filhos da elite, mas hoje eles estão devidamente protegidos dessa triste realidade. Basta ver quantos pais vão à escola em reunião com eles (nem 10%). Então porque o problema retornou à mídia e veio a tona. Simplesmente porque ele voltou às ruas. Essa geração que se perdeu nesse modelo Plural inclusivo de escola, que ficou lá sem achar uma solução, sem aprender algo de bom, sem se virar, está se formando entupindo as artérias e obstruíndo as vias aéreas da sociedade. A violência deixou os muros da escola, agora formada, com diploma, fermentada no seu seio, lugar ideal de disseminação epidêmica de boas e más idéias, de bons e maus costumes, entre muros, contida e perigosamente explosiva. Eles encontraram terreno fértil para se multiplicar, pois a escola como aí está, não é como uma Universidade, não é um lugar que pode (se é que pode), à luz da razão, neutralizar a barbárie, pois os indivíduos que ali estão, ainda estão formando seu caráter, e a tolerância que se desenvolveu com a violência no cotidiano da escola será reproduzida no viver cotidiano dos futuros cidadãos adultos. Insistir em manter um menor infrator e mesmo tolerar suas infrações constantes e insistentes, que alguns alunos impingem à escola, torna-a sua refém, minando as aulas, submetendo-as a recorrentes e constantes atos de vandalismo, por desacato deliberado aos professores, quando não partem para agressão física, pois agora o fazem com a complacência e até aprovação de outras instâncias da educação já que esses infratores não vêem mais qualquer limite para seus atos, uma vez que já não podemos EXPULSÁ-LOS e nem SUSPENDÊ-LOS como qualquer outra instância da sociedade pode fazer e faz. Esses alunos são o modelo a ser seguido e o são, em maior ou menor grau, pelos colegas, o suficiente para não ser mais possível ensinar ou aprender suficientemente qualquer coisa nas aulas. A ESCOLA VIVE, ASSIM, UMA CRISE IRREMEDIÁVEL DE AUTORIDADE E DE LIMITES!!! Não podendo mais lidar com isso, já que a sociedade não dá "a mínima", a escola fica desmoralizada e, por efeito dominó, o será todo o sistema social. Desse modo, o problema da violência vem se tornando, cada vez mais, eminentemente explosivo, porque, ainda que a escola não seja o pulmão ou o coração da sociedade, nem mesmo o seu cérebro, esse sistema digestivo que ela representa, pode comprometer, com o tempo, todos os “órgãos” e levá-lo irremediavelmente a adoecer, matando-os de inanição, pois o alimento de uma sociedade é o CONHECIMENTO que ela produz e sem ele, sem indivíduos preparados para lidar com o conhecimento (virtual, prático, enciclopédico, religioso, social, tecnológico, humanista, etc.), seja ele amargo ou doce, a sociedade definha, pois não há como digerir qualquer problema ou assimilar desafios.

Qualquer sistema ou modelo - capitalista, socialista etc. que não tenha indivíduos em número suficiente e satisfatoriamente bem formados para lidar com a enxurrada de informação disponível e os complexos problemas da sociedade contemporânea, acaba se autodestruindo, pois indivíduos mal formados, sem compromisso ético e moral com a sociedade, deturpam e distorcem as coisas ao seu bel PRAZER para só tirar vantagem em seu benefício!!! Sem produção de conhecimento, uma nação condena-se a ter de ser um eterno paciente da complacência colonial estrangeira, pois nada pode funcionar direito se não há gente capacitada para a função.

Varrer simplesmente os problemas do cotidiano social para dentro da escola é condenar a uma eterna indigestão ou diarréia o corpo social por uma DISFUNÇÃO INCLUSIVA. É prejudicar e mesmo impedir que nossos alunos estejam aptos a digerir o conhecimento, pois nem os pais, nem os políticos, nem os empresários, nem os cidadãos que por ventura se formarem nas escolas (particular ou pública) terão consciência real da VIOLÊNCIA que vivemos, pois eles passaram por ela sem se indignar com isso, e o mundo será um reflexo, um espelho daquilo que os alunos se acostumaram a viver e ignorar quando no seu tempo de escola.

Além do mais, se seu filho está aprontando dentro dos muros da escola e não sai dele para te aporrinhar um DIA SEQUER, que pai irá se preocupar?! Só, evidentemente, aqueles poucos (muito poucos na escola pública) que já se preocupam, que tiveram uma boa escola pública, excludente, mas boa, e se preocupam com ela. E se as famílias não se importam, quem irá se incomodar?!!!

Escola NÃO é lugar de INCLUSÃO, escola é lugar de CONHECIMENTO. Para incluir na escola é preciso que se inclua PRIMEIRO na sociedade. É preciso que tenhamos especialistas, família, empresários, políticos, todos lidando com os problemas que a escola e a sociedade enfrenta, problemas com que nós professores burramente despojados de AUTORIDADE e assoberbados de tantas funções INCLUSIVAS, estamos lidando sozinhos, todos os dias, sob o olhar distante, vigilante, mesquinho, cínico, avarento do governo, desses pais hipócritas, de colegas ridiculamente ingênuos, de catedráticos/especialistas de “meia tigela”, oportunistas, da estupidez midiática, todos esses que cuidam em nos manter ali, (des)alunos e (des)professores, pois estamos ENCARCERADOS e EXCLUÍDOS, mas escondidos lá dentro da escola.

Prof. Woodson Fiorini
 PUBLICADO EM
21/11/08 12:05
VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS
de profpublico

Olá, todos!
Para vocês que ainda se ocupam com Educação nesta cidade, posto aqui um texto publicado na Folha, e que me foi enviado pelo Dalvo. Este texto se insere no contexto de fechamento de turmas, de turnos e até de escolas, devido a ALEGADA falta de alunos. A última vítima é o noturno da E. M Mestre Paranhos. Os docentes foram COMUNICADOS da decisão de Vocurca, Zamara e cia em reunião na última quarta.

Eles não se perguntaram e então perguntamos nós: Por que faltam alunos? Por que nossos estudantes somem e viram estatísticas? O que não encontraram na educação municipal e que deveriam encontrar?

O que sempre denunciamos enquanto servidores e cidadãos está denunciado também no presente texto: a ausência de políticas ousadas para enfrentar a falta de qualidade na educação; a negativa da PBH de enfrentar os problemas ligados a disciplina e a violência de forma sistemática e racional, sem responsabilizar unicamente os docentes; a inexistência de diagnóstico quanto as reais causas da evasão.

Até quando vamos continuar contando as vítimas e contabilizando os prejuízos?



Eis o artigo (as maísculas são destaques de Dalvo e achei por bem respeitá-los):

São Paulo, quinta-feira , 20 de novembro de 2008.


 TENDÊNCIAS / DEBATES

VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS


JORGE WERTHEIN e MIRIAM ABRAMOVAY


"--------------------------------------------------------------------------------

FALTAM POLÍTICAS PÚBLICAS CLARAS , PROGRAMAS EM EXECUÇÃO QUE ENFRENTEM DECIDIDAMENTE O COTIDIANO DE VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS .

--------------------------------------------------------------------------------



Temos avançado significativamente na nossa capacidade de diagnosticar , prever e entender diferentes fenômenos que se apresentam no cotidiano . As novas tecnologias de informação e comunicação disponíveis nos permitem detectar e identificar fenômenos naturais com grande precisão e antecedência .


 Em diversas áreas os progressos têm sido - e continuam sendo - notáveis . Os mecanismos existentes de detecção e diagnóstico da realidade nos permitem antecipar alguns possíveis "tsunamis" naturais e sociais . Porém , é preciso ter consciência do potencial dano ocasionado ainda que o problema seja diagnosticado.


MUITAS VEZES , AO CONHECER A REALIDADE APONTADA, NEGAMOS OU ESCONDEMOS A SUA EXISTÊNCIA , FAZEMOS A CHAMADA " POLÍTICA DE AVESTRUZ " OU A LEI DO SILÊNCIO . Com essa atitude , não só não encaramos o problema como não conseguimos evitar que ele se repita com conseqüências cada vez mais graves , QUE VÃO SE MULTIPLICANDO E SE AGRAVANDO, TORNANDO, ASSIM , SUA SOLUÇÃO MAIS DIFÍCIL .


 ESCONDER DEBAIXO DO TAPETE SITUAÇÕES OBJETIVAMENTE GRAVES É UMA CONSTANTE .


 Tanto no âmbito privado quanto no público .


Racionalizamos, elaboramos discursos que analisam o tema para nos tranqüilizarmos. Dizemos o certo , o correto , o indiscutível , embora imediatamente nos imobilizemos, nos acomodemos quase que confortavelmente na coerência teórica de tais afirmações.


DEIXAMOS PARA AMANHÃ O QUE PODERÍAMOS TER FEITO E ENFRENTADO HOJE .


 Agora , voltamos a ver um novo caso de violência nas escolas que ganhou amplo espaço na mídia . Temos cotidianamente outros exemplos , não tão dramáticos , que não são veiculados ou permanecem restritos a jornais locais e rádios comunitárias.


AS VIOLÊNCIAS FÍSICAS E SIMBÓLICAS ESTÃO INSTALADAS, EM MAIOR E MENOR INTENSIDADE , NAS NOSSAS ESCOLAS .


 Depois de tantos anos trabalhando sobre os temas de violências nas escolas no Brasil e em outros países da América Latina , continua nos chamando a atenção à relativa importância ( para não dizer pouca ) que se dedica ao assunto .


FALTAM POLÍTICAS PÚBLICAS CLARAS , PROGRAMAS EM EXECUÇÃO QUE ENFRENTEM DECIDIDAMENTE O COTIDIANO DE VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS .


VERIFICA-SE GRANDE LIMITAÇÃO POR PARTE DAS AUTORIDADES POLÍTICAS E EDUCACIONAIS PARA ASSUMIR COM DECISÃO , CORAGEM E DETERMINAÇÃO O ENFRENTAMENTO CUIDADOSO DE UM PROBLEMA QUE ESTÁ TENDO ENORME EFEITO NEGATIVO NO COTIDIANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE JOVENS E CRIANÇAS .


 Isso está enfraquecendo as relações de convivência entre alunos , professores e demais atores sociais que atuam nesse espaço escolar . POR CAUSA DISSO, ESTÁ DIMINUINDO DE FORMA ACELERADA E ALARMANTE , TANTO PARA ALUNOS QUANTO PARA PROFESSORES , O DESEJO DE IR À ESCOLA , QUE DEIXA DE SER UM ESPAÇO PRAZEROSO .


A PREOCUPAÇÃO NÃO PARECE SER ENTENDER O PORQUÊ DESSES ALTÍSSIMOS NÍVEIS DE VIOLÊNCIA DENTRO DO ESPAÇO ESCOLAR . As possíveis respostas , em geral , não começam baseadas em um diagnóstico da realidade , mas em generalidades aparentemente eloqüentes , vistosas e comprovadamente ineficientes . A automedicação raramente tem efeitos positivos e duradouros .


 NÃO HÁ INTENÇÃO DE DIALOGAR COM PROFESSORES , ALUNOS , DIRETORES E PAIS , POR MEIO DE MECANISMOS SISTEMÁTICOS E CIENTÍFICOS , PARA QUE SEJAM ELABORADAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE LONGO PRAZO .


É um equívoco dizer que a resposta é o aumento de câmeras de vigilância , catracas para " expulsar os culpados" ou ampliar a presença das forças de segurança dentro das escolas . Isso é não querer entender o problema em sua real e profunda dimensão . Não é essa a forma adequada de usar as tecnologias para detecção de problemas .


Expulsando os esporádicos responsáveis pela violência , não estaremos expulsando as causas que a originam dentro das escolas .


TEMOS DE EXPULSAR AS RAZÕES QUE LEVAM ÀS SITUAÇÕES CONSTANTES DE VIOLÊNCIA PARA QUE ALUNOS , PROFESSORES , DIRETORES E PAIS VOLTEM A SENTIR O PRAZER DE ESTUDAR , APRENDER E CONVIVER NESSE ESPAÇO EM QUE DEVEM SE FORMAR OS CIDADÃOS DE HOJE E DE AMANHÃ E A ESCOLA POSSA SER , COMO DIZIA PAULO FREIRE, UM ESPAÇO DE FELICIDADE .


--------------------------------------------------------------------------------

JORGE WERTHEIN, 67, mestre em comunicação e doutor em educação pela Universidade Stanford (EUA), é diretor-executivo da Ritla ( Rede de Informação Tecnológica Latino-Americana ). Foi representante da Unesco no Brasil.


MIRIAM ABRAMOVAY, socióloga, é coordenadora de Pesquisa da Ritla, integrante do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Juventudes , Identidades e Cidadania e consultora da Cufa-DF ( Central Única das Favelas do DF)."



Prof. Geraldinho.





 PUBLICADO EM
19/11/08 09:37
Sobre carta ao presidente enviada por centrais sindicais
de profpublico
Fonte: "Folha de São Paulo"

São Paulo, quarta-feira, 19 de novembro de 2008
FERNANDO RODRIGUES
As centrais e suas idéias

BRASÍLIA - As centrais sindicais brasileiras enviaram uma carta a Lula. Fazem sugestões para enfrentar a atual crise financeira internacional. O documento é útil por dois motivos. Primeiro, para saber que existem seis centrais sindicais no Brasil. Segundo, por revelar o grau de desconexão da realidade por parte dos sindicalistas.Para economizar papel e tinta, eis apenas as siglas das centrais sindicais brasileiras: CGTB, CTB, CUT, Força Sindical, NCST e UGT. A sopa de letras se robusteceu depois de Lula aceitar repassar parte do imposto sindical a essas organizações. Com dinheiro estatal, tudo fica mais simples e fácil.Mas não tão rápido. A crise financeira entrou em sua fase aguda no início de setembro. Foram necessários mais de 60 dias para as seis centrais produzirem o seu "documento unitário", como foi batizado, e enviá-lo a Lula.O texto parece obra empoeirada de alguém enroscado numa dobra do tempo anterior à queda do Muro de Berlim. Os sindicalistas falam sobre a "imposição dos dogmas do livre mercado" resultando em um "ambiente propício ao ganho fácil e à especulação das megacorporações multinacionais". O diagnóstico saiu na mesma semana em que o Citigroup anunciou o corte de 52 mil empregos neste ano.Entre as 18 propostas apresentadas pelos sindicalistas, ressurgem as sombrias sugestões de "criar mecanismos de controle de fluxo de capital externo e de controle de câmbio" ou um "programa de substituição de importações para fortalecer o mercado interno".A Grande Depressão da década de 30 se aprofundou porque os países adotaram políticas contra o comércio internacional. Essa é a receita das centrais: o Brasil deve se enclausurar e resolver as coisas sozinho. No longo prazo, o real seria extinto, estaremos todos comendo rapadura e fazendo escambo.
 PUBLICADO EM
13/11/08 07:59
Portaria SMED
de profpublico
A Portaria que complementa o Decreto de ontem, com as datas e tudo mais, está no DOM de hoje.
13 de novembro de 2008
Modesta Trindade Theodoro
 PUBLICADO EM
12/11/08 08:38
(título desconhecido)
de profpublico
Segue a regulamentação para a eleição de direção de escolas da Rede Municipal (Fonte: DOM de 12/10/2008). Que os/as candidatos/as primem pela ética.
Boa sorte a quem deseja o cargo de diretor e a função de vice.
 Modesta Trindade Thedoro

Quarta-feira, 12 de Novembro de 2008
Ano XIV - Edição N.: 3218
Poder Executivo
Secretaria Municipal de Governo

DECRETO Nº 13.363 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2008

Regulamenta o processo eleitoral para a escolha da Direção das Unidades Escolares da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte.

O Prefeito de Belo Horizonte, no exercício de suas atribuições, em especial a que lhe confere o inciso VII do art. 108 combinado com a alínea 'c' do inciso X do art. 158, ambos da Lei Orgânica do Município de Belo Horizonte, considerando o disposto na Emenda à Lei Orgânica nº 20, de 1º de fevereiro de 2007, e na Lei n° 5.796, de 10 de outubro de 1990 e suas alterações,
DECRETA:
Art. 1º - A escolha dos ocupantes dos cargos em comissão de Diretor de Estabelecimento de Ensino e da função pública de Vice-Diretor de Estabelecimento de Ensino das escolas da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte, inclusive para a função pública de Vice-Diretor criada para o gerenciamento e administração das Unidades Municipais de Educação Infantil - UMEIs, instituídas na Lei nº 8.679, de 11 de novembro de 2003, com a alteração prevista no art. 36 da Lei nº 9.154, de 12 de janeiro de 2006, será feita em eleição direta e secreta, com a participação de todos os segmentos da comunidade escolar.
§ 1º - Para efeito deste Decreto a função pública de Vice-Diretor de Estabelecimento de Ensino criada para o gerenciamento e administração das UMEIs será denominada Vice-Diretor de UMEI.
§ 2º - O processo eleitoral ocorrerá em todas as unidades escolares da Rede Municipal de Educação - RME, exceto:
I - na unidade cuja gestão encontra-se sob intervenção da Secretaria Municipal de Educação - SMED, em virtude de afastamento da direção, com vistas a garantir a normalidade administrativa e pedagógica, nos termos do regulamento;
II - na escola ou unidade municipal de educação infantil – UMEI, cujo funcionamento tenha início no ano da eleição;
III - em outros casos não previstos, conforme dispuser portaria da SMED.
Art. 2º - Poderão candidatar-se ao cargo de Diretor de Estabelecimento de Ensino ou à função pública de Vice-Diretor de Estabelecimento de Ensino ou de Vice-Diretor de UMEI os ocupantes dos cargos públicos efetivos de Professor Municipal, Técnico Superior de Educação (Supervisor Pedagógico/Orientador Educacional) e Pedagogo, que estiverem em efetivo exercício na escola nos últimos 12 (doze) meses consecutivos e antecedentes ao dia do registro da candidatura.
§ 1º - Será facultado ao ocupante de cargo público efetivo de Educador Infantil candidatar-se à função pública de Vice-Diretor de UMEI.
§ 2º - O candidato que tenha exercício em mais de uma escola ou UMEI poderá candidatar-se em apenas uma delas.
Art. 3º - Os candidatos concorrentes deverão compor uma chapa completa.
§ 1º - Entende-se por chapa completa aquela formada por um candidato ao cargo de Diretor de Estabelecimento de Ensino, um candidato à função pública de Vice-Diretor de Estabelecimento de Ensino e, ainda, se houver UMEI vinculada à escola, um candidato à função pública de Vice-Diretor de UMEI.
§ 2º - É vedado o registro de chapa incompleta, exceto nas hipóteses previstas no inciso II do § 2º do art. 1º e no caput do art. 20, ambos deste Decreto.
§ 3º - Não havendo chapas inscritas para exercer o cargo e as funções públicas citados no § 1º deste artigo, dentro do prazo previsto, a SMED indicará os componentes da direção escolar.
Art. 4º - Para que uma chapa tenha seu registro aceito deverá apresentar à Comissão Mista Eleitoral – CE, prevista no art. 6º deste Decreto, conforme dispuser portaria da SMED, os seguintes documentos:
I - Plano de Trabalho Pedagógico a ser desenvolvido durante a sua gestão;
II - Certidão Negativa em nome de cada um dos candidatos, expedida pela Secretaria da Receita Federal;
III - Carta de Idoneidade Financeira, expedida pela instituição bancária na qual cada candidato possui conta corrente;
IV - Termo de Aprovação de Contas da Caixa Escolar referente às suas gestões anteriores, expedido pela Gerência de Controle e Prestação de Contas de Subvenções - GCPCS da SMED;
V - Termo de Compromisso - Registro de Escrituração Escolar, nos termos que dispuser portaria da SMED;
VI - Inventário do Acervo Documental - Registro de Escrituração Escolar, preenchido com dados referentes ao mandato em curso, nos termos que dispuser portaria da SMED.
§ 1º - O Plano de Trabalho Pedagógico a que se refere o inciso I do caput deste artigo, formulado de acordo com critérios previstos em portaria da SMED, deverá apresentar metas relacionadas ao desempenho pedagógico da unidade e as ações para alcançá-las, observando a realidade da escola, os recursos disponíveis, e as diretrizes apontadas pela SMED.
§ 2º - Caberá à Comissão Mista Eleitoral verificar, no ato da inscrição da chapa, se o Plano de Trabalho está formulado de acordo com a regulamentação definida em portaria.
§ 3º - O Plano de Trabalho da chapa vencedora tornar-se-á compromisso de gestão e será instrumento de acompanhamento e avaliação da mesma, além de contribuir no processo de formação das direções.
§ 4º - As condições de idoneidade dos candidatos, exigidas nos incisos II e III do caput deste artigo para registro de chapa, deverão ser mantidas no curso do mandato.
Art. 5º - Poderão votar:
I – servidores em exercício na escola ou na UMEI;
II – alunos regularmente matriculados e freqüentes na escola, com idade mínima de 16 (dezesseis) anos, completada até a data da eleição em primeiro turno;
III – mãe ou pai ou responsável legal de aluno regularmente matriculado e freqüente na escola ou na UMEI.
§ 1º - Na hipótese do inciso III do caput deste artigo, será permitido um único voto manifestado pela mãe, ou pelo pai, ou pelo responsável legal do aluno, independentemente do número de filhos matriculados na escola e/ou na UMEI.
§ 2º - O servidor que exerce suas atribuições em mais de uma escola ou UMEI terá direito a votar em cada uma delas.
§ 3º - Em nenhuma hipótese um eleitor terá direito a mais de um voto em cada escola, inclusive quando houver UMEI a ela vinculada.
Art. 6º - O atual Diretor da escola convocará assembléia escolar, conforme cronograma específico estabelecido em portaria da SMED, para constituição da Comissão Mista Eleitoral, que irá planejar, organizar, presidir e deliberar sobre as questões inerentes ao processo eleitoral, observados as leis e os regulamentos sobre a matéria.
§ 1º - Para efeito da composição da assembléia escolar define-se como comunidade escolar aquela atendida pela escola e pela UMEI a ela vinculada.
§ 2º - É vedada a participação, na Comissão Mista Eleitoral:
I - dos atuais ocupantes do cargo em comissão de Diretor de Estabelecimento de Ensino;
II - dos atuais ocupantes das funções públicas de Vice-Diretor de Estabelecimento de Ensino e de Vice-Diretor de UMEI;
III - dos candidatos inscritos e seus parentes, ainda que por afinidade, até o 2º grau e cônjuge ou companheiro.
§ 3º - Na assembléia escolar de que trata o caput deste artigo, a Comissão Mista Eleitoral, após constituída, conduzirá discussão sobre o perfil dos candidatos.
Art. 7º - A Comissão Mista Eleitoral será composta por um representante de cada um dos segmentos da comunidade escolar, a ser indicado por seus pares, nos seguintes termos:
I – um representante dos alunos, que tenha, no mínimo, 16 (dezesseis) anos completos;II – um representante dos pais de alunos;
III – um representante dos Professores, Técnicos Superiores de Educação (Supervisor Pedagógico/Orientador Educacional) e Pedagogos;
IV – um representante dos demais servidores da escola e da UMEI a ela vinculada;
V – um representante da associação de pais da escola e UMEI a ela vinculada.
§ 1º - Será indicado pelo respectivo segmento um suplente para cada representante titular da Comissão Mista Eleitoral.
§ 2º - Compete aos membros da Comissão Mista Eleitoral escolher seu presidente, que terá direito, além de seu voto pessoal, ao voto de desempate.
§ 3º - Os membros da Comissão Mista Eleitoral deverão conduzir o processo de forma imparcial, bem como promover ampla divulgação do processo eleitoral na comunidade escolar.
§ 4º - Compete à Comissão Mista Eleitoral criar oportunidade para amplo debate dos candidatos com a comunidade escolar sobre as demandas da escola e os planos de trabalho apresentados.
Art. 8º - A apuração se dará ao término do processo de votação e o resultado respectivo será divulgado imediatamente.
Art. 9º - Considerar-se-á eleita a chapa que obtiver maioria absoluta dos votos válidos, não computados os votos em branco e os nulos.
Art. 10 - Se nenhuma das chapas alcançar a maioria absoluta dos votos válidos na primeira votação, proceder-se-á a um segundo turno de votação, no qual concorrerão somente as duas chapas mais votadas.
§ 1º - No caso de empate de 3 (três) chapas ou de 2 (duas) chapas em segundo lugar, adotar-se-ão, sucessivamente, os seguintes critérios para definição das chapas que concorrerão em segundo turno:
I - a chapa cujo candidato ao cargo de Diretor de Estabelecimento de Ensino tenha maior tempo de exercício na área de Educação do Município;
II - a chapa cujo candidato ao cargo de Diretor de Estabelecimento de Ensino tenha maior tempo de exercício na escola;
III - a chapa cujo candidato ao cargo de Diretor de Estabelecimento de Ensino tenha idade mais elevada, considerando-se o dia, as horas e os minutos registrados na certidão de nascimento.
§ 2º - O segundo turno deverá ocorrer dentro de, no máximo, 7 (sete) dias após a divulgação do resultado do primeiro turno.
§ 3º - Apurado o resultado do segundo turno, será aclamada vencedora a chapa que obtiver a maioria dos votos válidos, não computados os votos brancos e os nulos.
§ 4º - Em caso de empate no segundo turno, adotar-se-ão os critérios estabelecidos no § 1° deste artigo para definição da chapa vencedora.
Art. 11 - Divulgados os resultados do pleito pela Comissão Mista Eleitoral, qualquer um dos membros das chapas poderá interpor recurso contra a votação e/ou apuração.
§ 1º - O recurso previsto no caput deste artigo não terá efeito suspensivo.
§ 2º - O prazo para interposição do recurso iniciar-se-á no momento da divulgação oficial, pela Comissão Mista Eleitoral, do resultado do pleito e terminará às 18 horas (dezoito horas) do primeiro dia útil subseqüente ao do pleito.
§ 3º - O recurso deverá ser formalizado por escrito e conter a exposição dos fatos e do direito, e ser protocolado na SMED para análise e deliberação, em última instância, pelo titular da Pasta.
Art. 12 – Os Diretores e Vice-Diretores eleitos deverão participar efetivamente dos cursos de formação em gestão escolar oferecidos pela SMED no decorrer do mandato, sendo obrigatória a freqüência integral e a comprovação de conclusão de cada curso.
Art. 13 - Compete aos Diretores e Vice-Diretores eleitos, dentre outras responsabilidades:
I - zelar pela construção e pelo fortalecimento do Sistema Municipal de Ensino;
II - implementar os programas educacionais, visando aprimorar a qualidade da aprendizagem;
III - implementar a política e as diretrizes emanadas da SMED e do Conselho Municipal de Educação;
IV - incumbir-se da supervisão, controle e prestação de contas dos recursos financeiros destinados às caixas escolares;
V - implementar, acompanhar e avaliar os programas sociais e projetos especiais do Executivo, no âmbito de sua competência e em colaboração com os gestores de outras áreas da Administração Municipal;
VI - cumprir as atribuições e as determinações que lhes são conferidas e fazer cumprir a legislação que se aplica aos assuntos de sua competência;
VII - manter-se atualizado sobre as normas municipais e sobre a estrutura organizacional da Administração Municipal;
VIII - manter conduta profissional compatível com os princípios reguladores da Administração Pública, especialmente os princípios da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da publicidade, da razoabilidade e da eficiência;
IX – preservar o sigilo das informações;
X - tratar a todos com zelo e urbanidade;
XI - garantir a implementação do Plano de Trabalho Administrativo e Pedagógico.
Art. 14 - O mandato de Diretor de Estabelecimento de Ensino, de Vice-Diretor de Estabelecimento de Ensino e de Vice-Diretor de UMEI é de 3 (três) anos, permitida uma única recondução consecutiva.
§ 1º - Para os fins do caput deste artigo, define-se por mandato, exclusivamente, o período cumprido no exercício de direção de escola ou de UMEI, quando a nomeação para o cargo público em comissão de Diretor ou para a função pública de Vice-Diretor decorrer do processo eleitoral instituído na Lei n° 5.796/90, suas alterações e seu regulamento.
§ 2º - Será permitida uma única recondução consecutiva para o cargo público em comissão ou função pública, respectivamente, de Diretor e de Vice-Diretor de Estabelecimento de Ensino e de Vice-Diretor de UMEI, ainda que em posição distinta daquela ocupada no mandato imediatamente anterior.
Art. 15 - Ao final de cada ano de mandato, realizar-se-á a avaliação da gestão administrativa e pedagógica da direção da escola e da UMEI a ela vinculada.
Parágrafo único - A avaliação de que trata o caput deste artigo terá como foco o Plano de Trabalho apresentado pela direção e será feita em assembléia escolar convocada exclusivamente para este fim, pelas Gerências Regionais de Educação e pelas instâncias competentes da SMED, conforme dispuser regulamento próprio.
Art. 16 - O mandato da chapa eleita inicia-se no dia 1º de janeiro do ano subseqüente ao do processo eleitoral.
Parágrafo único - A direção em exercício deverá apresentar à direção eleita para o mandato subseqüente, até o último dia letivo do ano em que findar seu mandato, em assembléia, o balanço de sua gestão, inclusive a avaliação do Projeto Político Pedagógico da escola, relatório da caixa escolar, do acervo documental e inventário patrimonial e material da escola e da UMEI a ela vinculada.
Art. 17 - Tendo em vista o disposto no § 2° do art. 69, combinado com o art. 192, ambos da Lei nº 7.169, de 30 de agosto de 1996, o candidato eleito que for ocupante de dois cargos efetivos no Município de Belo Horizonte ficará afastado de ambos durante o período do mandato.
Art. 18 - Ocorrendo a vacância do cargo de Diretor, o Vice-Diretor da escola assumirá o cargo.
Parágrafo único - A regra prevista no caput deste artigo é exclusiva para o Vice-Diretor da escola e não se aplica ao Vice-Diretor da UMEI, que permanecerá no exercício de sua função até o final do mandato, ainda que ocorra a vacância simultânea do cargo público em comissão de Diretor e da função de Vice-Diretor da escola.
Art. 19 - Na vacância da função pública de Vice-Diretor da escola e/ou de Vice-Diretor da UMEI, ou de ambas, a assembléia escolar, conforme seus próprios critérios, obedecidas as regras constantes no art. 2º deste Decreto, e no prazo máximo de 30 (trinta) dias, indicará um novo ocupante para a função vaga, que será nomeado pelo Prefeito.
Art. 20 - Ocorrendo a vacância simultânea do cargo público em comissão de Diretor e de uma ou ambas as funções públicas de Vice-Diretor da escola e da UMEI, e caso a vacância se dê em prazo superior a 180 (cento e oitenta) dias anteriores à data do término do mandato respectivo, a assembléia escolar será convocada para realização de nova eleição para o cargo e/ou funções vagos, no prazo de 30 (trinta) dias, conforme regulamentação específica a ser expedida pela SMED.
§ 1º - Compete ao titular da Secretaria Municipal de Educação a indicação de servidor público para o cargo público em comissão de Diretor até a divulgação do resultado da eleição prevista no caput deste artigo, para nomeação do Prefeito
§ 2º - Serão nomeados pelo Prefeito servidores públicos efetivos para o cargo de Diretor e para a função de Vice-Diretor, caso a vacância do cargo público em comissão de Diretor e/ou da função de Vice-Diretor da escola e Vice-Diretor da UMEI ocorra em prazo igual ou inferior a 180 (cento e oitenta) dias anteriores à data do término do mandato respectivo.
Art. 21 - Compete ao Secretário Municipal de Educação regulamentar, mediante portaria, as normas complementares necessárias à realização do processo eleitoral, fixando, inclusive, a data em que ocorrerá a eleição.
Art. 22 – Fica revogado o Decreto n° 12.531, de 13 de novembro de 2006.
Art. 23 - Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Belo Horizonte, 11 de novembro de 2008
Fernando Damata Pimentel
Prefeito de Belo Horizonte
 PUBLICADO EM
11/11/08 23:10
ARTIGOS PARA O JORNAL DA REDE
de profpublico
Companheiras e companheiros,

o próximo número do Jornal da Rede será sobre a nossa Conferência de Educação, a avaliação das eleições municipais e análises da crise mundial.
Receberemos as contribuições, de no limite 25 linhas, até às 08 horas da manhã do dia 14 de novembro, sexta-feira, pelo email redebh@terra.com.br.

Contribuam! Participem!

Direção Colegiada do Sind-REDE/BH
 PUBLICADO EM
11/11/08 09:23
PORTARIA - CALENDÁRIO 2009
de profpublico
Olá, colegas!
saiu no DOM de hoje a portaria que trata do calendário 2009.
Segue abaixo.
Prof. Geraldinho
Diretoria Colegiada do Sind-REDE
do CME e IMACO

Obs: estou a disposição para possíveis demandas ou questionamentos junto ao Conselho Municipal de Educação. Podem me procurar pelo telefone 96137317 ou pelo e.mail
prof_geraldinho@yahoo.com.br.

"Terça-feira, 11 de Novembro de 2008
Ano XIV - Edição N.: 3217
Poder Executivo

Secretaria Municipal de Educação
PORTARIA SMED Nº 056/2008

Estabelece parâmetros para elaboração do Calendário Escolar para o ano de 2009.

O Secretário Municipal de Educação, no uso de suas atribuições, com base nas disposições da Lei Federal no 9.394, de 20 de novembro de 1996 e suas normas complementares, e considerando a necessidade de compatibilização do calendário escolar da Rede Municipal de Educação com os calendários das Redes Estadual e Privada da cidade de Belo Horizonte,
RESOLVE:

Art.1o – O Calendário Escolar de 2009 obedecerá às normas desta Portaria, deverá ser elaborado pela escola, discutido e aprovado pelo Colegiado Escolar, referendado pela Assembléia Escolar, com ampla divulgação para servidores, alunos e pais de alunos.

Art. 2o – O Calendário Escolar deve prever o mínimo de 200 (duzentos ) dias letivos e 4 (quatro) dias escolares para a Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio.
§ 1o – A carga horária anual é de, no mínimo, 800 (oitocentas) horas de efetivo trabalho escolar, com jornada diária de, no mínimo, 4 (quatro) horas, excluído o tempo destinado ao recreio.
§ 2o – O Calendário Escolar para a modalidade de Educação de Jovens e Adultos dos Ensinos Fundamental e Médio deve observar as disposições da Resolução do CME/BH nº 001/03 e o teor da Proposta Pedagógica aprovada pelo Conselho Municipal de Educação.

Art. 3o – Nos calendários das unidades escolares da Rede Municipal de Educação devem constar as seguintes datas e programações:
I - Início do ano escolar : 2 de fevereiro;
II - Início do ano letivo: 3 de fevereiro;
III - Término do ano letivo: até 16 de dezembro;
IV - Término do ano escolar: até 18 de dezembro;
V - Férias escolares de 02 a 31 de janeiro e 28, 29, 30 e 31 de julho;
VI - Recessos escolares comuns: 23 e 25 de fevereiro, 9 e 20 de abril, 12 de junho, 13 a 16 de outubro e 7 de dezembro, podendo esses serem utilizados como dias escolares;
VII - Feriados: conforme publicação no Diário Oficial do Município – DOM;
VIII - 2 (duas) Assembléias Escolares serão consideradas dias letivos;
IX - 4 (quatro) sábados letivos, no máximo;
X - 4 (quatro) dias escolares, no mínimo, para planejamento, avaliação e formação, sendo um deles, no dia 21 ou 28 de novembro, para discussão e avaliação da gestão, com base no Plano de Trabalho Administrativo e Pedagógico aprovado na eleição para o triênio 2009/2011.

Art. 4o – Compete ao(a) Diretor(a) da escola fazer cumprir as determinações desta Portaria e encaminhar o Calendário Escolar à Gerência de Avaliação e Verificação do Funcionamento Escolar – GAVFE, para conhecimento, análise e aprovação, até 25 de novembro de 2008, com cópia para a respectiva Gerência de Educação – GERED.
§ 1o - Qualquer alteração do Calendário Escolar deve ser discutida e aprovada pelo Colegiado Escolar, referendada pela Assembléia Escolar, observados os parâmetros desta Portaria.
§ 2o – A alteração a que se refere o § 1o deste artigo deve ser encaminhada, por meio de ofício, à GAVFE, para análise e aprovação, com antecedência de 10 (dez) dias da ocorrência da alteração.

Art. 5o – Esta Portaria entra em vigor na data se sua publicação e revoga as disposições em contrário.

Belo Horizonte, 07 de novembro de 2008
Hugo Vocurca Teixeira
Secretário Municipal de Educação"
 PUBLICADO EM
09/11/08 19:04
REALIDADE BRASILEIRA E A CRISE CAPITALISTA
de profpublico
Companheiras e companheiros,

no dia 11 de novembro, terça-feira, o tema do Curso Marxismo e Revoluções é 'Realidade Brasileira'.
Na ocasião, o professor João Antônio de Paula, fará uma análise da situação brasileira frente à crise internacional.
Será uma excelente aportunidade de conhecermos um pouco mais sobre esta importante crise capitalista e suas repercussões em nosso cotidiano.
Participem!!!
Dia 11 de novembro, 19 horas, no Sind-REDE/BH.

Departamento de Formação do Sind-REDE/BH
 PUBLICADO EM
07/11/08 08:05
MERENDA PARA ENSINO MÉDIO
de profpublico
Câmara aprova projeto que dá merenda para alunos do Ensino Médio


Foi aprovado ontem, pela Câmara dos Deputados, o projeto que provoca mudanças na LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) ao ampliar, para os alunos do Ensino Médio, o direito à merenda escolar. O projeto, que agora segue para aprovação no Senado, prevê ainda que 30% da merenda seja comprada por produtores que estejam inseridos na agricultura familiar, principalmente nos assentamentos regularizados pelo Incra, comunidades indígenas e quilombolas. Para evitar aumento dos gastos com a compra de alimentos, o projeto diz que este percentual de 30% só se torna obrigatório se os preços estiverem compatíveis com os do mercado local. A ampliação da merenda, que também inclui programas de material didático, transporte e assistência à saúde para os alunos do Ensino Médio pode aumentar o repasse de verbas da União para os Estados e municípios.

Fonte: G1.GLOBO.COM
Redação: Lucas Reis Ávila - SINEP MG

Será verdade? Vamos ter ainda ensino Médio na RME quando isto se efetivar?
Prof.Geraldinho
IMACO
 PUBLICADO EM
06/11/08 13:15
SIMAVE, QUE SIMAVE?
de profpublico
Olá, senhores e senhoras especialistas em Educação,

Como devem saber, o Simave – Sistema Mineiro de Avaliação da Educação Pública foi instituído pela Secretaria de Estado da Educação em 2000, o Simave é composto pelos programas de avaliação “Proalfa” e “Proeb”, ambos censitários. As avaliações são promovidas pela Secretaria de Estado de Educação e realizadas por instituições externas vinculadas a universidades federais sediadas em Minas Gerais.

A intenção declarada é que os “resultados dos programas de avaliação em grande escala serão (SERIAM) utilizados como instrumentos importantes para a gestão do sistema público de Educação em Minas Gerais, pois levanta(RIA)m dados para o diagnóstico sistemático da rede pública de ensino e fornece(RIA)m informações para subsidiar a definição de políticas educacionais e o planejamento de suas ações”.

O Programa de Avaliação da Educação Básica, Proeb, testa(RIA) anualmente os conhecimentos de Língua Portuguesa e Matemática dos alunos das 4ª e 8ª séries do ensino fundamental e do 3º ano do ensino médio.
Em Belo Horizonte, muitas escolas municipais participaram do Proeb ontem, dia 05 de novembro. A avaliação, cercada de mistérios (os docentes não podem ler a prova e membros do Colegiado escolar são escalados como fiscais de turma) foi aplicada em turmas de estudantes com cerca de 10 anos de idade.

Alguém resolveu, reservadamente, fotocopiar uma página da referida avaliação secreta. Qual não foi sua surpresa quando encontrou algumas questões como a abaixo:

“30 - O (a) professor (a) continua a explicar ATÉ que TODOS os alunos entendam a matéria.”
“36 - O (a) professor (a) ajuda mais a uns do que a outros alunos.”
“37 - O (a) professor (a) FALTA às aulas.”
“39 - O (a) professor (a) dá as notas de maneira JUSTA.”
“40 - O (a) professor (a) costuma passar tarefas CHATAS.”

As opções de respostas a serem marcadas pelo “avaliado” eram: “(A) - em todas as aulas”; “(B) – Na maioria das aulas”; “(C) Em algumas aulas”; “(D) Nunca”.

Será que a equipe ou os “experts” em educação que elaborou/elaboraram esta avaliação não se questiona(m) sobre a validade dos alunos julgarem as aulas do (a) professor (a) na base do que é CHATO ou não?

Pareceu-me que os especialistas em questão crêem que é possível livrar os alunos das aulas CHATAS. E do resto das coisas chatas? Estudar pode ser um porre para a maioria dos alunos. Poderiam optar por NÃO ESTUDAR? Ler alguns livros pode ser CHATO. Talvez seja melhor estar na frente da TV ou do “videogame”...

Será possível nos livrar de tudo que é chato? Levantar cedo, responder às chefias a tempo e a hora, trabalhar todos os dias, ganhar pouco e trabalhar muito? E ter que dar ouvidos aos políticos e seus capatazes que nunca mais voltaram a uma escola básica, nem para visitar, depois que assumiram seus cargos, isto não é CHATÉRRIMO?

E teria um aluno de dez anos um conceito claro do que é JUSTO ou não? È JUSTO mamãe me colocar de castigo sem ver TV por não ter feito a tarefa escolar? É JUSTA a forma como as crianças pobres são tratadas neste Brasil grande e besta, sem escola decente e sem perspectivas para a infância? É justo o salário dos gestores públicos de primeiro escalão? E dos legisladores e juristas de alto coturno? E o salário do pai da criança, é justo? O Mundo é JUSTO? O Mundo deve e será JUSTO algum dia, senhores especialistas?

E ainda: As “FALTAS” dos docentes às aulas, deve ser controlada pelos meninos e meninas? Será que esta “FALTA” está sendo tratada de forma JUSTA? O adoecimento dos docentes, o fenômeno do “docente doente” está deixando a sociedade demente e o governo inclemente? E o aluno repetente?

Saberá o especialista, contextualizar a “FALTA” do professor às aulas, de maneira a tratá-la de maneira adequada, sem responsabilizar o servidor pelos seus próprios males? Ficarão a mulher trabalhadora e o homem trabalhador doentes por escolha própria?

Há por trás de pelo menos uma das questões do SIMAVE acima transcritas a crença de que o (a) professor (a) deve explicar ATÉ que TODOS entendam. Isto é possível na escola atual? Nesta escola fragmentada e dividida que vivenciamos? Dividida entre executores e pensadores? Onde o docente não pode planejar de forma satisfatória e onde o encontro entre educadores é desestimulado e até impossibilitado?

Muitas perguntas. Muitas impertinentes até. Mas foram vocês que começaram a brincadeira!
E para completar, deixo aqui algumas sugestões de perguntas (e respostas) a serem feitas aos filhos da classe trabalhadora no próximo SIMAVE, ou seja, lá que nome tenha:

1- O transporte coletivo que liga seu bairro ao bairro vizinho ou ao centro, tem ônibus limpos, de tarifas baratas, acessíveis, tem arejamento e temperatura adequados:
a) de vez em nunca; b) nunca; c) nunca mesmo; d) “nunquinha”; e) jamais;

2- Quantas vezes um vereador, secretário de educação, prefeito, (alguém do governo), esteve em seu bairro fora do período de campanha eleitoral?
a) de vez em nunca; b) nunca; c) nunca mesmo; d) “nunquinha”; e) governo, que governo?

3- O salário de seu pai dura em média: a) um dia e meio; b) um bar; c)um bar e meio; d) salário? Que que é isso, fessô? e) tia, não tenho pai, tenho que responder assim mesmo?

Caros especialistas, sinto interromper este texto, pois tenho que ir para a sala: a sirene tocou....afinal, alguém tem que cumprir a missão de BEM EDUCAR os meninos e meninas de BH...


Prof. Geraldinho
IMACO e Diretoria Colegiada do Sind-REDE
 PUBLICADO EM
06/11/08 08:14
ELEIÇÕES PARA DIREÇÕES DE ESCOLA
de profpublico
Caros amigos do fórum!
Eis aí o que acho ser um primeiro sinal de vida das eleições deste ano para direções de escola:
Saiu no DOM de hoje.

Quinta-feira, 6 de Novembro de 2008
Ano XIV - Edição N.: 3214
Poder Executivo

Secretaria Municipal de Educação

COMUNICADO - ELEIÇÃO DE DIRETORES E VICE-DIRETORES DA RME

A Secretaria Municipal de Educação, no uso de suas atribuições, tendo em vista a proximidade do processo eleitoral para escolha da Direção e Vice-Direção das escolas municipais para o triênio 2009/2010/2011, ora em fase de regulamentação para posterior publicação, e, ainda, considerando a exiguidade dos prazos previstos para cumprimento de todas as etapas do processo, solicita aos Senhores Diretores das Escolas Municipais que procedam a convocação de Assembléia Escolar, no período de 07/11/08 a 22/11/08, para eleger os membros da Comissão Mista Eleitoral-CE que deverá conduzir, em cada escola, o referido processo eleitoral, bem como, promover uma discussão sobre o perfil dos futuros candidatos ao cargo público de Diretor de Escola, à função pública de Vice-Diretor de Escola e à função pública de Vice-Diretor de UMEI.
A convocação da referida Assembléia deverá ser divulgada, em locais de grande fluxo de pessoas na comunidade escolar atendida pela escola e UMEI a ela vinculada, devendo constar dessa convocação, por escrito e com clareza, as competências da CE.

A Assembléia deverá obedecer ao que dispõe o Parecer CME/BH Nº 052/2002 aprovado em 08/08/2002 e a Portaria SMED N.º 062/2002 que dispõe sobre a constituição e funcionamento da Assembléia Escolar e ter um quorum composto por representantes da comunidade escolar, cujo quantitativo corresponda, no mínimo, a 10% (dez por cento) do número de alunos matriculados na Escola e na UMEI, quando houver. Não se alcançando o quorum necessário para realização da Assembléia Escolar, a Direção da unidade deverá proceder a nova convocação, com antecedência mínima de 48 HORAS, mantendo-se a exigência do quorum acima previsto.
Para efeito da composição da Assembléia Escolar define-se como comunidade escolar o coletivo de trabalhadores em educação, alunos, pais e mães ou responsáveis legais por alunos e grupos comunitários da escola e da UMEI.

Como grupos comunitários são definidas as associações comunitárias, as associações esportivas, os grupos religiosos, ONGs e outros. Para participar da assembléia escolar esses grupos deverão inscrever-se junto à secretaria da escola, apresentando cópia do estatuto da entidade, cópia de registro em cartório, declaração de vínculo com a jurisdição da escola, cópia da ata de eleição da diretoria da entidade e relação dos nomes de todos os integrantes daquela diretoria.
A Comissão Mista Eleitoral deverá ser composta por representantes da comunidade escolar e por seus respectivos suplentes, a serem indicados por seus pares, conforme relacionado abaixo:

a- um representante dos alunos que tenha, no mínimo, 16 anos completos;
b- um representante dos pais dos alunos;
c- um representante dos professores, técnicos superiores de educação-SP/OE e pedagogo;
d- um representante dos demais servidores da escola e UMEI;
e- um representante da Associação de Pais da escola e UMEI, quando houver.

A Direção da escola deverá afixar em locais públicos e visíveis os nomes dos componentes da CE, não podendo fazer parte desta os atuais ocupantes da Direção e os futuros candidatos ao cargo e função de Diretor e Vice-Diretor, respectivamente. A Comissão Mista Eleitoral, após constituída, elegerá seu presidente, que terá voto de qualidade.
Os membros da CE deverão conduzir o processo de forma imparcial, vedado qualquer tipo de manifestação de apoio às chapas.
É competência da CE planejar, organizar, presidir, conduzir e deliberar sobre as questões inerentes ao processo eleitoral, respeitando a legislação pertinente.

Belo Horizonte, 05 de novembro de 2008
Hugo Vocurca Teixeira
Secretário Municipal de Educação
 PUBLICADO EM
03/11/08 11:11
Polifonia e dialogismo em "Narradores de Javé"
de profpublico
Caso queira ler um artigo que trata do filme "Narradores de Javé" visite o site http://www.espacoacademico.com.br/ e clique no espaço Educação - Lingüística e cinema: Polifonia e dialogismo em "Narradores de Javé".
O artigo é assinado pelo professor José Maria Theodoro.
Transcrevo uma fala de um personagem do filme para que você reflita.

“– Às vezes, é bom. A gente nunca sabe, né. Eu mesmo, que não sou das letras, posso contar um rebuliço que uma escritura foi capaz de fazer! (...)” 0:02’:47’’ – 0:03’:01’

blogdamodesta.zip.net
 PUBLICADO EM
27/10/08 23:42
CURSO DE FORMAÇÃO REVOLUÇÕES E MARXISMO
de profpublico
Companheiras e companheiros,

nos dias 04, 06, 11 e 13 de novembro estaremos realizando, na sede do SindREDE/BH,
o Curso de Formação Revoluções e Marxismo, com o professor João Antônio de Paula, da FACE/UFMG.
Faça a sua inscrição via fax 3212.9044.
Basta enviar nome, escola, fone e email.
O curso custa R$50,00, mas para quem é filiado fica em R$30,00.
Forneceremos certificado do mesmo.

Departamento de Formação - Sind-REDE/BH
 PUBLICADO EM
25/10/08 16:12
Propostas de um grupo de professores para melhorar a Educação
de WoodsonFC
1- Manutenção  do ensino médio pela PBH  - Retornando o antigo acordo  junto ao governo estadual do repasse de verbas
2- Criação e retorno de curso técnico profissionalizante.
3- Aprovações de passe estudantil para alunos de escolas  públicas comprovadamente matriculados e freqüentes
* 4-  Multa na bolsa escola no valor de desconto de 3 dias  para alunos que apresentarem mais  de  3  registros de indisciplina em um mês - As multas serão proporcionais as  ocorrências registradas
5- Abatimento de  3 % no valor do pagamento do IPTU  para pais  de alunos que comparecerem a todas as reuniões e convocações da escola
7- Interação entre avaliação quantitativa e qualitativa, ou seja, avaliação formativa sem privilegiar uma em detrimento da outra. Na avaliação Quantitativa deverá ocorrer retenção aos alunos com rendimento menor que 60% em três  ou mais disciplinas, após esgotadas todas as tentativas de recuperação
8- Implantação de um sistema padrão Município-Estado (ou toda as escolas funcionam trimestralmente ou bimestralmente)
9- Aberturas de dia escolares  com palestras aos  pais - Presença obrigatória de acordo com o item 5-  sobre direitos e deveres dos alunos
10- Presença de profissionais psico- pedagógicos para atenderem e acompanharem casos especiais de inclusão  - (Alunos portadores de deficiências e  ou patologias mentais que estão em regime de socialização)
11- Criação de escolas especiais para  alunos incluídos - (Uma escola para cada regional, atendendo casos de liberdade assistida,  os de inclusão e analfabetos que sofreram progressão sem a devida base) - Os  professores que desejarem trabalhar  nestas unidades, deverão ser selecionados por perfil  através de profissionais (Psicólogos) e deverão ter aptidão para alfabetização. Criação de  piso salarial diferenciado para esta categoria de no mínimo 5% a  mais sobre as  escolas com clientela comum
12- Remanejamento de alunos  por  retenção na mesma etapa consecutiva - Alguns alunos estão  permanecendo na escola para distribuir drogas e formam assim um ¨mini centro de distribuição”. O remanejamento  Tb devera ser usado para desfazer  grupos de alunos altamente indisciplinados
13 - Retorno da reprovação por  desempenho no meio da etapa - Atualmente, é   impossível o aluno recuperar o conteúdo perdido ao final de um ciclo, como  é praticamente  inviável  e desumano reter um aluno ao final de um ciclo inteiro
14- Recuperação paralela - O aluno fará  a recuperação fora do turno em que está  matriculado, devendo realizá-la em período extra turno com o professor da disciplina em que se encontra defasado
15-Retorno de espaço para projeto pedagógico  para  a realização de conselhos e elaboração de estratégias  pedagógicas sem prejuízo  da carga horária do aluno ou professor
16 - Pensar em mecanismos legais de como acabar com as drogas circulantes nas escolas
17 - Escola de tempo integral- Como transformá-la em uma realidade ?
18 - Reajuste salarial - Nós professores, estamos com uma defasagem salarial em torno de 50%
19 -Retorno do "Pè Na Cova - O professor fica cumprindo seu horário na escola prestando outros  serviços que não lecionar quando estiver faltando cinco anos para a  sua aposentadoria
20-  ´Plano de saúde  para os profissionais do ensino - Tornar  viável através de concorrência pública, um plano de saúde  extensível aos familiares pago pela PBH
21-Maior agilidade na  quitação de vantagens: Os  processos de venda ou gozo de férias prêmio e outros direitos demoram demais a serem quitados. Por que não agilizá-los ? Multa em 3% sobre o valor montante de direito ao trabalhador  por cada mês em atraso
22-Criar parcerias com clubes de BH afim de atenderem alunos com talentos específicos
23-Modificar  os nomes aos anos ou séries escolares que estão em uso. Atualmente, nem os pais, alunos e até mesmo alguns professores tem dificuldade de perceber em que série o aluno está.
Uma proposta seria: 1º Ciclo - turmas  11,12,13 etc
24-  Garantia de  formação em serviço fora do horário escolar
25- Desvinculação das UMEÍs em relação às escolas núcleos - Cada Umei se torna uma unidade escolar independente
26 Criação de uma entidade denominada  Caixa Escolar das  Escolas Municipais de Belo Horizonte, para fins de contratação de pessoal e  outros,
27 Criar um cargo de  gerente administrativo escolar  para cuidar das questões administrativas e financeiras
28- Extensão dos benefícios funcionais  para os trabalhadores contratados pelo caixa escolar
29- Garantia ao profissional que se encontra em desvio de função por aval médico, do calendário a ser seguido ser o de sua categoria de origem
30- Maior flexibilização da SMED em relação ao calendário escolar, dando às escolas  mais autonomia, dentro dos parâmetros estabelecidos pela LDB
 31 - Redução do nº de alunos por turma de 35 para 25 OBS Que seja através de projeto de lei
32- Criação de uma estrutura administrativa de apoio as direções escolares na própria escola EX: Assistente administrativo, gerente administrativo para cuidar das questões exclusivamente administrativas
33 – Revisão do plano de qualificação dos professores _Tempo Menor e custeio pela PBH
34- Retorno do recesso escolar de 30 dias em Julho e garantia das férias em Janeiro (200 dias letivos são suficientes )
35- Decidido hoje – Elaboração de uma comissão para avaliação das propostas encaminhadas pelos professores Municipais – Os professores deverão ser ouvidos diretamente sem intermediários .


.
 PUBLICADO EM
25/10/08 12:13
PARA DEPOIS DE DOMINGO.....
de profpublico
Santa Maria dos Anjos - Augusto de Lima

Santa Maria dos Anjos
da capelinha florida,
onde floresce o perdão,
dobrando o sino, convida
os descontentes da vida
a vir chorar na oração.

Santa Maria dos Anjos,
fonte de graças mais puras,
foco do eterno esplendor,
oferece às criaturas,
conforto nas amarguras,
prêmios de glória na dor.

Santa Maria dos Anjos!
lá no recinto se ouvia,
um coro de anjos cantar...
Cantavam: “Santa Maria...”
enquanto Francisco via
aberto o céu sobre o altar.

Santa Maria dos Anjos
a capelinha plantara
em terra santa e feliz.
Foi nela que a loura
seara da cabeleira de Clara
colheu Francisco de Assis.

Santa Maria dos Anjos
fez do seu templo um abrigo,
do seu jardim um trigal;
trigal do divino trigo;
que afasta o eterno castigo
e leva à vida imortal.

Santa Maria dos Anjos,
Mãe de Deus, Nossa Senhora,
da Porciúncula alma e luz;
sê do poeta implora
dos pecadores, agora
e na hora da morte. Amém.

Antônio Augusto de Lima (Nova Lima, então Congonhas de Sabará, 5 de abril de 1859 — Rio de Janeiro, 22 de abril de 1934) foi um jornalista, poeta, magistrado, jurista, professor e político brasileiro. Governador de Minas Gerais (1891), decidiu a mudança da capital do estado de Ouro Preto para Belo Horizonte. Membro da Academia Brasileira de Letras.
 PUBLICADO EM
25/10/08 11:42
(título desconhecido)
de profpublico
Eleições 2008
Nessa guerra eleitoral quem perde é o eleitor.
A maioria dos veículos de comunicação é parcial.
O rei-capital adverte: "Quem são vocês?"
É... E quem somos nós?!

Modesta Trindade Theodoro
25/10/2008 - 11h19 AM
 PUBLICADO EM
24/10/08 19:14
URGENTE! RELATÓRIO REUNIÃO SIND-REDE/BH COM COORDENADOR CAMPANHA MÁRCIO LACERDAREUNIÃO
de profpublico
HOJE, ÀS 10 HORAS, RECEBEMOS EM NOSSA SEDE O SR. JORGE NAHAS, COORDENADOR DE CAMPANHA DO CANDIDATO MÁRCIO LACERDA

 Entregamos uma cópia do manifesto e explicamos ponto a ponto.
 Em nenhum momento o representante do candidato márcio lacerda assumiu o compromisso com as propostas apresentadas pela categoria.
 Além disso, informou que algumas propostas do material distribuído nas escolas pela campanha do candidato não fazem parte do seu programa de governo, como por exemplo:
 - reuniões pedagógicas - provavelmente “não serão no formato que sempre tivemos”;
 - “isonomia salarial da educação infantil é um termo muito amplo”, portanto não podemos entendê-lo como garantia de paridade;
 - férias em julho pode prejudicar o atendimento aos alunos, sobretudo das crianças de 0 a 3 anos. Disse ainda, que é possível rediscutir a ampliação do calendário da educação infantil ;
 -justificou que as relações entre governo e sindicato são naturalmente conflituosas e não demonstrou que haverá abertura para o diálogo.

DIRETORIA COLEGIADA DO SIND-REDE/BH

Obs: O Sind-Rede ouviu os dois candidatos e informou a categoria!
 PUBLICADO EM
24/10/08 18:49
RJ ignora PSNP para professores de nível superior
de profpublico
Leiam: http://extra.globo.com/economia/materias/2008/10/23/estado_anuncia_aumento_para_professores_da_rede_publica-586093392.asp

Comentários
No Estado do RJ, os Professores chamados de PII (P 2) são os que trabalham com o primeiro segmento do Ensino Fundamental, ou seja, em sua grande maioria de nível médio.

Sabem quanto ganha um professor de nível superior no Estado do RJ? R$ 539 líquido! Já contando o reajuste deste ano que foi de 8%. Mesmo com esse salário mínimo, nós não temos direito a vale transporte, vale refeição ou a vale qualquer coisa, NADA! Apenas alguns professores antigos ganham gratificação.

Como disse nosso colego, para que nível superior? Para ganhar salário mínimo?

O número de colegas que largam o magistério do Estado é muito grande, todos nós que trabalhamos na rede estadual conhecemos 2 ou 3 professores por Escola que largam tudo, não aguetaram tanta violência, estresse, descaso, HUMILHAÇÃO! E mais, 99% pensam todos dias em lagar, 99% falam todos os dias que na primeira oportunidade vão largar!

A VIOLÊNCIA NO RJ TAMBÉM É CONSEQUÊNCIA DO DESCASO COM A EDUCAÇÃO FLUMINENSE! ACORDEM!

Prof. Marcio Costa
Tenho 27 anos, estou a 2 anos na rede estadual do RJ.


 PUBLICADO EM
23/10/08 19:40
PT desapareceu no processo eleitoral de BH
de profpublico
Quinta-feira, 23 de outubro de 2008
Patrus divulga carta e diz: "PT desapareceu no processo eleitoral de BH"
Hora 13:23
Em carta á população de Belo Horizonte, o ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias (PT) volta a criticar o que chamou de "concepção centralizadora, autoritária de alianças sem qualquer fundamentação programática e de compromissos sociais". Segundo ele, no processo de indicação do candidato do PT, dispensou-se a militância e se apostou numa campanha baseada no marketing. "O Partido dos Trabalhadores desapareceu no processo eleitoral de Belo Horizonte".
Segundo Patrus, por orientação da direção nacional do PT e de integrantes do diretório estadual, dedicou-se às campanhas do PT nas cidades em que o seu partido apresentou candidaturas. "Por sete finais de semana seguidos e algumas noites pude visitar 47 cidades mineiras e outras 15 em direrentes estados do Brasil", afirmou. Ele afimou ter sido "revigorante" perceber a identidade dos mais pobres com a causa petista que chamou de "forças democrático-poupulares". Patrus informou ainda que esta semana estará em Juiz de Fora, Petrópolis e em contagem, em apoio às candidaturas petistas.
Sobre Belo Horizonte, ele insistiu já ter tornado pública a sua posição: não apóia nenhum candidato. "Fui literalmente alijado juntamente com outros companheiros do PT, das esquerdas, das forças democrático-populares, dos movimentos sociais, da base de apoio do governo Lula". Patrus assinalou que pretende votar no domingo, "considerando atentamente e até o último momento as propostas e o comportamento de cada candidato". Ele acrescentou: "Não tornarei público o meu voto proque isso só faz sentido quando é pública a nossa adesão a uma candidatura. E a adesão plena só se dá no compartilhamento das idéias, dos sonhos e dos projetos em campanhas que nos mobiolizam no mais fundo do coração e dos sentimentos. Infelizmente, não é o caso de Belo Horizonte".
(Postado por Bertha Maakaroun)
 PUBLICADO EM
22/10/08 12:23
MAIS UM FERIADO MUNICIPAL
de profpublico
VAMOS SUGERIR AOS NOSSOS LEGISLADORES QUE SEJA CRIADO O DIA MUNICIPAL DO CHUTE NA BUNDA. SERÁ O DIA 26/10 DE CADA ANO A PARTIR DE 2008.
FAÇAMOS MUITA FORÇA PARA QUE ESTA PROPOSIÇÃO DE LEI SEJA EFETIVADA!

VAMOS CHUTAR A BUNDA DELES,
GENTE! ISTO DÁ PRÁ FAZER!
 PUBLICADO EM
22/10/08 10:02
Aposentados/as pela Ec. 41 - Carta aos candidatos à PBH
de profpublico
Belo Horizonte, 22 de outubro de 2008

Aos candidatos à Prefeitura de Belo Horizonte



(A mesma carta seguiu para os dois candidatos)

Não sei se é do seu conhecimento, mas os/as professores/as aposentados/as pela Emenda 41 da Constituição Federativa têm salários defasados. Isto porque a Emenda em questão deixa ao Ente Federativo (no nosso caso a PBH, que tem previdência própria) a tarefa da criação de uma Lei que inclua estes/as aposentados/as.
Depois de muita reclamação a PBH criou o projeto 1.497 que se transformou na LEI N° 9.469 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2007 (não conseguimos impetrar Emendas). Ela vale até o final de 2008 e peca, porque nossos reajustes tiveram queda de 11% em relação aos demais professores/as aposentados/as (2007/2008) mais 5% (2006 - nenhum reajuste), o que totaliza 16% (dezesseis por cento). Um absurdo.
Basta clicar em Emenda 41 (de 2003) para saber o estrago que ela tem feito a todos. A quebra de paridade não quer dizer ter menor reajuste, isto é um problema de políticas públicas.
Em 2006 nosso reajuste foi zero. Entramos com processo interno. Muitos foram indeferidos depois de um ano e meio, e outros estão aguardando retorno. Pergunto aos senhores se vai haver uma Lei que nos contemple, se os advogados da PBH trabalharão para que não tenhamos tanta defasagem. Nosso salário está minguando. Aposentados e aposentadas, muitas vezes, não podem ir à luta. Aqueles, doentes, bem que gostariam, mas há barreiras.
Outro fato é o pagamento pelo Banco do Brasil. Não temos conta-salário. Fizeram com que abríssemos a conta e temos que pagar mensalmente valor não inferior a R$9,50 para receber. Ainda assim limitam retiradas de nosso salário no caixa eletrônico. É uma tortura e, novamente, os idosos e aqueles que se aposentaram por invalidez pagam por ter se aposentado, pagam por um direito.
As políticas públicas em sua gestão voltarão os olhos para o fato, caso seja eleito?
O que os senhores podem nos dizer acerca do que foi colocado?
Atenciosamente,
Modesta Trindade Theodoro
 PUBLICADO EM
22/10/08 07:09
Que isso?
de profpublico
Terça-feira, 21 de Outubro de 2008 22:59

Compas,repasso para o conhecimento de vocês.Consolação
LACERDA DEVE A PREFEITURA DE BH E NÃO PAGA!VOCÊ SABE POR QUÊ?
Em uma roda de funcionários da Prefeitura, alguns deles em cargoscomissionados, foi iniciada uma conversa sobre o que ocorria com as finançascomandadas por Pimentel, na época Secretário de Fazenda da Prefeitura e hojecom ele Prefeito.
*1º ATO* – Na campanha de 1994, a Construtora OAS foi anistiada de umaDIVIDA que tinha com a Prefeitura. A contra partida da Construtora foi umadoação de 500 mil reais para a campanha do Lula. A mesma não foi depositadana conta do LULA, mas na conta do CARLÃO que era candidato ao Governo deMinas. O processo de anistia foi assinado por Júlio Pires, na época o adjunto de Pimentel. Teve outra contribuição na campanha do Zé Dirceu, no mesmo esquema.
2º ATO – Governo Célio de Castro, Pimentel continua na Secretaria deFazenda. Há um processo contra a UNIMED. Depois de todos os recursos perdidos pela EMPRESA, o mesmo foi engavetado por Célio de Castro, últimorecurso administrativo possível, para que a EMPRESA não fosse cobrada.Detalhe: A UNIMED era contribuinte das campanhas de Célio.
3º ATO – Dívida *DA EMPRESA* de MÁRCIO LACERDA com a Prefeitura. A EMPRESAentra na justiça, o procurador do Município afrouxa na defesa e a Prefeituraperde. Os cofres públicos deixaram de arrecadar mais de 1 milhão.MÁRCIO LACERDA é ungido candidato.Existem outras EMPRESAS beneficiárias em situação semelhante.ELES DEVEM CONTINUAR ROUBANDO BH? VOCÊ VAI VOTAR NELES?
 PUBLICADO EM
18/10/08 00:22
Eleições - Opiniões várias - "Jornal O Tempo"
de profpublico
Jornal O Tempo
Belo Horizonte, 18 de outubro de 2008

Fórum

"Eleições

Modesta T. Theodoro
Bairro Monsenhor Messias - BH
O coordenador de campanha do PSB-PT disse a "O TEMPO" (Política, 16.10) que o deputado Leonardo Quintão precisa de especialista. Completou dizendo que o candidato está com distúrbio. Ora, não dá para um "fazedor de política" se arvorar em psicólogo e psiquiatra com o intuito de massacrar as pessoas. Pensei, por um momento, que não ouviria tal absurdo de um petista, ainda mais de quem freqüentou assembléias de professores. Será que é assim que se ganha um jogo?! Quanto aos "presos políticos" (deixo entre aspas porque sabemos que nem todos foram presos políticos, há os aproveitadores de uma situação e os demais: guerreiros e guerreiras), creio que a Jô Moraes tem razão quando disse: "Foi mais uma reação ao clima do que desrespeito com aqueles que lutaram". Sobre os programas veiculados pela TV, creio que é ato falho. Estão imitando Collor na reta final da campanha presidencial de 1989.
Que feio, não?
Logicamente a Justiça pode consertar um erro, mas não consertará outros, como o uso da máquina administrativa, frutos de inúmeras ações movidas pela comunista no primeiro turno.Quanto à candidatura do prefeito atual para 2010, do meu ponto de vista não está ameaçada. Observem que o PMDB, partido de Quintão, apóia Marília Campos (PT) em Contagem. E, "data venia", nenhum candidato precisa mostrar diploma a outro.
Só falta mandar provar que é macho. Que troço esdrúxulo!

Jesus Ferraz
Timóteo
Ao chamar o Marcio Lacerda de "preso comum", Quintão mostra que, em seu DNA, tem muito de saudosismo da ditadura militar. Me pediram voto para ele aqui em Timóteo e eu não dei quando foi candidato a deputado federal pelo PMDB. O partido que combateu a ditadura deveria chamar a atenção de seu deputado, que está mais para Arena do que MDB.Júlio Machado Belo Horizonte vai eleger o Collor II, isto é, Leonardo Quintão. Mais um filhinho da oligarquia arcaica que se traveste de bom moço de família.Marcos LopesA propósito da matéria "Ex-presos políticos repudiam declarações de Quintão" (Política, 16.10), acho que o Quintão não quis desmerecer o movimento anti-ditadura. Além do mais, ele é do PMDB, berço de muita gente contra o regime. Acho que, em momento de exaltação, trilhou um pouco pelo lado pessoal. De qualquer forma, não se pode focar num comentário falado, feito em momento de exaltação. Deve-se focar neste momento as propostas do candidatos para a administração municipal, independentemente de ideologias e do passado.

Paula Carvalho
Infelizmente as eleições tiram o foco do comentário do Quintão. Ao dizer isso, o candidato não só repudiou uma parte da história brasileira como todos aqueles que foram presos políticos lutando pela redemocratização do nosso país. Mais que tudo, é uma declaração política que mostra a forma de pensar do Quintão. Uma pessoa com esse pensamento não é uma pessoa digna, muito menos digna de governar Belo Horizonte. Acho que nenhuma exaltação justifica tal desprezo com nossa história e com o próximo.

Thiago Henrique
Estudante
Na sabatina realizada pela "Folha de S. Paulo", pudemos acompanhar uma infeliz união de jornalistas contra o candidato Leonardo Quintão. O "massacre" patrocinado ao mesmo é um comportamento inaceitável em uma democracia. Espero que a população de Belo Horizonte mantenha o pensamento democrático e a avaliação que vem fazendo dos candidatos. E escolha um prefeito que trate as pessoas como gente e não como máquinas. Belo Horizonte é uma cidade e não uma empresa.

Fernando Cezar
Rio de Janeiro (RJ)
Dois assuntos sérios. Em breve teremos eleições para definir quem serão os novos prefeitos em algumas cidades brasileiras. Além do que, haverá outro pleito de suma importância, do outro lado do mundo, que será a eleição do presidente dos Estados Unidos. A perda de confiança nos governos por parte da maioria dos eleitores, tanto aqui quanto lá, é flagrante. As duas principais capitais brasileiras, Rio de Janeiro e São Paulo, deverão eleger Fernando Gabeira e Gilberto Kassab, ambos anti-PT. O partido do presidente da República está em baixa nas principais cidades brasileiras. Já nos Estados Unidos, acreditamos que o democrata Barack Obama vencerá seu oponente devido aos enormes estragos que a administração Bush provocou. Resumindo: Gabeira no Rio, Kassab em São Paulo e Obama nos EUA provam que o PT e o partido Republicano não têm mais credibilidade."
 PUBLICADO EM
12/10/08 19:25
SOLIDARIEDADE ÀS/AO COMPANHEIRAS/OS DA UMEI MARIQUINHAS
de profpublico
Companheiras e companheiros,

a Sra. Benilda não mede esforços em vincular seu nome aos que perseguem aqueles e aquelas que lutam por justiça e liberdade. Em sua perseguição a quem não aceita silenciar diante do uso abusivo da máquina pública a favor do Sr. Lacerda, orientou a vice-diretora da UMEI Mariquinhas, Sra. Simone, que prontamente atendeu aos pedidos da gestora, a dar advertência aos profissionais da escola por serem contra o Pimentécio.
A própria Sra. Benilda e o Sr. Sidmar, gerente de educação e de recursos humanos da regional norte respectivamente, foram pessoalmente à escola aplicar a advertência e ameaçar as companheiras e companheiro. Uma delas grávida de oito meses.
Não bastasse a advertência, encaminharam um processo à Corregedoria Geral do Município para três educadoras e um educador infantil. A Corregedoria abriu uma sindicância contenciosa para averiguar a denúncia. Vamos ver se o Corregedor aceitará que a CGM seja utilizada para perseguir quem não vota no Sr. Lacerda.
As datas dos depoimentos das companheiras e do companheiro são:
dia 15/10 - Eden 8h30; Cleonice 10h30 e Fabiana 14hdia 16/10 - Lisa 9h30
Quem estiver em Beagá e puder, venha prestar a sua solidariedade e impedir a perseguição política.
O sindicato já denunciou o fato ao Ministério Público Eleitoral e fará nova denúncia ao Ministério Público Federal na segunda-feira. Não vamos tolerar abuso de poder.

Direção Colegiada do Sind-REDE/BH
 PUBLICADO EM
11/10/08 15:21
Eleições no Brasil mostram o flagelo educacional brasileiro
de profpublico
Cerca de 130 milhões de brasileiros portam 'título de eleitor'Entre eles há uma legião de 8 milhões (6,13%) de iletrados20,4 milhões (15,6%) lêem e escrevem ‘mal e porcamente’Somente 4,6 milhões (3,51%), concluíram o curso superiorEntre os eleitores que decidiram os rumos políticos dos municípios neste domingo (5) há 28,4 milhões sem nenhuma instrução ou com nível precário de educação formal. Chega-se a esse número impressionante a partir da soma dos eleitores analfabetos (8 milhões) com os que lêem e escrevem "mal e porcamente" (20,4 milhões).É essa massa que digitou nas urnas os números dos prefeitos, vice-prefeitos e vereadores que darão as cartas nos 5.563 munícipios do país nos próximos quatro anos. Do total de municípios, 936 (16,8%) são habitados por uma maioria de eleitores analfabetos ou semi-alfabetizados.São pessoas que declararam ao TSE, na hora de obter o título de eleitor ou quando há recadastramento eleitoral, que são analfabetas ou que lêem e escrevem sem jamais ter sentado num banco de escola.O quadro é especialmente dramático em Alagoas. Ali, os municípios com predominância de eleitores iletrados ou com baixa instrução somam 63%. No Piauí, na Paraíba e em Pernambuco, os municípios submetidos à mesma precariedade educacional do eleitorado somam 53%.Um eleitor de baixa escolaridade não é, necessariamente, um eleitor politicamente incapaz. Pode, obviamente, discernir entre os candidatos sérios e os enganadores. Mas é inegável que o flagelo educacional brasileiro constitui terreno fértil para a proliferação da picaretagem política.

FONTE: http://josiasdesouza.folha.blog.uol.com.br/
 PUBLICADO EM
08/10/08 21:16
MANIFESTO DO SIND-REDE/BH
de profpublico
Compas,

O Sind-REDE/BH elaborou um manifesto, junto com a categoria, para ser apresentado à população, durante o debate no segundo turno.
Na sexta-feira, dia dia 10 de outubro, das 14 às 17 horas, o Sind-REDE/BH receberá em sua sede, caso tenham interesse, os candidatos a prefeito para um debate com representantes da categoria sobre o manifesto.

MANIFESTO À POPULAÇÃO E AOS CANDIDATOS A PREFEITO
EM DEFESA DA EDUCAÇÃO PÚBLICA MUNICIPAL DE BEAGÁ

A educação de Belo Horizonte merece respeito! Este é o compromisso que as comunidades escolares esperam do novo prefeito.
O atual governo promoveu um retrocesso sem precedentes para a educação de Belo Horizonte. O seu mandato primou pela ausência de um projeto capaz de dar conta dos impasses do ensino e investiu para acabar com uma das maiores conquistas da escola pública de BH no âmbito da participação popular. Destaca-se a questão democrática em que as assembléias escolares foram sistematicamente desrespeitadas, o fim das reuniões pedagógicas, bem como o controle sobre o Conselho Municipal de Educação, reduzindo o seu papel em apenas referendar as políticas oficiais, e, por fim, as investidas contra as eleições de Diretoras e outras conquistas democráticas manifestada pelo Secretário de Educação em reunião com representantes dos trabalhadores da educação, no último dia 07 de outubro.
Destaca-se também o desrespeito com a população mais pobre com a criação de programas que são conhecidos por gastarem poucos recursos e não investirem na infra-estrutura das escolas para garantir espaço físico e profissionais concursados para o atendimento em tempo integral.
No rol de desrespeito inclui-se a política para os trabalhadores e trabalhadores em educação, perseguindo, chantageando e tentando impedir a sua organização sindical. O governo Pimentel reteve as contribuições sindicais e sistematicamente usou medidas no sentido de impedir as lutas por uma educação de qualidade na cidade.
A política do Governo Pimentel resultou em adoecimento crescente das professoras e professores, piora na qualidade da educação e redução dos recursos para área da educação, hoje aquém do que exige a lei.
Espera-se do novo prefeito uma política inversa da atual, com respeito à comunidade escolar e atendimento de reivindicações fundamentais da área, por entendermos que a garantia de uma escola pública, de qualidade e comprometida com a maioria da população, depende de ações e valorização do espaço escolar e de seus profissionais.
Neste sentido, apresentamos os pontos abaixo como fundamentais para uma política pública comprometida com a melhoria da qualidade da educação:

a) Gestão democrática do sistema municipal de educação:
- respeito às decisões das assembléias escolares;
- convocação de uma Conferência Municipal de Educação unitária e eleição de um novo Conselho; - escolha democrática do/a titular da SMED, das direções dos departamentos regionais de educação;
- eleição das direções de escola e UMEIs, das coordenações pedagógicas e de projetos desenvolvidos pelas escolas.
- autonomia das UMEIs, com direção e vice-direção e Caixa Escolar própria;
- direito das educadoras infantis concorrem aos cargos de direção de escolas e UMEIs, com garantia de posse das eleitas;
- autonomia das escolas para definição dos seus projetos e do seu funcionamento, com a garantia do tempo coletivo (reuniões pedagógicas e ACPAT) dentro da jornada de trabalho;
- reformulação do serviço de avaliação e funcionamento escolar no sentido de acompanhar e não aterrorizar e punir as escolas;
- formação de comissão formada pela PBH, Sind-REDE/BH e Câmara Municipal para pesquisar sobre o real dimensionamento da rede.
- transparência das contas públicas, em especial das verbas da educação.

b) Saúde e Previdência:
- definição de uma política de saúde que garanta a prevenção e o tratamento das principais doenças que atingem a categoria;
- atendimento gratuito na Cliserv e Clisam;
- criação da CIPA da educação para elaborar políticas de combate à violência intra-escolar;
- reestruturação da Gerência de Saúde e Perícia Médica a partir da realização de seminário com participação dos servidores;
- elaboração de políticas de valorização dos trabalhadores em readaptação funcional que respeitem a sua laboratividade e potencialidades.
- transparência nas contas da previdência municipal com a garantia de funcionamento das comissões previstas na lei;

c) Inclusão:
- garantia de estrutura física e humana das escolas para acolher os portadores de deficiência (estudantes e profissionais) com uma política efetiva de intersetorialidade para o atendimento a essas pessoas;
- criação de uma comissão para discussão do processo de inclusão na RME/BH: situação dos alunos de 0 a 14 anos; estagiárias/os; organização das escolas de ‘ensino especial’; formação dos profissionais, verbas específicas, relatórios clínicos dos estudantes.

d) Salários e Carreira:
- política salarial que garanta a recomposição do poder de compra dos salários e garanta os direitos dos aposentados; com pagamento integral dos salários no último dia útil do mês;
- unificação da carreira docente com tratamento isonômico para educadoras infantis e os professores; isonomia entre os servidores que possuem curso superior na PBH;
- enquadramento no Plano de Carreira pelo tempo real com progressão imediata dos trabalhadores que já possuem este direito;
- manutenção das férias em julho e do recesso em janeiro.
- o fim da terceirização e concurso público para os auxiliares de escola com critérios negociados com os trabalhadores.
 PUBLICADO EM
07/10/08 18:40
Brasil ao lado dos piores na educação
de profpublico
tA fonte do texto Brasil ao lado dos piores na educação é http://blogdasanta.blogspot.com/
 PUBLICADO EM
06/10/08 07:23
Reportagem
de profpublico
Leia a reportagem "ESCOLAS NÃO CUMPREM A FUNÇÃO DE ALFABETIZAR" em www.otempo.com.br
Basta buscar o site e clicar em "Edições anteriores - Dia 05/10/2007.
Há muitos itens que interessam aos professores municipais, ao sindicato, e também aos professores estaduais.
 PUBLICADO EM
04/10/08 20:32
Brasil ao lado dos piores na educação
de profpublico
Brasil ao lado dos piores na educação

Banco Mundial divulgou um estudo sobre a oferta de serviços para crianças, que deixa o País em péssima colocação, principalmente no quesito educação, na América Latina. Em repetência foi melhor apenas que Nicarágua e Guatemala.
Estudo divulgado ontem pelo Banco Mundial aponta que, no Brasil, a oferta de serviços básicos para crianças é somente pouco superior à média da América Latina. Especificamente em educação, o País fica nas últimas colocações.
Para fazer a análise, a entidade criou um indicador chamado Índice de Oportunidades Humanas, que analisa fatores de ensino e de moradia (acesso a água, energia e saneamento). Se considerados apenas os indicadores educacionais, o Brasil ficou em 15º lugar entre 19 países, atrás de Bolívia, Peru e República Dominicana. Os mais bem posicionados foram Chile, Jamaica e Argentina.
Foram analisados o número de alunos que terminam a sexta série (antigo ginásio) na idade correta e a quantidade de crianças entre 10 e 14 anos na escola. Na escala de 0 a 100, o Brasil tirou 67 no indicador de educação. A média da região foi 76. Já na nota que condensa tanto fatores educacionais quanto de moradia, o País subiu para décimo, com nota 72. A média da região ficou em 70.
De acordo com o estudo, o Brasil está perto do acesso universal à eletricidade, a meio caminho no saneamento e tem muito o que fazer na educação.
 PUBLICADO EM
03/10/08 13:00
realidade!
de profpublico
Alô? Quem tá falando?


- Aqui é o ladrão.


- Desculpe, a telefonista deve ter se enganado, eu não queria falar com o
dono do banco. Tem algum funcionário aí?


- Não, os funcionário tá tudo refém.


- Há, eu entendo. Afinal, eles trabalham quatorze horas por dia, ganham um
salário ridículo, vivem levando esporro, mas não pedem demissão porque não
encontram outro emprego, né? Vida difícil... mas será que eu não poderia dar
uma palavrinha com um deles?


- Impossível... Eles tá tudo amordaçado.


- Foi o que pensei. Gestão moderna, né? Se fizerem qualquer crítica, vão pro
olho da rua. Não haverá, então, algum chefe por aí?


- Claro que não mermão. Quanta inguinorânça! O chefe tá na cadeia, que é o
lugar mais seguro pra se comandar assalto!


- Bom... Sabe o que que é? Eu tenho uma conta...


- Tamo levando tudo, ô bacana. O saldo da tua conta é zero!


- Não, isso eu já sabia. Eu sou professor! O que eu queria mesmo era uma
informação sobre juro.


- Companheiro, eu sou um ladrão pé-de-chinelo. Meu negócio é pequeno.
Assalto a banco, vez ou outra um seqüestro. Pra saber de juro é melhor tu
ligá pra Brasília.


- Sei, sei. O senhor ta na informalidade, né? Também, com o preço que tão
cobrando por um voto hoje em dia... mas, será que não podia fazer um favor
pra mim? É que eu atrasei o pagamento do cartão e queria saber quanto vou
pagar de taxa.


- Tu tá pensando que eu tô brincando? Isso é um assalto!


- Longe de mim pensar que o senhor está de brincadeira! Que é um assalto eu
sei perfeitamente; ninguém no mundo cobra os juros que cobram no Brasil.
Mas queria saber o número preciso: seis por cento, sete por cento?


- Eu acho que tu não tá entendendo, ô mané. Sou assaltante. Trabalho na base
da intimidação e da chantagem, saca?


- Ah, já tava esperando. Você vai querer vender um seguro de vida ou um
título de capitalização, né?


- Não...já falei...eu sou... Peraí bacana... hoje eu tô bonzinho e vou
quebrar o teu galho.


(um minuto depois)


- Alô? O sujeito aqui tá dizendo que é oito por cento ao mês.


- Puxa, que incrível!


- Incrive por que? Tu achava que era menos?


- Não, achava que era mais ou menos isso mesmo. Tô impressionado é que, pela
primeira vez na vida, eu consegui obter uma informação de uma empresa
prestadora de serviço pelo telefone em menos de meia hora e sem ouvir 'Pour
Elise'.


- Quer saber? Fui com a tua cara. Acabei de dar umas bordoadas no gerente e
ele falou que vai te dar um desconto. Só vai te cobrar quatro por cento, tá
ligado?


- Não acredito! E eu não vou ter que comprar nenhum produto do banco?


- Nadica de nada, já ta tudo acertado!


- Muito obrigado, meu senhor. Nunca fui tratado dessa...


(De repente, ouvem-se tiros, gritos)


- Ih, sujou! Puliça!


- Polícia? Que polícia? Alô? Alô?


(sinal de ocupado)


- Droga! Maldito Estado: quando o negócio começa a funcionar, entra o
Governo e caga tudo!


Luiz Fernando Veríssimo
 PUBLICADO EM
03/10/08 11:40
Ao ombudsman@uol.com.br
de profpublico

Sr ombudsman,

o editorial abaixo está sendo veiculado nos principais jornais de Belo Horizonte, assinado pelo PSB, PNN e PP (Publicidade).
Creio que foi escrito no calor da excelente e tardia (a meu ver) decisão do TSE. No editorial não há imparcialidade, não há isenção. Eu, que voto nulo, fico indignada ao sentir que até um profissional de jornal opta por uma crítica não isenta. Quem escreveu o editorial diz que "NÃO É PRECISO estar diretamente envolvido na vida política de Minas Gerais para saber que PSDB e PT estão do mesmo lado na disputa pela Prefeitura de Belo Horizonte.". Não é preciso mesmo, mas isso não é argumento. É necessário, pelo menos, ouvir e assistir todos os dias às propagandas eleitorais onde "falantes e divulgadores" são os governantes. Obras e mais obras se repetindo dia após dia em fotos e filmes; representantes eleitos falando por todos. Só o editorial não vê a ilegabilidade.
Não somos títeres! Eleições limpas é tudo que desejamos, já que somos obrigados/as a votar. Acordo conhecido é uma coisa. Governo e prefeito se colocando praticamente como candidatos em claro abuso de poder é outra coisa. Infeliz posicionamento da parte da Folha.
Pelo menos, no dia 03/10 o Editorial optou pela isenção. Nada como um dia após o outro, mas quem passará a borracha neste editorial? Não manchem um veículo que tanto prezamos.

 Modesta Trindade Theodoro
 Belo Horizonte - MG


Folha de São Paulo - Dia 02/10/2008
"Editoriais
Eleições tuteladas
Excessos da legislação e rigidez do TSE atuam para restringir o livre exercício do debate entre os candidatosNÃO É PRECISO estar diretamente envolvido na vida política de Minas Gerais para saber que PSDB e PT estão do mesmo lado na disputa pela Prefeitura de Belo Horizonte.Teve repercussão nacional a aliança entre o governador tucano Aécio Neves e o prefeito petista Fernando Pimentel. Ambos endossam a candidatura de Márcio Lacerda, do PSB. Como não podia deixar de ser, o acordo é fartamente conhecido do eleitorado de Belo Horizonte.Causa perplexidade, assim, que o Tribunal Superior Eleitoral tenha decidido, na manhã de ontem, que o governador Aécio Neves não pode participar dos programas de propaganda gratuita do candidato a quem, notoriamente, confere seu apoio.Com isso, coíbe-se a livre manifestação de uma liderança política, que tem o direito de apoiar ou criticar qualquer candidato, e elimina-se, do programa eleitoral, uma informação relevante para todo eleitor, qualquer que seja sua preferência partidária.Exemplo claro do irrealismo e do excesso de regras que vêm cercando o processo eleitoral brasileiro, a decisão de ontem só não é mais inquietante porque, de qualquer modo, demorou para ser tomada: coincidiu com o último dia do horário gratuito.Seja qual for a relevância futura dessa proibição (trata-se de uma decisão liminar, tomada por um único ministro do TSE), não há dúvida de que coroa uma série de determinações burocráticas cujo maior efeito é colocar a democracia brasileira sob uma demasiado rígida tutela judicial.Há cerca de um mês, o TSE reafirmou cerceamentos equivocados e irrealistas à liberdade de manifestação política nos sites, blogs e comunidades de relacionamento na internet. As normas se revelaram tão restritivas que foi necessária uma nova resolução para corrigir seu mais flagrante absurdo: originalmente, nem mesmo os sites dos partidos estavam autorizados a fazer propaganda de seus candidatos.Persiste, entretanto, a concepção injustificável de que não pode valer no jornalismo virtual, ou em qualquer forma de comunicação entre os internautas, o princípio da livre manifestação de pensamento, no apoio a determinado candidato.Não é apenas a discussão política entre os eleitores que se vê tolhida pela atual legislação. Também entre os candidatos, a lei impede que se realizem debates livres e dotados de relevância. Obrigadas a convidar postulantes sem representatividade real, as emissoras de TV ficam reféns de uma regra que torna qualquer encontro entre os candidatos num espetáculo robótico, fragmentário e desconexo.Sem dúvida, não é o excesso normativo o único fator a determinar a pobreza da discussão política no momento -os próprios candidatos e seus assessores têm forte responsabilidade pela situação. Mas a lei em vigor, e as interpretações draconianas que inspira, restringem ainda mais o alcance do debate -e o próprio desenvolvimento da cultura democrática no país."
 PUBLICADO EM
02/10/08 11:10
SEMINÁRIO GESTÃO DEMOCRÁTICA COM JAMIL CURY
de profpublico
Companheiras e companheiros,

no dia 08 de outubro, próxima quarta-feira, de 8 as 17 horas, estaremos realizando o Seminário Gestão Democrática, com a presença do professor Carlos Roberto Jamil Cury.
A programação é:
8h - abertura e histórico da gestão democrática na Rede
10h - trabalho em grupos sobre avaliação e perspectiva sobre a eleição de direção de escola na rede
11h30 - almoço
13h30 - palestra do professor Jamil Cury
17h - encerramento

Contamos com a presença de vocês.Diretoria Colegiada do SindREDE/BH
 PUBLICADO EM
30/09/08 07:49
Eleições e impugnação
de profpublico
Em Recife, o prefeitável petista João da Costa teve a candidatura impugnada pelo
juiz de investigações judiciais Nilson Nery sob a acusação do uso da máquina
administrativa e abuso de poder político e econômico. Poderá ficar inelegível
por três anos (tem direito a recorrer). O candidato, que foi Secretário de
Planejamentode Orçamento Participativo da atual gestão tem como cabo eleitoral
o prefeito João Paulo Lima e Silva (PT).
Segundo João da Costa "o efeito do ponto de vista prático não muda nada"
com a cassação. Mesmo cassado anunciou grande comício.
Ora, uma decisão jurídica deveria mudar os rumos em uma eleição.
Impugnações feitas por juízes do Nordeste bem poderiam servir
de exemplo ao Sudeste, sobretudo por estarmos assistindo todos
os dias propagandas extemporâneas para a
Presidência da República.
Ficamos sem entender o que se passa nesta grande província chamada Brasil.

Modesta Trindade Theodoro
 PUBLICADO EM
28/09/08 18:46
Na escola, mas analfabetos
de profpublico
Na escola, mas analfabetos

Editorial Estadão

Se o estudo recém-divulgado pelo IBGE, em vez de se chamar Síntese de Indicadores Sociais se chamasse Síntese de Indicadores de Futuro, talvez ajudasse o País a se dar conta do que o espera se o mais crucial desses indicadores no mundo contemporâneo - a educação - continuar a ser, no Brasil, a catástrofe que as pesquisas revelam com desalentadora regularidade. Fala-se em futuro não porque as escabrosas deficiências do ensino já não venham emperrando a modernização nacional e a expansão dos nossos setores econômicos de ponta. Mas sobretudo porque, na era da revolução tecnológica permanente e globalizada, sem a superação acelerada do atraso educacional a distância entre o País e as "sociedades do conhecimento" só tenderá a aumentar. O resultado previsível será o encolhimento da participação relativa do Brasil no intercâmbio internacional dos bens e serviços de alto valor agregado - o que faz a riqueza das nações neste século 21.Diga-se desde logo que a educação de massa, no Brasil, já foi pior. Avançou-se enormemente na última década em matéria de universalização do acesso à escola. Do mesmo modo, o desempenho do sistema de ensino melhorou, embora de forma muito desigual. Mas, a exemplo do que ocorre em tantos outros aspectos da realidade do País, como a mais recente Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) tornou a comprovar, também na educação se avança a passos exasperantemente lentos - seja em relação às necessidades da população, seja em relação ao ritmo do progresso nas outras nações com as quais o Brasil deve ser cotejado.Entram governos, saem governos, e o poder público não consegue concentrar pelo tempo devido programas prioritários, recursos focalizados e políticas de gestão eficazes ali onde se trava de fato a mais decisiva das batalhas na frente da educação - o ensino fundamental.As conseqüências estão nos novos números do IBGE. O Brasil tem 2,4 milhões de crianças analfabetas na faixa de 7 a 14 anos. Destas, espantosos 2,1 milhões, ou 87,2% do total de iletrados, vão à escola. A proporção diminui com a idade. Mas é um escândalo que quase a metade (45,8%) dos analfabetos com 14 anos esteja na escola. "É inadmissível", reconhece a secretária de Educação Básica do Ministério da Educação, Maria do Pilar.É o retrato de uma falência para a qual contribuem professores despreparados e sobrecarregados, condições deploráveis de trabalho, a pobreza das famílias e o interesse insuficiente dos pais, eles próprios analfabetos ou pouco mais que isso. Mas o nervo do problema é que "as escolas simplesmente não sabem o que fazer com as crianças", como diz o consultor da Fundação Cesgranrio, Ruben Klein.Outro indicador da crise é a chamada defasagem idade-série. Em 2007, 32% dos alunos do ensino fundamental não cursavam a série em que deveriam estar. O dado melhorou em relação a 1997, quando os atrasados representavam 43% do total. Mas - novamente - o ritmo da melhoria deixa a desejar. "Os estudantes nessas condições ainda são muitos", diz o presidente do IBGE, Eduardo Nunes. O mesmo raciocínio vale para o nível de escolarização dos brasileiros com 15 anos ou mais. Em 1997, tinham, em média, 5,8 anos de escola. No ano passado, 7,3 anos. Ou seja, levou um decênio para a escolarização aumentar apenas 1,5 ano - e ficar em um patamar muito abaixo de países como a Coréia do Sul, cujo nível de vida em 1960 era semelhante ao do Afeganistão. Sem falar que a evasão no ensino médio é da ordem de 5 milhões de alunos por ano - o que reforça o nexo entre educação de baixíssima qualidade e a escassez de mão-de-obra qualificada. Em 2007, para completar, 30% dos brasileiros de 15 anos em diante eram analfabetos funcionais ou analfabetos totais. Trinta milhões de pessoas no primeiro caso, 14 milhões no segundo.É ominoso constatar que um terço da geração que desponta para o mercado de trabalho, por falta de educação básica adequada, não tem condições de ascensão social. São cidadãos que dificilmente sairão do nível de pobreza para a classe média - e muito menos para o grupo privilegiado dos "10% mais ricos do Brasil", para o que bastaria a irrisória renda de 3,5 salários mínimos (R$ 1.452,50).
 PUBLICADO EM
25/09/08 15:26
MANIFESTAÇÃO 01 DE OUTUBRO - QUARTA-FEIRA
de profpublico
ELEIÇÃO PARA DIREÇÃO E VICE-DIREÇÃO DE ESCOLAS E UMEIS/2008

NO DIA 01 DE OUTUBRO, 09 HORAS, QUARTA-FEIRA REALIZAREMOS UMA MANIFESTAÇÃO NA PBH PELA GARANTIA DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONCORRER E TOMAR POSSE.

CONVOCAMOS AS/OS REPRESENTANTES DE ESCOLAS E UMEIS A PARTICIPAREM DO
ATO DE ENTREGA DOS PROTOCOLOS EXIGINDO DO PREFEITO UMA REUNIÃO PARA TRATARMOS DO ASSUNTO: O CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL POR PARTE DA PBH.

CONTAMOS COM A PRESENÇA DE TODAS E TODOS.

DIREÇÃO COLEGIADA DO SIND-REDE/BH

 PUBLICADO EM
24/09/08 16:10
Debates na TV com os prefeitáveis
de profpublico
Em Belo Horizonte, de 25/09/2008 até outubro acontecerão três debates na TV.
O primeiro se deu em 31 de julho.
Já confirmaram presença para o debate da Band: André Alves (PTdoB), Gustavo Valadares (DEM), Jô Moraes (PCdoB), Leonardo Quintão (PMDB), Marcio Lacerda (PSB), Sérgio Miranda ( PDT) e Vanessa Portugal (PSTU)
Datas, e emissoras:
25/09 (quinta-feira) - Band
28/09 (domingo) - Record
02/10 (quinta-feira) - Globo
 PUBLICADO EM
20/09/08 08:14
(título desconhecido)
de profpublico
Pessoal,
a AMB(Associação dos Magistrados Brasileiros) divulgou a lista dos prefeitáveis e vices com a ficha suja. Em MG, até o momento, está assim. Digo até o momento porque podem haver erros.
 Boa leitura,
 Modesta Trindade Theodoro

"POÇOS DE CALDAS
MG
Processos
NÃO FORAM ENCONTRADOS ATÉ O MOMENTO CANDIDATOS A PREFEITO E VICE-PREFEITO QUE RESPONDAM A PROCESSOS QUE SE ENQUADREM NOS PARÂMETROS UTILIZADOS PARA A PESQUISA.
Juiz de Fora
MG
Processos
NÃO FORAM ENCONTRADOS ATÉ O MOMENTO CANDIDATOS A PREFEITO E VICE-PREFEITO QUE RESPONDAM A PROCESSOS QUE SE ENQUADREM NOS PARÂMETROS UTILIZADOS PARA A PESQUISA.
ADEMIR LUCAS GOMES
Prefeito
PSDB / AVANÇA CONTAGEM
CONTAGEM
MG
Processos
AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 02029543-6 - 1ª FAZ.MUNICIPAL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVAOBS: A AÇÃO FOI JULGADA PROCEDENTE E HOUVE RECURSO AO TRIBUNMAL DE JUSTIÇA QUE ESTÁ EM TRÂMITE.AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 007904175686-1 - 2ª FAZ.MUNICIPAL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVAAÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 007905206111-0 - 1ª FAZ.MUNICIPAL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVAAÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 007905209177-8 - 1ª FAZ.MUNICIPAL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVAAÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº: 007906301253-2 - 2ª FAZ.MUNICIPAL; – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVAAÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 007908409786-8 - 2ª FAZ.MUNICIPAL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVAAÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 007992009169-5 - 2ª FAZ.MUNICIPAL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA
Anderson Adauto Pereira
Prefeito
PMDB/ Uberaba cada dia melhor
Uberaba
MG
Processos
- Ação Penal n. 470- Supremo Tribunal Federal – Crimes contra a paz publica, quadrilha ou bando, crimes patricados por funcionários públicos contra a administração em geral, crimes de lavagem ou ocultação de bens, direito ou valores.- Ação Civil Publica n. 070107206669-2 - 5ª Vara Cível de Uberaba – Improbidade Administrativa.- Ação Civil Publica n. 070108216974-2 - 4ª Vara Cível de Uberaba – Improbidade Administrativa.- Ação Civil Publica n. 070108221781-4 - 5ª Vara Cível de Uberaba – Improbidade Administrativa.- Ação Civil Publica n. 070108222678-1 - 3ª Vara Cível de Uberaba – Improbidade Administrativa.
CARLOS ALBERTO PARRILLO CALIXTO
PREFEITO
PR/COLIGAÇÃO QUE FALTAVA
SANTA LUZIA
MG
Processos
AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 024500003422-4 – 3ª VARA CÍVEL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA.OBS: A AÇÃO FOI JULGADA PARCIALMENTE PROCEDENTE EM 1ª INSTÂNCIA. OS RÉUS RECORRERAM E DECISÃO FOI MANTIDA. FOI INTERPOSTO RECURSO ESPECIAL PARA O STJ. AINDA AGUARDA O TRÂNSITO EM JULGADO.AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 024504049275-4 - 3ª VARA CÍVEL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA.OBS: A AÇÃO FOI JULGADA PARCIALMENTE PROCEDENTE EM 1ª INSTÂNCIA. OS RÉUS RECORRERAM E FOI RECONHECIDA A PRESCRIÇÃO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. HOUVE A INTERPOSIÇÃO DE EMBARGOS INFRINGENTES, QUE FORAM ACOLHIDOS. AINDA AGUARDA O TRÂNSITO EM JULGADO.AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 024505062650-7 - 3ª VARA CÍVEL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA.AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 024505063965-8 – 3ª VARA CÍVEL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA.AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 024505078562-6 – 2ª VARA CÍVEL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA.AÇÃO PENAL Nº 024504056346-3 – 1ª VARA CRIMINAL DE SANTA LUZIA – CRIMES CONTRA AS LICITAÇÕES.AÇÃO PENAL Nº 024506084357-1 – 1ª VARA CRIMINAL DE SANTA LUZIA –
FRANCISCO CARLOS CHICO FERRAMENTA DELFINO
PREFEITO
PT/A FORÇA DO POVO
IPATINGA
MG
Processos
AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 0313.06.209.081-3 – VARA DA FAZENDA PÚBLICA DE IPATINGA – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 0313.08.252.400-7 – 1ª VARA CÍVEL DE IPATINGA – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA
GALILEU TEIXEIRA MACHADO
PREFEITO
PMDB/QUEM FAZ ESTÁ DE VOLTA
DIVINÓPOLIS
MG
Processos
AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 022304144571-7 - VARA DA FAZENDA PÚBLICA DE DIVINÓPOLIS – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVAAÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº : 022305178220-7 - VARA DA FAZENDA PÚBLICA DE DIVINÓPOLIS – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVAAÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 022307212735-8 - VARA DA FAZENDA PÚBLICA DE DIVINÓPOLIS – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVAAÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 022304154218-2 - VARA DA FAZENDA PÚBLICA DE DIVINÓPOLIS – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVAAÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 022306189186-5 - VARA DA FAZENDA PÚBLICA DE DIVINÓPOLIS – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVAAÇÃO PENAL Nº 022307214315-7/1ª VARA CRIMINAL DE DIVINOPÓLIS – CRIME CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAAÇÃO PENAL Nº 022307214488-2/1ª VARA CRIMINAL DE DIVINOPÓLIS – CRIME CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAAÇÃO PENAL Nº 02230721490-8/1ª VARA CRIMINAL DE DIVINOPÓLIS – CRIME CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAAÇÃO PENAL Nº 022307214583-0/1ª VARA CRIMINAL DE DIVINOPÓLIS – CRIME CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAAÇÃO PENAL Nº 022307214729-9/2ª VARA CRIMINAL DE DIVINOPÓLIS – CRIME CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAAÇÃO PENAL Nº 022307217199-2/1ª VARA CRIMINAL DE DIVINOPÓLIS – CRIME CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAAÇÃO PENAL Nº 022308245413-1/1ª VARA CRIMINAL DE DIVINOPÓLIS – CRIME CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
JANDER MUNIZ FILARETTI
Vice-Prefeito
PV / CONTAGEM PRA VOCÊ
CONTAGEM
MG
Processos
AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 007900019115-9 - 2ª FAZ.MUNICIPAL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA
João Batista da Fonseca
Prefeito
PSOL
Uberlândia
MG
Processos
- AÇÃO PENAL Nº 070201004757-0 – 2ª VARA CRIMINAL DE UBERLÂNDIA – CRIME CONTRA O PATRIMÔNIO.- AÇÃO PENAL Nº 070201023858-3 – 2ª VARA CRIMINAL DE UBERLÂNDIA – CRIME CONTRA O PATRIMÔNIO.OBS: A AÇÃO FOI JULGADA PROCEDENTE, TENDO SIDO O CANDIDATO CONDENADO A PENA DE 5 ANOS E 6 MESES DE RECLUSÃO E 13 DIAS-MULTA, E A 3 MESES DE DETENÇÃO. O CANDIDATO INTERPÔS RECURSO QUE AGUARDA ENVIO AO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS.
Luiz Tadeu Leite
Prefeito
PMDB/PV/PP/PRB/PC DO B
Montes Claros
MG
Processos
- Ação Civil Publica n. 043301038756-4 – 2ª. Vara da fazenda de Montes Claros – Improbidade Administrativa.
MARCOS VINICIUS ALVES DA SILVA
PREFEITO
PSC/PARA O BEM DE DIVINOPÓLIS
DIVINÓPOLIS
MG
Processos
AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 022307235157-8 - VARA DA FAZENDA PÚBLICA DE DIVINÓPOLIS – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA
PAULO AUGUSTO PINTO DE MATTOS
Prefeito
PTB
CONTAGEM
MG
Processos
AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 007900019115-9 - 2ª FAZ.MUNICIPAL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 007902033262-7 - 2ª VARA CÍVEL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVAAÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 007903076874-5- 1ª FAZ.MUNICIPAL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVAAÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 007903106377-3 - 1ª FAZ.MUNICIPAL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVAAÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 007904165118-7 - 1ª FAZ.MUNICIPAL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVAOBS: A AÇÃO FOI JULGADA IMPROCEDENTE E FOI INTERPOSTO RECURSO DE APELAÇÃO PELO MINISTÉRIO PÚBLICO QUE ESTÁ EM TRÂMITE NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS.AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 007902021418-9 - 2ª FAZ.MUNICIPAL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVAAÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 007905182658-8 - 1ª FAZ.MUNICIPAL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVAAÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 007905187759-9- 2ª FAZ.MUNICIPAL – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA
PAULO HENRIQUE LANZA DOS SANTOS
VICE-PREFEITO
PR/COLIGAÇÃO SETE LAGOAS QUER MAIS
SETE LAGOAS
MG
Processos
AÇÃO CIVIL PÚBLICA N. 067204147373-3 – VARA DA FAZENDA PÚBLICA DE SETE LAGOAS – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA.
PAULO MARCOS COSTA
VICE-PREFEITO
PDT/ RENOVAÇÃO COM RESPONSABILIDADE
GOVERNADOR VALADARES
MG
Processos
AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 010504136451-1 – 6ª VARA CÍVEL DE GOVERNADOR VALADARES – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA
Pitágoras Lincoln de Matos
Vice-prefeito
DEM
Belo Horizonte
MG
Processos
AÇÃO PENAL Nº 002401605698-8, 4ª VARA CRIMINAL DE BELO HORIZONTE, ABUSO DE AUTORIDADE.
Ruy Adriano Borges Muniz
Prefeito
PR/PSDC/PSDB/PDT/DEM
Montes Claros
MG
Processos
- Ação Penal n. 1997.38.00.027890-7 – 4ª. Vara federal de Minas Gerais –8137/90 Crimes contra a ordem Tributária ( Art. 1º. ao 3º. da Lei 8137/90 e art. 1º. da Lei 4729/90 ).Obs O candidato foi Absolvido em primeira instância. O ministério Publico recorreu ao TRF da 1ª. Região. Recurso aguardando julgamento.
SEBASTIÃO DE BARROS QUINTÃO
PREFEITO
PMDB MOVIMENTO IPATINGA UNIDA
Ipatinga
MG
Processos
AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 0313.06.209.081-3 – VARA DA FAZENDA PÚBLICA DE IPATINGA – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA
Vittorio Medioli
Vice prefeito
PV
Betim
MG
Processos
- Ação Penal n. 2007.38.00.029334-0 - 4ª vara federal de Minas Gerais – Crimes contra sistema financeiro nacional ( Lei 7492/86)
WALACE VENTURA ANDRADE
PREFEITO
PSDB/COLIGAÇÃO RIBEIRÃO DAS NEVES NO RUMO CERTO
RIBEIRÃO DAS NEVES
MG
Processos
AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 023106060872-7 – 2ª VARA CÍVEL DE RIBEIRÃO DAS NEVES – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA.AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 023106064951-5- 1ª VARA CÍVEL DE RIBEIRÃO DAS NEVES – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA"
 PUBLICADO EM
19/09/08 09:07
Consulte o TRE
de profpublico
E sabe quem financia Marcio Lacerda (PSB +PT), Leonardo Quintão(PMDB), Pedro Paulo (PCO), Sérgio Miranda(PDT), Vanessa Portugal(PSTU), Jorge Periquito((PRTB), André Alves (PTdoB) e Gustavo Valadares(DEM)? Consulte o TRE. Aqui não caberá tudo. Por que você , abaixo, não quer segundo turno, colocando apenas financiadores da Jô Morais (PCdoB)?
É do bloco Pimentel/Aécio?
 PUBLICADO EM
17/09/08 13:36
quem financia a COMUNISTA Jô Moraes (PCdoB)?
de profpublico
quem financia a COMUNISTA Jô Moraes (PCdoB)?


Valor total das despesas R$ 261.036,84Valor total das receitas R$ 261.039,92Financiadores - valor (R$)
ADELAIDE RAMOS DUTRA-1.000,00ADRIANA ROCHA MACENA-200,00ALTAMIRO EFIGÊNIO DOS SANTOS-200,00AMAZONIA MERIDIONAL SERV. COMP. SONDAGENS GEOLÓGICAS LTDA-5.000,00AMILCAR SOUZA FELIPE DA SILVA-200,00ANA MORAES VIEIRA-200,00ANGELA IMACULADA LOUREIRO DE F DALBEN-200,00AUGUSTO JOSÉ VIEIRA NETO-300,00BRASIF S/A EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO-50.000,00CELINA ALVES PADILHA ARÊAS-200,00CLARET RODRIGUES DA CUNHA-400,00CLAUDIA PESSOA DE OLIVEIRA-3.000,00CLÁUDIO ZATTAR-400,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-4.500,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-1.590,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-3.500,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-300,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-390,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-550,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-2.000,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-2.390,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-600,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-540,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-1.200,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-900,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-2.500,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-550,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-775,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-605,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-740,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-750,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-2.290,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-2.300,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-700,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-870,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-350,00Comitê Financeiro Único PC do B-MG-2.200,00COMPANHIA BRASILEIRA DE METALURGIA E MINERAÇÃO-40.000,00COMPANHIA SIDERÚRGICA NACIONAL-50.000,00DALVA STELA RODRIGUES MEDEIROS-300,00DIEGO LEONARDO DE ANDRADE-200,00DINAMICA COMERCIO DE COMBUSTÍVEIS LTDA-3.000,00DINÂMICA COMÉRCIO DE COMBUSTÍVEIS LTDA-3.000,00DIOGO JULIÃO M TAVEIRA-800,00DIRCE MARIA BERNARDES-200,00GERALDO DE JESUS ROCHA-200,00HERCÍLIA LEVY-200,00IRACI ALVES DE JESUS-5.700,00JAIME ARTUTO RAMIREZ-200,00JOÃO BATISTA CASSIANO-200,00JOVITA LEVY GINJA-200,00JULIA BOTELHO AGUILAR-63,00JÚLIA INÊS BOTELHO AGUILAR-3.600,00JÚLIA INÊS BOTELHO AGUILAR-25,92JÚLIA INEZ BOTELHO AGUILAR-251,00LAVÍNIA ROSA RODRIGUES-200,00LOCALOG LOCAÇÃO E LOGÍSTICA SA-5.000,00LORENA BRETAS FIGUEIREDO-200,00LUZIA TOYOKO HANASHIRD-200,00MARCOS EMÍDIO ALMEIDA BARBOSA-200,00MARCOS JOSÉ BURLE DE AGUIAR-250,00MARIA DO SOCORRO JÔ MORAES VIEIRA-3.130,00MARIA DO SOCORRO JÔ MORAES VIEIRA-3.600,00MARIA DO SOCORRO JÔ MORAES VIEIRA-10.000,00MARIA DO SOCORRO JÔ MORAES VIEIRA-7.000,00MARIA DO SOCORRO JÔ MORAES VIEIRA-12.000,00MARIA DO SOCORRO JÔ MORAES VIEIRA-220,00MARIA DO SOCORRO JÔ MORAES VIEIRA-5.450,00MARIA DO SOCORRO JÔ MORAES VIEIRA-2.220,00MARIA IZABEL VIEIRA-1.500,00MARIA JOSEFINA JANNUZZI MOREIRA-400,00MARIOLUCIO GONÇALVES FILHO-400,00MAX ANDRÉ DOS SANTOS-200,00NEWTON CARDOSO 150-MG-2.000,00
NEWTON PEREIRA DE SOUZA-200,00PATRÍCIA LAMEGO-1.000,00PAULO CESAR MACHADO PEREIRA-600,00PAULO CESAR MACHADO PEREIRA-140,00ROGÉRIO BELDA-1.000,00ROGÉRIO DE VASCONCELOS FARIA-200,00SEVERO AUGUSTO DA SILVA NETO-600,00STEFAN SALEJ-400,00ZAIRE REZENDE-200,00Fonte: TSE e http://congressoemfoco.ig.com.br/Noticia.aspx?id=12241
ATUALIZADA EM:13/11/2006

ENTRE OS FINANCIADORES DA COMUNISTA ESTÃO EMPRESAS E EMPREITEIRAS CAPITALISTAS, POLÍTICOS COMO NEWTOM CARDOSO E OUTROS. ATÉ O NEWTINHO.
 PUBLICADO EM
17/09/08 07:55
Eleições
de profpublico
De: Alberto UAI <avaron@uai.com. br>Para: Undisclosed- Recipient@ yahoo.com
Enviadas: Sexta-feira, 12 de Setembro de 2008 15:02:26Assunto: Fw: Sobre Márcio Lacerda.
REPASSANDO
Márcio Lacerda p/ prefeito de BH? Sei não...leiam com atenção...Abaixo, segue link para matéria publicada na revista Veja, em 29/03/06, onde o nome do Sr. Márcio Lacerda é citado:http://vejaonline. abril.com. br/notitia/ servlet/newstorm .ns.presentation .PrinterServlet? publicationCode= 1&pageCode= 1&textCode= 116483&date= 1143659580000
...Folha de SP, em 03/08/2005, onde Lacerda é o protagonista.
MARTA SALOMON-RUBENS VALENTE Folha de S. Paulo3/8/2005
 PUBLICADO EM
16/09/08 10:51
Eleições 2008
de profpublico

Leis e "Cartilha do eleitor" em: http://www.tse.gov.br/
Minas Gerais: http://www.tre-mg.gov.br/noticias/noticias_tre/julho_2008/03_julho.htm
Em outros estados substituir "mg" pela sigla desejada, pois há as regras gerais (TSE)
e as específicas (TREs)
 PUBLICADO EM
13/09/08 16:44
Debate e denúncias
de profpublico
Veja no jornal "O Tempo" matéria sobre debate na PUC (www.otempo.com.br de 13 de setembro/2008). Denúncias do PCdoB e do PSTU sobre dívida ativa do prefeitável do PSD e processos trabalhistas de 300 pessoas + as respostas do candidato. Leia com critério o que foi colocado abaixo (Irregularidades) para que ninguém caia em tentação. Se cair...
 Modesta Trindade Theodoro
 PUBLICADO EM
13/09/08 10:57
PROPAGANDA ELEITORAL IRREGULAR
de profpublico
DISTRIBUIÇÃO DE PANFLETOS NO INTERIOR DE ESCOLA PÚBLICA. HORÁRIO ESCOLAR. IMPOSSIBILIDADE. ART. 37, § 1º, DA LEI Nº 9.504/97. PENA DE MULTA.

- A distribuição de propaganda eleitoral em escola pública, por meio de distribuição de panfletos, viola o art. 37, § 1º, da Lei nº 9.504/97. “Art. 37. Nos bens cujo uso dependa de cessão ou permissão do Poder Público, ou que a ele pertençam, e nos de uso comum, inclusive postes de iluminação pública e sinalização de tráfego, viadutos, passarelas, pontes, paradas de ônibus e outros equipamentos urbanos, é vedada a veiculação de propaganda de qualquer natureza, inclusive pichação, inscrição a tinta, fixação de placas, estandartes, faixas e assemelhados. (Redação dada pela Lei nº 11.300, de 2006)
 § 1o A veiculação de propaganda em desacordo com o disposto no caput deste artigo sujeita o responsável, após a notificação e comprovação, à restauração do bem e, caso não cumprida no prazo, a multa no valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais) a R$ 8.000,00 (oito mil reais). (Redação dada pela Lei nº 11.300, de 2006)”·

 Não será tolerada propaganda (art. 6º):
I- de guerra, de processos violentos para subverter o regime, a ordem política e social ou de preconceitos de raça ou de classe;
II- que provoque animosidade entre as Forças Armadas ou contra elas, ou delas contra as classes e instituições civis;
III- de incitamento de atentado contra pessoa ou bens;
IV- de instigação a desobediência coletiva ao cumprimento de lei de ordem pública;V- que implique oferecimento, promessa ou solicitação de dinheiro, dádiva, rifa, sorteio ou vantagem de qualquer natureza;
VI- que perturbe o sossego público, com algazarras ou abuso de instrumento sonoros ou vantagem de qualquer natureza;
VII- por meio de impressos ou de objetos que pessoa inexperiente ou rústica possa confundir com moeda.
VIII- que prejudique a higiene e a estética urbana ou contravenha a posturas municipais ou a outra qualquer restrição de direito.
IX- que caluniar, difamar ou injuriar quaisquer pessoas, bem como órgãos ou entidades que exerçam autoridade pública.
X- que desrespeite os símbolos nacionais. "
 PUBLICADO EM
04/09/08 08:01
REUNIÃO DE REPRESENTANTES
de profpublico
REUNIÃO DE REPRESENTANTES:

DIA 04/09/2008,
QUINTA-FEIRA:

MANHÃ: 08,
TARDE: 14
NOITE: 18H 30 MIN.

NO SIND-REDE

PAUTA: NEGOCIAÇÃO COM PBH/SMED
 PUBLICADO EM
03/09/08 11:31
Educação e PSNP
de profpublico
Pisos são conquistas quando bem explicados, e não apenas defendidos a qualquer preço como se encerrassem todas as verdades.
A Lei nº 11.738 de julho de 2008, que estabelece o Piso Salarial Nacional Profissional (PSNP), cria para professores da Educação Básica as quarenta horas semanais em troco dos R$950,00. No artigo “Piso nacional da educação, conquista popular” (02/09, Opinião – Folha de São Paulo) os autores (um professor e um membro da CUT) omitem a carga horária. Perante ela quaisquer argumentos seriam falhos, principalmente para as regiões Sudeste e Sul. A lei fecha em oito horas diárias para professores, portanto, 40(quarenta) horas semanais, e há a proporcionalidade. Hoje professores da Educação Básica podem optar por meio horário, o restante é dobra ou outro cargo. Perante a lei supracitada não há outras opções para se ter direito à totalidade do Piso. Tendo ele o valor de R$ 950,00 o salário de professores que não dobram - e nem condições têm de - será de R$ 475,00 mesmo com curso superior. No caso, o valor do piso é, basicamente, quase um salário mínimo nacional e menos do que o regional de alguns estados, para o cumprimento do horário estipulado nos concursos já realizados. Assim, não nos enganemos em relação ao fato.
Há mais: nas oito horas não está incluído o “recreio”. Isto talvez seja conquista popular mesmo, como dizem, não da categoria. Na verdade, o/a professor/a ficará 45 horas na escola por R$950,00.
Para que curso superior?

 Modesta Trindade Theodoro
 PUBLICADO EM
28/08/08 07:02
QUE TÍTULO É ESTE?
de profpublico
A sociedade já reconheceu a violência como problema há muitos anos!!!
 PUBLICADO EM
27/08/08 16:47
secretário reconhece violência como PROBLEMA. Antes tarde do que nunca!
de profpublico
Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XIV - Nº: 3.164 - 08/27/2008
Poder Executivo
Capa
Profissionais da Educação participam de Fórum de Diretores
PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO PARTICIPAM DE FÓRUM DE DIRETORESA Secretaria Municipal de Educação realizou ontem o VII Fórum de Diretores da Rede Municipal de Educação, no Espaço Cultural Imaculada. O evento reuniu a direção das 223 escolas e Unidades Municipais de Educação Infantil (Umei) da Rede Municipal e os gestores da secretaria, a fim de discutir e planejar ações educativas e preventivas no combate à violência. O encontro contou, na parte da manhã, com a participação do professor da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG), Bernardo Monteiro de Castro, que ministrou palestra sobre "Comportamento e Fatores de Risco e Proteção na Adolescência e Juventude", detalhando a importância de se identificar os fatores positivos e fazer com que a comunidade seja beneficiada por eles. "É importante minimizar os fatores de risco. A escola tem que ser um ponto de referência institucional da sociedade com convergência das ações para que se possa promover a cidadania", disse Castro. DE ACORDO COM O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, HUGO VOCURCA, A VIOLÊNCIA É UM TEMA RECORRENTE DENTRO DAS ESCOLAS E É PRECISO QUE OS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO e é preciso que os profissionais da educação se apropriem dessas informações para planejar e rever algumas de suas práticas. "ELA É ALGO QUE AFETA O COTIDIANO DA ESCOLA,POIS TEM IMPACTO NO APRENDIZADO E NA VIDA DO ALUNO de forma muito direta, por isso é preciso que nossos profissionais saibam lidar com o tema", afirmou.À tarde, os participantes do evento assistiram às palestras "Cidadania e Valorização da Vida", ministrada pelo professor da Universidade Federal Fluminense (UFF), Jaílson Souza e Silva, e "Interação Juvenil no 3º Ciclo", pelo professor Paulo Henrique de Queiroz Nogueira, da Escola Municipal Maria Assunção de Marco.
 PUBLICADO EM
24/08/08 20:24
Dúvidas - Carta à Fundação Municipal de Cultura
de profpublico
À Sra. Maria Antonieta Antunes Cunha
Presidente da Fundação Municipal de Cultura

Gostaria de saber algo referente aos vencedores do 'Concurso Nacional de Literatura Prêmio Cidade de Belo Horizonte -2008'.
Fiquei matutando sobre autores diferentes grafarem 'víceras' (e com acento) por ser o termo 'vísceras' mais usual no Brasil. É isso mesmo?

Outro caso: autor estreante.
O que, afinal, é autor estreante, que o próprio regulamento não explica bem?! Para muitos que me ligaram estava claro. Aliás, um deles telefonou à Fundação Municipal de Cultura. A resposta foi: "...é quem não publicou nada".
Quem temos como vencedor 'estreante'? Guilherme Trielli Ribeiro. Não deveria ser em "Poesia", simplesmente? Estava, ainda a pouco, lendo algo do doutorando da Brown University/EUA sobre a literatura rosiana publicado no Suplemento de junho/2006. No princípio a senhora Eleonora Santa Rosa escreve: "...procuramos os artistas que, nesses últimos anos, usaram ou têm usado o texto de Rosa como ôvo e cálculo de suas próprias obras".
Afinal, cadê o autor estreante, aquele/a desconhecido/a, que estréia na Literatura?
Deixo claro que não concorri a nenhum prêmio, mas estou curiosa.

 Atenciosamente,
 Modesta Trindade Theodoro

Aparte
Para quem nunca teve nada publicado em lugar algum, e tentou, foi um desalento observar tal acinte.
 PUBLICADO EM
19/08/08 02:06
EM DEFESA DOS DIREITOS E CONTRA A CRIMINALIZAÇÃO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS
de profpublico
 Manifestação dia 21 de agosto
 quinta-feira - 15 horas - Praça Sete

Os trabalhadores de Minas Gerais e do Brasil têm muitos motivos para se manifestar. Todos sentem no bolso que a inflação voltou de vez e que os salários estão cada vez mais achatados. Além disso, vemos todos os dias nos jornais que a economia está crescendo e que as empresas mineiras batem recorde de lucros. Mas, onde está nossa parte do “bolo”?

Ao contrário, aqueles que exigem melhores condições de trabalho são perseguidos em todo o Brasil. A criminalização dos movimentos sociais cresce a olhos vistos, numa ação conjunta dos grandes empresários, da Justiça e do governo Lula. Governo que fez a reforma da previdência, ataca direitos trabalhistas, mantém o “Fator Previdenciário” e não faz a Reforma Agrária.

Por tudo isso, a CONLUTAS, a INTERSINDICAL, o MST, sindicatos e movimentos sociais de todo o Estado convocam para a manifestação que irá unir todos exigindo dos governos Pimentel, Aécio e Lula:

- Reposição e aumento real de salários! Reajuste automático dos salários sempre que a inflação alcançar a casa dos 3%!
- Congelamento dos preços dos alimentos da cesta básica!
- Contra a criminalização dos movimentos sociais! Contra o Assédio Moral nas Empresas e no Setor Público! Pelo direito de livre manifestação!
- Em defesa dos Serviços Públicos: Saúde e Educação e pela valorização dos servidores!
- Pelo fim do Fator Previdenciário!
 Conlutas, Intersindical e MST
 PUBLICADO EM
15/08/08 19:09
NOVA CONQUISTA DA CATEGORIA
de profpublico
O Sind-REDE/BH informa mais uma conquista da categoria dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte:
em resposta às ações que o Sind-Rede/BH move na justiça contra o desconto previdenciário sobre o terço de férias, que é indevido, a PBH resolveu suspender este desconto.
A Prefeitura suspendeu o desconto previdenciário sobre o terço de férias de TODOS os servidores municipais a partir do mês de agosto de 2008.
Quem desejar a restituição dos descontos já efetuados deve procurar o departamento jurídico do Sind-REDE para entrar com o processo, mas a restituição será apenas dos últimos 5 anos.

Direção Colegiada do Sind-REDE/BH
 PUBLICADO EM
14/08/08 11:36
CALENDÁRIO DE ATIVIDADES DO MÊS DE AGOSTO
de profpublico
CALENDÁRIO DE ATIVIDADES DA CATEGORIA PARA O MÊS DE AGOSTO:

DIA 19 - 14H - SINDREDEBH
PLENÁRIA DA EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE PROJETO DE ELEIÇÃO PARA DIREÇÃO DE UMEI

DIA 21 - DIA DE GREVE
14H - ASSEMBLÉIA NO HÓRION SEGUIDA DE MANIFESTAÇÃO

DIA 27 - 18H30 - SINDREDEBH
DEBATE COM CANDIDATOS/AS À PREFEITURA DE BH

PARTICIPE!!!
GARANTA A PRESENÇA DA SUA ESCOLA.
DIREÇÃO COLEGIADA DO SIND-REDE/BH
 PUBLICADO EM
01/08/08 09:36
Pagamento e debate
de profpublico
Ô xente! Perdoem-me! Eu não citei o candidato Jorge Periquito, do PRTB.
 PUBLICADO EM
31/07/08 14:23
Pagamento e debate
de profpublico
BH, 31/07/2008

Olá, espero que todos estejam bem e tenham feito pelo menos uma curta viagem no recesso para relaxar. E que tenham relaxado, claro.
O pagamento será creditado no dia 7 (sete) de agosto, quinta-feira.
A terceira parcela do reajuste deverá ser anexada aos proventos. Não é oficial!
 Felicidades,
 Modesta Trindade Theodoro
P.S. Hoje haverá debate dos/as prefeitorais, se se posso dizer assim, na Band Minas, às 22 horas. Confirmaram a presença (ordem alfabética): Gustavo Valadares(DEM), Jô Moraes(PCdoB), Leonardo Quintão(PMDB), Pedro Paulo(PCO), Sérgio Miranda(PDT), Vanessa Portugal(PSTU) .
Até agora não confirmaram presença: André Alves(PTdoB) , Márcio Lacerda(PSB) .
 PUBLICADO EM
30/07/08 15:35
Informações
de profpublico
A Diretoria do SINTAPPI-MG, vem parabenizar os autores deste Diário pelas exelentes publicações e gostariamos se possível, ter a oportunidade de estarmos contribuindo, de alguma forma, com este trabalho.
Colocamno-nos à disposição para quaiquer esclarecimentos,

Sem mais
 PUBLICADO EM
25/07/08 01:03
Com Inventividade e sem esmolas inclusivas, assim caminha o brasileiro!
de WoodsonFC
Popout
 PUBLICADO EM
18/07/08 17:26
Readaptação Funcional
de profpublico
Um dos pontos discutidos na reunião de negociação de ontem (16/07) foi a instrução de serviço 001/08, que esabeleceu critérios para a concessão de férias regulamentares aos Professores em Readaptação Funcional, TSE-Bibliotecários e Auxiliares de Biblioteca.Segundo o levantamento da Hélen, gerente de organização escolar, das(os) 643 Trabalhadoras(es) em Educação, em Readaptação Funcional, 86 irão trabalhar, ou seja, a nossa mobilização surtiu um grande efeito.Porém, algumas direções resolveram obrigar 86 Trabalhadoras(es) em Educação, em Readaptação Funcional, a trabalharem no recesso de julho, mesmo que seja num sistema de rodízio.
A Hélen ratificou a orientação do Sind-Rede/BH, ou seja, a direção de Escola e UMEI (chefia imediata) não foi obrigada a exigir o trabalho no recesso de JULHO, somente com sua a conveniência e a necessidade do serviço.
A orientação continua a mesma. Estar em Readaptação Funcional não é o mesmo que sair da carreira do magistério, desta forma, o recesso deve ser igual para todas(os) as(os) professoras(es).
Se as direções de Escola e UMEI das(os) 86 Trabalhadoras(es) em Educação, em Readaptação Funcional, insistirem que há necessidade de prestação de serviço destas(es) Trabalhadoras(es) em Educação deverá ser solicitado por escrito um documento descrevendo as atividades a serem desempenhadas neste período. De posse deste documento veremos o encaminhamento a ser tomado.

Se você está entre as(os) 86 que irão trabalhar entre em contato com diretoria do Sind-Rede/BH

32263142

Wanderson Rocha
 PUBLICADO EM
16/07/08 23:16
Eleição Escolar 2008
de profpublico
O ano de 2008 é de eleição escolar em toda a rede municipal de educação. Nós, professoras da educação infantil, queremos participar não apenas como votantes, mas também como candidatas. A candidatura foi assegurada no final do ano passado por uma sentença judicial, no entanto não conseguimos garantir a posse das duas professoras eleitas na UMEI Juliana e UMEI Castelo.

Para evitar novo processo judicial caso alguma professora tenha negada sua posse (mesmo sabendo que este ano esta alternativa é mais favorável do que era há dois anos), estamos procurando um acordo com o governo. Já tivemos uma primeira reunião com o Márcio Dutra que se posicionou favorável a este acordo, no entanto ainda não conseguimos marcar nova reunião, apesar da nossa insistência.

Estamos procurando a Neusinha Santos para que ela intervenha nesta questão, pois foi ela quem conseguiu nossa primeira reunião com o Márcio Dutra. Iniciamos telefonando e conversando com várias pessoas do gabinete. Como não deu resultado, fomos 5 professoras à câmara solicitar pessoalmente uma reunião com ela. A Elenir e a Margareth (assessoras) ficaram de dar resposta ontem, mas não deram. Liguei ontem e hoje diversas vezes, e nada.

Enquanto isto, estamos com um projeto (1699/08) tramitando na câmara para "regularizar" a candidatura das professoras da educação infantil (assegurar na lei das eleições escolares o que já foi garantido pela sentença judicial, e na lei 9154/06).

Esta questão é uma das prioridades da educação infantil no ano de 2008. Por isto, as professoras apontaram no último Coletivo da Educação Infantil a disposição de uma greve no segundo semestre caso não haja um acordo com o governo para garantir a candidatura e a posse das/os eleitas/os.

Gostaríamos de contar com a colaboração de vocês nas nossas próximas ações. Primeiro, enviem e-mails para a Neusinha solicitando a marcação de uma reunião da educação infantil sobre as eleições escolares de 2008. O e-mail é neusinhasantos@cmbh.mg.gov.br . Quem tiver um tempinho, ligue para lá também. O telefone é 3555-1149 ou 3555-1150. É só perguntar se já marcaram a reunião com as professoras da educação infantil. Se alguém obter resposta favorável, avisem para a gente por e-mail thaistlacerda@hotmail.com ou liguem para o sindicato 3226-3142.

Outra ação importante é, ao montarem as chapas para disputar as eleições, convidem professoras da educação infantil para discutir a formação, pois precisamos deste espaço para candidatar e assegurar este direito. Sabemos de várias UMEIS que tem nomes para indicar para as escolas núcleo.

Provavelmente teremos uma audiência pública chamada pela comissão de educação e cultura para discutir o projeto 1699/08. Precisamos encher a câmara como já fizemos outras vezes. É importante que vocês participem também quando o projeto for à plenário.

Abraços,
Thaís
 PUBLICADO EM
15/07/08 13:18
MANIFESTAÇÃO READAPTAÇÃO FUNCIONAL
de profpublico
Companheiras e companheiros,

Lembramos a todas/os que no dia 16 de julho, às 15 horas, no 7º andar da SMED, haverá uma 'Manifestação para acompanhar a Comissão de Readaptação Funcional', em reunião agendada para este dia.

Direção Colegiada do Sind-REDE/BH
 PUBLICADO EM
11/07/08 04:25
Em defesa das(os) Trabalhadoras(es) em Educação, que estão em Readaptação Funcional!
de profpublico
Defenda as(os) Trabalhadoras(es) em Educação, que estão em Readaptação Funcional!

.
A PBH implementa mais um ataque à nossa categoria, em pleno final de semestre, e precisamos dar uma resposta imediata.Foi encaminhado às escolas uma instrução normativa estabelecendo os critérios para a concessão de férias regulamentares aos servidores vinculados à Rede Municipal de educação para quem está em readaptação funcional, TSE-Bibliotecários e Auxiliares de Biblioteca.Tal instrução normativa deixou a critério da chefia imediata estabelecer os recessos escolares, de acordo com a conveniência e a necessidade do serviço.Em reunião realizada no dia 10/07, quinta-feira, às 9h, as(os) Trabalhadoras(es) em Educação, que estão em Readaptação Funcional, aprovaram as seguintes deliberações:

O Sind-Rede/BH recomendar que as direções de escola dêem recesso a quem está em Laudo Médico neste mês de Julho, de acordo com o artigo 2º da Lei Orgânica do Município de Belo Horizonte;

.
Retomar a pesquisa de Laudo Médico: quantos são nas escolas, e etc.;
.
Onde não for possível a garantia do recesso, solicitar uma declaração escrita da direção da escola explicando os motivos da obrigatoriedade de se trabalhar;
.
Manifestação para acompanhar a Comissão de Readaptação Funcional emreunião agendada para o dia 16/07, às 15h, no 7º andar da SMED;
.
Os professores em readaptação funcional atuarem como representantes de escola, onde não houver representante;
.
O Departamento Jurídico analisar a possibilidade de uma ação contra a PBH por tratar os professores em readaptação funcional como o pessoal do Quadro Administrativo, alterando o tempo de aposentadoria, o período de férias e retirando o recesso, entre outras ações.
.
Obs.: É importante divulgar e convocar as(os) Trabalhadoras(es) em Educação para esta manifestação.
.
A luta é nossa e somente com mobilização barraremos esta instrução!
.
Aurelícia e Wanderson Rocha
 PUBLICADO EM
10/07/08 22:21
CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO GRATUITO
de profpublico
Companheiras e companheiros,

amanhã é o último dia de inscrição para o CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DESIGN INSTRUCIONAL PARA EaD VIRTUAL: TECNOLOGIAS, TÉCNICAS E METODOLOGIAS
e no dia 18/07/2008 encerram as inscrições para o CURSO DE GESTÃO DE PESSOAS EGESTÃO DE PROJETOS SOCIAIS.
Ambos são cursos de pós-graduação da Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI), através do programa do MEC -Universidade Aberta do Brasil(UAB).
Taxa de inscrição para processo de seleção: R$30,00
Taxa de matrícula por disciplina/módulo: R$18,00
Mensalidades: gratuitas para aluno/custeadas pela UAB
Informem-se pelos sites:http://www.ead.unifei.edu.br/
ou através do tel. (35) 3629-1416 ou (35) 3629-1415.

Departamento de Formação do Sind-REDE/BH
 PUBLICADO EM
10/07/08 15:40
Por que é importante se registrar para publicar nesse blog?!!!
de WoodsonFC
Para facilitar a publicação dos professores nesse blog, criei o USUÁRIO: blogdoprofessor . e uma senha para todos. Contudo, isso expõe os artigos aqui publicados a ação de algum espírito de porco, que pode tentar modificar ou apagar os artigos que foram postados pelos colegas. Para evitar isso, trocarei novamente esse LOGIN e a senha.  O objetivo é não permitir alguém, mal intencionado, consiga apagar o que já foi publicado no blog.

O NOVO USUÁRIO é

profpublico@operamail.com

e a SENHA é a mesma: blogprof


Contudo, aquele que desejar se precaver da possibilidade de que seu artigo seja apagado ou modificado no futuro, poderá  se cadastrar nesse blog, a fim de que possa publicar com USUÁRIO: e SENHA próprios.


PUBLIQUE AQUI COM SEU PRÓPRIO LOGIN E SENHA
Quer publicar como AUTOR REGISTRADO desse blog ? (clique aqui)



 PUBLICADO EM
09/07/08 07:48
Piso Salarial Nacional do governo Lula na verdade é de R$ 475,00
de BLOGDOPROFESSOR
“Às vezes, a única coisa verdadeira num jornal é a data”
Luís Fernando Veríssimo

.
O Senado aprovou o Projeto de Lei nº 59/04 (oriundo do PL nº 7.431/06, apenso o PL 619/07, da Câmara dos deputados), que estabelece o valor mínimo de R$ 950 para os professores habilitados com nível médio da rede pública de ensino em todo o país; em um regime de 40 horas semanais (28 horas para regência de classe e 12 horas-atividade). Está prevista no projeto, a complementação da União para os entes federados que não atingirem o valor de Piso nacional.
.
Para ter obter a redação final do Projeto de Lei do Senado nº 59, de 2004 (nº 7.431, de 2006, na Câmara dos Deputados) acesse:

.
http://www.senado.gov.br/sf/atividade/materia/getHTML.asp?t=13605

A Globo, a CUT, a CTB, o Congresso Nacional, o Senado e o governo Lula não divulgam que para as(os) Trabalhadoras(es) em Educação receberem os R$ 950,00 terão que duplicar a jornada de trabalho, ou seja, trabalhar 40h semanais. Caso contrário, receberão R$ 475,00 por uma jornada de 20h semanais. Isto é uma forma de legitimar e autorizar a continuidade de desvalorização salarial e profissional praticada pelos Estados e Municípios.

.
Neste projeto consta a criação de uma regra de transição em que serão incorporadas gratificações e vantagens ao salário com jornada de trabalho de 40 horas de forma escalonada em 2008 e 2009. Somente em 2010 essas gratificações incorporadas serão consideradas vencimento inicial. Enquanto isto, quem for se aposentando neste período ficará prejudicado, pois, estas gratificações e vantagens não incidirão para efeitos de aposentadoria.

.
Posicionamento do Sind-Rede/BH e da Conlutas sobre o Piso Nacional

.
Reivindicamos um Piso Salarial Nacional da Educação, para uma jornada/semanal de 20h de trabalho, de acordo com o salário mínimo necessário calculado pelo DIEESE (Departamento Intersindical de Estatíticas e Estudos Socioeconômicos). O órgão divulgou recentemente que o salário mínimo nacional, em junho, deveria ter sido de R$ 2.072,70, para suprir as necessidades básicas de uma família com dois adultos e duas crianças. O valor representa 4,99 vezes o valor atual do salário mínimo (R$ 415).

.
Mais informações sobre o cálculo do DIEESE acesse:
.
http://www.dieese.org.br/rel/rac/salminjul08.xml
.
Durante o I Congresso Nacional da Conlutas, 03 a 06/07 (Betim/MG), o Grupo de Trabalho de Educação da Coordenação Nacional de Lutas – GT/Conlutas, aprovou um manifesto contra as políticas implementadas pelo governo Lula, apoiadas pelos governos estaduais e municipais. Dentre estas políticas o Piso Salarial Nacional foi rejeitado por unanimidade pelas entidades presentes em favor de um piso de acordo com o calculado pelo DIEESE por 20h semanais.

.
Como deliberação o GT organizará um seminário para o 1º semestre de 2009 para unificar as lutas das(os) Trabalhadoras(es) em Educação, bem como construir um calendário de mobilizações . O manifesto do grupo de Trabalho de Educação da Conlutas será divulgado em breve!

.
Obs.: Veja as entidades que defendem o governo Lula e iludem os Trabalhadores em Educação:

.
CTB comemora aprovação do Piso Sarial Nacional

.
http://portalctb.org.br/site/index.php?option=com_content&Itemid=&task=view&id=616

CUT comemora Piso Nacional

.
http://www.cut.org.br/site/start.cut?infoid=19136&sid=6
.
.
Wanderson Rocha
 PUBLICADO EM
08/07/08 08:28
vergonha
de BLOGDOPROFESSOR

Vale a pena REPETIR algo, que escrito
no Século XIX, continua tão atual e mais ainda...

poderia ter sido escrita hoje, sem mudar uma palavra...
(Rui Barbosa deixou de ser senador em 1892 e faleceu em 1923.)

*
SINTO VERGONHA DE MIM*

Sinto vergonha de mim
por ter sido educador de parte desse povo,
por ter batalhado sempre pela justiça,
por compactuar com a honestidade,
por primar pela verdade
e por ver este povo já chamado varonil
enveredar pelo caminho da desonra.

Sinto vergonha de mim
por ter feito parte de uma era
que lutou pela democracia,
pela liberdade de ser
e ter que entregar aos meus filhos,
simples e abominavelmente,
a derrota das virtudes pelos vícios,
a ausência da sensatez
no julgamento da verdade,
a negligência com a família,
célula-Mater da sociedade,
a demasiada preocupação
com o 'eu' feliz a qualquer custo,
buscando a tal 'felicidade'
em caminhos eivados de desrespeito
para com o seu próximo.

Tenho vergonha de mim
pela passividade em ouvir,
sem despejar meu verbo,
a tantas desculpas ditadas
pelo orgulho e vaidade,
a tanta falta de humildade
para reconhecer um erro cometido,
a tantos 'floreios' para justificar
atos criminosos,
a tanta relutância
em esquecer a antiga posição
de sempre 'contestar',
voltar atrás
e mudar o futuro.

Tenho vergonha de mim
pois faço parte de um povo que não reconheço,
enveredando por caminhos
que não quero percorrer...

Tenho vergonha da minha impotência,
da minha falta de garra,
das minhas desilusões
e do meu cansaço.
Não tenho para onde ir
pois amo este meu chão,
vibro ao ouvir meu Hino
e jamais usei a minha Bandeira
para enxugar o meu suor
ou enrolar meu corpo
na pecaminosa manifestação de nacionalidade.

Ao lado da vergonha de mim,
tenho tanta pena de ti,
povo brasileiro!

'De tanto ver triunfar as nulidades,
de tanto ver prosperar a desonra,
de tanto ver crescer a injustiça,
de tanto ver agigantarem- se os poderes
nas mãos dos maus,
o homem chega a desanimar da virtude,
A rir-se da honra,
a ter vergonha de ser honesto'

 Rui Barbosa


postado por Prof.Geraldinho





 PUBLICADO EM
07/07/08 21:59
Aprovado fim da DRU para a educação
de BLOGDOPROFESSOR
Autor: Agência EstadoData: 3/7/2008

O Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (2) a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 96/03) que reduz gradualmente, a partir de 2009, até 2010, os percentuais de Desvinculação das Receitas da União (DRU) sobre as verbas destinadas à manutenção e desenvolvimento do ensino previstos na Constituição. Em 2011, conforme a proposta, haverá a extinção da DRU para a educação. Com isso, o governo não poderá mais destinar essas receitas para outras finalidades, inclusive o pagamento da dívida. A PEC é de iniciativa da senadora Ideli Salvatti (PT-SC).

Para que a aprovação pudesse ocorrer, os líderes partidários concordaram em realizar num único dia todas as sessões de discussão que ainda faltavam para a conclusão do exame da matéria, bem como os dois turnos de votação requeridos. No primeiro turno, a PEC foi aprovada com 58 votos favoráveis e nenhum voto contrário, nem abstenções. Em segundo turno, foi aprovado com 52 votos favoráveis e, novamente, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção.

Renovada em dezembro pelo Congresso, a DRU autoriza o governo a desvincular 20% de todos os tributos condicionados a gastos específicos - exceto as contribuições patronais e dos empregados para a Previdência - e destinar os recursos para outros gastos considerados mais urgentes. O mecanismo foi criado ainda na primeira gestão de Fernando Henrique Cardoso, para dar ao governo maior flexibilidade no sentido de enfrentar a crise fiscal (desequilíbrio entre receitas e despesas) verificada naquele momento.

O percentual de desvinculação será reduzido à metade (10%) em 2009, caindo para 5% em 2010, por força de emenda apresentada pelo relator da matéria na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), o falecido senador Jefferson Péres. Originalmente, Ideli previa três anos até a extinção, com queda gradual no percentual de incidência para 15%, em 2008, 10%, em 2009 e, por fim, 5%, em 2010.

A matéria foi aprovada com apoio da oposição. O líder do PSDB, senador Arthur Virgílio (AM) disse que depois de 15 anos de estabilidade econômica, a economia do país amadureceu. Pode dessa forma suportar um passo ousado, investindo pesadamente em educação.

O parlamentar, entretanto, alertou para a necessidade de o governo compensar essa medida, cortando gastos em outras áreas de modo a não estimular a tendência de inflação que se mostra presente.

Ideli Salvatti disse que a inflação brasileira está em 5,6%, o que dá ao país tranqüilidade para aprovar a PEC. Ela ponderou no sentido de que a transição será muito suave. E, por outro lado, notou que o governo já está aplicando, por diversas formas, uma soma de recursos que equivale, na prática, à desconsideração da DRU. Mas frisou, sob os aplausos de estudantes da União Nacional dos Estudantes (UNE) presentes nas galerias:

- É preciso tirar isso da Constituição para que nenhum governo caia na tentação de desviar recursos da educação.

Segundo a senadora, desde a criação da DRU, R$ 72 bilhões deixaram de ser destinados ao setor. Em pronunciamento mais cedo nesta quarta-feira, ela afirmou que só este ano a educação teria R$ 7 bilhões a mais.

A PEC foi criticada pelo senador Aloizio Mercadante (PT-SP), justamente em razão das pressões inflacionárias, que reclamariam um aperto maior do gasto público. O parlamentar petista disse ser favorável ao recolhimento de recursos ao chamado fundo soberano, uma idéia em desenvolvimento no governo, de modo que, garantida a estabilidade econômica, a população pobre ficasse protegida da inflação. Mais tarde se ampliaria o gasto social.

- Não é o momento de se ampliar verbas para a saúde e a educação - advertiu Mercadante, lembrando que medidas de apoio ao setor educacional já vêm sendo aprovadas, como a fixação do piso de R$ 950,00 para os professores.

Além de representantes da União Nacional dos Estudantes, também acompanharam a discussão e a votação da matéria nas galerias do Plenário do Senado representantes da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes).
 PUBLICADO EM
07/07/08 12:17
Esclarecimentos sobre as publicações nesse blog
de WoodsonFC

Pelo que entendi, o texto publicado aqui (clique aqui para ver)  supostamente publicado pelo Carlos (veja sua reclamação), não é de sua autoria, sendo a responsabilidade por essa afirmação da autoria de alguém ligado ao movimento citado. Carlos, se quiser pedir que eu retire esse texto ou coloque uma nota na sua introdução, faço isso imediatamente. O problema que enfrento nesse blog é que tive de criar um login e senha para que as pessoas pudessem publicar anonimamente e não tivessem de se inscrever para publicar seus textos -
uma vez que professores não têm tanto tempo para fazer isso ou não sabem fazê-lo ou têm preguiça (no bom sentido, acho que nem todo mundo, mesmo sendo professor, tem obrigação de saber informática) e até eu assumo essa batata quente sozinho (já levei muita pressão institucional por essa minha atitude) mesmo sabendo que poderia dividir com outros, mas acho que esse movimento deve se construir se impondo pela sua abertura a manifestação de muitas vozes (evidentemente civilizadas) sem maiores censuras.

Como exemplo, eu, Woodson, particularmente, sou contra publicações aqui de textos institucionais como vem sendo feito! O blog é para os indivíduos se manifestarem e não para fazer propaganda de correntes sindicais, políticas, pessoais, etc.. Contudo não vou restringir isso porque esse blog deve refletir também nossas limitações e contradições dentro dos parâmetros da civilidade. Particularmente acho os movimentos sindicais (e as pessoas que levam esses movimentos, portanto seus discursos e práticas) muito anacrônicos e foi em razão disso que criei esse blog, para criar um ambiente de discussão aberto e isento para questões relacionadas a nossa classe. Esses textos dos movimentos dão a impressão de temos ligação ou que esse blog e o grupo de professores que aqui publicam têm alguma filiação específica, coletiva, que não existe, problema que o Carlos está enfrentando com a falsa autoria da publicação (que denunciou aqui) e que devemos evitar (aliás isso é coisa comum na Internet)!

Grande abraço e me escrevam,

Woodson Fi0rini

OBS: Existe um e-mail para reclamações no blog e o mesmo no grupo de discussão. Toda vez que tiverem reclamações, façam. Os seus comentários também me são enviados e leio-os regularmente!
Nem o grupo e tampouco o blog são moderados ou passam por uma checagem ou censura prévia (não teria tempo para isso). São vocês, integrantes desse movimento virtual que devem fazê-lo e posso até dar o status para alguns que o façam, efetivamente, esse papel de moderação do blog e do grupo. Quem se habilitar me escreva ( o e-mail está ao lado)!!!
 PUBLICADO EM
06/07/08 22:37
AGENDA DE ATIVIDADES DA REDE MUNICIPAL
de BLOGDOPROFESSOR
FIQUE ATENT@! PARTICIPE!

08 de julho
18:30h - Coletivo da educação infantil no sindicato
 Pauta: eleição para direção de escolas - SindREDE/BH

09 de julho
14h - Plenária de representantes - SindREDE/BH
16h - Arraiá do São Nunca Mais Pimentel - PBH

09 de agosto
9h - Assembléia dos auxiliares contratados pelo caixa escolar - SindREDE/BH

21 de agosto
DIA DE GREVE!
Contra todos os tipos de agressões sofridas... e por melhores condições de trabalho!
 PUBLICADO EM
06/07/08 00:31
Congresso da Conlutas já tem resoluções sobre conjuntura internacional
de BLOGDOPROFESSOR
As resoluções discutidas nos grupos de trabalho, que se reuniram durante todo o dia 5 e pela manhã do dia 6, começaram a ser votadas pela plenária geral do congresso na tarde deste sábado. Até o momento, foram aprovadas as resoluções referentes à situação internacional: conjuntura, América Latina/Venezuela e dívidas externa e interna.

Conjuntura Internacional

A resolução que foi aprovada, por maioria, é a de número 1 do caderno de resoluções. Entre as bandeiras de luta, exige a saída das tropas brasileiras do Haiti e das tropas imperialistas do Iraque e do Afeganistão, a saída de Israel da Palestina, e os direitos e a legalização dos imigrantes em todo o mundo. Os grupos de trabalho fizeram adendos que foram aprovados em conjunto com a resolução, como a reivindicação de internacionalismo proletário e independência política em relação a todos os governos capitalistas e a não confiança nos governos da América Latina, como Lula, Chavez, Evo Morales e Lugo – adiantando o debate do segundo ponto.
América Latina/Venezuela
Sobre este tema, foram aprovadas por maioria as resoluções 2 e 4 do caderno, também com alguns adendos, como a exigência do fim das bases militares na América Latina e a ampliação dos debates sobre a natureza dos governos no continente. O governo Chavez voltou a ser criticado por não ter abolido o latifúndio, pelo uso do aparato do Estado e por fazer acordos com a Burguesia.

Dívidas Externa e Interna

O Congresso da Conlutas aprovou a resolução de número 5, que reafirma o não pagamento das dívidas. A resolução inclui, ainda, a realização de uma campanha nacional contra o pagamento da dívida. O único adendo feito foi a inclusão dos governos municipais na resolução.

Saudações internacionais

Durante a plenária, dirigentes de entidades internacionais, como a Tendência Classista e Combativa do Uruguai e a TCCA Central Geral do Trabalho da Espanha, foram à mesa saudar o 1° Congresso da Conlutas.

Fonte: http://congressoconlutas.blogspot.com/
 PUBLICADO EM
05/07/08 22:27
Grupos de debates são momentos privilegiados de democracia
de BLOGDOPROFESSOR



Os grupos de discussão do Congresso da Conlutas ocorreram durante o dia de sexta-feira e manhã de sábado. Na tarde de sábado e domingo o plenário votará as propostas encaminhadas pelos grupos. A partir de agora os delegados terão que votar o plano de ação, a política e a organização da coordenação. O que for deliberado será o norte para nossa ação nos próximos meses.Os temas se dividiram em Conjuntura nacional e internacional, movimentos sociais, combate a opressões e funcionamento interno. Não é sem importância o fato de resgatarmos a tradição da discussão democrática, onde qualquer delegado ou observador pode falar sua opinião e sua proposta. Do sem-terra de Inhumas, no interior de Goiás, até a professora de São Paulo, todos tiveram o mesmo tempo para mostrar suas opiniões.O espaço também foi usado para divulgar as lutas travadas pelos delegados em seus estados, como a grande greve de profissionais da educação paulista. Ou a greve do peão de Fortaleza, que conseguiu este ano um acordo salarial maior que a média nacional da categoria.As experiências de repressão puderam ser relatadas. Desde a demissão de um companheiro que participou de uma campanha salarial, até a ação dos capangas contra sem-terras. Muitos perceberam que a falta de liberdade para mobilização não é problema regional. Alguns abaixo-assinados foram passados em solidariedade a perseguidos e lutas locais, como a campanha contra a demissão do bancário Dirceu Travesso em São Paulo e a luta contra a desregulamentação da jornada de trabalho dos rodoviários do Amapá.Os grupos de trabalho duraram um dia e meio dos quatro dias do Congresso, permitindo um amplo debate, democrático, para que todos os pontos que comporão as resoluções pudessem ser discutidos pelos delegados (as).



Fonte: http://congressoconlutas.blogspot.com/
 PUBLICADO EM
05/07/08 17:45
ARRAIÁ DE SÃO NUNCA MAIS PIMENTEL
de BLOGDOPROFESSOR
DIA 09 DE JULHO, A PARTIR DAS 17 HORAS, NA PORTA DA PBH.
VAI TER QUADRILHA, JOGOS, CANJICA E MUITA FESTA, AFINAL É O ÚLTIMO ARRAIÁ DE SÃO NUNCA MAIS PIMENTEL.
A GENTE ESPERA TODO MUNDO LÁ!!!
SIND-REDE/BH
 PUBLICADO EM
05/07/08 14:59
Piso salarial - Educação Básica
de BLOGDOPROFESSOR
o Projeto de Lei que define o piso salarial para professores/as da rede pública da Educação Básica foi aprovado ontem (03/07/2008) pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Agora vai ao plenário. Piso: R$ 950 (novecentos e cinqüenta reais). É bom acompanhar.
 Atenciosamente,
 Modesta Trindade Theodoro.
 PUBLICADO EM
04/07/08 22:09
Quem está na luta, está no Congresso da Conlutas
de BLOGDOPROFESSOR

Um dos vinte GT's que estão, desde as 10hs da manhã, debatendo as teses
.
.

.
Desde seu surgimento, a Conlutas se caracteriza por reunir a vanguarda do movimento sindical, popular e estudantil brasileiro. São ativistas, de norte a sul do país, que estão à frente das greves, passeatas, protestos, manifestações, enfim, na luta contra os ataques dos governos e dos patrões.No 1° Congresso Nacional da Conlutas, que acontece desde quinta-feira, dia 3, e prossegue até domingo, dia 6 de julho, não é diferente. Entre as centenas de delegações presentes, que representam sindicatos e movimentos sociais do país, há categorias que neste momento estão em greve ou em forte mobilização em defesa dos seus direitos. Apesar da maioria da militância estar à frente da mobilização, alguns delegados (as) também estão participando do Congresso da Conlutas.Trabalhadores dos Correios, por exemplo, estão em meio a uma greve nacional da categoria. Funcionários de 20 estados entraram em greve na quarta-feira (01). A Empresa de Correios e Telégrafos (ECT) não cumpriu o acordo assinado em novembro do ano passado. O acordo garantia o pagamento de adicional de risco para os carteiros (no valor de 30% dos salários), a discussão do Plano de Cargo Carreira e Salário (PCSS) e da Participação de Lucros e Resultados (PLR), que foi paga sem critérios.Há delegações presentes no Congresso, como a do Rio Grande do Sul.Já os professores estaduais de São Paulo, encerraram, em assembléia nesta sexta-feira, dia 4, a greve da categoria que durou 19 dias.Nesta sexta, o juiz Maury Ângelo Bottesini, da 31ª Vara Cível, chegou a conceder ao Ministério Público liminar contra a Apeoesp e a Conlutas (que desde o início esteve à frente da mobilização), para impedir a manifestação dos professores em ruas e avenidas de São Paulo. Bottesini também fixou multa de R$ 500 mil caso a decisão seja descumprida.Gláucia de Fátima Rodrigues é conselheira estadual da APEOESP pela Oposição Alternativa – Conlutas. A professora, que participa do comando de greve em São José dos Campos (SP), é delegada no Congresso.Segundo Glaucia, esta foi a maior mobilização da categoria nos últimos oito anos. Manifestações na Avenida Paulista chegaram a reunir cerca de 50 mil professores, ressaltou.“Após anos de paralisia da maioria da direção da APEOESP, ligada à Articulação/CUT, e da precarização da condições de trabalho e da educação pública a indignação da categoria explodiu e os professores voltaram às ruas”, definiu.Estes são apenas dois exemplos de companheiros que estão mobilizados por seus direitos, mas o Congresso, com certeza, reúne outras categorias que estão em luta.Inclusive, uma das propostas do encontro, é unificar para fortalecer as mobilizações no próximo período.


.
Fonte: http://congressoconlutas.blogspot.com/
 PUBLICADO EM
04/07/08 09:35
Piso salarial - Educação Básica
de BLOGDOPROFESSOR
o Projeto de Lei que define o piso salarial para professores/as da rede pública da Educação Básica foi aprovado ontem (03/07/2008) pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Agora vai ao plenário. Piso: R$ 950 (novecentos e cinqüenta reais). É bom acompanhar.

 Atenciosamente,
 Modesta Trindade Theodoro.
 PUBLICADO EM
04/07/08 00:01
EM DEFESA DA UNIDADE SINDICAL E POPULAR
de BLOGDOPROFESSOR
Carlos Roberto Campos: esclarecimento

o texto publicado anteriormente vem com a minha assinatura. Creio que algum companheiro ou companheira fez isso por engano, pois sou militante do Enlace/PSOL e não milito no MTL como deixou transparecer com a assinatura do texto.
O texto é de autoria do MTL e tem circulado na internet.
 PUBLICADO EM
03/07/08 20:36
Transmissão ao Vivo do I Congresso Nacional da Conlutas
de BLOGDOPROFESSOR
As (os) delegadas(os) eleitas(os) do Sind-Rede/BH iniciam participação no I Congresso Nacional da Coordenação Nacional de Lutas - Conlutas!
Assista, no endereço abaixo, a transmissão ao vivo do I Congresso Nacional da Conlutas!

.

http://www.veredasonline.com/evento-on/conlutas/
 PUBLICADO EM
03/07/08 20:31
Abertura solene inicia debates do Congresso
de BLOGDOPROFESSOR
 Por volta das 13h, desta quarta-feira, dia 3, teve início a abertura solene do 1° Congresso da Conlutas, que acontece em Betim (MG), até domingo, dia 6 de julho.O evento iniciou com algum atraso e ainda chegam delegados e delegadas para o 1° Congresso da Conlutas. Mas entre os credenciados já estão presentes mais de 2 mil representantes de sindicatos, oposições, movimento popular e organizações estudantis de todo o país.A mesa de abertura contou com representantes da Conlutas, da Intersindical, do Dieese (Departamento Intersindical de Estudos Sócio-Econômicos), do movimento popular, como o MTST, integrantes de delegações internacionais e partidos como PSTU e PSOL.Nas falas de todos foi ressaltada a importância da realização do encontro para a reorganização da classe trabalhadora brasileira e a necessidade da unidade de todas as organizações combativas dos trabalhadores. A estimativa é que o congresso reúna cerca de 4 mil delegados de todo o país e seja um dos maiores encontros da classe trabalhadora dos últimos 20 anos.José Maria de Almeida, da coordenação nacional da Conlutas, afirmou que o Congresso acontece num momento importante, em que persistem os ataques aos trabalhadores, mas tem início a retomada das lutas dos trabalhadores. “Temos tarefas fundamentais para discutir nesse congresso”, resumiu.“Precisamos construir uma organização capaz de encaminhar as lutas em defesa dos trabalhadores e estar à frente da transformação deste país”, disse. “Precisamos ir além da experiência da classe trabalhadora que tivemos até hoje e avançar na defesa dos trabalhadores. Para isso, precisamos da unidade de todos os que lutam contra os ataques do capital e é necessário definir passos concretos para avançar nessa unificação”, disse.“Apesar das diferenças e divergências que naturalmente há entre nós, todos aqui têm enfrentado os ataques do capital. Estamos aqui buscando reorganizar os movimentos sindical e popular deste país para avançar nas lutas em defesa dos trabalhadores”, definiu Lujan Miranda, da Intersindical, organização que está participando como convidada do encontro.A necessidade de fortalecer a unidade entre os movimentos sindical, popular e estudantil com uma perspectiva revolucionária e socialista, foi defendida por Helena, do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) de São Paulo. Helena lembrou ainda que o próprio Congresso da Conlutas é a expressão da lutas e dos esforços pela unidade que tem havido no último período.O debate estratégico sobre a concepção, construção e funcionamento da Conlutas também foi ressaltado pelos integrantes da mesa de abertura e apontou para um dos principais debates que se dará no Congresso. Em discussão a necessidade de construir uma organização classista, democrática e independente do governo e dos patrões.Um dos representantes da delegação internacional presente no congresso, Tarquino Cajamarca, do Equador, fez uma saudação a todos os presentes e lembrou dos ataques e das lutas dos povos que estão se dando em outros países, notadamente na América Latina. Cajarmaca ressaltou a importância de uma organização como a Conlutas, e o papel que vem cumprindo para fortalecer a solidariedade internacional da classe trabalhadora.Os trabalhos foram interrompidos para o almoço e retornarão às 15h30, quando haverá a votação do regimento e apresentação das teses. Ainda chegam delegados ao encontro e o credenciamento prosseguirá durante todo o dia.Ao todo se inscreveram para o Congresso 207 sindicatos, 217 oposições sindicais e minorias, 150 entidades estudantis, 70 movimentos populares. Ao todo são 770 delegações de todo o país.
Fonte: http://congressoconlutas.blogspot.com/
 PUBLICADO EM
02/07/08 22:42
CONSTRUIR A UNIDADE DA CLASSE TRABALHADORA
de BLOGDOPROFESSOR
"Às vezes tenho medo de viver, mas milito todos os dias"...Esta frase é repetida diversas vezes no filme 'Eternamente Pagu', no qual Carla Camurati interpreta a militante socialista e feminista, Patrícia Galvão. Foi o nome que escolhemos para o IX Congresso dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação da Rede Municipal de Belo Horizonte e I Congresso do SindREDEBH.
Homenageamos também as companheiras Élia e Dora, e o companheiro Braga, militantes do cotidiano das lutas da educação em nossa cidade.
Nosso congresso ocorreu numa conjuntura de ataque do governo municipal à organização sindical da rede municipal e no momento de uma alteração profunda nas condições de trabalho e de concepção do papel da escola pública impostos pela PBH.
A prefeitura tenta, a todo custo, enquadrar e moldar a categoria e as escolas, impedir a capacidade crítica e criativa, chegando ao cúmulo de formular um boletim único para todas as escolas municipais, sem considerar o processo histórico de construção dos projetos político-pedagógicos de cada unidade.
Acreditamos ser fundamental o debate sobre a política educacional da PBH, por isso, investimos na Conferência de Educação do sindicato em 2007. Em nossa tese apresentada para o IX Congresso apresentamos uma análise acerca do processo de fragmentação da categoria e das alterações da organização do trabalho
escolar, e suas repercussões na saúde e na identidade profissional.
Apesar do congresso não ter aprofundado sobre o tema educacional, apontou a continuidade Conferência de Educação, ainda em 2008, para (re) construirmos, coletivamente, um projeto político-pedagógico comprometido com a classe trabalhadora.
Garantimos a unidade da categoria, a partir da inclusão dos/as terceirizados/as pela Caixa Escolar na base da nossa entidade. Isto significa retomarmos o debate sobre o papel educativo dos/as funcionários/as de escola, a importância do trabalho deste setor na construção da escola pública, laica, democrática e de qualidade socialmente referenciada.
Reafirmamos a luta pela unificação da carreira docente, o que significa lutarmos por uma carreira que unifique os/as ocupantes do cargo de 'professor' e de 'educador infantil', por compreendermos ambos desempenham a função docente.
Sensibilizamos sobre a importância da construção de uma nova central sindical que unifique todas e todos que lutam pela manutenção e ampliação de direitos da classe trabalhadora, que seja um instrumento de luta autônomo e independente de governos e partidos políticos, este foi o ponto central da exposição do companheiro Índio, bancário e professor, representante da Intersindical.
O Fortalecer optou por realizar uma votação sobre a filiação à Conlutas. Essa de ação no enfrentamento aos ataques da PBH, apesar das diferenças políticas. E teve apenas um voto a mais do que a proposta de participarmos do processo de construção da unificação entre os lutadores e lutadoras deste país que não se renderam e não se deixaram cooptar pelos governos 'populares'.
opção desconsiderou a pluralidade da atual direção, composta por militantes da Conlutas, Intersindical, CUT e CTB, que têm, cotidianamente, construído a unidade de ação no enfrentamento aos ataques da PBH, apesar das diferenças políticas. E teve apenas um voto a mais do que a proposta de participarmos do processo de construção da unificação entre os lutadores e lutadoras deste país que não se renderam e não se deixaram cooptar pelos governos 'populares'.
A filiação à Conlutas tem caráter experimental até o próximo congresso e, neste período, continuaremos na luta pela construção da unidade, na diretoria do SindREDEBH, e nos diversos movimentos sociais. Esperamos no próximo congresso estarmos unificados em um novo instrumento de luta da classe trabalhadora brasileira.
sociais. Esperamos no próximo congresso estarmos unificados em um novo instrumento de luta da classe trabalhadora brasileira.
O congresso reafirmou ainda a política encaminhada pela categoria nas últimas assembléias, em especial a de enfrentamento ao governo Pimentel, hoje caracterizado como um dos mais autoritários e populistas que passaram pela prefeitura de Belo Horizonte. Não é por acaso que, atualmente, se aliou a um dos mais incompetentes governos de Minas Gerais, o de Aécio Neves.

Coletivo Travessia
 PUBLICADO EM
30/06/08 21:59
FORTALECER A CONLUTAS E SEGUIR O ESFORÇO PARA UNIR TODOS QUE LUTAM!
de BLOGDOPROFESSOR
TODOS AO 1º CONGRESSO NACIONAL DA CONLUTAS!

O MTL anunciou, no início desta semana, que sua Coordenação Nacional teria decidido pela saída deste movimento da Conlutas. Ainda, conforme a informação passada por seus dirigentes, estão fazendo opção pela construção e fortalecimento do próprio MTL, que seria mais interessante para eles, do que seguir construindo a Conlutas.
O GT de Secretaria da Coordenação Nacional da Conlutas e as entidades que assinam esta nota vêm, junto aos sindicatos e movimentos que fazem parte da nossa organização, fazer algumas considerações e um chamado à base da nossa organização.
1 - Desde o início da construção da Conlutas e, de forma mais intensa depois do Congresso de 2006 que a transformou em uma Central de trabalhadores de caráter sindical e popular, nossa organização tem feito tudo que está ao seu alcance para viabilizar a unidade de todos os setores que estão na luta da classe trabalhadora, para construirmos uma alternativa unitária que seja instrumento para a luta dos trabalhadores, em defesa de seus direitos e interesses imediatos e históricos.
2 - Este esforço pela unidade e a busca constante de respostas às necessidades concretas da classe trabalhadora e da juventude, é o que possibilitou que a Conlutas se constituísse como principal pólo de aglutinação das forças que estão em luta pela reorganização dos trabalhadores, em curso no país. É isto que dá a ela condições privilegiadas para seguir a luta pela unidade, neste momento em que setores da Intersindical sinalizam a disposição para um debate político que nos permita avançar na superação da fragmentação que ainda prevalece. Em todo este processo o MTL foi parte constitutiva deste esforço.
3 - O 1º Congresso Nacional da nossa organização será, sem dúvida, um momento importante deste processo. Será um momento de fortalecimento da Conlutas, que significará um reforço também, na nossa luta pela unificação de todos os setores combativos em uma mesma organização. Este é um objetivo inseparável da construção da Conlutas. E é neste momento que o MTL anuncia o seu afastamento.
4 - A decisão dos companheiros é inexplicável. Ela foi anunciada um dia após a reunião da Coordenação Nacional da Conlutas, em que esta possibilidade sequer foi mencionada. E, aparentemente, foi tomada à revelia do processo de discussão e eleição dos delegados, que houve na base em todo o país, inclusive do MTL. Não temos ainda uma declaração formal dos companheiros que possa explicar melhor o conteúdo e o significado de seu gesto. Portanto, não possuímos condições de apresentar ou nos posicionar sobre as motivações.
5 - As diferenças existentes acerca da realização do ELAC foram bastante discutidas e, na última reunião da Coordenação Nacional da Conlutas, foram equacionadas. Aprovou-se uma resolução construída em comum acordo com os companheiros. (A resolução vai em anexo a esta nota). Uma resolução que ao mesmo tempo permite o fortalecimento da unidade na luta e a solidariedade internacional dos trabalhadores e mantêm a independência política da Conlutas frente aos governos e à burguesia; respeita a diversidade de posições na Conlutas e fora dela, sobre a situação política e os governos de vários países latinoamericanos. Embora tenham contribuído para a elaboração da resolução, votaram contra, fazendo declaração de voto apoiando o avanço que houve no conteúdo da mesma.
6 - As discussões relacionadas às resoluções que o Congresso deverá adotar, acerca de temas como: Correções no Sistema de Direção; Natureza Sindical e Popular; Caráter de Classe da Nossa Luta; Fortalecimento da Conlutas e a Unificação de Todos que estão na Luta, dentre outros, recém se iniciaram e não há posição definida sobre os mesmos. A saída dos companheiros, antes mesmo que esta discussão ocorra, só se justificaria se a sua permanência estivesse condicionada a que a Conlutas assumisse suas posições. Tal situação também seria inaceitável para a Conlutas, pois nossa organização é autônoma em relação aos partidos e às correntes políticas. Sabemos que os militantes de diversos partidos e organizações políticas atuam dentro dos sindicatos, movimentos e da própria Conlutas, o que é legitimo. No entanto, são os trabalhadores e jovens organizados nos sindicatos, movimentos populares, sociais e organizações da juventude, que decidirão os rumos da Conlutas, coletiva e democraticamente, em suas instâncias. Esta é uma condição que se aplica ao conjunto das organizações. Sabemos que há muito a avançar no aprimoramento da Conlutas, sendo este, um desafio permanente de todos. Não nos parece que o MTL tenha compreensão diferente.
7 - É preciso dizer com clareza que o gesto dos companheiros traz prejuízos ao esforço por construirmos uma alternativa unitária para a luta dos trabalhadores no processo de reorganização em curso. É preciso compreender que a ampla maioria dos que protagonizam esse rico processo de reorganização são entidades e ativistas, independentes de partidos e organizações políticas (como, aliás, é a conformação da própria Conlutas), e quanto maior e mais unitário for o pólo aglutinador de tal processo, mais poderoso ele será. Neste momento em que se abre uma situação que pode permitir o avanço na unificação dos que lutam, a saída dos companheiros aponta para uma maior fragmentação e atrapalha e diminui as forças da Conlutas em nossa batalha pela unidade.
8 - É um gesto profundamente equivocado e que, portanto, não contribui nem para a construção da Conlutas, nem para o esforço para a construção da unificação das forças combativas do movimento sindical e popular, reivindicado por todos nós. Esperamos que os companheiros reflitam sobre o gesto que acabam de fazer e possam reverter essa decisão, voltando assim a somar-se na construção da Conlutas e na unificação com os demais setores que estão na luta. Dessa forma, contribuirão em todo este processo com as opiniões defendidas pelo MTL.
9 - Fazemos, por último, um chamado a todos os sindicatos, oposições sindicais, movimentos populares, sociais e organizações da juventude, que fazem parte da Conlutas e àqueles que têm lutado junto conosco, para levar adiante as lutas dos trabalhadores e jovens no Brasil, e para unir a todos na construção de um mesmo instrumento de luta. Vamos intensificar ainda mais nossos esforços para garantirmos um grande e vitorioso 1º Congresso da Conlutas; e para avançarmos na construção da unidade, que reúna todos que estão na luta em nosso país, em uma mesma organização nacional, instrumento para a luta da nossa classe contra a exploração e a opressão do capitalismo. E também um chamado a todos os delegados e delegadas, eleitos ao 1º Congresso Nacional da Conlutas, a que participem ativamente do Congresso, definindo os próximos passos da luta e da organização dos trabalhadores e jovens.
São Paulo, 13 de junho de 2008
GT de Secretaria da Coordenação Nacional da Conlutas
ANDES/SN - Sindicato Nacional dos Docentes das Universidades Brasileiras
SINASEFE - Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica e Profissional
FSDTM/MG - Federação Democrática dos Trabalhadores Metalúrgicos de Minas Gerais
FNTIG - Federação Nacional dos Trabalhadores na Indústria Gráfica
Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de São José dos Campos e Região
Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil de Belém
Sindicato dos Químicos de São José dos Campos e região / CST
Sindicato dos Servidores Federais no Estado de São Paulo
Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Gráficas de Minas Gerais
ADUNESP Seção Sindical- Associação dos Docentes da UNESP
Silvio de Souza - Oposição Alternativa Apeoesp / Conspiração Socialista
Silvana Soares - Oposição Unificada Apeoesp / FOS
Miguel Leme - Oposição Alternativa Apeoesp / SR
MTL DI - Movimento Terra Liberdade Democrático e Independente
Encontrei no sitio da Conlutas e acho conveniente divulgar.
Zé Carlos.
 PUBLICADO EM
28/06/08 09:11
*EM DEFESA DA UNIDADE SINDICAL E POPULAR*
de BLOGDOPROFESSOR
Carlos Roberto Campos

Dirigimo-nos aos sindicalistas combativos, aos militantes dosmovimentos sociais, à vanguarda socialista nacional e internacional e aoslutadores do povo que, nas fileiras da resistência operária e popular, seopõe ao neoliberalismo, ao imperialismo e ao governo Lula e suas tentativasde pulverizar, cooptar e derrotar o movimento de reorganização dostrabalhadores brasileiros para fazer um alerta.A última Plenária Nacional da Conlutas aprovou resoluções que, emnossa opinião, sepultaram as possibilidades de que ela possa atuar como opólo mais progressivo na busca da unidade dos setores combativos socialistase revolucionários que hoje se encontram fragmentados.Coube ao PSTU, que detém a "maioria" da Coordenação Nacional daConlutas, dar a última palavra: Todos os setores internos da Conlutaspoderiam apresentar resoluções, mas se eles não tivessem acordo, aspropostas seriam encaminhadas ao Congresso e submetidas à votação para quese aferisse o voto majoritário. O que aparentemente pode demonstrardemocracia esconde a política da maioria artificial.A Conlutas foi construída a partir de acordos entre os grupos que acompõem, uma estrutura aberta, transitória, que tem dentro de seusorganismos e também com os setores com os quais discute a Unificação váriosdebates de caráter estratégico: o mais importante deles é o caráter da novaCentral que queremos construir, e consequentemente, qual a base social realque sustentará esta nova estrutura.O MTL defende, de forma pioneira, a unidade e a organização doconjunto dos trabalhadores nas condições atuais do MUNDO DO TRABALHO.Entendemos ser importantes os avanços que foram feitos na Conlutas, nosentido de se rumar para esta concepção, no entanto, este debate é umdebate em curso, inicial e não podemos nos submeter ao voto de uma maioriaartificial em um Congresso que será composto de 26,36% de sindicatos, 0,91%de Federações, Confederações e Sindicatos Nacionais; 24,16% de minorias eoposições; 8,83% de setores populares urbanos; 8,57% de movimentos do campo;5,97% dos cortes de opressão e 25,19% de estudantes.Na medida em que há um debate estratégico aberto, com posiçõesdistintas representativas na realidade da classe e no processo dereorganização em curso, não legitimaremos o PSTU a estabelecer maioriaartificial a partir de um processo de eleição de delegados sem controle, arepresentação estudantil, por exemplo equivale a 25% da delegação doCongresso da Conlutas.Somos daqueles que achamos fundamental construir alianças estratégicase unidade nas lutas com o movimento estudantil e de juventude, compreendemoso papel histórico e conjuntural dos estudantes, é só observar as recentesocupações de reitorias, que teve como simbólica a vitoriosa luta dosestudantes da UNB, para saber o papel deste setor nas lutas de resistênciade nossa classe. Mas essa aliança não está concluída de fato na realidade,no cotidiano da Conlutas e nos nossos calendários de mobilização a presençae engajamento deste setor não referendam este nível de representaçãoORGÂNICA no Congresso, nem nos Fóruns da Coordenação Nacional da Conlutas emque uma pequena oposição a um Centro Acadêmico pode participar com o mesmopeso de voto de um Sindicato de 500 mil trabalhadores na base e que tenha100 mil filiados. É UMA DISTORÇÃO PROPOSITAL CUJO OBJETIVO É INFLAR AREPRESENTAÇÃO DE CÍRCULOS PARTIDÁRIOS REDUZINDO A REPRESENTATIVIDADE DOMOVIMENTO SINDICAL E PARTICULARMENTE DO MUNDO DO TRABALHO, utilizando-se dalegitimidade do movimento estudantil.Mas nós do MTL já conhecíamos esta realidade e estas contradições nabase da Conlutas, o que mudou? A DECLARAÇÃO FORMAL DO PSTU DE QUE A ÚNICAFORMA DE SE TRATAR AS DIFERENÇAS É NO BATE CRACHÁS DENTRO DO CONGRESSO, e areafirmação desta declaração, consolidada na votação da resolução sobre oELAC (Encontro latino-americano e caribenho), onde a Conlutas se transformaem protagonista e impulsionadora de um "espaço de organização" (nome quederam, temporariamente, como afirma a própria resolução, para substituir naforma, a Coordenadora de Lutas que pretendem construir), enclausurando- senuma articulação orgânica com a ultra-esquerda latino-americana, fechandosuas portas à pluralidade de posições internacionais existentes em seuinterior e fora dela.Lembramos que mesmo a CUT, só se incorporou organicamente aos fórunsda social-democracia em seu terceiro Congresso, e condenamos o fato do PSTUquerer dar esse curso a Conlutas, a revelia das opiniões internascontrárias, já no seu primeiro Congresso.Os companheiros responderam a nosso chamado para que não efetivassemesta política, nos acusando de querer calar a Conlutas na sua avaliaçãosobre os Governos de Hugo Chaves na Venezuela, Evo Morales na Bolívia eRafael Correa no Equador. Não é verdade, defendemos a liberdade e aautonomia da Conlutas em relação ao Estado, aos Governos e aos Partidos, nãoassinamos embaixo de qualquer medida, de qualquer Governo contra ostrabalhadores, seus direitos e suas lutas. Mas opinamos que os processospolíticos e eleitorais encabeçados por estes Governos se enfrentam com asoligarquias e com o Imperialismo defendendo na prática os interesses dostrabalhadores latino-americanos. Não colocamos um sinal de igual entre elese os pró-imperialistas que os atacam. Mas em nenhum fórum propusemos apoio aestes governos, muito pelo contrário, estávamos entre aqueles quecorretamente defendiam que a Conlutas por ser um organismo de frente única,não poderia fechar uma única posição sobre estes processos, e correr o mundodando esta interpretação como se fosse a de toda a Entidade.Outro ponto fundamental que nos impulsionou a optar pela saída daConlutas foi o recuo que os companheiros do PSTU fizeram em relação aoprocesso de reorganização e a unificação orgânica com setores daIntersindical. Apresentaram uma Resolução, onde recuam da dinâmica anteriorde dar prioridade a busca dessa unificação, dizendo que estamos vivendo umquadro de refluxo, que a reorganização se daria de forma mais lenta do que opensado anteriormente, e que por isto a principal tarefa do Congresso paragarantir a unificação seria a de Fortalecer e consolidar a Conlutas,apresentando como política, as tarefas de filiar e garantir os repassesfinanceiros dos sindicatos. A lógica prioritária para tratar o processo dereorganização foi substituída pela política de anexação e a de buscar adisputa fracional na base das correntes que compõem a Intersindical.Essa crítica que fazemos aos companheiros do PSTU, no entanto, nãopode significar também, concordância com a omissão da Intersindical atéagora, de responder aos reiterados chamados que foram impulsionados por nósno interior da Conlutas e aprovados unitariamente, no sentido dareorganização de um Fórum Nacional de Lutas e da construção de espaçoscomuns, onde poderíamos fazer o debate de estratégia e realizar de fato esteprimeiro ato de unificação, que deverá buscar muitos outros importantes ediferentes setores que não estão nem na Conlutas, nem na Intersindical. Estaomissão e letargia permitiram ao PSTU priorizar a auto-afirmação orgânica deuma Nova Central Sindical, que na prática se contrapõe a Intersindical,desprezando a necessidade da unidade e fusão com ela e com outros setoressindicais de esquerda.Colocamos ainda que a batalha por estas posições políticas no interiorda Conlutas, não foram travadas apenas pelo MTL, como pode ser comprovadopelas assinaturas no Manifesto do Bloco interno da Conlutas, que foipublicizado ao movimento a cerca de um mês atrás, setores políticos como oscompanheiros do MAS (prestistas) , CST, MÊS, FOS, Conspiração Socialista eoutros independentes, representados através de sindicatos, oposições,movimentos sociais urbanos, trabalhadores do campo em 16 Estados,expressaram publicamente estas posições. Não foi um debate superestrutural,pelo contrário, elegemos nossos delegados fazendo este debate. Inclusive nãoapenas o MTL, mas também os companheiros do MÊS e do MAS já declararam suaruptura com a Conlutas. Respeitamos a postura do restante dos companheirosdo bloco em permanecer na Conlutas, mas nos surpreendemos com seu respaldopúblico a uma "Nota Oficial", que contradiz em conteúdo muitos argumentosque foram usados por estes mesmos companheiros no Manifesto que assinaram.Mas esta contradição é dos companheiros e eles é que tem de responder aossetores sociais que representam.O MTL segue apostando na unidade de todos nós, no entanto, opta porfazê-lo a partir de suas próprias trincheiras, o que não quer dizer quepriorize a lógica da autoconstrução em detrimento da unidade. Não é verdadeque nossa resolução de saída da Conlutas seja intempestiva e desavisada,declaramos em todos os fóruns da Conlutas que apesar de muito importante,não era estratégica e sim o pólo mais avançado para se fazer o debate dareorganização, isto está escrito em nossa tese ao Congresso a disposição detodos, sempre deixamos explicito no interior da Conlutas nossa posição, casose cristalizasse em uma Central, sem os outros setores, que impusessevotações de maioria sem que fosse concluído o debate de estratégia e asdefinições de base social nós daríamos a batalha com independência.Por tudo isto, o MOVIMENTO TERRA TRABALHO E LIBERDADE, vem a públicodeclarar que não se submeterá a este caminho que consideramos sectário eautoproclamató rio. Intensificaremos o combate em defesa da unidade orgânicade todos os lutadores do povo numa nova Central que organize todo o Mundo doTrabalho e que priorize a unidade e as alianças com o povo pobre,independente de onde ele esteja organizado. Queremos construir uma CentralSindical e Popular autônoma, independente, de lutas, democrática, aberta,plural e vocacionada para dialogar com as massas e disputar com a CUT, aForça Sindical e todas as outras centrais traidoras, a direção da ClasseTrabalhadora Brasileira. Achamos que nós do MTL, a Conlutas, aIntersindical, setores progressistas da Igreja, o MST e muitos outrossetores que organizam lutadores sociais tem a obrigação de encontrar ocaminho da unidade para construir esta alternativa para a classe.Lutar por terra, trabalho e liberdade unificando os socialistas e lutadoressociais na luta sindical e popular segue sendo nosso compromisso.*MTL - Movimento Terra Trabalho e Liberdade17 de junho de 2008www.mtl.org. brhttp://br.f557.mail.yahoo.com/ym/Compose?To=mtl%40mtl.org.br*[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]
 PUBLICADO EM
25/06/08 09:07
Escola Plural / Jornal Hoje em Dia
de BLOGDOPROFESSOR
Jornal "Hoje em Dia"
Belo Horizonte, 25 de junho de 2008

Escola Plural

Sobre “Escola Plural divide opiniões” (23/6), produzida pelos estudantes da Uni-BH, por sinal reportagem de grande utilidade, discordo totalmente de um professor da Faculdade de Educação quando ele diz que o presidente da Associação dos Pais e Alunos do Estado de Minas Gerais “não entende nada de educação e mente humana”. Para presidir uma entidade ligada à educação há tanto tempo é porque a pessoa entende do assunto. Caso contrário, não estaria naquele posto. Creio que o especialista deveria repensar. Acredito que tenha sido uma afirmativa infeliz, autoritária e excludente. Aliás, de mente humana, em particular, é difícil entender. Estudiosos se debruçam cada dia mais atentamente sobre a questão e ainda têm muitas dúvidas. Ela é um mistério! Quanto às colocações da professora Cláudia e da Dra. Ângela Dalben têm razão quando dizem que os professores precisam ter tempo para reuniões. Verdade, eles e elas não o têm. De acordo com a portaria que trata dos horários, dez minutos diários. Talvez dê para dar um recado por dia. A reportagem é extensa e intensa, marca posições. Por isso é bom lê-la mais de uma vez. Sugiro a revisão do termo “jubilado”, quando e como deveria ser utilizado.

Modesta Trindade Theodoro Belo Horizonte - MG
............................................

P.S. O professor em questão é o senhor Miguel Arroyo.
Não sinto nenhuma simpatia, e nem antipatia, pelo presidente da Fapaemg, porém creio que nenhum doutor (seja quem for) deveria criticar representantes de pais e mães da forma como o fez.
Do mesmo jeito ele um dia disse em um encontro que professor que faz greve é irresponsável. Podemos, então, inferir que professor que não se adequa à Escola Plural é pior ainda, ou não?
Pode até ser boa pessoa mas, na minha opinião (se é que ainda temos liberdade para tal) trabalha, única e exclusivamente, em prol de seus interesses, mesmo quando não defende o Currículo Único, que é também uma posição de muitos da categoria.
 PUBLICADO EM
24/06/08 10:42
Curso de Pós-graduação - Universidade Aberta do Brasil
de BLOGDOPROFESSOR
Companheiras e companheiros,

A Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI), através do programa do MEC - Universidade Aberta do Brasil(UAB) - está com as inscrições abertas para o Curso de Especialização a distância em GESTÃO DE PESSOAS E DE PROJETOS SOCIAIS, com pólos apoio presencial em Resende e Cambuí.·
Informe-se pelos sites:http://www.ead.unifei.edu.br/ ou http://www.gepehumanas.unifei.edu.br/·
Tire suas dúvidas com luizclaudio@unifei.edu.br· ou
através do tel.: (35) 3629-1416 ou (35) 3629-1415.

Departamento de Formação do Sind-REDE/BH
Maria da Consolação Rocha
 PUBLICADO EM
21/06/08 12:45
"Editoriais" e "Casamento gay" - Fórum - Jornal "O Tempo"
de BLOGDOPROFESSOR
Editoriais

Modesta T. Theodoro

Tenho lido excelentes editoriais em O TEMPO, como o "Via-crucis do cidadão" (Opinião, 17.6). Senti que estava lá, nas filas, como tantas vezes fico: esmorecida, enxugando o suor provocado pelas fortes dores nas pernas. E a quem interessa os percalços da clientela? Falo com secretárias eletrônicas. Algumas vezes, surpreendentemente, elas resolvem algo melhor do que imagino, e pior do que gostaria.Quase ninguém repassa informações confiáveis. Pedem-nos para assinar aqui e ali, debaixo de textos que não entendemos. É como se fosse uma mensagem subliminar. E nós, feito tolos, assinamos, nos enterramos em uma onda de processos sem fim .
Em outro editorial, "O que nos espera" (Opinião, 18.6), assisti às notícias pela TV, rezei pelas famílias dos três rapazes assassinados por trabalhadores que deveriam proteger a população. Mas, tudo estava tão longínquo, apesar de nada ser tão distante! O editor aproximou a notícia dos leitores de tal modo que me senti o mais idiota dos seres. Talvez eu tenha, em um momento de fuga, imaginado que aquilo que acontece acolá é novela para os que estão de cá. Medrei, mas o medo passou, assim como tudo passa. A letargia tomou conta de mim. Não dá para transformar a vida em ficção e assim viver, se desse eu seria a primeira a fazê-lo. Apenas a fim de sobreviver, sabe? Nada mais!
Olho para o jornal impresso e volto à vida, ao editorial.
Lembro-me de uma frase do Veríssimo:
"Às vezes, a única coisa verdadeira num jornal é a data".
 Quem dera isso fosse vero, caro escritor, quem dera!
..............................................................................................
Casamento gay

Ludmila Tavares

Amei o tom otimista dado à matéria "Luta por mais uma conquista" (Magazine, 14.6). A comunidade GLBT conta com a imprensa para garantir a visibilidade nas lutas contra a discriminação. Espero que a fila para a união civil possa ser logo ocupada por Soraias, Suelis, Marcelos, Josés, Ludmilas, Adrianas e todos aqueles que amam alguém do mesmo sexo. Parabéns pela apuração e abordagem.
 PUBLICADO EM
19/06/08 08:27
SOBRE O PROCESSO DE FILIAÇÃO DE NOSSO SINDICATO À CONLUTAS
de BLOGDOPROFESSOR
MUDANÇA NA REDE
Nos dias 15, 16 e 17 de maio realizamos o primeiro congresso do Sind-Rede. Esta foi mais uma vitória desta categoria aguerrida que nos últimos tempos tem enfrentado a fúria de uma administração autoritária, que não suportando a oposição contundente de nosso sindicato, buscou destruí-lo tentando sufocá-lo econômica e politicamente. Parabéns aos bravos delegados que lá estiveram dando a sua contribuição para o crescimento de nossa luta e pela melhoria da educação na nossa cidade e no nosso país. Parabéns também aos que ficaram em suas escolas dando sustentação para aqueles que estavam no congresso. De uma coisa temos certeza, os governos passam, as políticas são superadas. Ficam nossa Categoria, a disposição para a luta contra quem quer que ouse vilipendiar nossos direitos e a certeza da vitória.Como em todo congresso, os delegados tomaram decisões importantes para o nosso futuro. Também como em todo congresso, os temas lá discutidos e votados foram todos, ou quase todos, de conhecimento da categoria. Alguns a categoria já tinha aprofundado sua compreensão, bastando aos delegados oficializá-los como política da categoria; outros, mesmo sendo do conhecimento da categoria necessitaram de maior discussão para serem votados. Isso é normal. Afinal, os delegados estão lá para votarem e decidirem em nome da categoria, não é verdade?No entanto, há exceções. A categoria não dá carta branca aos delegados. O Trabalhador em Educação eleito não tem o direito de votar em um congresso qualquer matéria da forma que lhe aprouver. Isto se torna mais importante especialmente quando a questão em pauta for de fundamental importância para a Categoria e sua organização. Se há um assunto sobre o qual a Categoria deve decidir, mas que ainda não tenha conhecimento suficiente o correto, honesto e democrático é que a discussão e aprofundamento da questão sejam provocados primeiro nas escolas, assembléias, reuniões de representantes, impressos e todos os meios possíveis para só depois ser tomada uma decisão. Dessa forma o delegado iria para o Congresso em condições de votar pela Categoria. Esta foi a nossa posição defendida no Congresso. Queríamos que uma ampla discussão fosse realizada nas escolas, em seminários, etc. para somente depois, em uma assembléia de filiados, ou em outro congresso, decidirmos. Afinal, hoje nossa Categoria tem diversas posições sobre a questão da filiação a uma central, demonstrando que o movimento sindical não está unido em um único caminho. Por isso, a necessidade de discutir, de debater. Assim, todas as posições teriam direito a se colocarem, a discutirem. Poderíamos avaliar os prós e contras e nossa decisão seria mais madura.No entanto, não foi isto o que aconteceu em nosso Congresso. Sem qualquer debate anterior, sem ao menos colocar nos panfletos que chamavam para o Congresso que a discussão de filiação a uma central seria feita, sem avisar inclusive aos delegados de que teriam que decidir sobre este tema, os companheiros do Conlutas, em uma demonstração de arrogância, autoritarismo e desrespeito para com a Categoria, colocaram em votação a filiação ou não do nosso sindicato a esta entidade. Deram, desta forma, uma punhalada na Categoria e a colocaram em apoio e a serviço de uma entidade sobre a qual não temos suficientes esclarecimentos para sabermos se é exatamente o que queremos, ou não. Nem ao perceberem a divisão absoluta do Congresso, ao termos praticamente empatada a votação, fez com que os companheiros voltassem atrás em seu intento. Naquele momento o mais importante para eles foi empurrar güela abaixo da Categoria a filiação ao Conlutas, reforçando, assim, sua central sindical. Curioso é que um dos principais motivos alegados para nos separarmos do Sind-Ute foi a política de manipulação da Categoria e de desrespeito. Pelo jeito estamos indo pelo mesmo caminho a perdurar essas práticas dos companheiros do Conlutas. Para finalizar, gostaríamos apenas de chamar a atenção da Categoria para os métodos e práticas destes que se colocam como os democráticos, os lutadores, os bam-bam-bans do movimento sindical. Aliás, se de fato fossem democráticos e honestos com a Categoria, não teriam usado de métodos tão rasteiros. Que moral tem agora esse pessoal para falar das sacanagens feitas pelo Pimentel contra essa Categoria? Que diferença tem a sua prática, daquela implementada pelo Pimentécio, senão apenas de lugar? Prestemos, portanto, a máxima atenção no que vão fazer com o nosso sindicato. Não vamos deixar que nos coloquem a serviço de políticas que atendam prioritariamente aos seus interesses de construção partidária, ou de sua central sindical. A boa política é feita com honestidade, clareza e muito debate, não dessa forma mesquinha. Por isso, cabe a nós não darmos esta questão por vencida, mas aprofundarmos a discussão com a Categoria, colocarmos os prós e contras e no próximo congresso, com toda a Categoria ciente e mobilizada, voltarmos a essa discussão.
 MUDANÇA NA REDE
 Texto enviado por Maria Efigênia Costa
 PUBLICADO EM
13/06/08 15:49
ESCLARECIMENTO SOBRE PUBLICAÇÃO NESSE BLOG
de WoodsonFC
Prof.Geraldinho,

Com respeito ao seu comentário excluido na publicação
Medo na sala de aula (Reportagem do Correio...)- D...   confesso que tenha excluído um comentário na primeira vez, mas não me lembro por que o fiz, nem lembro se era o seu. Talvez por acidente! Lamento, não costumo fazer isso! Se quiser tornar a publicar seu comentário, cuidarei para que ele fique preservado.
Como todos que postam comentários e publicam  aqui têm acesso ao login e senha BLOGDOPROFESSOR, qualquer um pode excluir comentários de quem se loga assim.
Nesse caso, não fui eu quem excluíu o comentário.
Vou verificar mais a fundo o que ocorreu e proponho aos colegas que quiserem ter seus comentários mantidos aqui sem interferências de radicais que não respeitam o contraditório e nem permitem que outros vejam esse contraditório, passem a postar nesse blog com seus próprios logins.
Para isso, basta se cadastrar no google quando estiver publicando e usar o próprio login e senha ou clique aqui
Quero ser AUTOR (clique aqui)


ou em

"Quero ser AUTOR(clique aqui)"  no quadro PARTICIPE VOCÊ TAMBÉM no alto da coluna direita do blog. Ao fazer isso um e-mail me será gerado e se enviado, farei um convite para que vc possa publicar com seu próprio login (isso impede que outras pessoas possam apagar seus comentários e publicações) a não ser o administrador (no caso EU)
 PUBLICADO EM
12/06/08 15:37
Currículo - Capa do DOM
de BLOGDOPROFESSOR
Belo Horizonte, 12 de janeiro de 2008

"PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO DEBATEM PROPOSIÇÕES CURRICULARES EM ENCONTRO

Começou ontem o Primeiro Encontro de Professores do 3° Ciclo por Disciplina que será realizado até o dia 20 de junho. O evento se destina a professores de Ciências, Artes, Inglês, História, Matemática, Língua Portuguesa, Geografia e Educação Física da Rede Municipal de Educação. O objetivo é preparar esses profissionais para a discussão e o aprofundamento das proposições curriculares, com vistas a antecipar sugestões para os encontros específicos por área de conhecimento.Segundo Carlos Eduardo de Moura, da Gerência de Coordenação Política, Pedagógica e de Formação, a atividade é uma continuação do processo da rede de formação iniciado em 2007, onde foram construídas as proposições curriculares para os 1º, 2º e 3º ciclos do ensino fundamental. "Essa construção teve a participação de vários professores e a contribuição de profissionais da UFMG, PUC e de outras instituições. Este ano queremos consolidar os documentos publicados no final do ano passado e complementar as propostas metodológicas de forma mais adequada aos novos referenciais das escolas da Rede Municipal de Educação", disse.Para Daniela Monique Campos, professora de Ciências da Escola Municipal Governador Carlos Lacerda, o encontro é uma forma da Prefeitura unificar os trabalhos desenvolvidos na escola, para que o aluno, ao transitar por diferentes escolas, não se sinta perdido. Além disso, esse é um meio de garantir um ensino de qualidade voltado para o mercado de trabalho e para a construção do cidadão.O Encontro de Professores é promovido pela Gerência de Coordenação de Política Pedagógica e de Formação (GCPF) e pelas Gerências Regionais de Educação. O evento está sendo realizado no prédio da Secretaria Municipal de Educação, na rua Carangola, 288, no 8º andar e subsolo, bairro Santo Antônio, em turnos e dias específicos por disciplina."
 PUBLICADO EM
10/06/08 09:09
"Medo na sala de aula" - Jornal Estado de Minas
de BLOGDOPROFESSOR
Parte da reportagem "Atentado à Educação"
TERÇA, 10/06/2008

Medo na sala de aula

"O medo também tomou conta da diretora de uma escola pública do ensino fundamental na Região do Barreiro, em BH, que não quis ser identificada, com medo de represálias. Ela foi ameaçada de morte por um ex-aluno. 'Ele pulou o muro da escola e eu pedi que saísse. Na época, o adolescente, menor de 18 anos, estudava lá e gritou do portão que me mataria. Na hora não tive medo, mas depois pensei na segurança da minha família', afirmou. Ela relatou que quase sempre os eventos da escola, que tem 700 estudantes, terminam cedo, pois funcionários e estudantes temem invasões de gangues, geralmente motivadas por drogas. A instituição também já foi alvo de roubo diversas vezes. Para ela, vigilância 24 horas e reforço na patrulha escolar ajudariam a inibir a ação dos vândalos. A adolescente Flávia Catarine Nascimento Antônio, de 17 anos, está no primeiro ano do ensino médio da Escola Estadual Engenheiro Francisco Bicalho, no Barreiro, e lamenta a situação. 'Infelizmente, a escola deveria ser um lugar seguro e não é. Eu nunca vi um policial passando nem perto de onde estudo', afirmou. A colega dela, Thaís Azevedo, de 16, concorda. 'Acho que só vai melhorar dessa forma. A área no entorno é perigosa', disse. Íris Soares Alves, de 17, também teme pela segurança: 'Tem um bar em frente à escola onde há sempre muita confusão, pois o consumo de bebida alcoólica é grande'.
Nas escolas particulares, a situação também não é tranqüilizadora, embora o número de ocorrências registradas seja menor. Pesquisa do Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais (Sinpro-MG) mostra que 45% dos professores de instituições privadas já sofreram algum tipo de violência e, na maioria das vezes, a polícia não é chamada. De acordo com o tenente-coronel Robson Campos, os agressores são jovens de classe média alta, sem noção de limites."
 PUBLICADO EM
09/06/08 12:16
FIQUE CHORANDO EM CASA.
de BLOGDOPROFESSOR
Fique chorando em casa, debaixo do cobertor que assim as coisas vão mudar.
 PUBLICADO EM
09/06/08 11:59
ELEIÇÃO DE ESTUDANTES PARA O CME - avise seus alunos!
de BLOGDOPROFESSOR
Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XIV - Nº: 3.104 - 06/04/2008

Colegas, avisem seus alunos da eleição que será dia 25/06 para escolher os conselheiros do segmento de estudantes. Vejam maiores detalhes na publicação retirada do DOM.
Um abraço. Prof. Geraldinho.



início da citação:
"Poder Executivo
Secretaria Municipal de Educação - CME
Ato da Presidência do CME/BH nº 002/2008

ATO DA PRESIDÊNCIA DO CME/BH Nº 002/2008

A Presidente do Conselho Municipal de Educação de Belo Horizonte, convida estudantes das escolas municipais para participar da assembléia do respectivo segmento para eleição de novos representantes neste Conselho.
Deverão ser eleitos(as): 03 (três) alunos(as) titulares.
A Assembléia ocorrerá no dia 25/06/08 às 19 horas, no Auditório Paulo Freire - Rua Carangola, 288, 8º andar, Santo Antônio.

Belo Horizonte, 30 de maio de 2008

Maria da Conceição Ramalho
Presidente do Conselho Municipal de Educação"
fim da citação.
 PUBLICADO EM
08/06/08 18:35
Medo na sala de aula (Reportagem do Correio...)- DF
de BLOGDOPROFESSOR

Jornal: Correio Braziliense


Medo na sala de aula

"Casos de violência, ameaça e agressão física a professores ocorrem todos os dias nos centros de ensino do DF
Carlos Vieira/CB/D.A.Press

Com 15 anos de magistério, professor de biologia pensou em comprar uma arma após ser ameaçado por dois alunos: eles estavam com pedaços de madeira nas mãos.


 O relato assusta. Parece ter saído das páginas de uma ocorrência policial. Mas a reprodução acima é da ata de uma das 620 escolas públicas do Distrito Federal. O livro grosso e de capa colorida, preenchido diariamente por diretores e professores, documenta os problemas no ambiente escolar. Dá detalhes dos conflitos entre aluno e mestre. E reforça uma estimativa alarmante na capital do país: casos de violência, ameaça e agressão física dentro de sala de aula ocorrem todos os dias nos centros de ensino brasilienses, segundo estimativa do Sindicato dos Professores no Distrito Federal (Sinpro-DF). Durante três dias, o Correio visitou 10 escolas públicas em Taguatinga, Ceilândia e Samambaia. Ouviu todas as histórias de educadores acuados pelos próprios estudantes, independentemente do turno das aulas. São profissionais no limite do estresse. Homens e mulheres humilhados, sem estímulo e desiludidos com a profissão. Boa parte pensa em largar a sala de aula. Admite, com emoção, que não tem mais condições de fazer o que gosta. “Não agüento mais. Estou decepcionada. Vou pedir a minha aposentadoria e nunca mais voltar aqui”, disse uma educadora de Ceilândia, de 56 anos. A mulher se emociona ao constatar que não tem mais saúde — e alegria — para encarar o dia-a-dia escolar. A última crise de pressão alta ocorreu na semana passada. Um jovem de 18 anos, aluno do noturno, reagiu com fúria ao ser interpelado pela professora. O jovem havia rasgado os cartazes feitos pela turma da manhã e acabou levado para a direção. “Ele ficou nervoso demais e agrediu a todos verbalmente. Se eu não tivesse me controlado, a coisa poderia ser mais séria. Foi preciso chamar a polícia para controlá-lo”, afirmou a educadora. O garoto acabou suspenso por quatro dias. Mas a mágoa da professora reforçou a descrença na profissão. O episódio também serviu para que ela relembrasse outras histórias de medo e violência por trabalhar em uma escola pública. Uma delas ocorreu também neste ano. Jovens em uma Brasília com faróis apagados a aguardaram na saída do colégio e a perseguiram por várias quadras. A mulher se desesperou e avançou quebra-molas, semáforos e pardais para chegar em casa em segurança. “Passei a noite em claro com medo de infartar”, resumiu. Desacato A sensação de insegurança do professor não é novidade no DF. Mas se acirrou nas últimas semanas. Em 29 de maio, uma quinta-feira, o professor Valério Mariano, do Centro de Ensino Fundamental 4, de Ceilândia, ficou horas desacordado depois de surrado por ex-alunos. Foi parar no hospital e no mesmo dia decidiu largar o magistério. Seis dias depois, um estudante de 13 anos agrediu a professora na sala de aula. O caso ocorreu na Escola Classe 41, de Taguatinga. O adolescente se irritou ao ser cobrado por não ter feito a lição. Jogou os livros no chão e imprensou o braço da educadora na porta. Professor de escola do governo exerce função de funcionário público. Desacatá-lo é crime previsto no artigo 331, do Código Penal Brasileiro. Pode render pena de seis meses a 2 anos de reclusão. A lei, no entanto, não oferece segurança ao mestre. E a sensação de impunidade impera entre os estudantes, a ponto de levar os educadores ao máximo do estresse. “Já pensei em comprar uma arma, mas ainda bem que não o fiz. Estava no meu limite. Tenho filho e acabei paranóico. Tenho medo de entrar em sala de aula, sim”, admitiu um educador de 42 anos, de Ceilândia. O professor de ciências e biologia se imaginou de arma em punho depois de dois alunos o ameaçarem com pedaços de madeira. Eles tinham sido impedidos de entrar na sala de aula por atraso. Deram um chute na porta, pegaram os porretes e aguardaram a saída do educador em um corredor. O problema ocorreu à tarde, quando não havia policiais militares no local. A sorte dele é que outros professores viram e a dupla sumiu antes de qualquer agressão. A vítima tem 15 anos de profissão e não se enxerga mais professor nos próximos anos. 'Estudo há cinco anos para mudar de área. Vou fazer concurso. Não dá mais.'

O fim do respeito

Ocorrências do Batalhão Escolar confirmam que a violência avança no interior dos muros das escolas

Guilherme Goulart - Da equipe do Correio

Direção de escola de Taguatinga espalhou cartazes alertando: desacato é crime. Medida adotada depois que aluno em fúria agrediu professora.
O Sinpro lança no dia 17 uma campanha contra a violência nas escolas e um serviço de disque-denúncia.
 Os conflitos entre mestres e alunos nos colégios públicos do Distrito Federal se transformaram em 70 ocorrências policiais nos últimos dois anos e meio. Dados do Batalhão Escolar, responsável pela segurança interna e do perímetro escolar, confirmam que a violência avança no interior dos muros das instituições de ensino. Casos de ameaça são os mais comuns: houve 36 entre 2006 e 4 de junho deste ano. Mas educadores e estudantes também partem para agressões físicas. Histórias de brigas e lesões corporais alcançam 13 registros (veja quadro). O desrespeito ao professor também se traduz pelo número de desacatos atendidos pelos policiais militares. São 21 desde 2006. Mas a quantidade é bem maior, pois a perda de noção de respeito normalmente se limita às atas escolares. As reclamações dos professores se tornaram tão freqüentes que um colégio de Taguatinga distribuiu cartazes chamando a atenção para o crime de desacato. Só na sala da direção há quatro deles. Outros estão espalhados por painéis e muros, sempre à vista dos estudantes do ensino fundamental. Um dos casos mais recentes na escola de Taguatinga ocorreu entre um garoto de 15 anos e uma professora de 34. O garoto reagiu com fúria depois de aprontar duas vezes no mesmo dia. Além de pichar a escola, tentou assistir às aulas com fones ligados a um MP3. Acabou repreendido e teve o aparelho tomado pela educadora. “Ele fez um escândalo. Me chamou de ‘ladrona’ e ameaçou dizendo que não ficaria assim”, contou a vítima. Policiais do Batalhão Escolar contiveram o menino. Mais tarde, ele recebeu a punição do colégio: redação e visita a um centro de adolescentes infratores. A interferência do Batalhão Escolar talvez tenha sido determinante para evitar mais uma história parecida com a de uma outra escola de ensino fundamental de Taguatinga. Em 9 de julho do ano passado, às 14h30, uma professora se viu arrancada da sala de aula pelos cabelos. A agressora foi a tia de um estudante de 10 anos. A mulher, chamada pela escola depois de o menino ser suspenso por três dias, invadiu o local, puxou a educadora e a espancou do lado de fora. A vítima ficou traumatizada. Pediu licença médica e nunca mais voltou a dar aula. Hoje tem dificuldades de entrar no centro de ensino. Disque-denúncia O Sindicato dos Professores do Distrito Federal (Sinpro-DF) admite que a violência nas salas de aula provoca a desvalorização da profissão. Desde que os casos de agressões e ameaças se tornaram mais freqüentes e públicos, muitos educadores — e futuros profissionais — repensaram a carreira. Às vezes, não vale a pena se submeter à insegurança para receber o piso salarial de R$ 3,2 mil. 'A realidade é que os professores estão largando a profissão. A violência se soma à má remuneração. Estamos entre os piores salários dos servidores graduados do DF', reclamou um dos diretores do Sinpro, Antônio Lisboa. Mesmo assim, alguns mestres teimam em seguir no magistério. Um professor de história de 34 anos optou em pedir transferência à Regional de Ensino de Ceilândia antes de seguir outro caminho. A troca de escolas ocorreu por causa de uma aluna, que o denunciou ao namorado por assédio sexual. O garoto invadiu duas vezes o colégio para agredi-lo. 'Ainda bem que eu não estava na escola em nenhum dos dois dias. Ela tinha inventado essa história toda por causa de uma divergência. Fiquei triste porque era uma das que eu mais ajudava', lamentou o educador. Ao contrário da maioria dos colegas, o professor de Ceilândia denunciou o caso à polícia. O medo, no entanto, faz com que inúmeros professores escondam os conflitos. Por conta disso, o Sinpro-DF preparou duas ações para o próximo dia 17: os lançamentos de um disque-denúncia e da campanha contra a violência nas escolas públicas. O serviço telefônico poderá ser usado por professores, alunos e pais. A categoria também pediu à Polícia Civil a entrega da análise sobre violência na rede ensino, feita no ano passado pela corporação. "
 PUBLICADO EM
08/06/08 10:47
CALENDARIO DE ATIVIDADES DO SINDREDEBH - JUNHO
de BLOGDOPROFESSOR
COMPANHEIRAS/OS,

ATENÇÃO PARAS AS ATIVIDADES DO MÊS DE JUNHO NO SINDREDEBH:
DIA 10 - 14 H - REUNIÃO DO COLETIVO DE INCLUSÃO
DIA 17 - 8H/14H - REUNIÃO DE REPRESENTANTES DE ESCOLA
DIA 23 - 18H30 - DEBATE COM MIGUEL ARROYO 'CURRÍCULO UNICO EM DEBATE'
CONTAMOS COM A PRESENÇA DE VOCÊS.

DIREÇÃO COLEGIADA DO SINDREDEBH
 PUBLICADO EM
05/06/08 17:19
ENCONTRO DE ENSINO NOTURNO E EJA
de BLOGDOPROFESSOR
ENCONTRO DE ENSINO NOTURNO E EJA
DIA 06 DE JUNHO DE 2008 - SEXTA-FEIRA
19 HORAS
NO SIND-REDE BH

PAUTA - FUNCIONAMENTO DAS ESCOLAS NOTURNAS E DE EJA

A representação de cada escola é de muita importância!
Participe e leve uma cópia do PPP (Projeto Político Pedagógico) de sua Escola.

Em tempos de currículo único, de candidato único, de pensamento único,
a única coisa a fazer é nos organizar!

Um abraço.
Prof. Geraldinho.
Conselheiro Municipal de Educação - BH
(representando os trabalhadores) e
Direção Colegiada do Sind-REDE BH
 PUBLICADO EM
04/06/08 20:16
É!!!
de BLOGDOPROFESSOR
“Nenhuma escola, em nome de sua autonomia, tem o direito de corrigir o aluno com a reprovação, que é uma das coisas mais antiquadas. Reprovar é antiético e o educador tem que colocar à disposição do aluno tudo que for possível para que aprenda, convencê-lo a querer estudar, mas nunca castigá-lo por pressupor que ele não queira.”
 Miguel Arroyo
 Jornal Hoje em Dia
 PUBLICADO EM
04/06/08 14:45
DEBATE SOBRE CURRÍCULO ÚNICO
de BLOGDOPROFESSOR
No dia 23 de junho, 18h30, no SindREDEBH, realizaremos um debate sobre o currículo único. Teremos a presença do professor Miguel Arroyo, representantes do movimento estudantil, das Faculdades de Educação da UEMG e UFMG.
A presença de todas e todos é muito importante!
Participe!
Venha dar a sua opinião sobre o tema.
Direção Colegiada do SindREDEBH
 PUBLICADO EM
04/06/08 14:45
LUTA PELO DIREITO DE 'EDUCADOR/AS' CONCORREM AO CARGO DE DIREÇÃO
de BLOGDOPROFESSOR
Companheiras e companheiros,
no dia 03 de junho, visitamos a Câmara Municipal de Belo Horizonte, com um grupo de representantes da educação infantil, para acompanhar os trabalhos da Comissão de Educação no encaminhamento do projeto 1699/08, que garante o direito de ocupantes do cargo de 'educador infantil' concorrem e assumirem cargos de direção escolar.
A Comissão de Educação votou o pedido de diligência junto à SMED, que tem o prazo de 30 dias para responder, após o qual será convocada a Audiência Pública sobre o tema. Na ocasião informamos sobre a nossa vitória judicial sobre a questão e a derrota da PBH no agravo judicial.
Conseguimos marcar uma reunião da comissão da educação infantil, SindREDEBH e o vereador Fred Costa, autor do projeto, com o Secretário de Educação para o dia 10 de junho, as 10h30.
Conseguimos também o compromisso da líder do governo de agendar reunião com o secretário para pensar alternativas no sentido de garantir a participação das 'educadoras' nas eleições escolares deste ano.
A luta da educação infantil é parte da luta dos trabalhadores e trabalhadoras da 'REDE', por isso é importante que os demais segmentos escolares acompanhem o debate e participem deste movimento pela democratização das UMEIs.
Direção Colegiada do SindREDE/BH
 PUBLICADO EM
02/06/08 17:53
Aluno é aprovado por decreto (matéria de jornal)
de BLOGDOPROFESSOR
Então quer dizer que um aluno de 16 anos não pode ser reprovado por ser "antiquado e antiético"? Com certeza será aprovado em tudo, durante toda a vida.
........................................................................................................................

ESPECIAL PARA O HOJE EM DIA

Aluno é aprovado por decreto
Ernesto Braga


Uma decisão tomada pela Secretaria Municipal de Educação (Smed) de Belo Horizonte revoltou os professores da Escola Municipal Professor Lourenço de Oliveira (Emplo), no Bairro Santa Tereza, na Região Leste. Um aluno do segundo ano do Ensino Médio foi reprovado na Emplo, no ano passado, por não obter o índice de 60% em sete de um total de 12 disciplinas. Após recurso apresentado pela mãe do estudante, alegando que ele tem graves problemas de saúde, a Smed determinou, por meio de ofício, que a escola voltasse atrás e o aprovasse. Ao contestar a determinação, a Emplo recebeu outro decreto solicitando então que a documentação do aluno reprovado, que tem 16 anos, fosse enviada à Smed. A própria secretaria cuidou de aprová-lo e transferí-lo para uma escola estadual, onde o adolescente está cursando o terceiro ano no atual período letivo.Para preservar o aluno e a mãe dele, seus nomes não foram divulgados pelos professores. Foi informado apenas que eles moram no Bairro União, na Região Nordeste da capital, e são de classe média. O adolescente começou a estudar na Emplo aos 12 anos, no terceiro ciclo da Escola Plural, que corresponde da 6ª à 8ª série do Ensino Fundamental. «Ele sempre foi agitado, levado, com passagens pela coordenação», afirmou a professora de História Mônica Sallum Castro.Segundo a coordenadora da instituição, Lêda de Andrade e Silva, o estudante começou a manifestar problemas de saúde no terceiro ciclo. «Pelo que nos foi passado, ele tem problemas cardíacos. Na Escola Plural, o aluno só pode ser retido no último ciclo. Apesar da falta de interesse pelos estudos, avaliamos que ele deveria ser aprovado para o Ensino Médio e nós faríamos um acompanhamento pedagógico, junto com o médico», disse a coordenadora.De acordo com ela, a falta de interesse aumentou no primeiro ano e o rendimento do aluno piorou ainda mais. «A retenção, no entanto, só acontecia em caso de infreqüência. Numa assembléia pedagógica que fizemos no começo de 2007, ficou decidido que a reprovação passaria a ocorrer para o aluno sem índice (60% em sete das 12 disciplinas)», disse Lêda de Andrade.Segundo ela, a mãe do estudante reprovado entrou na Emplo com pedido de revisão das notas do adolescente em janeiro desse ano. Como era período de férias, a escola só tomou conhecimento no dia 8 de fevereiro. Antes disso, a mãe já havia entrado com recursos na Gerência de Educação da Secretaria Regional Leste e na Smed. «A informação que temos é que ela emocionou a todos na Smed, como se a escola tivesse prejudicado o aluno. O chefe de gabinete recebeu o documento, com textos tirados da Internet e atestados médicos, simplesmente transcreveu tudo e nos mandou um ofício com a exigência da providência cabível», disse a coordenadora.O documento foi encaminhado à Emplo em abril. «Apresentamos recurso argumentando a impossibilidade da aprovação do aluno. Não vamos assinar um documento que contesta o nosso trabalho. Então recebemos outro ofício solicitando que enviássemos a papelada da reprovação para que a própria secretaria a regularizasse. Tudo isso foi feito sem que a escola tivesse sido chamada para conversar», contou Lêda de Andrade. O decreto foi assinado pela chefe da Gerência de Funcionamento Escolar (Gefe) da Smed, Inez Maria de Melo Dolabela, e pela técnica do setor, Maria da Conceição Ramalho.«Qualquer pai ou mãe tem o direito de contestar uma reprovação do filho e não estamos questionando isso. Nossa indignação é com a intransigência da secretaria, que tomou uma decisão arbitrária, passando por cima do sério trabalho que desenvolvemos e de todo um conselho de classe. A escola sequer foi consultada pela secretaria, que só ouviu um lado, o da mãe. Trabalhamos numa escola pública e queremos fazer o melhor por ela», desabafou a professora de Artes Ana Leda Vilela Abdelnoor.Mônica Sallum ressaltou que a decisão da Smed criou um constrangimento entre alunos e professores da Emplo. «Os estudantes jogam na nossa cara que não vão mais estudar, porque sabem que vão passar de qualquer jeito. E o pior é que nós não temos uma explicação para dar para eles», lamentou. Procurada pelo HOJE EM DIA, a diretora da Emplo, Márcia Vieira Lourenço, preferiu não se manifestar. «Eu respeito a decisão dos professores, mas prefiro resolver a situação internamente com a Smed», disse.De acordo com Maria da Conceição Ramalho, que além de técnica da Gefe também é presidente do Conselho Municipal de Educação de Belo Horizonte, a decisão de aprovar o aluno foi tomada após análise feita por uma equipe especializada sobre a situação escolar do adolescente. «Em 2006, o aluno teve um desempenho escolar que poderia conduzir à reprovação. Mas no ano subseqüente, conforme avaliação feita pela própria escola, os conceitos atribuídos ao estudante tiveram melhoria significativa, demonstrando interesse por parte dele. Avaliamos que houve uma incoerência da escola e toda a equipe da Smed julgou que não seria procedente a reprovação, pois isso poderia acarretar uma perda de auto-estima e outras consequências prejudiciais ao aluno», disse.Sobre a reclamação dos professores de que a escola não foi consultada, ela garantiu que a Smed fez todos os encaminhamentos necessários à Gerência Regional de Educação Leste, que conduziu o processo. «Não tenho conhecimento se houve falta de comunicação com a escola por parte da gerência, mas não é hábito isso acontecer», afirmou.Para especialista,consulta é viávelO professor de Política Educacional da PUC-Minas, Carlos Roberto Jamil Cury, ressalta que, numa situação como essa, é imprescindível que a escola seja consultada. «Pela legislação, a instituição tem algum grau de autonomia pedagógica e administrativa. Ela é que conhece o dia-a-dia do aluno e precisa ser ouvida. O artigo 13 (da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional) diz que cabe à escola zelar pelo aluno e, por ter essa responsabilidade, precisa sempre ser ouvida. Mas é preciso ficar claro que essa autonomia não é absoluta», disse. Para o especialista, a transferência do aluno foi uma medida acertada. «O que houve de correto nessa história é que o aluno não pode ficar sem escola. Cabe à instituição recebedora a responsabilidade de avaliar o estudante».O educador Miguel Arroio, professor titular emérito da Faculdade de Educação da UFMG, condenou a reprovação do aluno da Emplo. «Nenhuma escola, em nome de sua autonomia, tem o direito de corrigir o aluno com a reprovação, que é uma das coisas mais antiquadas. Reprovar é antiético e o educador tem que colocar à disposição do aluno tudo que for possível para que aprenda, convencê-lo a querer estudar, mas nunca castigá-lo por pressupor que ele não queira. Precisamos respeitar o aluno e ajudá-lo dentro dos seus limites, mas nunca condená-lo pelos seus limites», argumentou Arroio. Ele foi secretário de Educação de Belo Horizonte entre 1993 e 1996 e coordenou a implantação da Escola Plural.
 PUBLICADO EM
22/05/08 21:13
Resoluções do IX Congresso dos/as Trabalhadores/as em Educação da Rede Municipal de BH e I Congresso do SindREDEBH
de BLOGDOPROFESSOR
Companheiras e Companheiros,
nos dias 15, 16 e 17 de maio realizamos o IX Congresso dos/as Trabalhadores/as em Educação da Rede Municipal de Belo Horizonte e I Congresso do SindREDEBH.
Participaram 91 delegadas/os, 02 observadoras e 15 convidados/as. As entidades presentes na abertura foram: FASPA/MG, ASSERLAGO, INTERSINDICAL, CONLUTAS, CTB, SINTAPPI/MG, SINTTEL, SINDUTE/CONTAGEM, SINDEESS, SINDIBEL, SITSEMG, UCMG, PSOL, PSTU, PPS.
As resoluções podem ser acessadas no www.redebh.com.br/resolucoescongresso.pdf . Caso o seu computador não tenha o Adobe, ele é acessível, gratuitamente, via internet.
Direção Colegiada do SindREDEBH
 PUBLICADO EM
15/05/08 13:02
mais uma convertida a escola plural e smed
de BLOGDOPROFESSOR
Li no jornal oficial da prefeitura a notícia seguinte e notei o nome de alguém com quem trabalhei no colegio imaco muitos anos atrás. pessoa que criticava muito a escola plural e que dizia cobras e lagartos contra a secretaria e a prefeitura por implantar o programa escola plural. A ex-professora de disciplina técnica agora é fã de carteirinha da smed e de suas políticas. Nada como o tempo...e um carguinho de confiança, para mudar os conceitos.


PORTARIA SMED Nº 026/2008O

Secretário Municipal de Educação, no uso de suas atribuições legais,RESOLVE:

Art. 1º - Fica constituída a comissão para, juntamente com a comissão a ser designada pelo Diretor-Geral do Centro Federal de Educacão Tecnológica - CEFET-MG, elaborar Proposta de Utilização do Espaço Físico da Escola Municipal Marconi, da Regional Centro Sul, composta pelos seguintes servidores:

- Afonso Celso Ranan Barbosa, BM: 26.210-6, Gerente de Articulação de Administração e Planejamento;
- José Wilson Ricardo - BM 35.391-8, Assessor do Gabinete da Secretaria Municipal de Educação - SMED;
- SALY DA SILVA - BM 34.970-8, Coordenadora de Projetos Especiais da SMED;
- César Eduardo Moura - BM 40.620-5, Núcleo Cultura e Saberes Juvenis da SMED;- Zamara Campos - BM 26.877-5, Gerente Regional de Educação Centro Sul;
- Alírio Amaro de Araújo Abreu - BM 23.867-1, Diretor da Escola Municipal Marconi.

Art. 2º - Fica determinado que a comissão, definida no art. 1º, apresente a referida proposta ao Gabinete da SMED, para encaminhamento e discussão com o CEFET-MG e Comunidade Escolar do Marconi, no prazo de 60 (sessenta) dias, a contar da data da publicação.

Art. 3º - A comissão poderá demandar orientação e diligências junto a outras gerências da SMED com objetivo de subsidiar os trabalhos.

Art. 4º - Esta Portaria entra em vigor nesta data.

Belo Horizonte, 12 de maio de 2008
Hugo Vocurca TeixeiraSecretário Municipal de Educação
 PUBLICADO EM
11/05/08 11:39
Caderno de teses e textos do IX Congresso da Rede
de BLOGDOPROFESSOR
Pessoal,

O IX Congresso dos/as Trabalhadores/as em Educação da Rede Municipal acontecerá nos dias 15, 16 e 17 de maio de 2008 e irá discutir políticas educacionais, políticas sociais, conjuntura, a filliação dos/as auxiliares do caixa escolar ao Sind-REDE/BH, entre outros assuntos. Aos/às delegados/as e à toda a REDE esamosdivulgando o caderno de teses do Congresso que pode ser lido no seguinte endereço:

www.redebh.com.br/tese_congresso.pdf

E acessem também a programação do Congresso:

www.redebh.com.br/folder.pdf


Até o IX Congresso dos/as Trabalhadores/as em Educação da Rede Municipal!
Direção Colegiada do Sind-REDE/BH
 PUBLICADO EM
11/05/08 11:14
IX Congresso das/os Trabalhadoras/es em Educação da Rede Municipal de Beagá
de BLOGDOPROFESSOR
Companheiras e companheiros,
o IX Congresso das/os Trabalhadoras/es em Educação da Rede Municipal de Belo Horizonte acontecerá de 15 a 17 de maio, no Sinttel/MG.
Quem ainda não enviou a ata de eleição de delegadas/os pode fazer isso ainda esta semana via fax - 3212.9044.
Informem se vão precisar de 'creche' e qual é a idade da/s criança/s para que a organização do evento tenha condições de preparar tudo com antecedência.
O caderno de teses, e textos, e a programação já estão disponíveis na internet.
Pare lerem as teses e o texto acessem www.redebh.com.br/teses_congresso.pdf
Pare lerem a programação acessem www.redebh.com.br/folder.pdf
Até o IX Congresso!!!
A presença de cada um/a de vocês é fundamental para definirmos os encaminhamentos de resistência e luta da nossa categoria.
Direção Colegiada do SindREDE/BH
 PUBLICADO EM
11/05/08 11:02
IX Congresso das/os Trabalhadoras/es em Educação da Rede Municipal de Beagá
de BLOGDOPROFESSOR
Companheiras e companheiros,
o IX Congresso das/os Trabalhadoras/es em Educação da Rede Municipal de Belo Horizonte acontecerá de 15 a 17 de maio, no Sinttel/MG.
ainda não enviou a ata de eleição de delegadas/os pode fazer isso ainda esta semana e enviar via fax 3212.9044.
Lembrem-se de informar se vão precisar de 'creche' e qual é a idade da/s criança/s para que a organização do evento tenha condições de preparar tudo com antecedência.
O caderno de teses, e textos, e a programação já estão disponíveis na internet.
Pare lerem as teses e o texto acessem www.redebh.com.br/teses_congressos.pdf
Pare lerem a programação acessem www.redebh.com.br/folder.pdf
Até o IX Congresso!!!
A presença de cada um/a de vocês é fundamental para definirmos os encaminhamentos de resistência e luta da nossa categoria.
Direção Colegiada do SindREDE/BH
 PUBLICADO EM
11/05/08 11:02
(título desconhecido)
de BLOGDOPROFESSOR
Companheiras e companheiros,
o IX Congresso das/os Trabalhadoras/es em Educação da Rede Municipal de Belo Horizonte acontecerá de 15 a 17 de maio, no Sinttel/MG.
Quem ainda não enviou a ata de eleição de delegadas/os pode fazer isso ainda esta semana e enviar via fax 3212.9044.
Lembrem-se de informar se vão precisar de 'creche' e qual é a idade da/s criança/s para que a organização do evento tenha condições de preparar tudo com antecedência.
O caderno de teses, e textos, e a programação já estão disponíveis na internet.
Pare ler as teses e o texto acesse www.redebh.com.br/teses_congressos.pdf
Pare ler a programação acesse www.redebh.com.br/folder.pdf
Até o IX Congresso!!!
A presença de cada um/a de vocês é fundamental para definirmos os encaminhamentos de resistência e luta da nossa categoria.
Direção Colegiada do SindREDE/BH
 PUBLICADO EM
11/05/08 10:56
IX Congresso das/os Trabalhadoras/es em Educação da Rede Municipal de Beagá
de BLOGDOPROFESSOR
Companheiras e companheiros,
o IX Congresso das/os Trabalhadoras/es em Educação da Rede Municipal de Belo Horizonte acontecerá de 15 a 17 de maio, no Sinttel/MG.
Quem ainda não enviou a ata de eleição de delegadas/os pode fazer isso ainda esta semana e enviar via fax 3212.9044.
Lembrem-se de informar se vai precisar de 'creche' e qual é a idade da/s criança/s para que a organização do evento tenha condições de preparar tudo com antecedência.
O caderno de teses, e textos, e a programação já estão disponíveis na internet.
Pare ler a tese acesse www.redebh.com.br/teses_congressos.pdf
Pare ler a programação acesse www.redebh.com.br/folder.pdf
Até o IX Congresso!!!
A presença de cada um/a de vocês é fundamental para definirmos os encaminhamentos de resistência e luta da nossa categoria.
Direção Colegiada do SindREDE/BH
 PUBLICADO EM
08/04/08 09:31
Descontos
de BLOGDOPROFESSOR
Talvez vocês se lembrem que no contracheque de fevereiro da PBH veio um aviso aos/às trabalhadores/ as filiados/as e ex-filiados ao SINDREDE - "... vimos informar por meio desta, que serão efetuados descontos na folha de pagamento nas competências março/08, abril/08 e maio/08 referentes à contribuição associativa- sindical de março a maio de 2007 devolvidas em junho de 2007".
Pois bem, então o primeiro desconto acontecerá no contracheque deste mês (competência março, pagamento dia 09/04). Teremos ainda mais dois descontos.

Modesta Trindade Theodoro
Abril/2008
 PUBLICADO EM
05/04/08 19:46
Excesso de trabalho
de BLOGDOPROFESSOR
Muitos profissionais da educação (e não somente os professores) têm apresentado um quadro clínico de estresse considerável, além de outras enfermidades... As demandas de trabalho da educação são cada vez maiores e as condições oferecidas, para o desenvolvimento do mesmo, não têm acompanhado as inovações... Se há, hoje, um elevado número de atestados médicos apresentados, isto deve-se, dentre outros fatores, ao que aqui se expõe. O que temos é um sintoma, não a causa... O entendimento dos órgãos e secretarias competentes está invertido. Introduzir o profissional da educação nas propostas voltadas para o atendimento nas escolas é primordial... Todos os segmentos da comunidade escolar são importantes (e isto não exclui o discente)! Ninguém pode ficar de fora: professores, diretoria, equipe dos serviços gerais, secretaria, todos! Enquanto pensar a educação significar voltar-se apenas para um segmento, o que se terá é a eterna ineficiência (parcial ou não) do sistema, tantas vezes mostrada nos baixos índices das provas avaliativas do Estado/do País.
 PUBLICADO EM
05/04/08 14:15
Educação de Adolescentes, jovens e adultos
de BLOGDOPROFESSOR
Faz-se necessário pensar além do que está posto nas discussões político-pedagógicas propostas pela PBH, principalmente no que concerne às discussões da educação de adolescentes, jovens e adultos da EJA e outros seguimentos de Ensino Fundamental. Ressalta-se a incoerência em se manter organizações distintas, numa mesma Rede, para um público discente com características próximas (alunos do ensino noturno, trabalhadores...) e com os mesmos profissionais.... Como entender que EJA/BH, EJA (tradicional) e Ensino Fundamental Regular Noturno, embora sejam propostas de atendimento a um público de discentes com características comuns, no todo, acabam por causar tantas incoerências de abordagem pedagógica, não consenso de opiniões, disputa de poder e de público? Somos, ou não, educadores da PBH? Pensemos... Ou se unifica a proposta, ou deve-se repensar o real foco das discussões.
 PUBLICADO EM
03/04/08 21:53
CEFET NO GETECO. O FIM DE UMA ESCOLA?
de BLOGDOPROFESSOR
Parceria entre União e PBH propõe CEFET's em várias escolas da rede. No MARCONI já começou a cefetização. PBH não esclarece termos da parceria.
 PUBLICADO EM
31/03/08 23:48
desculpas
de BLOGDOPROFESSOR
Esqueci de assinar a notícia sobre o Ramon
Luciane
 PUBLICADO EM
31/03/08 23:48
Notícias do Ramon
de BLOGDOPROFESSOR
Telefonei hoje para a Analise, o Ramon já saiu do CTI e se encontra em observação. Vai passar por exames com fonoaudióloga, fisioterapeuta, cardiologista, e outras especialidades médicas. Na quinta - feira é que darão a ele uma previsão de alta.
 PUBLICADO EM
13/03/08 18:23
Cores da terra para pintar casas
de WoodsonFC
Para assistirem reportagem do projeto Cores da Terra no programa
> Globo Rural acessem o link abaixo ...



http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM779518-7823-PROJETO+RESGATA+USO+DA+TERRA+NA+PINTURA+DE+CASAS,00.html

Mensagem enviada por Anor Fiorini de Carvalho (meu irmão)
 PUBLICADO EM
08/03/08 23:48
eleições de vice diretoras de UMEIS:Um pedido de socorro da UMEI São Gabriel
de BLOGDOPROFESSOR
Gente,

Como deve ser do conhecimento de todos vocês, as UMEIS são vinculadas à uma escola municipal e desde a criação delas ainda não tiveram direções que são eleitas no grupo. As vices direções (porque a direção de fato é da escola núcleo) das UMEIS são ou indicadas pela escola ou pelas regionais. As Unidades mais antigas já passaram por eleições e elegeream as vices diretoras que já atuavam ou que foram eleitas numa chapa da escola 'mãe'. Em nenhuma UMEI tem educadora infantil como vice diretora. Mas está passando da hora de mudar essa situação...

Esta semana a direção da EM Oswaldo França Júnior que é responsável pela UMEI São Gabriel anunciou a licença médica da vice diretora da UMEI e já apresentou ao grupo 3 candidatos à substituição. Todos professores do Oswaldo, que sequer visitam a UMEI durante o ano. Mas queremos e vamos lutar para que a substituta seja uma das educadoras que já conhece o nosso trabalho, está na coordenação já faz um tempo e que conhece nossa demanda. Mas a escola núcleo ainda está receosa de apoiar nossa decisão e mantém os candidatos até este momento.

A diretora da UMEI São Gabriel está de licença médica por 2 meses e provavelmente vai se aposentar ao final da licença. Já indicamos o nome da nossa coordenadora para o lugar e agora vai começar a guerra. Pois além da escola a regional também quer uma fatia desta unidade. Queremos então pedir o apoio desta categoria para a batalha.

Quem puder enviar uma carta de apoio, um fax pra escola apoiando nossa decisão e pedindo que a escola núcleo nos apoie, será mais que bem-vindo...O nome da nossa candidata é Raquel Leal da UMEI São Gabriel, é claro. A escola núcleo é EM Oswaldo França Júnior, regional nordeste e o numero do fax é o 3277 6754 ou 6741. Os dois são da escola. O e-mail da regional é geredne@pbh.gov.br e a gerente é a Arlete Kallab. Escrevam em nome das escolas, das UMEIS de vocês ou dos pequenos grupos que se encontram nos horários de projeto, quanto mais cartas recebermos maior será a nossa força e se conseguirmos vencer esta batalha as eleições do final do ano serão mais fáceis em todas as UMEIS.

Esta categoria tem força e quando se une é ainda mais difícil de ser vencida.
Espero contar com o apoio de todas, viu? E todos também.

Abraços,Cris.
 PUBLICADO EM
05/03/08 19:53
nosso dinheiro indo pro ralo - ou o IPTU nosso de cada dia
de BLOGDOPROFESSOR
Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XIV - Nº: 3.041 - 03/01/2008



Poder Executivo



Secretaria Municipal de Finanças - Secretaria Municipal Adjunta do Tesouro



Despesas com Publicidade




DESPESAS COM PUBLICIDADE


Em cumprimento ao §2º, art. 28 da Lei Orgânica do Município, informamos abaixo os valores gastos com publicidade no 4º trimestre de 2007.

4º Trimestre / 2007
Empenhados - R$ 12.205.603,58 - (doze milhões duzentos e cinco mil seiscentos e três reais e cinqüenta e oito centavos)
Empenhos anulados no trimestre - R$ 1.775.765,89 - (um milhão setecentos e setenta e cinco mil setecentos e sessenta e cinco reais e oitenta e nove centavos)

EMPRESAS: Asa Comunicação Ltda.
BIG - Grandes Idéias Ltda.

Belo Horizonte, 25 de fevereiro de 2008

Rozzana Silva Costa
Gerente do Tesouro
 PUBLICADO EM
27/02/08 06:56
Sobre transparência - Correio da Bahia
de BLOGDOPROFESSOR
"A Presidência da República decidiu excluir do Portal da Transparência, da Controladoria Geral da União (CGU) as informações sobre gastos com alimentação das residências oficiais do presidente Luiz Inácio Lula da Silva bancados com cartões corporativos. Relatório divulgado no portal antes do veto informa que o ecônomo José Henrique Souza, assessor especial do gabinete do presidente, gastou R$114,9 mil em compras de vinhos e carnes, entre outros itens, em estabelecimentos de Brasília, ao longo do ano passado.
Despesas irregulares com cartão corporativo provocaram a demissão da ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Matilde Ribeiro. A proibição da divulgação das despesas bancadas com os cartões corporativos de Souza e de outros servidores encarregados de fazer compras para o gabinete do presidente Lula foi baixada em janeiro, pouco antes do escândalo que resultou no afastamento de Matilde.
As restrições são recomendadas pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI), responsável pela segurança de Lula. O GSI alega que informações sobre compras das residências do presidente – o Palácio da Alvorada e a Granja do Torto – devem ser preservadas por questão de segurança."

José Antonio de Castro Lima Salvador-BA
 PUBLICADO EM
13/02/08 23:58
VIDA BOA EM BRASÍLIA!
de BLOGDOPROFESSOR
Total destinado em âmbito nacional em 2007:
R$ 938.780.222.770,44

Órgão Superior MINISTERIO DA EDUCACAO:
R$ 21.134.152.546,30

Órgão/Entidade Vinculada SECRET.DE EDUCACAO INFANTIL E FUNDAMENTAL/MEC:
R$ 1.935.186,45

Unidade Gestora SECRETARIA DE EDUCACAO FUNDAMENTAL/SEF:
R$ 1.935.186,45

Despesa Outras Despesas Correntes –

R$ 197.137,18

Diárias - Civil:

Favorecido

MARIA DO PILAR LACERDA ALMEIDA E SILVA:


R$ 12.597,42



Total de gastos da Maria do Pilar em seis meses no MEC – somente com diárias:


Data Documento Programa Ação de Governo Valor ,

14/06/2007 2007OB900316 1067 - Gestão da Política de Educação 8373 - Gerenciamento das Políticas da Educação Básica 949,87

22/06/2007 2007OB900363 1067 - Gestão da Política de Educação 8373 - Gerenciamento das Políticas da Educação Básica 499,85

29/06/2007 2007OB900383 1067 - Gestão da Política de Educação 8373 - Gerenciamento das Políticas da Educação Básica 307,18

04/07/2007 2007OB900411 1067 - Gestão da Política de Educação 8373 - Gerenciamento das Políticas da Educação Básica 307,18

27/07/2007 2007OB900468 1067 - Gestão da Política de Educação 8373 - Gerenciamento das Políticas da Educação Básica 508,03

27/07/2007 2007OB900469 1067 - Gestão da Política de Educação 8373 - Gerenciamento das Políticas da Educação Básica 314,54

08/08/2007 2007OB900486 1067 - Gestão da Política de Educação 8373 - Gerenciamento das Políticas da Educação Básica 292,35

22/08/2007 2007OB900509 1067 - Gestão da Política de Educação 8373 - Gerenciamento das Políticas da Educação Básica 307,18

22/08/2007 2007OB900516 1067 - Gestão da Política de Educação 8373 - Gerenciamento das Políticas da Educação Básica 509,83

11/09/2007 2007OB900557 1067 - Gestão da Política de Educação 8373 - Gerenciamento das Políticas da Educação Básica 485,13

24/09/2007 2007OB900592 1067 - Gestão da Política de Educação 8373 - Gerenciamento das Políticas da Educação Básica 651,38

26/09/2007 2007OB900595 1067 - Gestão da Política de Educação 8373 - Gerenciamento das Políticas da Educação Básica 925,77

16/10/2007 2007OB900628 1067 - Gestão da Política de Educação 8373 - Gerenciamento das Políticas da Educação Básica 492,49

16/10/2007 2007OB900630 1067 - Gestão da Política de Educação 8373 - Gerenciamento das Políticas da Educação Básica 136,59

16/10/2007 2007OB900631 1067 - Gestão da Política de Educação 8373 - Gerenciamento das Políticas da Educação Básica 477,77


Total : R$ 12.597,42 !!!!!
FONTE: www.portaltransparencia.gov.br



Que vida boaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!!!
 PUBLICADO EM
13/02/08 00:13
mais uma para a fogueira
de BLOGDOPROFESSOR










Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XIV - Nº: 3.026 - 02/09/2008
Controladoria-Geral do Município - Corregedoria-Geral do Município
DESPACHO

Processo Nº: 08.000160.07-00
Servidora: MARIA INÊS DOS SANTOS - BM: 38.752-9
De acordo com o Relatório de Julgamento Disciplinar n.º 016/2008, aprovado pelo Corregedor-Geral do Município e pela 2ª Comissão Disciplinar Permanente, da Corregedoria-Geral do Município, fls. 624 a 630, aplico a penalidade de DEMISSÃO à servidora MARIA INÊS DOS SANTOS - BM: 38.752-9, nos termos do art. 194, inciso III, combinado com o art. 199, incisos IV, V e VI da Lei 7.169/96.
Belo Horizonte, 31 de janeiro de 2008

Fernando Damata Pimentel
Prefeito de Belo Horizonte
 PUBLICADO EM
10/02/08 21:47
Editorial/ Correio Braziliense
de BLOGDOPROFESSOR
Espiem só a "Visão do Correio" de domingo, 10/02/2007:

"Transparência total
Quem estiver alheio à realidade e ouvir as justificativas do governo Luiz Inácio Lula da Silva para agora ocultar despesas de autoridades pagas com o cartão corporativo poderá imaginar que o Brasil está em guerra ou, pelo menos, submetido a grave ameaça na esfera da segurança. Os porta-vozes do Palácio do Planalto argumentam que manter certos gastos de membros da administração no Portal da Transparência poderia implicar riscos aos governantes e ao próprio país. Nada mais falso. O Brasil não está em guerra, não enfrenta ameaças externas, nenhum de nossos vizinhos ambiciona parte de nosso território. Melhor ainda: somos um dos poucos países que se podem dizer livres de ameaças terroristas ou de guerras civis. E fazemos parte de um continente no qual inexistem armas de destruição em massa. O Brasil está em paz e nossas disputas políticas são resolvidas em combates diários no Congresso e nas eleições. Mais lamentável é a iniciativa obscurantista partir de um governo que tem o mérito indiscutível de dar a seus gastos transparência inédita até então. É preciso dizer, sem subterfúgios: não fosse o Portal da Transparência do governo federal, a sociedade não teria em mãos o instrumento que agora lhe permite retirar o véu que, tradicionalmente, encobre um dos ralos em que o dinheiro público é sorvido, administração após administração. O caminho a seguir é outro. O exemplo de trasparência do governo federal deveria ser obrigatoriamente estendido ao Congresso Nacional, à Justiça em todos os níveis e, finalmente, aos poderes nos planos estadual e municipal. Nos últimos dias, o Senado informou que agora dará à luz o destino da verba indenizatória dos senadores. Trata-se de um avanço. Mas é preciso ir além. Nas duas casas legislativas, por exemplo, o público tem acesso às despesas dos parlamentares, mas não consegue saber o CNPJ de quem recebeu o dinheiro. A onda atual de suspeitas e o debate público por ela suscitado são boa oportunidade para corrigir essa limitação. A hora é de caminhar para a transparência total. Toda crise carrega no ventre a possibilidade da própria superação. Em horas como esta os políticos costumam dividir-se em dois grupos. Os mais preocupados com as próprias circunstâncias refugiam-se nas explicações fáceis e na politicagem com o objetivo de mudar logo de assunto para que tudo permaneça como está. Já os líderes agem de forma diferente. Captam o anseio nacional e colocam-se eles próprios à cabeça do processo de mudança. Cabe ao presidente da República dizer em que grupo pretende figurar nos livros de História. "

Será que estou enganada, ou há aí a malfadada parcialidade?!
http://blogdamodesta.zip.net/
 PUBLICADO EM
23/01/08 07:45
GÁS
de BLOGDOPROFESSOR
Jornal Hoje em Dia
BH, 23 de janeiro de 2007

GÁS
A Petrobras descobriu o gás! No Brasil tudo se descobre. Primeiro foram os portugueses. Descobriram que descobriram e viram os indígenas, donos da terra, nus. E, na misturança, os descendentes ( parte da língua ficou por cá) descobriram que poderiam descobrir mais. A bolsa caiu? Redescubram a Ilha de Vera Cruz. O presidente está na berlinda? Vamos à Terra de Santa Cruz, urgente! De descoberta em descoberta chegaremos ao carnaval. Brasil!!! E, na festa da carne, só carne e gás. Descubram tudo! E depois? Simples. Basta encobrir.

Modesta Trindade Theodoro
 PUBLICADO EM
14/01/08 14:07
Cultura da repetência e a prática do professor !!!!
de WoodsonFC
Tenho lido muitos artigos e visto muitos depoimentos sobre a escola pública, que, embora avaliem de forma equilibrada os problemas que elas apresentam, escamoteiam, no âmago de sua argumentação, preconceitos ao fazer o diagnóstico desses problemas. Eles têm sido mais deletérios ao processo de educação das classes menos favorecidas que qualquer prática excessiva de repetência.

O primeiro preconceito parte da idéia de que é o professor que não sabe lidar com os problemas dessa classe popular, muito menos com os dos negros e que sua prática só reproduz todo tipo de preconceito racial e social. Esse argumento coloca o professor no paredão das políticas públicas e o responsabiliza pelas mazelas do fracasso de pobres e negros. Segundo esse fundamento, a raiz do problema está no fato dos professores reproduzirem a prática social, maculando alunos negros e pobres, ao dar maior atenção aos “arianos” e abastados. Partem da idéia de que as disciplinas que são ministradas nas escolas têm sua origem e fundamentação européias e, por isso, os professores reproduzem e impõem um conhecimento e cultura inadequados às camadas populares, impossibilitando a elas assimilar esse tipo de conhecimento. No entanto, esse argumento contém o mesmo preconceito racista e elitista que se pretende combater, pois ele permanece aí, só que às avessas, já que parte da idéia de que o conhecimento de uma dada cultura é melhor ou pior que de outra, que é mais adequado ou não a uma dada população, como se a cultura não fosse dinâmica e os povos não pudessem se defender, se adaptar, se misturar, assimilar outras culturas e serem assimilados por outros, se transformarem.

O segundo preconceito mascara o significado de “materialidade”. A questão da ausência de “materialidade" nas escolas é tomada como falta de "material": equipamento, insumo (papel, Xerox, etc.). Materialidade é uma coisa e material é outra. Ambos são importantes, mas a “materialidade” se refere ao USO ADEQUADO não só do “material” como também de outros recursos pedagógicos. Dar material escolar, instalar um laboratório de informática na escola de nada adianta se não se investe na materialidade: no uso eficiente desses recursos por um longo prazo, de forma constante, sem interrupções, para fins pedagógicos, de educação e ensino. De nada adianta ter professores suficientes, quando eles estão sempre adoecendo, ou ter laboratórios de informática deficientes e que não se saiba como usá-los.

O terceiro e mais perverso preconceito é esse o que considera o mau desempenho do aluno pobre e ou negro como fruto único de sua condição social (como se o cérebro desses alunos e sua capacidade cognitiva fosse prejudicado pela sua condição social). O fato de se querer eliminar, pura e simplesmente, a repetência, está no fundamento desse preconceito, como se a REPETENCIA fosse a causa e não o sintoma do problema. Elimina, sim, os custos e o investimento em educação que sobra para a corrupção ou para aventuras “pedagógicas” momentâneas e sem sentido.

Vamos rever de uma vez por todas esses problemas:

Quem deve e sabe lidar com os problemas dos alunos, bem ou mal, são aqueles que sofrem com esses problemas todos os dias, no trato diário com eles. Não são esses teóricos, ora economistas, membros da comunidade, jornalistas, o chefe de uma torcida de futebol etc. – pedagogos de plantão – que pouco contato têm com os problemas e sua natureza e sabem bem menos sobre essa realidade que os professores. Ouvir o professor deveria ser a primeira medida, por mais distorcida que seja a visão dele, pois é ele que pode e precisa compreender os problemas, senti-los, avaliá-los e tomar, instantaneamente, as medidas mais imediatas e adequadas para sanar o que está acontecendo com o aluno. Não é perfeito, mas é bem mais recomendável que ter o mesmo parâmetro de conduta para todos os casos e situações, sem olhar as especificidades e demandas da escola, do aluno ou da comunidade a que ela serve.
Essa proposta pedagógica, que eliminou a REPETÊNCIA, retirou, também, os professores do processo pedagógico da escola. Ele não é mais aquele que promove e avalia o aprendizado do aluno e ninguém mais o faz. Os provões só atestam o fracasso quando nada mais pode ser feito pelo aluno É como se quisessem que as doenças deixassem de existir só porque os médicos que as poderiam diagnosticar e tratar não pudessem mais fazê-lo. Um modelo como esse, que retira do profissional a autoridade de diagnosticar e atuar, seja na medicina, na educação, onde for, jamais poderá dar conta dos problemas que se pretende enfrentar. Em informática, por exemplo, não se podem eliminar os “vírus”, a fraude, os problemas de segurança da Internet, simplesmente impedindo que os profissionais da competentes avaliem os sistemas conectados, obrigando-os aprovar a todos.
É isso que se está fazendo quando a gente promove o aluno que não está adequadamente formado. Os pais e o próprio aluno não ficam sabendo que ele está tendo uma péssima formação e que não estão se empenhando suficientemente (cobrando de si, da escola e do governo). Então, o que falta é re-incluir o professor no processo para incentivá-lo a diagnosticar e buscar soluções e não – A SOLUÇÃO: NÃO REPETÊNCIA – para os problemas como querem nos fazer acreditar que seja possível acontecer. É preciso investir pesado na "materialidade", através de um programa de formação, com profissionais especialistas para lidar, diariamente, de dentro da escola, com cada aspecto do problema educacional, como se faz nas classes mais abastadas: aula de reforço, extra turno, quando é identificado um problema de aprendizado numa disciplina específica, ou o encaminhamento imediato do aluno, ou dos pais, mesmo de um professor para um atendimento de um médico ou de um profissional especialista, quando um problema social, físico ou psicológico for identificado. Não é ficar, como se tem feito, varrendo os problemas para dentro de sala de aula, obrigando o professor a resolvê-los, fazendo de conta que o aluno tem desempenho ruim só porque é negro ou pobre e a cultura que ele traz para a escola nunca é levada em conta pelo professor. Esse argumento é mais uma forma de esconder o fato de que esse aluno fracassa mais que os alunos das classes mais abastadas porque não tem acesso aos mesmos recursos.
Ser alvo de tanta experimentação (como se os meninos fossem ratos em laboratório) e de tantas controvérsias estúpidas (como se os alunos pudessem esperar que os “teóriOcos” decidissem que tipo de escola devemos ter) é que banalizou e destruiu a Escola Pública! Os cargos de supervisão e de gerência educacional ficam quase sempre com aqueles que pertencem ao partido ou coalizão no poder, que dizem amém, sem questionar, à política partidária vigente e dificilmente os cargos ficam com o profissional que conhece e se debruça sobre o problema para tentar entendê-lo e resolve-lo.
Penso que temos de escolher entre três tipos de escola, dependendo do investimento que pretendemos fazer na escola pública: ou encarceramos todos na escola e excluímos grande parte dos alunos de ter um ensino adequado ou pelo menos razoável, ou deixamos que boa parte deles fracasse e fique de fora e damos um ensino razoável para aqueles que conseguirem se destacar e ou permanecer na escola, ou realmente investimos pesado nas escolas para que todos alunos possam usufruir de um ensino semelhante ou superior ao oferecido às classes que têm condição de pagar escolas particulares.

Woodson Fiorini de Carvalho
 PUBLICADO EM
12/01/08 18:40
PORTARIA PARA NOSSAS FÉRIAS
de BLOGDOPROFESSOR
Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XIV - Nº: 3.004 - 01/08/2008
Poder Executivo

Secretaria Municipal de Educação
Instrução Normativa SMED/SMADRH nº 001/2008

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMED/SMADRH N° 001/2008
Estabelece critérios para a concessão de férias regulamentares aos servidores públicos vinculados à Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte.

1. FinalidadeEstabelecer critérios para a concessão de férias regulamentares aos ocupantes de cargos e empregos públicos vinculados à Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte, a partir do exercício de 2008.2. Fundamentos legais
2.1 - Gerais- Inciso XVII do art. 7° da Constituição Federal de 1988;- Lei nº 353, de 12 de novembro de 1953;- Lei nº 7.169, de 31 de agosto de 1996;- Lei nº 7.235, de 29 de dezembro de 1996;- Lei n° 9.011, de 1º de janeiro de 2005;- Arts. 129 a 149 da Consolidação das Leis do Trabalho.
2.2 - Específicos - Instrução Normativa SCOMARH N° 003/2003 e seus fundamentos legais.
3. Abrangência Esta Instrução se aplica aos ocupantes de cargos e empregos públicos vinculados à Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte.
4. Princípios Básicos
4.1 - Terão férias concedidas coletivamente no mês de janeiro de cada exercício:- Os ocupantes do cargo e do emprego público efetivo de Professor Municipal em exercício de regência de classe ou coordenação pedagógica nas unidades escolares da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte;- Os ocupantes do cargo público efetivo de Educador Infantil em exercício das atribuições de seus cargos públicos efetivos em unidades escolares da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte, especificamente o desenvolvimento de atividades pedagógicas com as crianças sob sua responsabilidade ou no exercício da coordenação pedagógica;- Os ocupantes dos cargos e empregos públicos de Pedagogo e Técnico Superior de Educação em exercício de Supervisão Pedagógica ou Orientação Educacional no exercício das atribuições de seus cargos e empregos públicos nas unidades escolares da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte.
4.2 - Terão suas férias regulamentares concedidas mediante escala planejada pela chefia imediata, de acordo com a conveniência e a necessidade do serviço, os ocupantes dos cargos públicos em comissão vinculados à Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte, os ocupantes dos cargos públicos efetivos de Professor e Educador Infantil em readaptação funcional, os ocupantes dos cargos públicos efetivos de Pedagogo, Técnico Superior de Educação em exercício de Supervisão Pedagógica ou Orientação Educacional que não se enquadrem na hipótese do item 4.1, e os demais servidores e empregados públicos efetivos em exercício das atribuições de seus cargos e empregos públicos efetivos nas unidades escolares da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte, na Secretaria Municipal de Educação e nas Gerências Regionais de Educação.
4.3 - Aplica-se o disposto no item 4.2 aos servidores mencionados no item 4.1 que estiverem em gozo das licenças previstas no art. 140 e dos afastamentos previstos no art. 169, ambos da Lei nº 7.169, de 31 de agosto de 1996, quando a licença ou o afastamento for coincidente com o período das férias coletivas, ficando ressalvado que, nestas hipóteses, o período de fruição das férias regulamentares deverá se encerrar até o dia 31 de dezembro de cada exercício.
4.4 - Excepcionalmente no ano de 2008, os Professores em readaptação funcional, os Técnicos Superiores de Educação - Bibliotecários e os Auxiliares de Biblioteca lotados nas unidades escolares da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte gozarão férias coletivas no mês de janeiro.
4.5 - Para os servidores e empregados públicos referidos no item 4.1, o gozo integral do período de férias coletivas poderá ser complementado no mês de julho do mesmo exercício, conforme dispuser ato do Titular da Secretaria Municipal de Educação.5. Ficam revogados os itens 4.4, 4.4.1, 4.4.2 e 4.4.3 da Instrução Normativa SCOMARH 003/2003.6. Esta Instrução Normativa entra em vigor a partir de 01 de janeiro de 2008.

Belo Horizonte, 02 de janeiro de 2008
Hugo Vocurca TeixeiraSecretário Municipal de Educação
Júlio Ribeiro PiresSecretário Municipal Interino de Administraçãoe Recursos Humanos
 PUBLICADO EM
11/01/08 09:10
Posição
de BLOGDOPROFESSOR
Jornal Estado de Minas
Belo Horizonte, 11 de janeiro de 2008
Artigos - Postura de FHC tem crítica de aposentada
Modesta Trindade Theodoro/Belo Horizonte
“Quanto aos artigos de Fernando Henrique Cardoso no ‘Opinião’ (domingos) , penso que é quase impossível separar o sociólogo do ex-presidente para lê-lo sem tomar partido. Difícil, não? É vero que o país precisa de uma revolução educacional, como ele diz. Não é novidade. Também não é de hoje que todos falam em melhorar os salários dos professores. Mas, para isso não é necessário esculhambar ainda mais com os salários dos aposentados. Parece que a pretensão é essa. É como se ouvíssemos: os ‘vagabundos’ do sistema devem ficar à margem (como se não estivessem). Não importa se a maioria passou anos trabalhando, pagando previdência e impostos escorchantes; não importa se pelo excesso de trabalho adoeceram. Impossível atinar o que importa para alguém que só precisa de idéias. O articulista chama ‘os responsáveis pela condução da vida pública’ (e se inclui) a deixar de lado picuinhas e retóricas. O leitor e a leitora hão de convir que, mais uma vez, o povo do andar superior certamente acha que cremos nessas bestices, em chamamentos inócuos. Quando é que alguns políticos abrirão mão de certas miudezas, sabendo que é assim que podem agigantar-se no poder?
O sábio não mostra seu poder, simplesmente permite que percebamos.”
 PUBLICADO EM
04/01/08 12:25
Escola Plural
de BLOGDOPROFESSOR
JORNAL O TEMPO

LUIZ LYRIO

Escola Plural
Projetos foram desenvolvidos como alternativa à volta da repetência, tão desejada pelos defensores da escola excludente dos tempos de antanhoNa década passada, a Prefeitura Municipal de Belo Horizonte buscou, com a sua Escola Plural, novos caminhos para a educação. A partir de projetos levados a cabo por vários educadores, a prefeitura articulou uma verdadeira revolução no ensino ministrado nas escolas da capital mineira. Para muitos educadores, principalmente para os que teimavam em se manter apegadas ao modelo tradicional de escola vigente no país, as inovações do projeto Escola Plural trouxeram muitas imposições. Porém, para outros educadores que já davam passos mais avançados no sentido de forjar escolas inclusivas, democráticas e populares, a implantação da Escola Plural apenas oficializou o que já era praticado antes por eles em nível experimental. Passados alguns anos, a Escola Plural trouxe consigo muitos avanços. Entretanto, como a história já nos provou, é importante que sempre caminhemos em direção ao novo. Isso é inerente à trajetória do ser humano em direção ao futuro. Porém, o novo, às vezes, traz conseqüências inócuas ou maléficas e faz parte da sabedoria de quem o administra fazer as correções necessárias para impedir seus descaminhos. O grande erro da Escola Plural foi a aprovação automática dos alunos que não aprendiam. Faltou ao projeto uma política consistente e clara para levar o aluno considerado "fraco" a aprender. E, adeptos da política do "quanto melhor, pior", alguns educadores simplesmente deixaram o barco correr, esperando que as conseqüências desastrosas da promoção automática dos alunos inviabilizassem a Escola Plural. Entretanto, algumas escolas tentaram suprir essa lacuna da Escola Plural criando meios de garantir o sucesso de seus alunos que não aprendiam no mesmo tempo de suas turmas. Vários projetos foram desenvolvidos como alternativa para evitar a volta da repetência, tão desejada pelos defensores da escola excludente dos tempos de antanho. Entre as escolas em que trabalhei que conseguiram bons resultados nesse sentido, posso citar a Escola Municipal Agenor Alves de Carvalho. Nessa escola, foram desenvolvidos vários projetos transformadores, como o exercício pleno da cidadania, as aulas de reforço, as oficinas pedagógicas, o projeto sala ambiente, a nova prática voltada para a melhoria do ensino aprendizagem, levada a cabo pelas coordenações pedagógicas, as reuniões coletivas semanais, os seminários político-pedagó gicos e o trabalho feito junto com representantes da Faculdade de Educação da UFMG. Hoje, as experiências do professor José Silvestre Coelho, diretor da escola por dois mandatos, estão virando livro. Praticamente no forno e quase no ponto de ser editado, o livro "As Memórias de Sofia I - Relato de Experiências Educativas", a cujos originais tive o privilegio de ter acesso, resgata as experiências inovadoras implementadas na Escola Municipal Agenor Alves de Carvalho. Fruto de experiências concretas e também de muito estudo, pesquisa e discussão, o leitor não vai encontrar no livro mais um compêndio teórico com uma receita pronta de escola avançada, "politicamente correta" e de acordo com os modismos da nossa época. A obra combina teoria e prática, partindo do cotidiano de uma típica escola pública brasileira. Assim como o professor Silvestre, muitos educadores deixaram registros de suas experiências no projeto Escola Plural. Tomara que, ansiosos pela volta ao passado, que nunca foi uma boa opção para o ser humano, a maioria conservadora que domina a educação e a mídia em nosso país não boicote nem condene ao esquecimento as experiências positivas levadas a cabo pela Escola Plural. ProfessorPublicado em: 04/01/2008
 PUBLICADO EM
29/12/07 11:02
"Bolsa-estupro": o que é isso?
de BLOGDOPROFESSOR
Também foi publicada uma matéria no Estadão e um artigo no Correio Braziliense sobre o caso. Querendo conferir...

Jornal O Tempo
Belo Horizonte, 29 de dezembro de 2007

"Bolsa-estupro": o que é isso?

MODESTA TRINDADE THEODORO

Parece trote, mas não é. Um deputado do PT do Acre entrou com um projeto para evitar que mulheres estupradas façam o aborto, uma prática garantida pelo Código Penal em 1940. No Brasil, dois são os casos admitidos em lei: estupro e risco de vida. De acordo com pesquisas, a maioria dos projetos contra a interrupção da gravidez é apresentada por setores religiosos. Existe um projeto para que se institua o "Dia do Nascituro" e, neste, são arrolados todos os direitos do feto. Outra proposta é a "bolsa-estupro": a vítima e o fruto do estupro teriam assistência desde o momento da concepção. O Estado pagaria, no caso, um salário-mínimo mensal à mãe durante 18 anos. De acordo com o deputado, é importante que haja um estímulo financeiro para que a mulher não faça o aborto, mesmo que o fruto seja proveniente de estupro.
Não estamos aqui para questionar se o nascituro é ou não um ser humano, como muitos o fizeram para levar a argumentação adiante no malfadado Estatuto do Nascituro - texto combatido pelos cientistas, com razão, por proibir técnicas de reprodução assistida, congelamento de embriões, entre outras. Em um só vocábulo: retrocesso! A pessoas com dificuldade para engravidar restaria apenas uma opção: a adoção. Há quem diga que isso é justiça social. E onde enfiaram os direitos?
No caso da "bolsa-estupro" estamos, sim, tratando de uma questão social, econômica e filosófica de relevância ímpar. O que fará o Estado quando aparecerem centenas de milhares de mulheres dizendo-se estupradas? Caso os deputados levem o projeto adiante, já calcularam qual será o preço do assistencialismo? Hoje, no caso de estupro, a mulher pode decidir o que será melhor para ela, sabe em que condições criará o filho se optar por tê-lo. A decisão de muitas será a mesma tendo em conta que terão quase duas décadas de apoio financeiro? Acaso isso é conscientização? A violência contra a mulher passará a ser objeto de troca, algo inadmissível. Se o nobre deputado diz que Deus manda que ele passe a legislar, em nome do povo, dessa maneira, com certeza o Deus dele é capitalista, a ponto de ordenar que se pague para ter filhos.
Sendo assim, ele deveria entrar com um projeto mais abrangente, talvez mais justo: que toda mulher sem recursos receba, desde o momento da concepção, o salário merecido, até que os filhos completem 18 anos. Aí, sim, veremos o vôo das águias (na Câmara!). E as mulheres terão o livre-arbítrio.
Quantas optarão pelo aborto? Serão necessários quantos anos de debate sobre o assunto? O país conseguirá arcar com as despesas? Quantos bebês teremos a mais por ano? Com tantos problemas pelo país afora, frágeis crianças com as mãozinhas imundas estendidas em quase todos os lugares onde passamos, é lamentável que deputados tenham que dispor de tempo para discutir o projeto alcunhado "bolsa-estupro". Mais lamentável ainda é que alguém possa apresentar à sociedade tal disparate.

Professora aposentada
 PUBLICADO EM
21/12/07 20:42
ATENÇÃO!!! TODO CUIDADO COM O QUE VC RECEBE É POUCO!!!!
de WoodsonFC
A gente tem de sofrer na pele para saber que esse pessoal arranca dos professores .....didos pra dar aos indolentes cofres que são tudo, menos públicos (do povo)!!! Pois é.
Fui à regional pampulha fazer aquele dramático cadastramento e saber porque não havia recebido a restituição daquele 13 que me haviam usurpado ano retrazado (veja aqui) e entender porque me haviam descontado ainda não sei o quê, sem nem me avisar e os filhos desnaturados de suas arrependidas mães, já haviam armado mais uma, que pelas contas dos pulhas soma de quase 6000 reais no total que terei de restituir à prefeitura. Pois é, não pedi que errassem (se é que erraram, pois o da vez passada teriam que me restituir e só não recebi porque já haviam descontado do suposto saldo devedor acima), não contraí nenhum empréstimo e à minha revelia, sem me avisar, eles já estão descontando 10% por 35 meses do meu salário.
Pois bem, isso é que é PT. Vota neles que irão fazer isso com vc também!!! Fiquem atentos!!!


Todo cuidado com artigos como o abaixo é pouco (não foi o meu caso). Mas que eles vão chamar muita gente que fez cursos que não deixarão  de ser reconhecidos pela PBH para devolver a grana, isso vão!
Eu vou ter de correr atrás de mais esse prejuízo (que lucro com que me pagam, não vou ter nunca). Um dia eles levam o troco, aliás, um dia eu faço eles me devolverem esse troco e muito mais. E vão pagar do bolso deles!!!

§ 4º - Apurada eventual irregularidade no cumprimento das condições estabelecidas neste artigo e seus parágrafos, o servidor restituirá o que tiver percebido indevidamente por conta do nível de escolaridade que lhe for conferido nessa condição, sem prejuízo das penalidades administrativas e penais cabíveis à espécie.” (NR).
 PUBLICADO EM
20/12/07 15:23
Sindicalistas afastados - DOM - 20/12/2007
de BLOGDOPROFESSOR

Ficaram os quatro primeiros sindicalistas da lista dos 18. São eles: Ana Márcia, Aurelícia, Alberto Veras, Cristiane (escolhidos em ordem alfabética).


"ATO DO PREFEITO

Com fundamento na decisão judicial proferida nos autos do processo nº 0024.07.524273-5, exclui os servidores abaixo relacionados do ato publicado no DOM de 20/06/2007, referente à disposição para o Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública de Belo Horizonte - SIND-REDE:

BM - NOME

38.711-1 EDNÉIA ZELINA RODRIGUES

42.633-8 GERALDO AFONSO DE PAULA CORRÊA

79.148-6 GISLAINE DE SOUZA GAMA42.397-5

HEITOR BRETAS DA BOA VENTURA

30.545-X MARIA EFIGÊNIA COSTA

33.030-6 MARIA HELENA NERY DA CRUZ

46.526-0 NEIDE DA SILVA RESENDE

38.361-2 PEDRO AFONSO VALADARES

46.912-6 ROBSON APARECIDO TORREZANI

73.446-6 SHIRLEI LOPES DA SILVA

38.457-0 SÍLVIO MATOS DAVID

77.447-6 THAÍS TAVARES LACERDA

46.100-1 VANESSA PORTUGAL BARBOSA

75.687-7 WANDERSON PAIVA ROCHA"
 PUBLICADO EM
11/12/07 08:06
Woodson Fiorine
de BLOGDOPROFESSOR
Woodson,
parabéns por ter sido aprovado na seleção 2008/Doutorado em Lingüística da UFMG. Espero em breve vê-lo doutor auxiliando ainda mais os mestres e as mestras na difícil arte de compreender as palavras, o dito, e quiçá o não dito. Os seus presentes de Natal e de Ano Novo foram construídos paulatinamente, sabemo-lo bem. Você, artesão de si, caminhou pedras e cacos para chegar ao grau zero. Recomeçará inda jovem e com grande bagagem.
 Felicidades em sua jornada!
 Modesta Trindade Theodoro
 PUBLICADO EM
08/12/07 10:02
Lei n° 9.465/07
de BLOGDOPROFESSOR
Vide tabela de vencimentos no PL distribuído ou no DOM.

"LEI N° 9.465 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2007

Concede reajustes remuneratórios aos servidores públicos da Área de Atividades de Educação e dá outras providências.

O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º - O abono de que trata o § 1º do art. 2º da Lei nº 8.635, de 26 de agosto de 2003, devido ao ocupante do cargo público efetivo de Auxiliar de Biblioteca Escolar, integrante da Área de Atividades de Educação, instituída pela Lei nº 7.235, de 27 de dezembro de 1996, e suas alterações, no valor de R$24,00 (vinte e quatro reais), será incorporado ao seu vencimento-base a partir de 1º de julho de 2007.

§ 1º - Após a incorporação prevista no caput deste artigo, os vencimentos-base dos cargos públicos efetivos da Área de Atividades de Educação, instituída pela Lei nº 7.235/96 e suas alterações, passam a ter os seguintes valores a partir de 1º de julho de 2007:


§ 2º - Os vencimentos-base dos cargos públicos efetivos da Área de Atividades de Educação, previstos na Lei nº 7.235/96 e suas alterações, passam a ter os seguintes valores a partir de 1º de janeiro de 2008:

§ 3º - Os vencimentos-base dos cargos públicos efetivos da Área de Atividades de Educação, previstos na Lei nº 7.235/96 e suas alterações, passam a ter os seguintes valores a partir de 1º de julho de 2008:



§ 4º - Os vencimentos-base dos cargos públicos efetivos da Área de Atividades de Educação, previstos na Lei nº 7.235/96 e suas alterações, passam a ter os seguintes valores a partir de 1º de novembro de 2008:



§ 5º - A vantagem pessoal prevista no § 9º do art. 5º da Lei nº 7.235/96 e suas alterações e a parcela remuneratória instituída no § 2º e seus incisos do art. 7º do referido diploma legal ficam reajustadas em 17% (dezessete por cento), de forma fracionada e não-cumulativa, nas seguintes condições:

I - 4,25% (quatro vírgula vinte e cinco por cento) a partir de 1º de julho de 2007;
II - 4,25% (quatro vírgula vinte e cinco por cento) a partir de 1º de janeiro de 2008, desconsiderado o índice previsto no inciso I deste parágrafo;
III - 4,25% (quatro vírgula vinte e cinco por cento) a partir de 1º de julho de 2008, desconsiderados os índices previstos nos incisos I e II deste parágrafo;
IV - 4,25% (quatro vírgula vinte e cinco por cento) a partir de 1º de novembro de 2008, desconsiderados os índices previstos nos incisos I, II e III deste parágrafo, perfazendo todos os índices referidos nos incisos deste parágrafo o total de 17% (dezessete por cento).

Art. 2º - A partir de 1º de julho de 2007, os valores do vencimento-base e da Gratificação de Dedicação Exclusiva devidos aos ocupantes dos cargos públicos de provimento em comissão de Diretor de Estabelecimento de Ensino, de Secretário de Estabelecimento de Ensino, de Diretor de Centro de Aperfeiçoamento Profissional da Educação, de Vice-Diretor de Centro de Aperfeiçoamento Profissional da Educação, de Coordenador de Projetos Especiais da Educação e da função pública de Vice-Diretor de Estabelecimento de Ensino passam a ser os seguintes:


§ 1º - A partir de 1º de janeiro de 2008, os valores do vencimento-base e da Gratificação de Dedicação Exclusiva devidos aos ocupantes dos cargos públicos de provimento em comissão de Diretor de Estabelecimento de Ensino, de Secretário de Estabelecimento de Ensino, de Diretor de Centro de Aperfeiçoamento Profissional da Educação, de Vice-Diretor de Centro de Aperfeiçoamento Profissional da Educação, de Coordenador de Projetos Especiais da Educação e da função pública de Vice-Diretor de Estabelecimento de Ensino passam a ser os seguintes:


§ 2º - A partir de 1º de julho de 2008, os valores do vencimento-base e da Gratificação de Dedicação Exclusiva devidos aos ocupantes dos cargos públicos de provimento em comissão de Diretor de Estabelecimento de Ensino, de Secretário de Estabelecimento de Ensino, de Diretor de Centro de Aperfeiçoamento Profissional da Educação, de Vice-Diretor de Centro de Aperfeiçoamento Profissional da Educação, de Coordenador de Projetos Especiais da Educação e da função pública de Vice-Diretor de Estabelecimento de Ensino passam a ser os seguintes:


§ 3º - A partir de 1º de novembro de 2008, os valores do vencimento-base e da Gratificação de Dedicação Exclusiva devidos aos ocupantes dos cargos públicos de provimento em comissão de Diretor de Estabelecimento de Ensino, de Secretário de Estabelecimento de Ensino, de Diretor de Centro de Aperfeiçoamento Profissional da Educação, de Vice-Diretor de Centro de Aperfeiçoamento Profissional da Educação, de Coordenador de Projetos Especiais da Educação e da função pública de Vice-Diretor de Estabelecimento de Ensino passam a ser os seguintes:


Art. 3º - Os servidores ocupantes dos cargos públicos efetivos de Professor Municipal e Educador Infantil que forem designados por ato do Executivo, e sob a orientação do titular da Secretaria Municipal da Educação - SMED -, para desenvolver nas escolas municipais e nas unidades municipais de Educação Infantil as ações de implementação de projetos especiais no âmbito da Educação municipal, farão jus a uma gratificação mensal no valor de R$750,00 (setecentos e cinqüenta reais).
§ 1º - Poderão ser designados, simultaneamente, até 400 (quatrocentos) servidores para o desempenho das ações previstas no caput deste artigo, nos termos do regulamento desta Lei.
§ 2º - A gratificação instituída no caput deste artigo não se incorporará à remuneração do servidor público em qualquer hipótese ou para qualquer fim, exceto para fins de desconto do imposto de renda e da contribuição previdenciária, bem como para o pagamento da gratificação natalina e das férias anuais.

Art. 4º - O art. 6º da Lei nº 7.969, de 31 de março de 2000, passa a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 6º - Para os fins da concessão dos níveis de vencimentos previstos nos incisos I e II do art. 9º da Lei nº 7.235/96, quando da aquisição de título de escolaridade superior ao exigido para o respectivo cargo público efetivo, ficam excetuados do cumprimento da regra do art. 91 da Lei nº 7.169/96 os ocupantes dos cargos públicos efetivos da Área de Atividades de Educação que tenham alcançado a estabilidade prevista no art. 41 da Constituição Federal e que tenham concluído curso de doutorado, com tese aprovada, ou mestrado, com dissertação aprovada, cujo conteúdo seja diretamente relacionado às suas atribuições, nos termos do regulamento desta Lei.

§ 1º - Aplica-se a regra prevista no caput deste artigo ao servidor estável nele mencionado que, nos termos e nos prazos previstos no regulamento desta Lei, for aprovado e certificado em curso de especialização lato sensu que satisfaça simultaneamente as seguintes condições:

I - curso ministrado por instituição que mantenha programa de pós-graduação credenciado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES -, ou curso ministrado por instituição que mantenha programa de pós-graduação e que seja conveniada com o Município de Belo Horizonte para o oferecimento de cursos de interesse da Municipalidade;
II - curso cuja qualificação profissional mínima exigida para o corpo docente seja o título de mestre;
III - curso com duração mínima de 360 (trezentas e sessenta) horas presenciais efetivas, devidamente comprovadas;
IV - curso que exija monografia ou trabalho de conclusão apreciado por banca que possua, no mínimo, título de mestre;
V - curso oferecido por instituição de nível superior que ministre cursos de pós-graduação na mesma área de estudo há, no mínimo, 5 (cinco) anos;
VI - pertinência temática da monografia ou do trabalho de conclusão do curso com as atribuições do seu cargo efetivo;
VII - compatibilidade entre o período de freqüência ao curso e a jornada diária do servidor, excetuada a hipótese de fruição de licença para tal finalidade.

§ 2º - Aplica-se a regra prevista no caput deste artigo ao servidor estável nele mencionado que, nos termos e nos prazos previstos no regulamento desta Lei, for aprovado e certificado em curso de especialização lato sensu à distância, cujo conteúdo esteja diretamente relacionado às atribuições do seu cargo público efetivo e que satisfaça as condições estabelecidas nos incisos do § 1º deste artigo, excetuada a hipótese do inciso III.
§ 3º - Atendidas as condições e os prazos estabelecidos no regulamento desta Lei, o servidor fará jus a 1 (um) nível na tabela de vencimentos prevista para o seu cargo por curso de especialização em que for aprovado, observado o disposto no § 1º do art. 9º da Lei nº 7.235/96.
§ 4º - Apurada eventual irregularidade no cumprimento das condições estabelecidas neste artigo e seus parágrafos, o servidor restituirá o que tiver percebido indevidamente por conta do nível de escolaridade que lhe for conferido nessa condição, sem prejuízo das penalidades administrativas e penais cabíveis à espécie.” (NR).

Art. 5º - Fica instituído o vale-cultura, no valor de R$50,00 (cinqüenta reais), a ser atribuído no mês de outubro de cada ano aos ocupantes dos cargos públicos efetivos de Professor Municipal, Pedagogo e Educador Infantil, bem como aos ocupantes desses cargos quando investidos em cargo público em comissão da Área de Atividades de Educação, destinado à aquisição de produtos educativos e culturais em Belo Horizonte.
Parágrafo único - Os critérios para a concessão do vale-cultura serão definidos no regulamento desta Lei.

Art. 6º - Para atender o disposto nesta Lei, fica o Executivo autorizado a adaptar seus instrumentos de planejamento financeiro e, nos termos dos arts. 40 a 43, 45 e 46 da Lei Federal nº 4.320, de 17 de março de 1964, a abrir crédito especial no valor de R$54.343.948,84 (cinqüenta e quatro milhões, trezentos e quarenta e três mil, novecentos e quarenta e oito reais e oitenta e quatro centavos) ao orçamento corrente, bem como reabri-lo pelo seu saldo para o exercício seguinte.

Art. 7º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, produzindo seus efeitos financeiros a partir de 1º de julho de 2007, ressalvados os dispositivos que possuem data de vigência específica, os quais entram em vigor nas referidas datas.

Belo Horizonte, 07 de dezembro de 2007

Fernando Damata Pimentel
Prefeito de Belo Horizonte

(Originária do Projeto de Lei n° 1.465/07, de autoria do Executivo)"
 PUBLICADO EM
06/12/07 07:56
2ª demissão - O manifesto do Klauss está ótimo!
de BLOGDOPROFESSOR
"DIZ A CRIS...
Companheiras companheiros,no dia 06 de dezembro, quinta-feira, às 18h30, haverá nova assembléia de filiados. A pauta é 'desligamento do Klauss'.Convidamos vocês para estarem presentes.
Abaixo segue a nossa posição sobre o tema para o conhecimento de vocês.Coletivo TravessiaSobre o funcionamento do SINDREDE e a pauta "desligamento do Klaus".O companheiro Klauss foi demitido da PBH em meados de 2006 e num gesto de solidariedade nós defendemos a sua contratação pelo sindicato criando uma função inexistente até aquele momento 'assessor da diretoria', com o objetivo de contribuir politicamente contra a perseguição, bem com o sustento financeiro do companheiro, no final de 2006.
CÂNDIDA A INOCÊNCIA POLÍTICA DA JOVEM DIRETORA:CERTAMENTE SE LEMBRAM QUE, NÃO POR PROPOSTA MINHA, MAS SIM PELA OPORTUNIDADE DE CONJUGAR MINHA DISPONIBILIDADE E, PRINCIPALMENTE MINHAS CAPACIDADES TÉCNICAS, CONFORME EXPRESSA INDICAÇÃO DOS NOSSOS ADVOGADOS (SEM AS QUAIS CERTAMENTE O INTERESSE EM AJUDAR-ME NÃO SERIA TÃO ENTUSIÁSTICO) , LEVARAM ALGUMAS COMPANHEIRAS E COMPANHEIROS A OFERTAREM-ME O CARGO DE ASSESSOR DO JURÍDICO (SOMENTE DEPOIS NOMINADO "DA DIRETORIA"). ASSIM, NÃO HOUVE MERA DOAÇÃO DE FAVOR A MIM, E SIM COMPRA DO MEU TRABALHO TÉCNICO DISPONÍVEL!
No início deste ano de 2007 sofremos um forte ataque da PBH com a retenção dos nossos recursos financeiros. Definimos por manter todos os funcionários da entidade, apesar de toda a dificuldade financeira.Entretanto, os companheiros do PSTU propuseram a demissão de todos, o que foi rejeitado pela categoria. Na ocasião, procuramos o companheiro Klauss para saber se o mesmo teria tempo para se aposentar, pois defendíamos a manutenção do nosso gesto solidário.
A DIRETORIA NUNCA ME PROCUROU "PARA SABER SE EU PODIA ME APOSENTAR". NEM PODERIA. NÃO MAIS QUE CONVERSAS INFORMAIS, ONDE PUDE, DESDE A PRIMEIRA INVESTIDA, DETECTAR SEGUNDAS INTENÇÕES, SEMPRE INCONFESSADAS.Posteriormente, fomos informados que o companheiro já tinha adquirido o direito à aposentadoria, que muito nos tranqüilizou, pois sabemos que tal direito só foi adquirido graças à solidariedade da categoria e da diretoria em garantir um período de trabalho remunerado e com carteira assinada para o mesmo.
ABSOLUTAMENTE FALSA A CONCLUSÃO, GRACIOSA MESMO... SIM, POSSO ME APOSENTAR, POR HAVER TRABALHADO E CONTRIBUÍDO POR MAIS DE 40 ANOS... NÃO ME FEZ, TAMBÉM QUANTO A ISTO, NENHUM FAVOR O SINDICATO!MAS, SE ASSIM EU O QUISER, E SOMENTE A MIM COMPETE QUERER OU NÃO, APOSENTAR-ME COM PROVENTOS QUE SERIAM BEM MENORES QUE OS DO SERVIÇO PÚBLICO, FINGEM DESCONHECER ALGUMAS, PARA GÁUDIO DE ALGUNS...Após a decisão da última assembléia de filiados em que foi dada autonomia para a diretoria reorganizar o sindicato e garantir todos os direitos trabalhistas para os funcionários que desejassem ser demitidos, três deles fizeram esta opção: Rosilene, Adriana e Cristiano. Sabemos que estes funcionários optaram pela demissão por terem construído ao longo dos meses de crises alternativas financeiras e trabalhistas para não dependerem do sindicato.
INCOERÊNCIA INCONFESSA.. . QUANDO DA PROPOSTA DA DEMISSÃO DE TODOS EM DECORRÊNCIA DE FALTA DE RECURSOS FINANCEIROS, FORAM CONTRA. AGORA QUE JÁ DISPOMOS DE ALGUM CAIXA MENSAL (ORA REFORÇADO POR CENTENAS DE NOVAS FILIAÇÕES), E QUANDO JÁ SOMOS TRÊS FUNCIONÁRIOS A MENOS, SÃO INDUZIDOS A ENTENDEREM PELA MINHA DEMISSÃO. PRIMEIRO FUI O ESCOLHIDO POR SER O MAIS CARO (NÃO SERIA, NO DE CUSTO-BENEFÍCIO, O MAIS BARATO???). AGORA, JÁ DESCOBERTO O ENGANO, ESCAMOTEIAM O ARGUMENTO???Atualmente continuamos com três funcionárias e o companheiro Klauss. Em função da sua possibilidade de aposentadoria optamos pelo seu desligamento: o companheiro tem o direito de se aposentar e se até o momento a categoria foi solidária com ele, neste momento ela precisa da solidariedade dele. Entendemos que ele já deveria ter tomado a atitude de se auto desligar, pois conhece bem as dificuldades diárias do Sindicato. Neste sentido, esperamos que o companheiro encaminhe o seu pedido de aposentadoria, para que não fique nenhum mês sem receber e usufrua do direito que lhe foi assegurado pela solidariedade da categoria.
SOMENTE UM MAU-CARATISMO ABJETO PODERÁ ESTAR POR TRAZ DE QUEM AS(OS) ESTÁ INDUZINDO A ESTES RACIOCÍNIOS. COMO DITO, A OPÇÃO DE ME APOSENTAR, OU DE NÃO APOSENTAR, SOMENTE A MIM COMPETE. NÃO É DA CONTA DE MAIS NINGUÉM!E É EXATAMENTE POR ENTENDER QUE, NO MOMENTO, SOU IMPRESCINDÍVEL COMO REPOSITÓRIO DE CONHECIMENTOS QUE AINDA NINGUÉM MAIS DETÉM, QUE NÃO ME RETIRO ÀS MINHAS MONTANHAS E AOS MEUS ESTUDOS...SOMENTE OS MAIS TOLOS CEGOS FINGEM NÃO O VER... OU SÃO POR "ELES" CEGADOS...A QUAIS INTERESSES SERVE A MINHA 2ª DEMISSÃO?
Mui certamente a maioria da Diretoria do NOSSO Sind-REDE/BH não se deu conta do GRANDE FAVOR que estariam prestando aos nossos maiores INIMIGOS, a canalha ainda no poder que nos persegue mais proximamente! Eles, debalde a minha cassação, não conseguiram me calar! Pelo contrário, a Categoria me permitiu ampliar os horizontes de minha guerra contra as aberrações PolíTico-ParTidá rias dos traidores encastelados nos carguinhos? A Diretoria lhes dará o gosto de atingir-me (e à CATEGORIA dos Servidores da Educação), logo agora quando o INQUISIDOR-MOR prepara a fogueira a torturar as nossas lideranças escolares (EXEMPLOS não cooptado$) que se rebelam contra os desmandos pessoais-governamen tais?Todos que me conhecem sabem da minha experiência pessoal no estudo e aplicação de nossas defesas legais! São estes conhecimentos, pelos quais debato há mais de dez anos em todas as frentes, que incomodam... Calar-me-ão?Nesta ocasião queremos informar que nós do Coletivo Travessia temos garantido, cotidianamente, o funcionamento do sindicato. Além de visitarmos escolas atendemos a categoria na sede da entidade. Fazemos tarefas políticas e administrativas como atender telefone,fazer serviço de ofice-boy, fazer faxina, ou seja, manter a sede funcionando para cumprir o seu objetivo: defender os direitos da categoria. Cumprimos a nossa tarefa militante de dirigente sindical com nossos próprios recursos financeiros, apesar dos baixos salários recebidos. Garantimos durante todos esses meses que tenha material mínimo no sindicato: papel, tonner, papel higiênico, açúcar, café. Coisas básicas para que as pessoas sejam atendidas minimamente e para que os funcionários tenham um mínimo de condição de trabalho.
ARGUMENTOS INFANTIS (SEM TROCADILHO). .. EU TAMBÉM O FAÇO, POR MUITAS MAIS HORAS, E DIAS, DO QUE PELAS QUAIS SOU PAGO... E NUNCA ANTES ESTIVE A ME GABAR!!!MAS... PORQUE OUTRAS E OUTROS, NÃO SEM LIBERAÇÃO, NEM TODOS, NÃO ESTÃO A PARTICIPAR?? ? ONDE ESTÃO OS VOLUNTÁRIOS NÃO LIBERADOS?
Mesmo aposentado Klauss poderá continuar militando no dia-a-dia do Sindicato e contribuir para a nossa a luta. Só defendemos o desligamento dele por entender que neste momento de crise financeira o colega poderá ser solidário com a categoria e não terá perdas, pois se aposentará com todos os direitos que um trabalhador pode gozar.
AH... QUE BOM! VOCÊS DEIXAM! EU POSSO!... MAS TAMBÉM POSSO NÃO QUERER... PRINCIPALMENTE TRABALHAR DE GRAÇA!AINDA MAIS SE CONSIDERA-LOS TRAIDORES, AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA CANALHA MUNICIPAL..."
 PUBLICADO EM
05/12/07 23:56
Sobre o funcionamento do SINDREDE e a pauta “desligamento do Klaus”
de BLOGDOPROFESSOR
O companheiro Klauss foi demitido da PBH em meados de 2006 e num gesto de solidariedade nós defendemos a sua contratação pelo sindicato criando uma função inexistente até aquele momento 'assessor da diretoria', com o objetivo de contribuir politicamente contra a perseguição, bem com o sustento financeiro do companheiro, no final de 2006.

No início deste ano de 2007 sofremos um forte ataque da PBH com a retenção dos nossos recursos financeiros. Definimos por manter todos os funcionários da entidade, apesar de toda a dificuldade financeira. Entretanto, os companheiros do PSTU propuseram a demissão de todos, o que foi rejeitado pela categoria. Na ocasião, procuramos o companheiro Klauss para saber se o mesmo teria tempo para se aposentar, pois defendíamos a manutenção do nosso gesto solidário.Posteriormente, fomos informados que o companheiro já tinha adquiridoo direito à aposentadoria, que muito nos tranquilizou, pois sabemos que tal direito só foi adquirido graças à solidariedade da categoria e da diretoria em garantir um período de trabalho remunerado e com carteira assinada para o mesmo.

Após a decisão da última assembléia de filiados em que foi dada autonomia para a diretoria reorganizar o sindicato e garantir todosos direitos trabalhistas para os funcionários que desejassem ser demitidos, três deles fizeram esta opção: Rosilene, Adriana eCristiano. Sabemos que estes funcionários optaram pela demissão por terem construído ao longo dos meses de crises alternativas financeiras e trabalhistas para não dependerem do sindicato.

Atualmente continuamos com três funcionárias e o companheiro Klauss. Em função da sua possibilidade de aposentadoria optamos pelo seu desligamento: o companheiro tem o direito de se aposentar e se até o momento a categoria foi solidária com ele, neste momento ela precisa da solidariedade dele. Entendemos que ele já poderia ter tomado a atitude de se auto desligar, pois conhece bem as dificuldades diárias do Sindicato. Neste sentido, esperamos que o companheiro encaminhe o seu pedido de aposentadoria, para que não fique nenhum mês sem receber e usufrua do direito que lhe foi assegurado pela solidariedade da categoria.

Nesta ocasião queremos informar que nós do Coletivo Travessia temos garantido, cotidianamente, o funcionamento do sindicato. Além de visitarmos escolas atendemos a categoria na sede da entidade. Fazemos tarefas políticas e administrativas como atender telefone, fazer serviço de ofice-boy, fazer faxina, ou seja, manter a sede funcionando para cumprir o seu objetivo: defender os direitos da categoria. Cumprimos a nossa tarefa militante de dirigente sindical com nossos próprios recursos financeiros, apesar dos baixos salários recebidos. Nós do coletivo travessia garantimos durante todos esses meses, com recursos próprios, que tenha material mínimo no sindicato: papel, papel higiênico, açucar, café e às vezes até faxineira. Coisas básicas para que as pessoas sejam atendidas minimamente e para que os funcionários tenham um mínimo de condição de trabalho.

Mesmo aposentado Klauss poderá continuar militando no dia-a-dia do Sindicato e contribuir para a nossa a luta. Só defendemos o desilgamento dele por entender que neste momento de crise financeira o colega poderá ser solidário com a categoria e não terá perdas, pois se aposentará com todos os direitos que um trabalhador pode gozar.
 PUBLICADO EM
05/12/07 23:07
Sobre o funcionamento do SINDREDE e a pauta “desligamento do Klaus”
de BLOGDOPROFESSOR
SUPRIMIDO (TEXTO REPETIDO)
 PUBLICADO EM
30/11/07 11:31
Opa, opa, opa
de BLOGDOPROFESSOR
Não preocupe com nada disso não, preocupe só com a cor do tijolo e vais ver onde tu pararás.
..........
Dentro da SMED, ajudando o secretário. Bom, né?
 PUBLICADO EM
30/11/07 00:43
Enquanto nos preocupamos com calendários, férias, FIJ e FERLAGOS e outras coisas...
de BLOGDOPROFESSOR
Enquanto nos preocupamos com calendários, férias e outros assuntos... a PBH e a SMED se preocupam com assuntos mais relevantes.. .

Deve ser por isso que temos à nossa 'frente' um secretário economista, só pessoas de boa formação e profunda preocupação se ocupam de pensar políticas tão importantes para nossa cidade...Hoje, 29 de novembro, na reunião com os diretores de escola, Hugo Vocurca se ocupou em anunciar sua nova investida. Cada escola desta Rede Municipal receberá nova verba, um empreendimento de fato inovador, pois essa verba será exclusivamente para pintar as escolas. Isso mesmo, não estou ficando louca, não. A SMED estava discutindo 'qual a melhor cor para se pintar TODAS as escolas da Rede'. Diretores protestaram, tinha diretora sonhando com verba para ampliação do refeitório que não cabe os alunos, diretor que pensava em um dinheirinho para os projetos da escola... Mas o decreto dessa vez - quase uma portaria, já que só sabem fazer portarias - era dinheiro para pintar as escolas da Rede no período de recesso que está chegando. Parece que pensam numa única cor...mesmo sob protesto os diretores tiveram de engolir o sapo colorido, pois como um deles expressou bem o medo da corregedoria faz com que as idéias por mais estapafúrdias que sejam, são aceitas...

É gente, parece que tem muita coisa 'importante' para se pensar...espero que a cor preferida não seja de burro fugido, né? Afinal de contas se o Secretário fugir por aí tomara que seja pra bem longe, ou quem sabe para a corregedoria, né?...

Cris
 PUBLICADO EM
28/11/07 08:54
Pagamento de reajuste e retroativo.
de BLOGDOPROFESSOR
Li o texto abaixo na capa do DOM de hoje.
Abraços,
Modesta Trindade Theodoro.

"Servidores da Rede Municipal de Educação recebem em dezembro Reajuste Retroativo a Julho

No mês de dezembro, a Prefeitura vai efetuar o pagamento da folha de novembro, com reajuste retroativo a 1º de julho, a todos os servidores da Educação. O reajuste é resultado do Projeto de Lei 1464/07, encaminhado no mês de agosto à Câmara Municipal e aprovado pelos vereadores no dia 14 de novembro. O reajuste contempla, com índices diferenciados de acordo com o segmento de atuação, todos os servidores efetivos e aposentados da Educação. O reajuste, escalonado em quatro parcelas, terá a primeira delas com o pagamento de novembro e as demais em 1° de janeiro, 1° de julho e 1° de novembro de 2008. Os professores terão 26% de aumento, em quatro parcelas de 6,5%, recebendo de uma só vez, em dezembro, o reajuste referente a cinco meses. Com isso, o salário-base dos professores passa a ser de R$ 1.233,57 e chegará a R$ 1.473,76, em novembro de 2008. Os educadores infantis, com reajuste de 54% e parcelas de 13,5%, passam a ter piso salarial de R$ 625,63 já com a primeira parcela e R$ 850,00, em novembro de 2008.A tabela de reajustes ainda contempla os servidores com os cargos de auxiliar de secretaria escolar, auxiliar de biblioteca escolar, auxiliar de escola, técnico superior de educação e pedagogo, que também receberão os vencimentos de novembro reajustados a partir de 1º de julho."
 PUBLICADO EM
23/11/07 15:01
Contas no BB
de BLOGDOPROFESSOR
Vocês sabem se algum funcionário da PBH teve a opção abaixo?
Eles ofereceram conta-salário na época?!

"Jornal do Funcionário / Aqui / BH, 23/11
ATIVAÇÃO DE CONTAS II
Os servidores e pensionistas do estado que optarem pela conta salário do Banco do Brasil terão direito a um pacote básico com isenção de tarifas na manutenção de conta corrente ativa, na primeira via do cartão magnético e no talão de cheques. Também terão direito, sem cobrança de tarifa, a dois extratos mensais, consultas ilimitadas de saldos em conta corrente, cinco saques por evento de crédito e a um DOC/TED por evento de crédito. Já quem escolher abrir uma conta corrente com serviços adicionais deve consultar o Banco do Brasil sobre as tarifas cobradas."

Quem é funcionário da PBH não quer ter conta no BB paga R$8,50 para retirar o dinheiro. É mole?!
Modesta.
 PUBLICADO EM
23/11/07 07:49
Confirmação de nomes para a elaboração de Referenciais Curriculares para a RMEBH
de BLOGDOPROFESSOR

Olá, as pessoas que irão elaborar os referenciais curriculares para a RMEBH estão contratadas. Presumivelmente, ou melhor: é a partir desses referenciais que professores/as irão tecer sua labuta. Supõe-se, (ou é vero?) que professores não têm referências.

Modesta Trindade Theodoro

...........................................................................................................................................

Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XIII - Nº: 2.974 - 11/23/2007

Poder Executivo

Secretaria Municipal de Educação

TERMOS DE CONVALIDAÇÃO

Pelo presente termo de convalidação ficam ratificados e confirmados os atos referentes à contratação SAMIRA ZAIDAN, para elaboração de Referenciais Curriculares para a Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte, a partir de 1o de agosto de 2007 até a data de sua publicação, no valor total de R$ 7.680,00 (sete mil, seiscentos e oitenta reais). - Processo nº 01.150981.07- 27.

Belo Horizonte, 20 de novembro de 2007

Hugo Vocurca TeixeiraSecretário Municipal de Educação
 PUBLICADO EM
21/11/07 07:58
BH em prosa - Dia 21/11/2007
de BLOGDOPROFESSOR
Parabéns aos/às vencedores/as! Se não conseguirem visualizar direito, confiram no DOM.
Modesta.


Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XIII - Nº: 2.972 - 11/21/2007
Poder Executivo
Secretaria Municipal de Educação
Comunicado - 2º Concurso BH em Prosa - A busca da Paz em BH
COMUNICADOA Secretaria Municipal de Educação, conforme a ata da Comissão Julgadora de 8 de novembro, comunica a relação dos ganhadores do 2º Concurso BH em Prosa - a busca da paz em BH.
1º Ciclo
1º lugar - Aluno
Trabalho
Professor orientador
Escola Municipal
Natasha Vivianne Moura Lima
À procura da paz
Virgínia Lima Tabore
Lídia Angélica
2º lugar - Aluno
Trabalho
Professor orientador
Escola Municipal
Lisley Stefani Santos
A lenda da pequena sereia da Lagoa da Pampulha
Fátima Maria de Souza Moreira
Prof. Moacyr Andrade
2º Ciclo
1º lugar - Aluno
Trabalho
Professor orientador
Escola Municipal
Matheus Rosa
A busca da paz em Belo Horizonte
Taskara Ribeiro Garcia
Meste Ataíde
2º lugar - Aluno
Trabalho
Professor orientador
Escola Municipal
Mariana Araújo Braz
Uma caminhada pela paz
Cleidimar Pereira Braga
Pedro Nava
3º Ciclo
1º lugar - Aluno
Trabalho
Professor orientador
Escola Municipal
Grazielle Vitória Pereira Magela
Um pequeno momento
Dirce Batista Dias
Maria Assunção de Marco
2º lugar - Aluno
Trabalho
Professor orientador
Escola Municipal
Pedro Henrique dos Santos
Laje
Dirce Batista Dias
Maria Assunção de Marco
EJA no Ensino
Fundamental e
Ensino Regular
Noturno
1º lugar - Aluno
Trabalho
Professor orientador
Escola Municipal
Gilberto Francisco de Almeida
Auto-retrato
Rosana de Fátima Coelho
José Maria dos Mares Guia
2º lugar - Aluno
Trabalho
Professor orientador
Escola Municipal
Neusa dos Santos Barbosa
A minha esperança de paz
Michael Korsch Junior
Francisco Campos
Ensino Médio
e EJA no Ensino Médio
1º lugar - Aluno
Trabalho
Professor orientador
Escola Municipal
José Geraldo Cunha
Família: fonte de paz
Maria Bernadete B. Rehfeld Santos
Caio Líbano Soares
2º lugar - Aluno
Trabalho
Professor orientador
Escola Municipal
Rosângela da Penha Daniel
Paz... um grito de esperança
Luciana Cirino Lages Rodrigues Costa
Dom Orione


Vinte e cinco trabalhos do Colégio Santa Dorotéia/Escola Alternativa - 13 na categoria EJA no Ensino Fundamental e 12 na categoria Ensino Médio - tiveram a inscrição cancelada, uma vez que os alunos dessas turmas não têm nenhum vínculo com a Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte.
Belo Horizonte, 19 de novembro de 2007Hugo Vocurca TeixeiraSecretário Municipal de Educação
 PUBLICADO EM
16/11/07 07:26
Imposto sindical/ Folha de São Paulo
de BLOGDOPROFESSOR
São Paulo, sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Extinção do imposto sindical, já!

JOSÉ MARIA DE ALMEIDA, o Zé Maria, 50, metalúrgico, é presidente nacional do PSTU e membro da coordenação nacional da Conlutas (Coordenação Nacional de Lutas).Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo. debates@uol.com.br

O apoio do governo Lula à obrigatoriedade do imposto sindical e à destinação de uma parte às centrais é uma operação de compra e vendaRECENTEMENTE, a Câmara dos Deputados aprovou emenda ao projeto de lei 1.990/07 -sobre o reconhecimento legal das centrais sindicais- que acaba com a obrigatoriedade do imposto sindical. A decisão provocou um alvoroço no meio sindical. As centrais governistas já pediram e receberam o apoio do governo federal. Sindicatos e centrais estão fazendo forte lobby pela derrubada da emenda no Senado. Não foram às ruas defender os direitos dos trabalhadores no dia 24 de outubro em Brasília, mas querem ir às ruas para defender suas receitas provenientes do imposto sindical. Por que todo esse alvoroço? Caso a emenda seja aprovada, o movimento sindical perde R$ 1,2 bilhão por ano. Receita advinda desde a época de Getúlio Vargas, em 1943, que institucionalizou a obrigatoriedade do imposto para quebrar a autonomia do movimento sindical brasileiro, atrelando-o ao Estado. A estrutura sindical seria, a partir daí, financiada pelo imposto sindical, em vez de ser financiada pelas contribuições espontâneas dos trabalhadores. Dentro dessa lógica, o dirigente sindical deveria obediência ao Estado, e não mais aos trabalhadores, os quais ele deveria representar. Ainda hoje persiste essa lei perversa e todo trabalhador tem descontado em folha, anualmente, um dia de salário no mês de março para a contribuição sindical. Conforme o projeto de lei original apresentado pelo governo, do montante, 10% seriam destinados às centrais sindicais. Com a emenda aprovada no Congresso Nacional, o que era obrigatório se tornaria facultativo. A Conlutas (Coordenação Nacional de Lutas) defende o reconhecimento legal das centrais sindicais, pois esse é um direito dos trabalhadores. Mas não concorda com esse projeto de lei negociado entre o governo e algumas centrais sindicais. Para nós, é inaceitável que as centrais venham a ser financiadas com o famigerado imposto sindical, que já se constitui como um câncer no movimento sindical brasileiro. Os sindicatos devem financiar suas atividades por meio das contribuições associativas e dos descontos realizados por ocasião das campanhas salariais, sempre a partir de decisão soberana dos trabalhadores. Contribuições espontâneas, portanto. As centrais devem ser financiadas pelos sindicatos, que devem repassar a elas uma parcela de suas receitas, sempre a partir de decisão dos trabalhadores na base. As centrais sindicais que não conseguirem sobreviver dessa forma não têm representatividade real. E a pergunta óbvia é: elas deveriam existir? Em nossa opinião, o Congresso Nacional deveria ir além, portanto, nessa questão e extinguir completamente o imposto sindical. O apoio do governo Lula à obrigatoriedade do imposto sindical e à destinação de uma parte dele às centrais, contrariando inclusive posicionamento tradicional do próprio PT, é uma operação de compra e venda. O governo Lula precisa do apoio dessas centrais sindicais para aprovar suas políticas contrárias aos interesses dos trabalhadores (estão aí a reforma da Previdência, a reforma trabalhista, a reforma do ensino superior e muitas outras). Dá dinheiro (e cargos etc) às centrais em troca desse apoio. A Conlutas foi constituída legitimamente como uma central sindical e popular. Possui representatividade real em uma parcela minoritária, mas significativa, do movimento sindical e dos movimentos sociais do nosso país. Mas não aceitará os recursos oriundos do imposto sindical, mesmo que isso seja aprovado no Congresso Nacional. Diferentemente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), que traiu seus princípios de fundação, a Conlutas não pretende fazê-lo.
 PUBLICADO EM
13/11/07 08:57
Ponto Facultativo/ CURTAS (Hoje em Dia)
de BLOGDOPROFESSOR
Olá,
se você pretende resolver algum problema na PBH na sexta, 16/11, telefone antes para saber se o setor funcionará. Alguns jornais dão conta de que será ponto facultativo, portanto...
 Modesta Trindade Theodoro
............. ......... ......... ......... .........

Na página 15 do jornal Hoje em Dia (CURTAS) há algo sobre a Educação Infantil. " Contra a indiferença, um abraço; contra a surdez, um gesto; contra o desafio do diferente, o estudo."...
"São algumas das alternativas apresentadas no XIII Seminário Infância na Ciranda da Educação, que reúne, ontem e hoje, 800 professores de educação infantil de todo o Estado em Belo Horizonte. O encontro, realizado pela prefeitura,. ...".
"Segundo a coordenadora da Educação Infantil da Secretaria Municipal de Educação, Mayrce Terezinha da Silva Freitas, o principal objetivo é apresentar propostas concretas de como lidar com crianças portadoras de deficiências. ..". (Trechos)
 PUBLICADO EM
10/11/07 12:03
Notícias: Jornal Estado de Minas
de BLOGDOPROFESSOR
REDE MUNICIPAL
Professores terão reajuste salarial

Vereadores aprovam projeto de lei que autoriza aumentos de 12% a 54% nos rendimentos de 12 mil servidores da área de educação.
Artigo que reduzia férias foi retirado do texto Fábio Fabrini Votação foi marcada por protesto dos funcionários públicos nas galerias.
A Câmara Municipal aprovou ontem, em segundo turno, projeto de lei que autoriza o reajuste de 12 mil servidores da rede municipal de ensino. Os aumentos variam de 12% a 54%, de acordo com o cargo, e serão pagos em quatro parcelas iguais, a partir do mês que vem. Marcada por protestos, a votação durou três horas. Mas a pressão da categoria não foi suficiente para que as regras que alteram o plano de carreira e estabelecem um novo tipo de gratificação fossem retiradas do texto. Os profissionais prometem entrar em greve. Com previsto, foi suprimido apenas o artigo que encurtava as férias de julho, já regulamentado em portaria do prefeito Fernando Pimentel (PT), o que foi considerado uma vitória pelos servidores, que temiam a aprovação em lei, mais difícil de reverter .
Agora, eles pretendem abrir negociação para convencer a Secretaria Municipal de Educação (SMED) a recuar da decisão. Na terça-feira, sindicalistas e representantes de escola se reúnem para discutir a estratégia de reação ao projeto de lei. No encontro, será marcada a assembléia que decidirá sobre a greve. Ela pode ocorrer ainda este ano ou no início do próximo período letivo.
No fim da tarde, houve caminhada da Praça da Liberdade à SME, no Bairro Santo Antônio, Região Centro-Sul, em protesto contra a aprovação. Os 34 parlamentares presentes votaram a favor do texto. As emendas contrárias ao projeto foram retiradas, em função de um acordo do colégio de líderes e da Mesa Diretora. De acordo com o projeto, os 10 mil professores terão um aumento de 26%. A primeira parcela, retroativa a julho, sai mês que vem no contracheque. As demais serão repassadas em janeiro, julho e novembro de 2008. O piso dos profissionais, que é de R$ 1.150, passará a R$ 1.499 ao fim desse período. A diretora do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de BH (Sindrede), Cristiane Nunes de Oliveira, reclama que o reajuste não repõe as perdas salariais dos últimos 10 anos. As datas valem para as outras funções. Os 1.260 educadores, que trabalham nas unidades de ensino infantil, terão o maior repasse (54%). O piso, atualmente de R$ 550, passará a R$ 847 Os funcionários que ocupam outros cargos nas escolas vão receber 15%. No caso dos que trabalham em secretarias e bibliotecas, no entanto, o percentual é um pouco menor (12%). Protestos Durante a votação, os vereadores foram interrompidos várias vezes, por gritos de traidores. Um dos motivos é o artigo que aumenta o número de pré-requisitos para que os diplomas de pós-graduação, que dão direito a 5% de aumento salarial, sejam reconhecidos pela prefeitura. Antes, eram três. Agora, sete. Os sindicalistas queriam que a regra atual valesse pelo menos para os professores que já começaram seus cursos.
“A lei vai retroagir, prejudicando essas pessoas, o que abre caminho para um caminhão de processos na Justiça”, criticou o vereador Fred Costa (PHS).
 PUBLICADO EM
09/11/07 07:22
Bom dia! Seja bem -vindo/a!
de BLOGDOPROFESSOR

 PUBLICADO EM
07/11/07 14:14
Comunicação na PBH (ou no PT?): agora vai !
de BLOGDOPROFESSOR
Eles estão certos
.
Bolcheviques do PT, em BH, acertam uma (pena para nós, outros)

À exemplo do que fez o partido em nível federal, que "contratou" o competentíssimo Franklin Martins para por ordem na casa, o "campinho" de BH entrou, finalmente, na era da comunicação ao contratar outro excelente profissional para cuidar da sua comunicação (ops... do partido ou do governo municipal ? E quem saberia responder, uma vez que uma coisa é cozinha da outra e vice-versa ? ).

Ponto para eles, penalização para os munícipes. Agora a PBH (ou o PT?) tem à disposição um profissional de ponta que poderá evitar tantos deslizes, tantas gafes, tantos tiros pódicos. Parece que ninguém (da administração ou do PT?) ainda havia ouvido falar em "midia trainning", apesar de estar lá, para quem quiser ver, no portal da prefeitura (ou seria do PTBH?).

Isso ficava muito claro nas ratas da Pilar (alguém lembra da "comemoração" pela classificação do ensino do PT - ou seria da PBH? - numa relação de capitais brasileiros, porém com uma média pífia ?), na auto-deduração do Dutra em um jornal de BH ao confessar a discriminação contra profissionais de uma mesma categoria (“de acordo com o secretário adjunto de Recursos Humanos da PBH. Márcio Dutra, os diferentes reajustes salariais não são exclusividade da área de educação, pois as carreiras têm pesos diferenciados”) e, por fim, aquela que deve ser a última declaração "não comunicacionalmente correta", dessa vez pronunciada pelo Vocurcão, estampada nos jornais de hoje, sobre o fim do Imaco: "O Imaco tinha problemas de relacionamento com a direção do parque, de violência e depredação", acusou, dando a entender que os alunos é que são prejudiciais à educação municipal. Você não leu errado, essa é a mentalidade do PT (ou seria da PBH?): o aluno atrapalha o projeto espetaculoso-midiático-eleitoral. Aliás, sabemos que há mais preconceitos, pois eles consideram que os profissionais da educação também atrapalham o espetáculo publicitário deles (da PBH ou do PT?).

Amigo Carlos Alberto: bom trabalho. Ainda vamos jogar muito xadrez, vou considerar como uma pós de altíssima qualidade. Seja benvindo à arena (você é inteligente "pra caramba", por isso entenda o arena amplamente !)
 PUBLICADO EM
06/11/07 08:59
Portaria - Calendário escolar 2008
de BLOGDOPROFESSOR
PORTARIA SMED Nº 283/2007

Estabelece parâmetros para elaboração do Calendário Escolar para o ano de 2008.

O Secretário Municipal de Educação, no uso de suas atribuições, com base nas disposições da Lei Federal nº 9.394, 20 de dezembro de 1996, das normas complementares, especialmente as emanadas pelos órgãos do Sistema Municipal de Ensino de Belo Horizonte, e considerando a necessidade de compatibilização do calendário escolar da rede municipal com os calendários das redes estadual e privada da cidade de Belo Horizonte,
RESOLVE:

Art. 1º - O Calendário Escolar de 2008 deve obedecer às normas desta Portaria e ser elaborado pela escola, discutido e aprovado pelo Colegiado Escolar, referendado pela Assembléia Escolar, e amplamente divulgado para servidores, alunos e pais de alunos.

Art. 2º - O Calendário Escolar deve prever o mínimo de 200 (duzentos) dias letivos e 4 (quatro) dias escolares para a Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio.

§ 1º - A carga horária anual é de, no mínimo, 800 (oitocentas) horas de efetivo trabalho escolar, com jornada diária de, no mínimo, 4 (quatro) horas, excluído o tempo destinado ao recreio.
§ 2º - O Calendário Escolar para a modalidade de Educação de Jovens e Adultos dos Ensinos Fundamental e Médio deve observar as disposições da Resolução CME/BH nº 001/03 e da Proposta Pedagógica aprovada pelo Conselho Municipal de Educação.

Art. 3º - Nos Calendários das unidades escolares da Rede Municipal de Educação devem constar as seguintes datas e programações:

I - Início do ano escolar: 07 de fevereiro;
II - Início do ano letivo: 11 de fevereiro;
III - Término do ano letivo: até 16 de dezembro;
IV - Término do ano escolar: até 19 de dezembro;
V - Férias escolares: de 02 a 31 de janeiro e 23, 24 e 25 de julho;
VI - Recessos escolares: mínimo de 12 (doze) dias em julho e os demais estabelecidos pelas escolas;
VII - Feriados: conforme publicação no Diário Oficial do Município - DOM;
VIII - 2 (duas) Assembléias Escolares serão consideradas dias letivos;
IX - 4 (quatro) sábados letivos, no máximo;
X - 4 (quatro) dias escolares, no mínimo, para planejamento, avaliação e formação.

Art. 4º - Compete ao(a) diretor(a) da escola fazer cumprir as determinações desta Portaria e encaminhar o Calendário Escolar à Gerência de Avaliação e Verificação do Funcionamento Escolar - GAVFE, para conhecimento, análise e aprovação, até 30 de novembro de 2007, com cópia para a Gerência Regional de Educação - GERED.

§ 1º - Qualquer alteração do Calendário Escolar deve ser discutida e aprovada pelo Colegiado Escolar, referendada pela Assembléia Escolar e obedecer aos parâmetros desta Portaria.
§ 2º - A alteração a que se refere o parágrafo anterior deve ser encaminhada à GAVFE, por meio de ofício, com a antecedência de 10 (dez) dias da ocorrência da alteração.

Art. 5º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação e revoga as disposições em contrário, especialmente a Portaria SMED Nº 111/07.

Belo Horizonte, 05 de novembro de 2007

Hugo Vocurca Teixeira
Secretário Municipal de Educação
 PUBLICADO EM
05/11/07 00:08
Notícias
de BLOGDOPROFESSOR
Líder do prefeito garante que 200 dias letivos permanecem em
BH


Jornal Hoje em Dia - 04/11/2007

Dilke Fonseca
Repórter

Vai ficar para o final desta semana, na próxima quinta ou sexta-feira, a decisão da Câmara Municipal de Belo Horizonte em torno da definição do calendário escolar, com a supressão do artigo 5º do projeto que prevê reajuste de 27% a 54% para os professores municipais. Em reunião na última sexta-feira entre o prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel, o secretário de Governo, Paulo Moura, e a líder do Governo na Câmara, Neusinha Santos, ficou acertado a busca de negociação para a rejeição do artigo 5º com o apoio do PT e da base aliada.
"O consenso está bem construído. Acredito que será sacramentado na quarta", informou ontem Neusinha. Na quarta-feira, ela reúne-se com o Colégio de Líderes e a expectativa é de fechar um acordo para a supressão do artigo 5º, abrindo caminho para a aprovação do projeto. A idéia inicial era de enviar um substitutivo, mas pelo regimento interno um projeto já em votação não pode mais ser retirado. A alternativa será a de votar o artigo em separado e, se o consenso prevalecer, pela sua rejeição.
Em reunião da bancada do PT na última quinta-feira, duas alternativas foram discutidas. A primeira, que prevaleceu, foi a de votar a emenda do vereador Anselmo José Domingos (PTC), que propõe a votação em separado do artigo 5º desde que fossem retiradas outras emendas consideradas "inócuas". "Não foi decisão formal, mas um debate. Eles teriam que retirar outras emendas. Emendas inócuas que o Executivo pode vetar", afirmou o vereador Antônio Carlos Pereira (Carlão), do PT. Outra alternativa discutida foi a de não fazer acordo e o Governo enviar outro projeto sem o polêmico artigo.
A coincidência das férias e recesso da rede municipal com o vigente nas redes estadual e privada deve ser feita por portaria, após a aprovação do projeto. Com a regulamentação, os professores municipais passam a ter férias em janeiro e recesso em julho como as redes estadual e privada, e mantêm inalterados os feriados do Carnaval, Semana Santa, Dias dos Professores e Natal, além do total de dias letivos: 200 para os alunos e 205 para os professores, de acordo com o Ministério da Educação. A líder do Governo, vereadora Neusinha Santos (PT) disse que foi criada uma "falsa polêmica" por uma "parcela do sindicato".
"É um mal-entendido. A direção do sindicato não interpretou de forma correta", observou.
 PUBLICADO EM
04/11/07 10:53
Pimentel retirou do Projeto o artigo sobre férias.
de BLOGDOPROFESSOR
Pimentel retirou do Projeto o artigo sobre férias.
Ele vai mandar o secretário da educação publicar o calendário numa portaria, quando os tolos estiverem dormindo.Hehehe...
 PUBLICADO EM
01/11/07 12:09
Coisas da Câmara - Foucault iria adorar! + pagamento do mês 10.
de BLOGDOPROFESSOR
Olá,
estive na Câmara, a sessão terminou cedo, foi bem tumultuada , repassei o que a Câmara publicou, deixando antes o questionamento. A minha questão, para o bom entendedor, tem sido: por que a Câmara insiste em publicar fatos errôneos, ou não levar a público o que é apreciado? Somente nesta semana fez isto por três vezes.

Ontem (31/10) a primeira manobra foi da vereadora Neusinha, que já estava com o documento em mãos desde o princípio (geralmente, quem a reelege é a Noroeste e o Barreiro). O requerimento foi votado e não passou, mas o site interno dá conta de que ele passou. E é como se tivesse passado, pois a pretensão era a suspensão do projeto, e ela conseguiu. Mas o professorado também conseguiu. Não aceitando, acabou por "impedir" a votação e ainda ficou com a última palavra . Com aquele quorum (variando de 26 a 29) haveria perdas. No caso, era preciso conseguir 28 votos.
Hoje, o melhor para passar informes jornalísticos foi o jornal "Hoje em Dia", na minha opinião. O "Estado de Minas" escreveu: "manobra tira o corte de férias da pauta" . posso afirmar que não houve isto ainda, eles devem estar adiantados.
Deixo aí a matéria do "Hoje..." para quem não tiver tempo de ler em outro jornal.
Sobre o pagamento do mês 10 será efetuado no dia 7 (sete) de novembro.

Atenciosamente,
Modesta Trindade Theodoro.
............ ......... ......... ......... ......... .........

Hoje em Dia, 01 de novembro de 2007

PROFESSORES MUNICIPAIS
politica@hojeemdia. com.br
Prefeitura recua e deverá mudar projeto de servidor
Iracema Barreto
Repórter

Os governistas tiveram ontem um autêntico Dia das Bruxas na Câmara Municipal de Belo Horizonte. A pressão dos servidores da educação - que voltaram a ocupar a galeria e os corredores da Casa -, e a rebelião de vários vereadores da base aliada ao prefeito Fernando Pimentel (PT) obrigaram o Governo a recuar (fato raro no Legislativo) , o que deve culminar em modificações no projeto que concede reajuste médio de 27% para a categoria, mas que também acaba com o tradicional recesso de julho dos professores.
Temendo uma derrota durante a votação de ontem, uma vez que na sessão do dia anterior isso não aconteceu por poucos votos, o Governo tentou impedir que houvesse quorum. "Estou aqui, mas me telefonaram pedindo para não vir", denunciou Antônio Pinheiro (PSDB), acrescentando que a ligação foi de "gente educada muito ligada ao prefeito".
A sessão foi aberta com 24 vereadores no plenário, suficiente para o início das votações. Em poucos minutos, o quorum chegou a 29, um a mais que o mínimo necessário para apreciação da polêmica matéria. Mas a líder do Governo na Câmara, Neusinha Santos (PT), recebida pelos servidores aos gritos de bruxa, com direito até a 'parabéns pra você', já havia protocolado um requerimento pedindo que a tramitação do projeto fosse suspensa. Para quem não se lembra, no 31 de outubro comemora-se o Halloween nos Estados Unidos (o Dia das Bruxas).
Ao tentar justificar a decisão, alegando que a idéia do Executivo é discutir melhor o artigo que muda as férias dos professores, a petista foi hostilizada pelos servidores, que jogaram cédulas falsas no plenário e pediram a saída da vereadora. "Não precisa gritar no meu ouvido nem me mandar embora. Dia 5 tem eleição e aí vocês elejam quem quiserem", rebateu, referindo-se às eleições de 2008.
O requerimento foi deferido pela Mesa Diretora, mas, liderados por Fred Costa (PHS) e Alexandre Gomes (PSB), um grupo de vereadores decidiu pressionar para garantir que a palavra final coubesse ao plenário. Depois de intenso bate-boca entre os parlamentares, o requerimento foi votado e rejeitado. Mas o Governo mostrou que ainda está vivo na queda-de-braç o e conseguiu postergar, mais uma vez, a votação do texto.
O projeto foi colocado em votação no ponto em que parou na sessão de anteontem, com a apreciação, em separado, do artigo 5º. A bancada do PT se retirou do plenário, acompanhada por outros governistas. Resultado: apenas 20 votos foram registrados, mesmo com 28 vereadores em plenário.
Os apelos para que fosse feita uma nova votação foram ignorados pelo presidente da Casa, Totó Teixeira (PR), que imediatamente deu início à votação de outro projeto, o 1.498/07, que prevê reajuste médio de 17% para arquitetos e engenheiros da prefeitura. Em represália, o grupo rebelde se recusou a votar e a reunião foi encerrada. "Sou favorável a esse projeto, mas só vou votar depois do projeto da educação", avisou Preto (DEM).
Ronaldo Gontijo (PPS) anunciou para hoje uma reunião com Pimentel para discutir a matéria. Na prática, se o artigo 5º for suprimido, o projeto só poderá voltar para votação 48 horas depois de anunciada a mudança no plenário. Na sessão ordinária de hoje, a matéria também não pode ser votada, já que a presidência não fez a leitura da pauta antes do fim da sessão.
 PUBLICADO EM
31/10/07 04:53
Votação do dia 30/10
de BLOGDOPROFESSOR
Resultado da votação do Projeto 1465/ 07

Hoje, dia 30/10, estivemos presentes na câmara em uma manifestação
magnífica, mostrando aos vereadores e ao executivo que temos força e
conseguimos nos organizar. No entanto, a emenda 04 (supressão do
artigo das férias) não conseguiu os 28 votos necessários.

Como precisávamos de 28 votos, não garantimos a aprovação da emenda,
no entanto o vereador Anselmo apresentou um requerimento (aprovado
no bojo de outros) para votar a manutenção do artigo 5º. Com esta
manobra, o vereador inverteu a lógica da votação, pois agora quem
precisa de 28 votos é o PT para que o artigo permaneça no projeto.

A mesa da plenária propôs que o requerimento, que já tinha sido
aprovado, fosse votado novamente, no entanto a estratégia usada pela
turma do PT e apoiadores foi a queda de quorum. O Carlão trancou-se
na sala de imprensa, já que não conseguiria sair da sala da
plenária, pois estávamos em todas as portas. O Arnaldo Godoy também
fugiu assim que percebeu o que acontecia. Com a queda do quorum para
20 pessoas, a plenária foi interrompida e continuará amanhã.

Portanto, precisamos encher a plenária novamente, galeria e portas,
para garantir que o artigo 5º não seja mantido no projeto. Temos,
ainda, que aprovar a emenda da pós-graduação e da supressão do
artigo que dá gratificação aos 400 cargos. O artigo sobre o reajuste
dos auxiliares foi rejeitado, pois também não conseguimos os 28
votos.

AGUARDAMOS TODO MUNDO AMANHÃ. Organizem a escola para mais esta
manifestação. Garanta a presença da sua escola com o maior número de
pessoas possível. Somente a pressão da categoria é capaz de garantir
as férias em julho e a derrota da turma do Pimentel.
 PUBLICADO EM
30/10/07 02:23
Erros publicados na Agenda da Câmara no dia 29 /10
de BLOGDOPROFESSOR
ATENÇÃO PARA ERROS NO CALENDÁRIO DA CATEGORIA

A agenda da câmara conta com duas reuniões de representantes do
SindRede/BH que, na verdade, não ocorrerão.

NÃO HAVERÁ REUNIÃO DE REPRESENTANTES ÀS 8H DA MANHÃ.

O calendário do dia 30/10 do SindRede começa com Assembléia da
categoria às 13h30, com paralisação total no dia. Depois iremos para
a votação às 14h30.

Tínhamos marcado, anteriormente, uma reunião com os delegados da IV
Conferência às 16h no sindicato, no entanto com a possibilidade de
votar o projeto no dia 30, reservamos o plenário Paulo Portugal para
nos reunirmos lá, se definido pela Assembléia.

Portanto, NÃO HAVERÁ REUNIÃO DE REPRESENTANTES no turno da manhã e
nem da noite. A Assembléia será à tarde, antes da votação. A partir
das 16h, dependendo do caminhar da votação, iremos reunir com os
delegados ou na câmara ou no sindicato.

Espero ter esclarecido.
Abraços,
Thaís
................................................................

A Câmara pecou, amanhã ela deve se organizar e refazer a Agenda. Obrigada pelos esclarecimentos Thaís. Você é bem ágil.
 Modesta.
 PUBLICADO EM
29/10/07 20:41
Agenda da Câmara de vereadores - Dia 30/10
de BLOGDOPROFESSOR
A agenda consta no site da Câmara. É bom conferir. Coloquei o site e o novo telefone no final. Não sei se vão mudar a agenda. Visitando o site, busque "ordem do dia" (30/10). Consta a votação do projeto 1465/07 inserido em uma balaiada de outras votações. Algo sobrará para o dia das bruxas (31/10), com certeza! Bom mesmo é marcar presença para não perder mais um capítulo da história.
 Modesta Trindade Theodoro.

Agenda
Terça-feira, 30 de outubro

8h – Reunião de Representantes de Escolas Públicas Municipais – SIND-REDE
Local – Plenário Amynthas de Barros
Iniciativa – Vereador Divino Pereira

13h – Reunião Conjunta das Comissões de Saúde e Saneamento e Meio Ambiente e Política Urbana – Audiência Pública para discutir sobre as conseqüências da incineração de resíduos sólidos industriais para a população do Bairro Camargos e região, cuja responsabilidade é do Empreendimento SERQUIP – Tratamento de Resíduos MG Ltda
Local – Plenário JK

13h30 – Reunião Ordinária da Desenvolvimento Econômico, Transporte e Sistema Viário
Local – Plenário Helvécio Arantes

13h45 – Reunião Ordinária da Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia, Cultura, Desporto, Lazer e Turismo – Audiência Pública para discutir sobre o Centro Cultural Liberalino Alves de Oliveira - Espaço Cidadão - e a inatividade do Colégio Municipal Belo Horizonte, localizados no Bairro São Cristóvão
Local – Plenário Camil Caram

14h – Palestra do Núcleo de Cidadania – Escola do Legislativo "Como me portar numa entrevista de emprego e porque devo me qualificar para ter mais chances no mercado de trabalho"
Local – Plenário Paulo Portugal

14h30 – Reunião Extraordinária
Local – Plenário Amynthas de Barros

16h – Reunião de Representantes de Escolas Públicas Municipais – SIND-REDE
Local – Plenário Paulo Portugal
Iniciativa – Vereador Divino Pereira

Site: www.cmbh.mg.gov.br
Novo Telefone geral: (31) 3555-1122 -Fax: (31) 3555-1460
 PUBLICADO EM
26/10/07 00:42
Votação em segundo turno do projeto 1465
de WoodsonFC
Votação em segundo turno do projeto 1465 e em primeiro turno do
projeto 1497/07

Colegas,

a Câmara convocou reuniões extraordinárias para os dias 30 e 31 de
outubro. Nossos projetos estão na pauta. Vamos chamar uma Assembléia
para o dia 30 e marcar presença no plenário, pois as emendas que nos
interessam só serão aprovadas se a casa estiver cheia! O fax deve
chegar nas escolas amanhã, ou no máximo na segunda.

Aproveito para solicitar que enviem mais e-mails para os vereadores
falando da importância da supressão do artigo das férias (emenda
04), e demais emendas (13, 15, 16, 17, 27). Coloquem no e-mail as
regionais de vcs, pois os vereadores que tem base eleitoral nestas
regiões ficarão mais sensíveis ao apelo. No entanto, reforço q os e-
mails só surtirão efeito se vcs estiverem presentes na hora da
votação.

Com relação ao projeto 1497/07 (aposentados e celetistas),
conversamos com a Luzia Ferreira para apresentar a emenda dos
celetistas. Enviem e-mails para ela reafirmando a importância de
incluir os empregados públicos da educação no projeto.

Encontramos na Assembléia!
Abraços,
Thaís



 Qui, 25 de Out de 2007 10:28 pm

 Exibir opções da mensagem
Thaís Tavares Lacerda <thais@orl.trix.net>
 PUBLICADO EM
23/10/07 08:13
Sobre "A tragédia dos professores enlouquecidos"
de BLOGDOPROFESSOR
FOLHA ONLINE
São Paulo, 23 de outubro de 2007

Professores
"Dimenstein diz o seguinte em 'A tragédia dos professores enlouquecidos'(Cotidiano, 14/10):'O que dá para dizer, com certeza, é que não se constrói uma nação civilizada com professores enlouquecidos'.
Certamente. Porém há algo além. Poderíamos dizer que não se constrói uma nação civilizada com parte da sociedade ensandecida e a corruptela correndo solta. Nada se constrói em um país onde os exemplos apresentados são os piores. Não se constrói uma família sem a presença de pessoas com um mínimo de afeto e de competência. Se premiassem algumas mães, pais ou outros responsáveis, as crianças se sentiriam protegidas? E quem garante que é premiando uma parte de professores que a maioria de estudantes será bem atendida?
Os professores precisam de reajustes salariais dignos e respeito por parte de autoridades. Não apenas por parte do Executivo e do Legislativo, mas de autoridades em educação que espiam e opinam sem vivenciar fatos do cotidiano escolar.
Uma bolsa-esmola não fará com que professores trabalhem melhor. Também não creio que exista alguém 'totalmente analfabeto', como ele o diz. Os nossos conceitos sobre alfabetização precisam ser melhorados.
Mulheres, homens e crianças crescem quando as pessoas e a vida lhes dão chance para tal. Para muitos, quais são os caminhos a seguir, sendo que quase todos desembocam em espinhos?
Será que precisamos antes aprender o bê-á-bá de detetives para depois começar a caminhar?
Quem está enlouquecido hoje? Algum professor?"

MODESTA TRINDADE THEODORO (Belo Horizonte, MG)
 PUBLICADO EM
18/10/07 10:59
Projeto 1465/07
de BLOGDOPROFESSOR
Seria bom que o pessoal da ativa lesse o relatório do Projeto 1465/07 e pensasse sobre o voto do vereador Carlão no tocante às emendas apresentadas. O voto é péssimo para o pessoal da ativa na questão das férias, entre outras, exceção para a Emenda 26.
Site da Câmara: http://www.camara.gov.br/
Não coloquei aqui porque o yahoo groups rejeita anexos longos.
Modesta
 PUBLICADO EM
18/10/07 06:23
Regulamentação de Centrais Sindicais
de BLOGDOPROFESSOR
Estado de Minas - 18/10/2007

Quarta-feira 17 de outubro de 2007 23:45

Câmara aprova regulamentação das centrais sindicais
Agência Estado

A Câmara aprovou nesta quarta-feira o projeto que regulamenta as centrais sindicais e garante o repasse de recursos do imposto sindical para as entidades. Pela proposta, as centrais ficarão com 10% do bolo formado pelo chamado imposto sindical - equivalente a um dia de trabalho por ano, cobrado de forma obrigatória de todo trabalhador. A estimativa de arrecadação da contribuição sindical para 2008 é de R$ 1,250 bilhão, ou seja, as centrais ganharão em torno de R$ 125 milhões, segundo dados de deputados.Atualmente, os recursos da contribuição sindical são distribuídos da seguinte forma: 60% para os sindicatos, 15% para as federações, 5% para as confederações e 20% para a "Conta Especial Emprego e Salário", administrada pelo governo. Pela proposta, a conta especial perderá recursos com o governo dividindo a sua parte com as centrais. Deputados contrários à proposta ressaltaram que o impacto será nos recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), que recebe dinheiro da conta especial.O FAT custeia programas como o do seguro-desemprego, do abono salarial, do financiamento de programas de desenvolvimento econômico e das ações de geração de trabalho, emprego e renda. O deputado Vicentinho, ex-presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), afirmou que a proposta incorpora as centrais na estrutura sindical, permitindo que elas possam fazer acordos nacionais, que representem todos os trabalhadores.A deputada Luciana Genro (PSOL-RS) criticou o projeto. Na tribuna, ela argumentou que, em vez de dar autonomia, ele vai "atrelar as centrais às decisões do Estado e ao governo de plantão". A deputada ressaltou que haverá a interferência direta no Ministério do Trabalho, que poderá baixar instruções normativas, na livre organização do movimento sindical. "Para obter o registro legal, a central vai precisar do reconhecimento do Ministério do Trabalho. Quem precisa reconhecer a legitimidade da central são os trabalhadores. Esse projeto não garante a autonomia sindical", afirmou a deputada. Ela criticou ainda o fato de, ao contrário de extinguir o imposto sindical, o projeto prevê repasse de dinheiro para as centrais.
 PUBLICADO EM
18/10/07 00:22
IV Conferência Municipal de Educação.
de WoodsonFC

          Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XIII - Nº: 2.950 - 10/16/2007        Poder Executivo        Secretaria Municipal de Educação        Portaria SMED nº 263/2007

    PORTARIA SMED N.º 263/2007

Aprova e divulga o Regimento da IV Conferência Municipal de Educação.
 PUBLICADO EM
18/10/07 00:16
Projeto 1465/07
de WoodsonFC
Durante a semana de outubro, a PBH procurou alguns vereadores com o
objetivo de retirar todas as emendas do projeto 1465/07 (férias,
reajuste, pós-graduação e gratificações) o que inviabilizaria
qualquer conquista no âmbito legislativo. No entanto, o sindicato
não tirou folga nestes dias e em conjunto com representantes de
escola, visitou vários gabinetes e garantiu que nenhum vereador
retiraria emendas antes da discussão ampla com a categoria.

No dia 11 de outubro, véspera do feriado, o projeto 1465/07 foi
aprovado em primeiro turno e os 33 vereadores presentes na sessão
puderam ver e sentir que estamos acompanhando de perto quem vota em
quê. O projeto, depois de aprovado em primeiro turno, volta para as
comissões para apreciação das emendas. No entanto, a câmara vai
acelerar o trâmite chamando reuniões e plenárias extras para que ele
seja votado ainda este mês.

O projeto 1465/07 já passou por duas comissões até hoje (17/10). A
primeira foi a de Legislação e Justiça e teve dois relatores
(Vinícius Dantas - emendas 1 a 4 - e Fred Costa - emendas 5 a 26)
que votaram pela constitucionalidade e legalidade das emendas. A
emenda de nº 27, que igualava o reajuste dos auxiliares de escola,
biblioteca e secretaria ao dos professores, não foi apreciada.

A segunda comissão foi a de Administração Pública e a relatora das
emendas foi a vereadora Neila Batista. Seu parecer foi pela
aprovação de apenas 6 emendas, todas sobre a pós-graduação. As
outras, inclusive a da supressão do artigo 5º (FÉRIAS), foram
REJEITADAS pela vereadora.

Mesmo as emendas REJEITADAS vão para a plenária e os vereadores
podem votar contra ou a favor do voto da relatora. Portanto, ainda
há tempo de reverter a situação. Para tanto pedimos que todos/as
enviem e-mails para os vereadores reafirmando a necessidade de
votarem nas emendas que suprime o artigo 5º, e nas demais emendas
que nos favorecem. Além disso, solicito que enviem e-mails
especialmente para os vereadores Vinícius Dantas e Fred Costa,
agradecendo o posicionamento favorável nos relatórios e pedindo que
o mesmo posicionamento se reverta em votos no 2º turno. Questionem
também sobre a emenda 27. Enviem e-mails para a vereadora Neila
Batista demonstrando nosso desagrado com o parecer e pedindo a ela
que reveja sua posição, pois está em jogo a qualidade da educação,
incluindo a vida das/os trabalhadoras/es em educação e das crianças
da cidade.

Enviar e-mails para estes três vereadores especialmente tem o
objetivo de demonstrar a todos que estamos atentos/as ao
posicionamento deles e esta é uma das maneiras de conseguirmos
enfrentar a pressão que o executivo tem realizado na câmara.

Contamos com a força e disposição da categoria.
Abraços,
Thaís.


E-mails:

Fred Costa - fredcosta@cmbh.mg.gov.br
Vinícius Dantas - viniciusdantas@cmbh.mg.gov.br
Neila Batista - neilabatista@cmbh.mg.gov.br






 PUBLICADO EM
14/10/07 21:08
Professoras aposentadas após 2004
de BLOGDOPROFESSOR
Venho esclarecer que uma carta publicada no EM no final de agosto em meu nome, não foi feita nem assinada por mim. Foi reproduzida de uma nota de título "Aposentados" publicada em 29/08 no caderno “Política”. Não encontrei nenhuma errata até hoje. Enviei e-mail ao caderno “Opinião”, na época, tão-somente para agradecer a força que sempre nos dá e repassei, entre aspas (claro) o que o caderno “Política” havia apurado até então com o secretário Márcio Dutra sobre o reajuste de professores que se aposentaram em 2004/2005. Fomos a uma reunião para ouvir, não negociar, pois para isto (bem ou mal) temos sindicato. Assinamos lista de presença, e não de concordância. Em minha opinião continuamos desfalcadas, pois a PBH ofereceu 17% contra 26% de reajuste para aposentados antes de 2004 (4 parcelas, até 2008). Além do mais nunca aconteceu de professoras aposentadas estatutárias pertencerem ao Quadro Geral. Não há motivos para pertencerem agora. Reajustes diferenciados para uma mesma categoria é inconstitucional. Pedimos em Assembléia de professores (meados de setembro), que sindicalistas levassem aos/às vereadores/as uma Emenda ao Projeto Lei 1465/07 colocando-nos nele, e isto foi votado. Esperamos que tenham levado.
Seria: “Estender o reajuste de professores aposentados e da ativa aos professores aposentados após 2004 e celetistas”. Bastaria melhorar o texto. Não vi a tal Emenda no site da Câmara, assim como não recebemos nenhum reajuste relativo a 2004. Espero que os/as vereadores se prestem a fazer a Emenda ao projeto supracitado , afinal são eles/as os/as nossos/as representantes no tocante à confecção de leis. Da minha parte prefiro “morrer congelada” a ser colocada em quadros separatistas.

Modesta Trindade Theodoro
 PUBLICADO EM
08/10/07 08:57
Jornal Aqui - Cidades - Recesso - 08/10
de BLOGDOPROFESSOR
AULAS NO RECESSO

Greve na educação
Impasse entre prefeitura e sindicato provoca paralisação de 40 escolas na capital

A Secretaria Municipal de Educação (Smed) e escolas municipais de Belo Horizonte travam uma queda de braço quanto ao número de dias letivos no ano de 2007. A Prefeitura de Belo Horizonte determinou que profissionais de 20 instituições de ensino trabalhassem durante o recesso escolar de outubro, devido à incoerência do calendário escolar destas unidades. Essa exigência provocou revolta entre os profissionais e, em resposta, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Municipal de Belo Horizonte (Sind-Rede) já declarou que, a partir de hoje, 40 escolas – e não as 20 convocadas pela PBH-farão greve até o dia 10 de outubro. De acordo com o chefe de gabinete da Smed, Afonso Celso Renan Barbosa, a determinação foi feita porque as 20 instituições convocadas para trabalhar durante o recesso descumpriram a Portaria 111/2007 que determinava o início do ano letivo em 5 de fevereiro. “Definimos que nos dias 1º e 2 de fevereiro os professores não trabalhariam com alunos e, sim, na formação pedagógica dos profissionais”, explica. No entanto, Barbosa conta que as escolas desobedeceram o calendário, e, em vez da formação acadêmica, convocaram os alunos para aulas, o que não estava estipulado.

Dias cortados
A Lei de Diretrizes e Bases exige que o ano letivo tem que ter no mínimo 200 dias, tendo que ser reformulado caso isso não ocorra. Segundo a secretaria, os dias não trabalhados serão cortados até a reposição das aulas.

Mais dias, menos dias .
O sindicato não concorda com o argumento do chefe de gabinete da Smed. Para a diretora do Sind-Rede, Cristiane Nunes de Oliveira, a decisão é ilegal. “A prefeitura está desconhecendo os dias trabalhados. E outras 20 escolas também tiveram o calendário diferenciado, por isso, serão 40 em greve. A portaria era ilegal pois deveria ser assinada pelo CMEe isso não ocorreu. Além disso, há o Decreto Municipal 0327, de 1954, que define como início do ano letivo, o dia 1º de fevereiro. A PBH está obrigando os professores a trabalharem novamente e isso não vamos aceitar”, afirma Cristiane.
 PUBLICADO EM
03/10/07 16:47
REPRESENTANTES DE ESCOLAS APONTAM GREVE
de BLOGDOPROFESSOR
Os representantes das 44 escolas que fizeram letivos os dias 01 e 02 de Fevereiro, contrariando a ordem autoritária da SMED/PBH, e que permanecem na luta de braço com o executivo, em reunião de hoje - 03 de outubro de 2007 - elegeram duas formas de tratar a questão:

1- O Sind-REDE ajuizará uma ação para barrar a portaria da PBH publicada no DOM (02 ou 03 de ouutubro) que manda as escolas trabalharem dias 08. 09 e 10 de outubro;

2- Os representantes levarão para estas 44 escolas a discussão de GREVE para estes mesmos 03 dias e o Sind-REDE dará a sustentação política para o movimento;


Prof. Geraldinho.
 PUBLICADO EM
22/09/07 21:59
Reunião de representantes na Câmara
de BLOGDOPROFESSOR
A reunião de representantes do dia 25 de setembro será no plenário JK, da Câmara municipal, às 8h para o turno da manhã e às 14h para o turno da tarde.

O turno da noite se reunirá no sindicato às 18h30m.
 PUBLICADO EM
21/09/07 14:40
Filhote do Pimentira
de BLOGDOPROFESSOR
PBH Mostra – finalmente – sua verdadeira cara

Márcio Dutra assume caráter discriminatório da diferença de reajustes


A matéria do jornal Aqui, de 21 de setembro, sobre a manifestação de Auxiliares, categoria dos funcionários em educação do município de BH, revela o verdadeiro pensamento de Dutra (e, conseqüentemente, de todos os administradores de Pinóquio Pimentira).

A manifestação bem-humorada, apesar de tudo, ocorreu no dia 20, em frente ao prédio da prefeitura. Os auxiliares reivindicaram, mais uma vez, assistência médica, vale-refeição e realização de concurso público. O tema principal era a humilhação causada pela discriminação quanto ao reajuste salarial. A PBH sempre negou o preconceito, entretanto o secretário Dutra escorregou em suas declarações, revelando os verdadeiros motivos das diferenças.

Diz a matéria que “de acordo com o secretário adjunto de Recursos Humanos da PBH. Márcio Dutra, os diferentes reajustes salariais não são exclusividade da área de educação, pois as carreiras têm pesos diferenciados”. Não satisfeito com a saia-justa que vai provocar na campanha do prefeito-candidato, ele tentou consertar, tornando ao velho teclado de sempre. “Mesmo sabendo que exercem funções diferentes, eles querem ganhar o mesmo salário. Os cofres públicos não conseguem arcar com isso”, mentiu Dutra.

Mentiu descaradamente, pois os auxiliares em nenhum momento reivindicam igualdade salarial com outras funções. O que eles querem é a isonomia dos índices de reajustes, nada mais justo para funcionários de uma mesma categoria. Mentiu também com relação aos cofres públicos. Jamais uma equalização de índices de uma minoria (são 1300 auxiliares num universo de 16 mil profissionais entre os da ativa e aposentados) poderia afetar os cofres públicos.

Aliás, por falar em cofres públicos... Como os políticos do PT se alimentaram bem do novo valerioduto, o mineiro, orquestrado por Eduardo Azeredo e Marcos Valério. Está lá na Istoé para quem quiser ver. Chico Ferramenta, Tarcísio Delgado e a “galera toda”. Todos “cosa nostra”.
 PUBLICADO EM
20/09/07 08:47
Como sofrem os auxiliares !
de BLOGDOPROFESSOR
Por que as Pimentas tem narizes grandes?

Era uma vez, em um lugar muito muito distante, uma cidade com um horizonte belo. Nela todas as pimentas tinham narizes pequenos, até que um dia assumiu a prefeitura o Sr. Pimentira. Ele tinha este nome porque nunca falava a verdade, por isso as palavras que o prefeito falava sempre grudavam automaticamente em seu nariz. Então não deu outra: o seu nariz só crescia, crescia… E ele passou a ser conhecido como Prefeito Pinóquio Pimentira.

Mas o seu grande discurso ainda estava por vir e com ele pretendia ganhar as eleições para governador daquele estado minerador. Certo dia reuniu a imprensa local para anunciar um grande reajuste para a educação. Foi então que anunciou em alto e bom som:

__Quem quer dinheiro? Vou dar NO MÍNIMO 20% de reajuste.

Mas nem terminou de falar e suas palavras já colaram em seu nariz, que cresceu tanto e tanto e tanto que já nem conseguia manter a cabeça erguida. Logo depois a cidade de horizonte nem tão belo mais descobriu que este reajuste na verdade era dividido em quatro vezes e para os auxiliares só 12% e 15%. Foi então que a cidade questionou:

__Porque tanta mentira senhor prefeito? Estamos entregando nossas reivindicações. Queremos reajuste DE VERDADE!

Mas o senhor prefeito não conseguia ler nada porque seu nariz estava muito, muito, muito grande mesmo!

Os auxiliares de biblioteca, secretaria e de escola manifestavam e exigiam uma posição do prefeito, mas ele sempre respondia:

__Não tive tempo de ler a pauta de vocês…

E a cada nova desculpa, seu nariz crescia ainda mais. Até que na primavera todos da cidade se reuniram na porta da prefeitura para exigir que o Pinóquio-Pimentira falasse a verdade e valorizasse os profissionais da Prefeitura. Chegando lá no Palácio 1º de abril, os profissionais foram recebidos pelo seu assessor que disse:
__ O Senhor Pimentira está viajando.

Mas esta era outra das suas mentiras tanto que no mesmo instante ouviu-se um estrondo dentro do palácio. Era o nariz do Pinóquio-Pimentira que explodiu, matando o mentiroso prefeito. Do seu nariz voou muitos pedacinhos que brotaram se transformando árvores gigantescas de pimentas narigudas. A partir deste episódio todas as pimentas do planeta nascem com nariz grande, por isso lembre-se nas próximas eleições, quem tem nariz grande, não.
 PUBLICADO EM
18/09/07 00:06
APBS - Nota de Falecimento
de WoodsonFC
NOTA DE FALECIMENTO

Faleceu em 12 de Setembro de 2007 em Brasília o Senado Federal,
acometida por infecção ética e moral generalizada. A Instituição
não resistiu à sessão secreta dos ilustres senadores e morreu longe
do povo, por falência múltipla dos órgãos institucionais. Que Deus nos dê forças para bradarmos a nossa indignação e nos
ilumine para revertermos tamanha tragédia.


População Brasileira.

 PUBLICADO EM
18/09/07 00:06
Fw: Abaixo Assinado Auxiliares
de WoodsonFC
ABAIXO-ASSINADO

Nós, professores, auxiliares, estudantes, pais e toda a comunidade escolar abaixo-assinados, exigimos que o senhor prefeito converta o montante destinado ao pagamento de gratificações (artigo 3º do Projeto de Lei 1465/07) para que o reajuste concedido aos auxiliares de biblioteca, secretaria e de escola seja melhorado. Entendemos que as gratificações não são necessárias, uma vez que todo servidor que desenvolve projetos específicos já é devidamente remunerado para tal. Pedimos também que os auxiliares de escola terceirizados e os contratados pelo caixa escolar faça jus ao reajuste destinado aos demais auxiliares de escola.
Para baixar o Abaixo-Assinado clique aqui
 PUBLICADO EM
18/09/07 00:06
Fw: Boletim da Assembléia (Texto)
de WoodsonFC
Atendendo a pedidos, estamos enviando agora os boletins como texto, pois muitos emails estão bloqueando as mensagens via imagens.
BOLETIM DA REDE - ASSEMBLÉIA 13/09/2007
A Negociação

No dia 11 de setembro a SMAD, depois de muito insistirmos, concordou em receber a Comissão de Negociação. Não nos surpreendemos quando todos os pontos do Projeto foram reafirmados categoricamente. A Administração justifica não ser correto negociar pontos do projeto já que está tramitando na câmara. A secretaria se comprometeu a divulgar a listagens das universidades conveniadas com a PBH para conhecimento da categoria, "prometeu pensar" sobre quem está em estágio probatório e já concluiu o curso de pós-graduação, mas afirmaram que o diploma só será aceito se a data dele for anterior a data da publicação da lei. Afirmou que os diplomas protocolados se não apresentarem nenhum problema serão pagos após a promulgação da lei (de acordo com os critérios atuais), já os cursos em andamento eles afirmam que não justifica um processo de transição e só serão pagos os que estiverem de acordo com a definição na nova lei.
O projeto 1465/07

O projeto 1465/07 está tramitando na Câmara Municipal e já tem 17 propostas de emendas.
- As emendas de 1 a 4 (Fred Costa) tratam sobre o artigo 5º, das férias.
*As três primeiras propõem alteração, o que não nos atende.
- As emendas de 5 a 7 (Anselmo Domingos) também propõem alterações do artigo 5º.
- As emendas 4 e 7 propõem a supressão de todo o artigo, exatamente o que foi definido em Assembléia da categoria.
Conversamos com os vereadores que apresentaram estas emendas, esclarecendo nossa posição de pedir a supressão total do artigo, pois é muito arriscado suprimir apenas parte dele por que todo o artigo apresenta problemas.
- O inciso I transfere as férias dos/as professores/as para janeiro;
- O inciso III afirma que os auxiliares e os professores em readaptação terão férias como os outros profissionais da prefeitura, de acordo com a chefia imediata e mediante escala planejada.
- O parágrafo segundo deste artigo atribui ao Secretário de Educação o poder de decidir os recessos da categoria a cada ano, configurando que a SMED soltará uma portaria estabelecendo os calendários de acordo com a vontade do titular, desconsiderando a Assembléia Escolar.
As emendas de 8 a 17 (Divino Pereira), tratam da questão econômica e plano de carreira.
- As emendas de 8 a 12 propõem o adiantamento da terceira e quarta parcelas do reajuste para os meses de março e maio de 2008.
- A emenda 13 suprime o artigo 3º, que concede a gratificação de 750 reais para 400 servidores.
- As emendas 14, 15, 16 e 17 versam sobre o artigo 4º que trata dos critérios para a pós-graduação.
- A emenda 14 suprime o Parágrafo 4º deste artigo que responsabiliza o servidor pela restituição do valor recebido em caso de apuração de irregularidades no cumprimento do artigo.
- Já a emenda 15, institui a proporcionalidade de quatro dos sete critérios estabelecidos.
- A emenda 16 altera o inciso I, inserindo como um dos critérios os cursos autorizados pelo MEC, ou credenciados pela CAPES, ou conveniados com a PBH.
- A emenda 17 institui que os critérios deste artigo serão aplicados apenas ao servidor estável que ingressou no curso após a publicação da lei.

A Câmara só realiza plenárias nos 10 primeiros dias úteis de cada mês, e neste mês as plenárias estão envolvidas em apreciar os vetos do prefeito, que têm preferência nas plenárias. Na avaliação da comissão que acompanha o tramite do projeto, ele só irá para a plenária em outubro.
Os Auxiliares

No dia 04 de setembro os auxiliares reuniram-se no sindicato para organizar o movimento desse segmento da categoria e definiram por realizar DOIS DIAS SEM AUXILIARES. No primeiro, dia 19 de setembro, os auxiliares de biblioteca, escola e secretaria realizarão um debate nas escolas com os estudantes, pais e professores sobre a necessidade de reconhecimento e valorização do trabalho desenvolvido por eles. Durante o dia 19, a biblioteca e a secretaria ficarão fechadas e os auxiliares passarão um abaixo-assinado pela conversão do montante destinado aos projetos específicos (artigo 3º do Projeto de Lei 1465/07) para o aumento do índice salarial deles.
No dia 20 de setembro iremos até a Prefeitura entregar este abaixo-assinado, às 14 horas, junto com os auxiliares de escola, biblioteca e secretaria. Uma comissão estará no mesmo dia na Câmara para conversar com os vereadores sobre o Projeto e as implicações específicas para este segmento.
Informes:

Nos dias 17/09 e 04/10, às 18h30min, na sede do Conselho Municipal de Educação (Rua Carangola) acontecerão discussões do CME sobre o projeto de lei, que tramita na Câmara Municipal e que trata do reajuste do pessoal da Educação, das férias e das pós-graduações entre outras coisas.

Na última reunião de representantes de escolas do noturno foi aprovada a organização de uma manifestação pedindo abertura de negociação sobre a redução drástica de turmas de Ensino Médio para 2008. Solicitaremos também solução para a situação dos professor@s após esta medida da PBH. Esta manifestação está ainda sem data e local, mas apontamos que deveria ser o mais central possível e que contasse com o maior numero de profissionais envolvidos pela decisão unilateral da SMED.
CALENDÁRIO APROVADO

18/09 Terça Feira – 14h
Reunião com Auxiliares de Escola Terceirizados e Contratados pelo Caixa Escolar
Local: Sind-REDE/BH

19/09 Quarta Feira
Dia de Mobilização dos Auxiliares de Biblioteca e Secretaria dentro das Escolas.
Reunião do fórum mineiro de educação infantil na sala de plenária do conselho municipal de educação, de 9h às 13h

20/09 Quinta Feira – 13h
Dia de mobilização dos auxiliares com ato na câmara e na PBH. Concentração no Sindicato.

25/09 Terça Feira – 8h/14h18h30m
Reuniões de Representantes na CÂMARA MUNICIPAL DE BH.
Obs.: A reunião do noturno (18h30min) será no Sindicato.

04/10 Quinta Feira – 18h30min
Reunião do Coletivo da Educação Infantil
Local: Sind-REDE/BH

20/10 Sábado
Pré conferência Municipal de Educação
 PUBLICADO EM
18/09/07 00:06
Fw: Panfleto Auxiliares
de WoodsonFC
A educação das crianças e jovens da cidade de Belo Horizonte realizada dentro das escolas municipais não é uma ação apenas entre professores/as e estudantes. Para que a educação ocorra com qualidade, é necessária a participação de todos os profissionais que atuam na escola. Auxiliares de biblioteca, de escola e de secretaria, se responsabilizam diariamente com o trabalho educativo, dentro das escolas da rede municipal. Nós, auxiliares, estamos parando nossas atividades hoje, 19 de setembro de 2007, para conversar com vocês sobre a importância do trabalho que desenvolvemos e a necessidade de reconhecimento e valorização.


Estamos reivindicando a melhoria dos nossos salários e das condições de trabalho. Além disso, queremos desenvolver nossas atribuições, sem assumir outras funções que não são do nosso cargo. Queremos que haja concurso público para auxiliares de escolas, que os concursados tomem posse e que não sejamos substituídos por estagiários/as ou professores/as em readaptação funcional (estes profissionais podem trabalhar conosco nas bibliotecas e secretarias, mas é necessário garantir auxiliares em todos os turnos de trabalho).


Por fim, amanhã, dia 20 de setembro, levaremos este abaixo-assinado à Câmara e à Prefeitura de Belo Horizonte, dando continuidade a nossa luta por reconhecimento e valorização dos Auxiliares.

Contamos com o apoio de vocês na luta pelo reconhecimento e valorização do nosso trabalho.

Atenciosamente,

Auxiliares de Biblioteca, Escola e de Secretaria.



Para baixar o panfleto em PDF clique aqui
 PUBLICADO EM
18/09/07 00:06
Fw: Abaixo Assinado Auxiliares
de WoodsonFC
ABAIXO-ASSINADO

Nós, professores, auxiliares, estudantes, pais e toda a comunidade escolar abaixo-assinados, exigimos que o senhor prefeito converta o montante destinado ao pagamento de gratificações (artigo 3º do Projeto de Lei 1465/07) para que o reajuste concedido aos auxiliares de biblioteca, secretaria e de escola seja melhorado. Entendemos que as gratificações não são necessárias, uma vez que todo servidor que desenvolve projetos específicos já é devidamente remunerado para tal. Pedimos também que os auxiliares de escola terceirizados e os contratados pelo caixa escolar faça jus ao reajuste destinado aos demais auxiliares de escola.
Para baixar o Abaixo-Assinado clique aqui
 PUBLICADO EM
18/09/07 00:06
Fw: Mobilização pelo FIM da CPMF
de WoodsonFC

REPASSANDO...





 Assunto: Mobilização pelo FIM da CPMF



Pessoal, vamos assinar!!!!!



A votação pela extinção da CPMF acontecerá em ago/2007.

Vamos participar pelo menos esta é fácil!

No site da FIESP, tem uma campanha realmente séria e assinada pelo seu presidente, Paulo Skaf, pelo fim da CPMF.
Vamos participar e divulgar para os nossos amigos.
http://apps.fiesp.com.br/pesquisas/cpmf/cpmf.asp  

Vejam o texto original :
A CPMF, quando surgiu em 1996, era apenas uma contribuição provisória criada para salvar a saúde pública, uma vez que o Sistema Único de Saúde estava em cheque, vivendo grandes tragédias.
Passados 11 anos de sua criação, corremos o risco de que se torne definitiva, contrariando o desejo da população brasileira, que é ser desonerada, liberada deste ônus. Assim, manifestamo-nos contra a suposta necessidade de prorrogação, pelo Governo, da vigência da CPMF.
Para que nosso apelo seja ouvido e atendido, solicitamos o seu apoio, que poderá ser expresso mediante adesão ao abaixo-assinado encontrado na seqüência do texto explicativo, e que será encaminhado aos poderes públicos competentes.
Paulo Skaf
Presidente
http://apps.fiesp.com.br/pesquisas/cpmf/cpmf.asp



Ana Paula Paiva






 




--
 PUBLICADO EM
15/09/07 11:21
Artigo de jornal
de BLOGDOPROFESSOR
Acordo Ortográfico, parcialmente ratificado
Modesta Trindade Theodoro

Assinado em 16 de dezembro de 1990 por representantes dos sete países lusófonos: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa deverá ser adotado em breve por aqui. A escrita padronizada para todos os usuários do português teve como defensor, no Brasil, Antônio Houaiss, falecido em 1999. Ministro da Cultura, filólogo, enciclopedista, tradutor, crítico, diplomata, Houaiss foi um dos maiores estudiosos da língua portuguesa.
Ratificaram o Acordo e também o Protocolo Modificativo, aprovado em julho de 2004 e 2006: Brasil, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, durante a Cúpula dos Chefes de Estado e do Governo da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa). O Protocolo permite que o Acordo vigore com a ratificação de apenas três países. Portugal questiona. Entre assinar e ratificar existe um abismo. Questões econômicas e políticas embalam a ratificação.
O Acordo visa mais à padronização do que à simplificação, mas não há o que temer mais do que um eventual erro, e para ter certeza da ortografia continuaremos conferindo nas novas edições de livros, que serão revisadas e atualizadas. Renovaremos dicionários, bibliotecas; um dó. A adaptação às mudanças será uma questão de tempo. São alterações que dizem respeito a alguns pontos discordantes na escrita como o emprego do hífen, algumas regras de acentuação e a queda de consoantes mudas. O último caso afeta apenas a grafia de palavras lusitanas como projecto, facto, actual, adopção, baptismo, etc. Para nós, brasileiros, a inovação traz a inclusão das letras "k", "w" e "y"no alfabeto, passando de 23 para 26 letras (na verdade já as incluímos há muito).
Nada impedirá utilizar ketchup à vontade nas pizzas, praticar karaokê, morar em uma kitchenette, gastar quantos kw precisar (com risco de apagão), comprar muitos kg de carne de gado Jersey, se você puder, sem krash e estresse. O negócio é não abusar.
Quanto à acentuação gráfica não há muita novidade. Mantêm-se as regras de acentuação do sistema ortográfico de 1943, abolindo acentos em alguns casos. Não acentuaremos os ditongos abertos ei, oi, das paroxítonas, de modo que não haverá dificuldade em participar de uma "assembleia" ou viajar na "boleia". É só tomar cuidado com a "jiboia". Pode-se deitar, ou se sentar, para se ter uma boa "ideia", desde que nada lhe caia sobre a cabeça como aconteceu com Américo Pisca-Pisca: "O reformador do mundo". Alguns acentos serão abolidos, não os assentos (por enquanto!). Deixa de ser acentuado o hiato das paroxítonas, e você poderá fazer um "voo" ou vários, e sem "enjoo". Não estará diferente, sozinho com o seu chapéu. Vai-se o chapéu da palavra "abotoo". Aí "magoo". Mas chapéu não perderá o acento. É palavra oxítona, assim como português e café. Ficarão quietos em seus lugares. Perderão o acento os hiatos eem das formas verbais crer, dar, ler e ver (e seus derivados). Quanto aos acentos diferenciais, na prática, teremos apenas dois obrigatórios (pôde e pôr). O trema diz ao povo que não fica! Alguns veículos de comunicação já jogaram os dois pinguinhos, há muito, para escanteio. Excluído está. Mas fiquem "tranquilos", "quiproquós" não deixarão de existir. Esperem para ver quando funcionários públicos perderem os "quinquênios".
Há mais, com o tempo aprenderemos. O computador insiste em corrigir. Desconhece o Acordo, por enquanto!Ainda bem, pois é muito barulho por quase nada. No próximo texto já poderemos inovar e jogar as aspas aqui colocadas fora?
 PUBLICADO EM
13/09/07 16:26
informes
de BLOGDOPROFESSOR
INFORMES:

Nos dias 17/09 (hoje) e 04/10, sempre as 18horas e 30 minutos, na sede do Conselho Municipal de Educação – Rua Carangola, acontecerão discussões do CME sobre o projeto de lei, que tramita na Câmara Municipal e que trata do reajuste do pessoal da Educação, das férias e das pós-graduações entre outras coisas.

Na última reunião de representantes de escolas do noturno foi aprovada a organização de uma manifestação pedindo abertura de negociação sobre a redução drástica de turmas de Ensino Médio para 2008. Solicitaremos também solução para a situação dos professores e professoras após esta medida da PBH. Esta manifestação está ainda sem data e local, mas apontamos que deveria ser o mais central possível e que contasse com o maior número de profissionais envolvidos pela decisão unilateral da SMED.

Participe e dê sua contribuição. Nossa carreira profissional e a educação estão em jogo!!!


Contatos com a diretoria do Sind – REDE - e com Prof. Geraldinho
 PUBLICADO EM
13/09/07 08:31
ASSEMBLÉIA GERAL DA REDE
de WoodsonFC
13 de Setembro de 2007 - Quinta Feira

Atividade: ASSEMBLÉIA GERAL DA REDE

Horário: 14h

Local: Espaço Hórion (Av dos Andradas, nº 841 - Centro)

Pauta: Discussão do Projeto da Educação


 PUBLICADO EM
03/09/07 21:57
QUE VAMOS FAZER???
de BLOGDOPROFESSOR

Atenção colegas!!!

ARTHUR VERSIANNI - PERDERÁ 07 TURMAS DE PRIMEIRO ANO EM 2008;
MARCONI PERDERÁ 10 TURMAS;
IMACO PERDERÁ 14.

TOTAL DE 31 TURMAS x 1,5= 46,5 CARGOS DE PROFESSORES EXTINTOS SÓ NA REGIÃO CENTRO SUL, DENTRO DE UM UNIVERSO DE 75 NA CIDADE.

O QUE FAREMOS?

A REUNIÃO DE REPRESENTANTES NO DIA 05 DE SETEMBRO, NOS TRÊS TURNOS DISCUTIRÁ ESTA, ENTRE OUTRAS IMPORTANTES QUESTÕES.
COMPAREÇA.

Prof. Geraldinho - diretoria colegiada - Sind-REDE.

 PUBLICADO EM
30/08/07 12:32
CALENDÁRIO DE ATIVIDADES SIND-REDE
de BLOGDOPROFESSOR

REUNIÃO DE REPRESENTANTES: DIA 05/09/07 (QUARTA-FEIRA) - 08, 13 e 18H30min.
ASSEMBLÉIA : DIA 13/09/07 (QUINTA-FEIRA) - COM PARALISAÇÃO TOTAL - 14 HORAS NO ESPAÇO HÓRION .
OBSERVAÇÕES:
O CALENDÁRIO FOI APROVADO ONTEM, DIA 29/08 APÓS AUDIÊNCIA PÚBLICA NA CÂMARA DOS VEREADORES;
O VEREADOR PAULO LAMAC, DA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO DO LEGISLATIVO E DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PROMETEU EM CONVERSA PARTICULAR PAUTAR O ASSUNTO NA PRÓXIMA REUNIÃO DO CONSELHO (dia 30/08, 18 horas, teremos reunião do CME).
RESSALTAMOS A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DE TODOS NAS ATIVIDADES. BREVE POSTAREMOS MAIS.

Prof. Geraldinho - Diretoria Colegiada Sind-REDE
 PUBLICADO EM
29/08/07 08:07
PIMENTEL É TÃO BONZINHO...
de BLOGDOPROFESSOR
Bonzinho, não???

Por determinação do prefeito Fernando Pimentel, a Prefeitura vai antecipar (???) o pagamento do salário dos servidores municipais referente ao mês de agosto para o quarto dia útil do mês, quinta-feira, dia 6 de setembro.
A medida beneficia os cerca de 35 mil funcionários da administração, ativos e inativos. A antecipação (sic) é resultado de um esforço da Administração para pagar o salário antes do feriado de 7 de setembro, Dia da Independência. A folha de pagamento dos servidores da Prefeitura é de R$ 75 milhões .
Fonte: www.pbh.gov.br
 PUBLICADO EM
28/08/07 22:51
MORTE DO ENSINO MÉDIO - URGENTE!!!
de BLOGDOPROFESSOR
Car@s colegas,


Com muito pesar recebi o documento gerado pela SMED e que trata da redução das turmas de E. Médio para 2008. Constatei que a grande maioria da categoria ou não sabe da informação repassada às direções escolares ou está muito perplexa para reagir.

Para reafirmar esta minha desconfiança, na reunião de escolas de E. M chamada pela categoria e comunicada pelo Sindicato, somente quatro escolas enviaram representantes. Escolas que sofrerão bastante com a política de terra arrasada da PBH não compareceram.

Vejam o quadro abaixo construído a partir do documento da PBH (já de posse das direções escolares) :


Turmas a serem fechadas para 2008 e o respectivo
N° de Professores afetados com o corte das turmas :
IMACO
14 turmas de 1º ano
21
Marconi
11 de 1º ano
16,5
Arthur Versianni
07 de 1º ano
10,5
Demais escolas
18 de 1º ano
27
TOTAL
60 turmas
75 professores


É preciso agir já. Propomos uma reunião com as escolas do E.M, principalmente as mais afetadas (notadamente as do noturno) e para logo!

Na próxima reunião de representantes as escolas devem mandar mais de um (três, quatro) colegas por escola e por turno que tenha E.M para traçarmos uma estratégia específica para esta demanda.

Na Audiência pública na Câmara Municipal (amanhã) pretendo falar sobre esta questão.

Um abraço. Geraldinho.
96137317 – 32775086 (Urbel)
 PUBLICADO EM
27/08/07 13:28
Habemos PDE
de BLOGDOPROFESSOR
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva lançou oficialmente em Brasília, no dia 24 de abril, o Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE). Segundo Lula, o plano - desenvolvido pelo ministro da Educação Fernando Haddad – deverá ser capaz de promover profundas mudanças na educação pública, melhorando a qualidade do ensino e promovendo inclusão com oportunidades iguais.

Na concorrida cerimônia estiveram presentes, além do ministro da Educação, vários titulares de ministérios, da Câmara dos Deputados e do Senado. Governadores da base aliada também compareceram. O auditório, lotado, pôde ouvir mais um emblemático discurso do presidente. “Eu vejo nele (o PDE) o início do novo século da educação no Brasil. Um século capaz de assegurar a primazia do talento sobre a origem social e a prevalência do mérito sobre a riqueza familiar. O século de uma elite da competência e do saber, e não apenas de uma elite do berço ou do sobrenome”, ressaltou Lula.

Discursos, verbas, prioridades, metas, ações e estatisticocracia...

O PDE prevê um investimento de R$ 8 bilhões em 4 anos. Entretanto, até o momento, o governo não sabe de onde tirar R$ 1 bilhão, que é a previsão de investimento ainda em 2007. De acordo com o que foi apresentado durante o evento, o PDE não prioriza a educação básica. Ao contrário disso, a ordem de prioridades estabelece o Ensino Superior em primeiro lugar, seguido do ensino profissionalizante e dos investimentos a serem feitos na região nordeste. Outra meta do PDE é estabelecer um piso salarial de R$ 850, mas, calma professores e professoras: isso será feito de forma escalonada até 2010. Nada de começar a gastar essa pequena fortuna por conta. De acordo com o plano detalhado pelo ministro da Educação, serão tomadas ações para desenvolver o financiamento de transportes, para informatizar as escolas, para a criação dos Institutos Federais de Educação Tecnológica (Ifet's), entre outros. Tudo isso, sem esquecer a velha, boa e eficiente política de estatisticocracia, representada pelo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e pela Provinha Brasil, destinada a aferir a alfabetização entre crianças de 6 a 8 anos de idade.

Falando em Ideb...

É fundamental saber que o Ideb é medido numa escala de 0 a 10. Em 2005, a média nacional para a primeira fase do Ensino Fundamental (municipal) foi de 3,4. Para a segunda fase, a média foi de 3,1; e o Ensino Médio obteve vergonhosos 2,9. O governo federal espera elevar essa média. O PDE tem como (pífia) meta as médias 5,7; 5,1; e 4,8, respectivamente, e isso numa projeção para 2021 (!!!). Enquanto isso, a Secretaria Municipal de Educação (SMED) de Belo Horizonte anunciou - em sua página inicial na intranet - que BH atingiu o segundo lugar nacional entre as capitais brasileiras para a primeira fase do Ensino Fundamental. A secretária municipal de educação na época, Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva, ficou satisfeita com a posição de destaque, segundo declarou na matéria. “Esse trabalho iniciado em 2003 e que agora reflete-se na 1ª fase, deverá refletir-se também no desenvolvimento de alunos de 3º ciclo, na próxima avaliação do MEC”, orgulha-se. A matéria, no entanto, omite a média que deu o segundo lugar a BH. A tal marca "espetacular" que gerou tanto orgulho: 4,6.


Meio-frango: sofisma x lógica

É a tal estatisticocracia que, mais uma vez, sobrepõe-se à realidade. Baseia-se na quantidade de números e esquece-se da qualidade. Falseia, engana, distorce. É como a lei de Rubens Ricúpero: “O que é bom, a gente fatura; o que é ruim a gente esconde”, declarou uma vez o ex-ministro, antes de conceder uma entrevista, supondo que as câmeras estivessem desligadas.

Para entender o que é a estatisticocracia e a sua capacidade de embromação, vale a pena lembrar um velho exemplo. Sentados à mesa estavam dois homens prontos para trinchar um suculento frango assado. Ao chegar o penoso, o primeiro homem avançou talheres e devorou-o em uma bocada só. O segundo reclamou, chiou, mas teve que aturar a tal maquiagem estatística quando o glutão argumentou que se só havia um frango e o dito foi devorado, então cada um teria comido hipotéticos 0,5 frango.

É mole ?
 PUBLICADO EM
26/08/07 20:38
"Hoy" - Correio da Bahia
de BLOGDOPROFESSOR
Palavra do Leitor

Modesta Trindade Theodoro
Belo Horizonte - MG

Correio da Bahia
Salvador - Bahia - Dia 24 de agosto de 2007

 Uma palavra pode provocar reação. A reação ao início do discurso do presidente da Associação de Comitês Olímpicos Nacionais, Mario Vázquez Raña: "Hoy,...", "(Hoje,...)" , na abertura do Pan, - respondida prontamente como saudação pelo público: Oooi!!! - foi incompreensível nos primeiros minutos para quem ouviu, e também para o mexicano. Nos momentos posteriores, e no encerramento, tornou-se motivo de risadas, uma piada de bom gosto que continua na internet. Homem de sorte. Ficou conhecido e popular por aqui.
 Aproveitando o hoje ("hoy"), o trocadilho, digam aos pais de todo o Brasil que não nos esquecemos deles em dia algum. Esse negócio de dia deste/a ou daquele/a, disto ou daquilo, soa bastante estranho, porque há quem pense que um presente comprado em última hora fará enternecer quem o recebe. Acompanhado ao presente, mesmo sem presente algum, as palavras, os gestos são extremamente importantes a quem espera algo.
 No mês que se passou constatamos que o povo, além de saber jogar futebol e nadar muito bem, tem um senso de humor invejável. Transforma isso naquilo e entende como bem quer as línguas estrangeiras. Entende também a língua materna: falada de qualquer jeito ou com esmero. Assunta os problemas, e muitas vezes neles não entra, por imprecisão ou precaução. Trabalha para si e para todos, e da labuta tira o seu sustento. Dizem que brasileiros pobres são os únicos que trabalham para todas as classes sociais.
 Há quem roube e para isto a Constituição já fixou: "Somos todos iguais". No entanto, aprendemos que nem no furto, tampouco no roubo, somos iguais. A balela da escrita não chega à boca de quem sabe o que somos e quem somos. Tudo, talvez, menos iguais. Assim, diferentes, é que cada um segue no seu ritmo o seu caminho. Apanha e se ergue, apanha e adoece, apanha e bate, ou apanha e apanha e salve-se-quem-puder. O povo brasileiro é assim, tal e qual todos os povos, diferente de todos, que importa?! Importa é que não sabemos se é mediante a conscientização ou a alienação, que chegaremos a ser reconhecidos pelo mundo. A única certeza, como escreveu o monge tibetano Lobsang Rampa, é a de que a América do Sul crescerá, e muito.
 Estamos cá, portanto...
 PUBLICADO EM
24/08/07 14:35
Consumo de Combustíveis
de Blogdoprofessor
 Nesta semana auditei um experimento no Centro de Pesquisas da Petrobrás, no RJ. Foi um procedimento para levantamento do acréscimo do consumo de gasolina com velas gastas, filtro de ar entupido, pneus murchos, etc. Achei bastante conveniente porque o carro de testes foi justamente um Uno Fire. Seguem os resultados:

Velas Gastas: As velas originais foram substituídas por unidades com 20.000 km  rodados em outro motor idêntico, que jamais haviam sido limpas nem reguladas. Estavam com abertura menor que a especificada. Acréscimo de consumo: 7,49%

Filtro de ar obstruído: O filtro de ar original foi trocado outro que rodara também 20.000km em outro carro igual, sem  jamais ter sido limpo. Acréscimo de consumo: 6,20%

Rodagem em "banguela": Todos os testes foram  efetuados em dinamômetro. Foi simulada a rodagem em  descidas com o  carro engrenado e desengrenado. Conforme já fora discutido em outros tópicos, o consumo em "banguela" é ligeiramente maior que engrenado, em carros com injeção eletrônica, mas dessa vez foi possível mensurar o consumo. Acréscimo de consumo: 5,19%

Pneus murchos: Essa é para quem tem preguiça de medir a pressão dos pneus uma vez  por semana, ou quando o tempo esfria. Foi feita a avaliação com 6 libras a menos em cada pneu (e pensar que tem  gente que roda com 10 libras a menos). Acréscimo de consumo: 17,80%

Janelas abertas: Esse teste não foi em dinamômetro (obviamente), por isso o resultado não pode ser comparado diretamente com os demais, mas serve como referência. O carro rodou em pista plana, em velocidade constante, com as duas janelas totalmente abertas (coisa muito comum lá no RJ). Acréscimo de consumo: 9,35%

Carro com 4 passageiros: Simulou-se o peso de mais 3  passageiros (225kg). Claro que é melhor rodarem 4 pessoas em um Uno do que 4 pessoas em 4 carros separados. Mas isso serve para aqueles que "esquecem" a tralha da pescaria no porta-malas, ou que carregam uma baita caixa de ferramentas no porta-malas. Acréscimo de consumo: 10,80%

Tudo junto: Esse teste foi feito por curiosidade, não fazia parte do experimento. Primeiro rodei sozinho pelo CENPES, com uma bureta presa na janela do passageiro e ligada diretamente na bomba elétrica, lá atrás. Depois, instalamos as velas gastas, o filtro sujo (pegamos de volta no lixo...hehehe) , esvaziamos os pneus em 6 libas, entramos em 4 no carro (eu guiando, pra variar) e abrimos as 4 janelas. Saímos passeando por dentro do CENPES, mais ou menos pelo mesmo circuito (é tudo plano mesmo...). Acréscimo de consumo: impressionantes 44,41%!!

É isso aí pessoal, agora o pra quem fica na dúvida porque seu carro faz 8 km/l enquanto o do vizinho faz 11, já pode fazer sua avaliação.

Atenciosamente,

Alex Noronha da Silva
Volkswagen Caminhões e Ônibus


CHAT: ICQ -> 24437831 YAHOO -> woodsonfc, SKYPE -> woodson, MSN ->woodsonfiorini@hotmail.com

Minha Página Pessoal: http://paginas.terra.com.br/educacao/Woodson/
e-mail

 
Orkut

 
ICQ



 ICQ2WEB
Call me

 Get Skype  
Call me

 Gizmo



 PUBLICADO EM
22/08/07 04:40
Sobre o processo de INQUISIÇÃO por que nós, professores, estamos passando!
de WoodsonFC


Conheço razoavelmente as circunstâncias em que se deu o processo abaixo:

http://bhz5.pbh.gov.br/dom.nsf/domgeral/9FFCEF19AA05CA8A8325733A00707026?OpenDocument
(Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XIII - Nº: 2.911 - 08/18/2007)

A sentença, como outras de alguns colegas que acompanhei, mostra que a lógica com que trabalha a atual gestão, já arrogante e prepotente de sua longa permanência no poder, prima por impor com desmesurada e desproporcional força as penalidades aos colegas.
Embora não possa revelar aqui, que circunstâncias são essas, mesmo porque não fui autorizado pelos réus a fazê-lo, não creio que um erro, aliás, um equívoco e mesmo até, ingenuamente bem intencionado, sem clara intenção de dolo, cometido em vista do açodamento de um dos servidores e desconhecimento de outro, na urgência de REFAZER uma tarefa que foi mal instruída e que já tinha sido razoavelmente realizada, a fim de cumpri-la em prazo curtíssimo para não atrasar a gratificação dos colegas, comete um erro, posso dizer, até simplório, venha receber tamanha penalidade. Um deles, o José Carlos, é meu colega, que acompanho de perto, extremamente zeloso no cumprimento de sua função e outro, a Ângela Luci, que nunca soube de qualquer atitude que a desmerecesse profissionalmente.
Essa penalidade atinge especialmente a mim, na qualidade de um profissional como eles, de um professor que se esmera no cumprimento de minha função e no empenho pela superação das limitações que o nefasto quadro educacional em que se encontra a minha cidade e o meu país nos submetem. Ela reafirma a convicção de que a profissão que abracei, é, ultimamente, vítima do descaso das autoridades e bode expiatório das mazelas e desacertos dessa equivocada gestão educacional. Ela tornou a administração da educação no município uma questão meramente política, comprometendo a qualidade técnica da SMED e renegando para último plano a qualidade do aprendizado dos alunos. Não se considerou, creio eu, o comprometimento da qualidade do ensino ministrado, em função da interrupção de um excelente trabalho de mais de seis meses! Não se levou em conta o desmedido prejuízo da imagem de profissionais que não prejudicaram ninguém: nem a escola, nem os alunos, nem os colegas, nem a regional, nem os cofres públicos da prefeitura, NADA! Pelo contrário, só desejavam encaminhar um documento a fim de que se comprovasse o cumprimento de uma Reunião Pedagógica (que foi rigorosamente cumprida), apesar da forma intempestiva e desorganizada como essas reuniões foram concebidas pela SMED.
Punir, dessa forma, um profissional competente, é contraproducente e uma estupidez. Psicologicamente, para aqueles que sofrem essa punição, não é modelar, é aviltante. É punir, exemplarmente, os melhores exemplos profissionais que a PBH dispõe. É estimular os demais a serem medíocres, como os espertalhões que jamais erram, entretanto, nunca cumprem aquilo a que lhes foi incumbido fazer.
Financeiramente, fazer isso no meio do ano, retirar de um pai e de sua família, o sustento e da Ângela, que é arrimo de família, é completamente desastroso.
Não se trata aqui de negar uma esmola, nem de sustar uma bolsa, nem de impedir que haja uma remuneração indevida ou que se aufira um ganho de modo ilegítimo, como graça acontecer, escandalosamente, nas altas esferas. Trata-se de impingir a trabalhadores honestos, por um erro infeliz e, até mesmo provocado, até por negligência e excessos da gerência, a supressão de cerca de 1/6 e 1/4, respectivamente, daquilo que esses excelentes funcionários receberiam no ano, sem possibilidade nenhuma que esses possam, de alguma forma, ter como compensar isso. A chibata, nos tempos da escravidão, devia ser tão dolorosa e indigna quanto esse tipo de tortura oficial! Seremos ainda tão escravos quanto outrora foram nossos irmãos?
Como é que nós, professores, podemos continuar convivendo impassivelmente, sendo submetidos a esse tipo tratamento degradante por parte da PBH? Não me lembro ter notícia de semelhante onda de punições, tão disseminada e injustificável, contra os professores, nem no mais terrível dos períodos da ditadura. O que pretendem esses gerentes (uns até ex-colegas nossos) com esse tipo de atitude? Onde irão chegar?
Enquanto isso, nossos alunos, nosso futuro, passam quase o ano todo, ou de forma intermitente, sem professores de algumas matérias, sem livro didático, sem acesso aos novos meios tecnológicos, sem um reforço e apoio adequado para as demandas educacionais daqueles que estão extremamente defasados, comprometendo a qualidade do ensino e a possibilidade deles prosperarem e terem condições semelhantes aos das classes mais abastadas. Alguns até sendo brutalmente assassinados durante ou após sua passagem pela escola. Isso sem que ninguém seja exemplarmente responsabilizado ou punido. O exemplo que vem de cima é outro, não é mesmo?!
Sinceramente, meu sentimento é de profunda revolta e extrema desilusão. Se não amasse tanto a vida e não tivesse tanto carinho e consideração por meus alunos, familiares e colegas, e esperança de que um dia essa arrogância irá roer a corda desses que nos fazem mirar o abismo, não sei mesmo o que acabaria fazendo. Felizmente, não sou como nossos, hoje, algozes. Sou e sempre serei aluno/professor e estou certo que eles aprenderão a lição e se arrependerão, um dia, dessas atitudes levianas. Acredito que isso se dê pela evolução e aperfeiçoamento da via civilizada e democrática do nosso Estado de Direito. A menos, é claro, que isso chegue tarde demais.




 PUBLICADO EM
21/08/07 18:48
decisões da assembléia do dia 17/08
de BLOGDOPROFESSOR
ASSEMBLÉIA MANTÉM FÉRIAS EM JULHO
A assembléia do dia 17 de agosto manteve, por unanimidade, as férias no mês de julho. Além disso, definiu por separar o projeto da PBH em três partes: férias, pós-graduação e reajuste.
Aprovamos um calendário de atividades para exigir da prefeitura e da Câmara Municipal negociações em relação ao projeto no sentido da manutenção dos direitos conquistados.
Devemos organizar a discussão nas escolas e a presença de tod@s companheir@s nas atividades, pois é a nossa capacidade de luta que garante a nossa vitória.

O QUE DISCUTIMOS SOBRE A PROPOSTA DA PBH?

Que implicações têm essas mudanças? Vamos começar pelo reajuste
É um percentual insuficiente com relação às perdas desta categoria. Considerando que os auxiliares terão reajuste menor que o propagandeado pelo Pimentel. Além disto o reajuste dividido em 4 parcelas não é por acaso, 2008 é ano de eleição e o PT precisa estar ‘à vontade’ para que eles garantam a vitória nas urnas. Nada melhor que nos amarrar a um reajuste parcelado.
Dentro do pacote de reajustes está previsto uma gratificação para 400 servidores de 750 reais para quem implementar projetos especiais que a PBH nem sabe quais são. Está claro que estes serão cabos eleitorais nas próximas eleições. Os representantes propõem que este montante seja revertido em reajuste para os auxiliares, que além de terem salários menores, receberão reajustes inferiores.

Os cursos de pós-graduação.
Atualmente são estabelecidos cinco critérios e cada pessoa deve cumprir pelo menos três deles. Com a mudança ficam estabelecidos sete critérios que devem ser cumpridos, ou seja, ou o curso que você fez cumpre todos os critérios ou está fora da possibilidade de progressão na carreira.
Destacamos dois critérios que a prefeitura tem insistido. O primeiro é a instituição ter curso ser recomendado pela CAPES. Ora, a CAPES só credencia instituição que tem curso de mestrado e doutorado. A alegação da PBH é que a CAPES fiscaliza melhor que o MEC. A PBH também precisa divulgar quais são as instituições conveniadas com ela.
O segundo critério é o que se refere à “ compatibilidade entre o período de freqüência ao curso e a jornada diária do servidor”, descumprindo o artigo 75 do Estatuto do Servidor que garante “ao servidor estudante poderá ser concedido horário especial, quando comprovada a incompatibilidade entre o horário escolar e o da sua unidade de exercício, sem prejuízo da jornada de trabalho”.
Desta forma, parece que a prefeitura considera que os cursos à distância devem ser aqueles, prioritariamente, freqüentados pela educação municipal e os não presenciais. Precisamos também definir na lei um intervalo para que as normas não prejudique quem já cursou ou está cursando uma pós-graduação nos moldes anteriores.


Mudança no período e duração das férias
À princípio o debate dentro das escolas era se deveríamos manter ou não as férias em julho. Acontece que o projeto da prefeitura não estabelece apenas o período, ele abre a possibilidade de desmembrar os “25 dias úteis de férias” em dois períodos, pois afirma no ART.5º “...podendo as mesmas ser estendidas para o mês de julho do mesmo exercício, para eventual complemento, dos 25 (vinte e cinco) dias úteis de férias, conforme dispuser ato do Titular da Secretaria Municipal de Educação”. E no parágrafo segundo do mesmo artigo afirma “Ato do Titular da Secretaria Municipal de Educação definirá os períodos dos recessos escolares em cada exercício, respeitada a legislação pertinente”.
O que a prefeitura quer com isso? A cada ano publicar uma nova portaria estabelecendo a duração do ano letivo, dos nossos recessos e das férias. Por exemplo, em um ano pode estabelecer 20 (vinte) dias úteis em janeiro + 05 (cinco) dias úteis em julho como férias + 05 dias em julho como recesso + 05 dias em outubro + 05 dias em dezembro = 25 dias úteis de férias + 15 dias de recesso = 50 dias. Hoje temos 70 dias entre férias (30 dias corridos) e recessos (semana de outubro + natal + janeiro).
O pior e mais temerário é ficar, a cada ano, a mercê do “Titular da Secretaria Municipal de Educação”.
Por isso, é importante que a nossa categoria garanta a sua capacidade de mobilização, pressione a Câmara Municipal e a prefeitura para não retirar direitos, lembrando a esses senhores que o ano de 2008 é ano eleitoral e que podemos trabalhar para derrotar projetos e pessoas que maltratem a educação municipal.
Precisamos suprimir esta parte do Projeto, queremos ter tempo para discutir a regulamentação das nossas férias com a categoria. A nossa capacidade de reação é fundamental. Vamos organizar nas escolas. Vamos procurar vereadores/as das nossas regiões. Vamos gritar que não aceitaremos termos direitos retirados porque, desta forma, o projeto do Sr. Pimentel é dar com uma mão e tirar com a outra.
À luta companheiras e companheiros! Nossa resistência garantirá a nossa vitória!

Foi a partir destas reflexões realizadas nas reuniões de representantes, nas escolas e na assembléia que a categoria definiu sobre o projeto da PBH:

Foi aprovado o desmembramento do projeto em parte salarial, pós-graduação e férias:

a) parte salarial: o reajuste apresentado não recompõe as nossas perdas, por isso queremos negociar a antecipação de parcelas, a transferência do montante correspondente aos R$750,00 dos 400 cargos para melhorar o reajuste dos funcionários;

b) pós-graduação: queremos a garantia das regras atuais para quem já concluiu ou está em curso; a exigência de apenas 04 dos 07 critérios propostos; incluir nos critérios os cursos autorizados pelo MEC; negociar com a PBH a inclusão do CAPP e do Horizontes da Cidadania com carga horária igual.

c) férias: a assembléia rejeitou a alteração do período de férias, portanto, manteve as férias coletivas no mês de julho.

Outras resoluções aprovadas:
* ENSINO MÉDIO: Garantia de terminalidade do 2º. grau nas escolas municipais dos estudantes, hoje, matriculados na 6ª. série.
* Convocar APOSENTADOS/AS para participarem das atividades da categoria

 ORIENTAÇÃO
* As escolas que forem conversar com vereadores/as da sua região deverão fazê-lo seguindo a definição da assembléia em relação ao projeto: desmembramento em parte salarial, pós-graduação e férias. Exigir o compromisso de não compactuar com a retirada de direitos como: a alteração do nosso período de férias; a garantia de progressão na carreira para quem já formou ou está em curso nas regras atuais. Informar que estaremos fazendo o placar dos vereadores/as que apóiam a educação municipal.

CALENDÁRIO DE ATIVIDADES

ACONTECEU...ACONTECE EM BH!

No final de semana aconteceu a ROMARIA DAS ÁGUAS que reuniu pessoas em nossa cidade em protesto contra a transposição do Rio São Francisco.

De 20 a 23 de agosto estará acontecendo a JORNADA EM DEFESA DA ESCOLA PÚBLICA , na UFMG, Campus Pampulha, ao lado da Reitoria.

De 01 a 07 de setembro acontecerá no país o PLEBISCITO NACIONAL sobre: o leilão da Companhia Vale do Rio Doce, a Reforma da Previdência Social, o Pagamento da Dívida Externa, o Preço da Energia Elétrica.
É muito importante que as escolas municipais participem do plebiscito realizando debates e a coleta de votos. As escolas interessadas podem pegar e/ou pedir o material no sindicato (urna, cédula, panfletos).
 PUBLICADO EM
20/08/07 10:36
Reajuste - Educação - Jornal EM
de BLOGDOPROFESSOR
JORNAL ESTADO DE MINAS

Belo Horizonte, 20 de agosto de 2007

Servidores da PBH com reajuste confuso

Modesta Trindade - Belo Horizonte

"Tramita na Câmara Municipal de Belo Horizonte anteprojeto que trata do reajuste para o pessoal da educação da prefeitura da capital. Recebi carta da PBH com a informação de que a medida beneficiaria quem estivesse na ativa e também os aposentados. Ocorre que no ano passado o mesmo anúncio foi feito, com boa cobertura da imprensa.
Resumo da ópera: o pessoal da educação que se aposentou em fins de 2004, pela Emenda 41, até hoje não teve reajuste algum; apenas os aposentados pela EC 20 (anterior à 41) o tiveram. Continuamos, então, com os salários congelados. Pela TV, ouvimos que o reajuste será concedido para um grupo de 12 mil a 15 mil profissionais da área. Em 2003, consta em lei que na PBH havia 15,3 mil profissionais da educação. Já se passaram quatro anos e, logicamente, esse quadro aumentou, e muito. Como perguntar não ofende, apenas servirá para dirimir as nossas dúvidas, que não estão claras no anteprojeto: quem ficará fora do reajuste?"
 PUBLICADO EM
18/08/07 09:12
18/08/2007
de BLOGDOPROFESSOR
Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XIII - Nº: 2.911
Poder Executivo

Controladoria-Geral do Município - Corregedoria-Geral do Município

DESPACHOS

PROCESSO Nº: 08.000330.06-58
SERVIDOR: JOSÉ CARLOS FERREIRA MOREIRA - BM: 39.245-X
De acordo com o Relatório de Julgamento Disciplinar n.º 318/2007, aprovado pelo Corregedor-Geral do Município e pela 4ª Comissão Disciplinar Permanente, da Corregedoria-Geral do Município, fls. 70 a 75, aplico a penalidade de SUSPENSÃO ao servidor JOSÉ CARLOS FERREIRA MOREIRA - BM: 39.245-X, por 60 (sessenta) dias, nos termos do art. 194, inciso II, combinado com o art. 197, da Lei 7.169/96.

PROCESSO Nº: 08.000331.06-10
SERVIDORA: ÂNGELA LUCI DE SOUZA - BM: 34.578-8
De acordo com o Relatório de Julgamento Disciplinar n.º 319/2007, aprovado pelo Corregedor-Geral do Município e pela 4ª Comissão Disciplinar Permanente, da Corregedoria-Geral do Município, fls. 54 a 60, aplico a penalidade de SUSPENSÃO à servidora ÂNGELA LUCI DE SOUZA - BM: 34.578-8, por 90 (noventa) dias, nos termos do art. 194, inciso II, combinado com o art. 197, da Lei 7.169/96.

Belo Horizonte, 10 de agosto de 2007

Fernando Damata Pimentel
Prefeito de Belo Horizonte
 PUBLICADO EM
16/08/07 18:28
PLURAL ? COMO ASSIM, PLURAL ?
de BLOGDOPROFESSOR



Nos vários dicionários que pesquisei, a palavra PLURAL consta, além do sentido direto (número, mais de um) com o sentido de múltiplo, variado. Assim consta no “Houaiss”, “Caldas Aulete”, “Sérgio Ximenes”, etc



 Logo que entrei para a municipalidade, tive a oportunidade de assistir uma exposição da então Secretária Municipal de Educação, Maria do Pilar. Ela relacionava as qualidades da Escola Plural e, dentre tais, a principal: a possibilidade democrática de inclusão. Radical ! No sentido exato, radical porque a concepção ataca o problema das diferenças em sua raiz.



 Na semana passada deparei-me com o anteprojeto (é isso mesmo ?) de recuperação salarial, um pacotão que engloba também outros assuntos tão malvados quanto. Susto, espanto, perplexidade absoluta !!



Mudaram as características da Escola Plural ou eu sou uma besta (talvez um primo distante de “Eremildo, o idiota”, personagem fantástico do jornalista Élio Gáspari ) ?



 Aumentos que claramente discriminam funções ? Onde a pluralidade na base do sistema ? Qual motivo leva um administrador a conceber diferenças de merecimento entre as funções tais e quais ? Critérios ? Algum critério explica (?!) que um Auxiliar de Biblioteca tenha uma recomposição de perdas de 12% e um Professor de Unidade Infantil de Educação (recuso a pecha discriminatória de “Educador Infantil”) 54% ? Aposentados com 17%, professores 26%... Será o naufrágio do intento principal da Escola Plural ?



 Podem espumar tentando me explicar que eu reafirmarei: é INCONCEBÍVEL E IMORAL qualquer explicação de ordem microeconômica, macroeconômica, pois todas seriam microcéfalas ou assim me imaginariam. Isso sem falar que quaisquer dos valores apresentadas DE FORMA ALGUMA recompõem 14 anos de perdas consecutivas.



 Quem perde com a falta de democracia na base ideológica da Escola Plural ? Fácil achar a resposta. O sistema perde, corrompe-se no ideário, implode em inconsistências lógicas. É um pálido e INACEITÁVEL sofisma tolo. Números para o BID ver. O sistema arvora-se o direito de discriminar Auxiliares de Biblioteca de Professores, Aposentados de Auxiliares de Escola, e por aí vai. Coitado do aluno.



 Atenção professores: os discriminados, hoje, somos nós, auxiliares, aposentados, apostilados... e amanhã ? Quem será ?



 Lembrei de George Orwell e seu livro “A Revolução dos Bichos”: Todos os bichos são iguais, mas uns são mais iguais que os outros. É esse o socialismo administrativo-marqueteiro. Triste fim daqueles em quem, um dia, acreditei. Será que o Lula, quando afirmou que quem tem idéias socialistas depois de uma certa idade ainda não evoluiu, referia-se ao social-liberalismo do PT ? Social-liberalismo... liberalismo-socialista... malucal-social... inversor-social...
 PUBLICADO EM
07/08/07 13:08
A IV Conferência Lingüística e Cognição acontecerá em Belo Horizonte nos dias 09, 10 e 11 de agosto de 2007.
de Blogdoprofessor
http://www.linguisticaecognicao.org/

A IV Conferência Lingüística e Cognição acontecerá em Belo Horizonte nos dias 09, 10 e 11 de agosto de 2007.

Este encontro é, tradicionalmente, promovido pelo Grupo de Trabalho de Lingüística e Cognição da ANPOLL e seu próximo encontro será organizado pelo Núcleo de Estudos da Linguagem e Cognição, NELC, da UFMG.

A Conferência tem por objetivo destacar as contribuições e as reflexões do campo lingüístico relativamente à problemática cognitiva, bem como promover uma discussão entre especialistas do campo a fim de identificar a inserção da Lingüística na agenda atual dos estudos sobre cognição.

A primeira edição do evento realizou-se em 2003 na UNICAMP. A segunda aconteceu em 2004 na Universidade Federal de Juiz de Fora. A terceira edição foi novamente realizada em Campinas, em 2006, com o tema: "Linguagem, Cognição e Interação".

A IV Conferência Lingüística e Cognição tem como tema a discussão de questões metodológicas da investigação da Linguagem e Cognição.Conferências

    . Augusto Soares
      (Universidade Católica Portuguesa, Braga, Portugal)
      www.facfil.ucp.pt/equipa.html
    . Edoardo Lombardi Vallauri
      (Universidade Roma 3, Itália)
      host.uniroma3.it/dipartimenti/linguistica/homepage.html
    . Mark Turner
      (Case Western Reserve University, Estados Unidos)
      markturner.org

 Mesas-redondas

 Organizadores:
      . Edwiges Maria Morato (UNICAMP)
      . Lourenço Chacon (UNESP)
      . Márcia Cristina Zimmer (UCPel)
      . Maria Margarida Salomão (UFJF)
      . Maria Luiza Cunha Lima (UFMG)
      . Tommaso Raso (UFMG)

 Programa

 ::> 09/08

 8:00-8:45 – Inscrições

 8:45-9:00 – Abertura

 9:00 – 10:15 – Plenária 1: Blending in Language - Mark Turner (Case Western Reserve University – EUA)

 10:15 – 10:30 – Pausa para café

 10:30 – 12:00 – Sessão de Comunicações 1

 ALMOÇO

 14:00 – 15:30 – Mesa Redonda 1
 Título: Sistemas lingüísticos e modalidades de enunciação na aquisição da escrita
 Coordenador: Lourenço Chacon

 Participantes:
 Ana Ruth Moresco Miranda (UFPEL) Vestígios do conhecimento lingüístico em dados de aquisição da escrita
 Lourenço Chacon (FFC/UNESP e IBILCE/UNESP) A ortografia da coda silábica na escrita infantil
 Luciani Ester Tenani (IBILCE/UNESP) Sobre a relação entre constituintes prosódicos e a ortografia

 15:30 – 15:45 – Pausa para café

 15:45 – 17:15 – Mesa Redonda 2
 Título: Gramática das construções baseada no uso
 Coordenadora: Maria Margarida Martins Salomao(UFJF)

 Participantes:
 Maria Margarida Martins Salomao(UFJF) A rede lexical constituida no PB pelos usos polissêmicos do verbo dar
 Lilian Ferrari(UFRJ) Construções oracionais complexas
 Maria Lucia Leitao de Almeida(UFRJ) As construções de expressão do desejo
 Neusa Salim Miranda (UFJF) A rede lexical correspondente a contruções superlativas

 17:30 – Lançamento de livros - Coquetel


 ::> 10/08


 9:00 – 10:15 – Plenária 2: Linguistic Evidence Against Linguistic Innatism Edoardo - Lombardi Vallauri (Universidade Roma 3 – Itália)

 10:15 – 10:30 – Pausa para café

 10:30 – 12:00 – Sessão de Comunicações 2

 ALMOÇO

 14:00 – 15:30 – Mesa Redonda 3
 Título: Intenção, prosódia e informação como meios de expressão cognitiva
 Coordenador: Tommaso Raso

 Participantes: Cesar Reis (UFMG) A expressão das atitudes do locutor pela prosódia da fala numa perspectiva pragmática
 Hugo Mari (PUC-Minas) Linguagem e intencionalidade: a propósito das práticas interlocutivas
 Tommaso Raso(UFMG) Prosódia e estrutura informacional

 15:30 – 15:45 – Pausa para café

 15:45 – 17:15 – Mesa Redonda 4
 Título: A variável memória no estudo psicolingüístico: em busca da consistência entre teoria e método
 Coordenadora: Márcia Zimmer (UCPel)

 Participantes
 Márcia Zimmer (UCPel) O modelo HipCort de sistemas de memória e a transferência do conhecimento fonético-fonológico L1-L2
 Larissa Berti (FFC, Unesp Marília) e e Eleonora Albano (UNICAMP) A produção oral em crianças com o chamado desvio fonológico evolutivo: indícios de uma sobrecarga na memória de trabalho
 Maity Siqueira (UFRGS) Metáfora e memória: uma interface entre a Teoria da Metáfora Conceitual e a Teoria do Traço Difuso

 17:15 – Reunião do GT Lingüística e Cognição - Fundação da Associação Brasileira de Lingüística Cognitiva

 Jantar por adesão


 ::> 11/08

 9:00 – 10:15 – Plenária 3: Integrando a variação social e métodos quantitativos na investigação da linguagem e cognição. Para uma sociolingüística cognitiva do português europeu e brasileiro - Augusto Soares da Silva (Universidade Católica Portuguesa – Porto, Portugal)

 10:15 – 10:30 – Pausa para café

 10:30 – 12:00 – Sessão de Comunicações 3

 ALMOÇO

 14:00 – 15:30 –
 Mesa Redonda 5
 Título: Anáfora e Processamento Cognitivo
 Coordenadora: Maria Luiza Cunha Lima (UFMG)

 Participantes:
 Maria Luiza Cunha Lima (UFMG) "A estrutura do evento e resolução da anáfora."
 Edson Françozo (UNICAMP) "A dinâmica da retomada anafórica em expressões indefinidas."
 Renata Vieira (UNISINOS) "Processamento computacional de anáfora."

 15:30 – 15:45 – Pausa para café

 15:45 – 17:15 – Mesa Redonda 6
 Título: Aspectos metodológicos do estudo das relações entre  linguagem e cognição: análise de dados lingüístico-interacionais
 Coordenadora: Edwiges Maria Morato (UNICAMP)

 Participantes:
 Edwiges Maria Morato (UNICAMP) O caráter sócio-cognitivo da metaforicidade: o tratamento de expressões formulaicas por pessoas com afasia e doença de Alzheimer
 Ingedore Grunfeld Villaça-Koch (UNICAMP) Aspectos sócio-cognitivos da intertextualidade: leitura e produção de sentido
 Heronides Maurílio de Melo Moura (UFSC) Como varia a interpretação de uma metáfora?

 17:15 - Encerramento - Sessão de trabalho da Comissão de Avaliação da IV Conferência Lingüística e Cognição

 PUBLICADO EM
07/08/07 07:32
REAJUSTE SALARIAL ESTADO DE MINAS - DIA 07/08/2007
de BLOGDOPROFESSOR
SEM NEGOCIAÇÃO COM O SINDICATO

Terça-feira 07 de agosto de 2007 04:00

INVESTIMENTOS
R$ 220 mi para educação em BH
PBH envia projeto de lei à Câmara, com proposta de reajuste entre 20% e 54% para servidores, além de outras medidas
Izabela Ferreira Alves

Maria Tereza Correia/EM

Professora há 22 anos, Ana Cristina Lobo acha aumento pequeno
A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) enviou ontem à Câmara Municipal um projeto de lei com a proposta de reajuste salarial para todos os servidores efetivos, comissionados ou aposentados da educação entre outras medidas. Para professores e educadores infantis os percentuais são 26% e 54%, respectivamente, ambos superiores à inflação no período de janeiro de 2005 a dezembro de 2006. A porcentagem mínima de recomposição é de 20%, oferecida a auxiliares e bibliotecários. Se aceito pelas categorias, o aumento, dividido em quatro parcelas até novembro de 2008, vai consumir R$ 112 milhões do orçamento. No total, vão ser investidos R$ 220 milhões em educação. Segundo o prefeito Fernando Pimentel (PT), o escalonamento prevê correção salarial assim que a proposta for aprovada, retroativa a julho, e outros três reajustes, em janeiro, julho e novembro do ano que vem. Para os professores, cada uma das quatro parcelas vai corresponder a um aumento de 6,5% e, para os educadores infantis, a 13,5%. “Os professores já têm piso acima do mercado. Queremos que os educadores das unidades municipais de educação infantil (Umeis) atinjam, em dezembro de 2008, um salário inicial de R$ 850. Por isso, a diferença de percentuais”, justificou. A proposta deve alcançar entre 12 mil e 15 mil profissionais da educação. Além do aumento, o projeto prevê uma gratificação mensal de R$ 750 para o professor ou educador infantil que desenvolve projetos especiais, e o vale-cultural, um cartão com R$ 50 em créditos, que pode ser usado em estabelecimentos culturais e livrarias, a ser entregue, anualmente, no Dia do Professor. Ontem, enquanto o prefeito anunciava as medidas aos diretores das escolas, o secretário municipal de Recursos Humanos, Márcio Dutra, se reunia com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Municipal de Belo Horizonte (Sind-rede/BH). “Não há ruptura com o sindicato. Os índices são fruto de longa negociação”, disse Pimentel. O diretor jurídico do Sind-rede/BH e professor da rede municipal há mais de 20 anos, Alberto Veras, não concorda. Ele afirma que o diálogo com a administração municipal é ruim e que a PBH não negociou com a entidade. “Ainda assim, acreditamos que a categoria vai analisar com carinho a proposta, porque o aumento é melhor do que o concedido aos profissionais da rede particular ou estadual”, ponderou. Conforme estudo encomendado pelo Sind-rede/BH ao Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), para recompor as perdas acumuladas pela categoria de 2000 a 2007 seria necessário um reajuste de, no mínimo, 40,9%. “Além de não cobrir os prejuízos, divide os professores ao propor gratificação somente para os que desenvolvem projetos especiais. Somos contra, porque os benefícios devem ser únicos. Mas, na Câmara, ainda pode haver mudanças”, defendeu Veras.
PERDA SALARIAIS
Professora da rede municipal há 22 anos, Ana Cristina Lobo lembra que o último reajuste, escalonado até dezembro de 2004, não recompôs as perdas da categoria nos últimos oito anos. “Ganho R$ 820, mas não tenho curso superior. Ainda assim, acho muito pouco. O aumento proposto agora também é pequeno, frente ao desafio da escola de hoje”, comparou. Já a vice-diretora Heloísa do Espírito Santo considera os percentuais razoáveis, mas não aprova o parcelamento. Outras medidas voltadas para a educação foram anunciadas pela prefeitura e vão receber investimentos de R$ 108 milhões. Entre elas, a criação oficial do Programa Família-Escola, que prevê o envolvimento de toda família no acompanhamento escolar dos filhos; a ampliação do Escola Integrada, projeto no qual as instituições oferecem aos estudantes atividades pedagógicas e lúdicas em horário diferenciado do das aulas regulares, e seleção de 160 profissionais para o segundo curso de pós-graduação em parceria com universidades mineiras.
 PUBLICADO EM
05/08/07 10:52
Dá para acreditar?
de BLOGDOPROFESSOR
JORNAL DO BRASIL ONLINE
5/8/2007

 Raquel de Queiroz e Geisel

 Eleita no dia 4 de agosto de 1977, a escritora causou uma revolução na Academia Brasileira de Letras. Com 66 anos, 11 livros foi eleita a primeira mulher a entrar na casa de Machado de Assis. Depois de alguns agradecimentos e louvores, o presidente Austregésilo de Athayde anuncia que Rachel de Queiroz foi eleita “por unanimidade” , disse athayde, enquanto queimava as cédulas e anunciava “um novo capítulo na história da Academia”. A escritora recebeu felicitações do então Presidente Geisel que dissera estar entre os leitores de Rachel de Queiroz. Diz a escritora na carta manuscrita que agradece ao Presidente: “Vossa Excelência avaliará, decerto, quanto me honrou o seu telegrama de cumprimentos, recebido logo após minha eleição para Academia Brasileira de Letras. E deixou-me especialmente feliz a sua declaração de que se inclui entre os meus leitores: Que pode realmente desejar um escritor, além desse leitor especialíssimo, o seu Presidente? Vossa Excelência diz-me esperar que novos livros surjam ainda; decerto surgirão – afinal é o meu ofício escrevê-los. Ofício, aliás, bem ameno, se o compararmos com o seu, senhor Presidente, que o vem cumprindo com tanta bravura, sabedoria e equilíbrio, além do exemplar patriotismo; timoneiro de mão segura, nestas águas difíceis pelas quais navega o mundo, na nossa era. Com os melhores cumprimentos à D Lucy e lembranças especiais à querida Amália, sou, senhor Presidente, sua patrícia realmente muito grata” , publicada dia 11 de agosto de 1977 no JB.
 PUBLICADO EM
03/08/07 18:48
Pagamento referente a julho de 2007
de BLOGDOPROFESSOR
Dia 08 (oito) de agosto - Todos os funcionários da PBH
 PUBLICADO EM
28/07/07 07:16
Se corregedor pode virar procurador, Educador Infantil pode virar Professor.
de BLOGDOPROFESSOR
Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XIII - Nº: 2.897 - 07/28/2007
Poder Executivo
Secretaria Municipal de Governo

LEI N° 9.418 DE 27 DE JULHO DE 2007

Altera a Lei nº 9.240/06 e dá outras providências.
O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
Art. 1º - O art. 2º da Lei nº 9.240, de 28 de julho de 2006, passa a vigorar acrescido do seguinte § 4º:

"§ 4º - Integrarão, ainda, o presente Plano de Carreira os atuais ocupantes dos cargos públicos efetivos de Corregedor Municipal, que terão seus cargos transformados no cargo público efetivo de Procurador Municipal, e serão posicionados no nível 1 da Tabela de Vencimentos-Base prevista no Anexo V desta Lei. (NR)".

Art. 2º - O art. 4º da Lei nº 9.240/06 passa a vigorar acrescido do seguinte inciso XVI:"XVI - gratificação instituída pela Lei nº 8.051, de 4 de julho de 2000, e suas alterações. (NR)".Art. 3º - O Anexo I da Lei nº 9.240/06 passa a vigorar com a seguinte redação:
"ANEXO I
QUANTITATIVO DOS CARGOS DE PROVIMENTO EFETIVO DA ÁREA DE ATIVIDADES JURÍDICAS DA PREFEITURA DE BELO HORIZONTE
CARGO PÚBLICO EFETIVO
QUANTITATIVO Procurador Municipal 84 (oitenta e quatro) (NR)".

Art. 4º - Os efeitos funcionais e financeiros derivados das vantagens previstas na Lei nº 9.240/06, em relação aos ocupantes do cargo público efetivo de Corregedor Municipal transformados no cargo público efetivo de Procurador Municipal, iniciar-se-ão exclusivamente a partir da data de publicação desta Lei, especialmente quanto ao posicionamento na Tabela de Vencimentos-Base, à progressão profissional e por escolaridade, e à percepção e à incorporação da Gratificação de Estímulo à Cobrança da Dívida Ativa do Município - GCDA, da Gratificação por Atividade Judicial - GAJ, da Gratificação por Êxito Judicial - GEJ, conforme as regras definidas naquele diploma legal.Parágrafo único - Excetuada a opção prevista no § 2º do art. 2º da Lei nº 9.240/06, aplicam-se aos servidores ocupantes dos cargos transformados por esta Lei, no que couber, as demais prescrições e vedações estabelecidas no diploma legal referenciado.Art. 5º - São atribuições dos servidores que componham comissões disciplinares permanentes, dentre outras fixadas em regulamento:
I - realizar sindicâncias;
II - emitir pareceres e propor aplicação de penalidades;
III - opinar sobre revisão em matéria disciplinar;
IV - examinar os casos de falta de pontualidade, assiduidade, indisciplina, desídia, ineficiência, inaptidão para o serviço público e fazer recomendações;
V - examinar desvios de função;
VI - elaborar pareceres, nos limites da competência da Corregedoria-Geral;
VII - opinar sobre casos de abandono de cargo e emprego;
VIII - opinar sobre casos de acumulação de cargo e emprego;
IX - opinar sobre condições legais de concursados para admissão e exercício;
X - atender e orientar servidores municipais e munícipes sobre assunto de competência da Corregedoria-Geral;
XI - realizar diligências externas;
XII - opinar, quando solicitado, sobre a Suspensão do Processo Administrativo Disciplinar - SUSPAD.

Art. 6º - Os incisos II e III do art. 256A da Lei nº 7.169, de 30 de agosto de 1996, com redação dada pela Lei nº 9.155, de 12 de janeiro de 2006, passam a vigorar com a seguinte redação:"II - os presidentes das comissões disciplinares permanentes previstas no art. 216 desta Lei;III - demais membros indicados pelo Corregedor-Geral. (NR)".

Art. 7º - Fica o Poder Executivo autorizado a abrir créditos adicionais ao orçamento vigente no valor de R$215.259,11 (duzentos e quinze mil, duzentos e cinqüenta e nove reais e onze centavos), para atender ao disposto nesta Lei, podendo ser reaberto no exercício financeiro seguinte no limite de seus saldos, nos termos dos artigos 40 a 43, 45 e 46 da Lei Federal nº 4.320, de 17 de março de 1964.

Art. 8º - Ficam revogados a Lei nº 7.247, de 13 de janeiro de 1997, o art. 4º da Lei nº 8.787, de 2 de abril de 2004, e o art. 52 da Lei nº 9.155/06.Art. 9º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Belo Horizonte, 27 de julho de 2007
Fernando Damata Pimentel
Prefeito de Belo Horizonte(Originária do Projeto de Lei n° 1.359/07, de autoria do Executivo)
 PUBLICADO EM
14/07/07 17:21
Decreto reduz a classificação das RME
de Blogdoprofessor
Vejam os decretos e portarias que regulamentam a classificação das escolas:

DECRETO Nº 12.451 DE 09 DE AGOSTO DE 2006

PORTARIA SMED Nº 064/2006

DECRETO Nº 12.701 DE 27 DE ABRIL DE 2007


Classificação anterior das escolas:

PORTARIA SMED Nº 013/2007

Classificação atual das escolas:

PORTARIA SMED Nº 164/2007


Pra variar, essas mudanças, também, podem resultar na diminuição das verbas para as escolas. Se eles adotam esse índice, como querem fazer, para definir os salários dos professores, será o caos!!!
É a "lógica" absurda do gerenciamento de empresas (que costuma não dar certo nem por lá) aplicado ao gerenciamento de escolas. Já viram coisa mais Neo Liberal que essa? Só os desavergonhados desse partido para fazerem coisa tão inepta! E olha que não tenho tanta birra com sistemas de gerenciamento que premiem pelo mérito e iniciativa! Contudo, o sistema (se existe um) adotado pela prefeitura  distorce essa relação de mérito. Ele não privilegia a qualidade do ensino e sua aprendizagem, desconsidera as dificuldades que a escola enfrenta, em razão dos problemas que a comunidade possui . Ele premia somente a adequação a parâmetros simplórios e superficiais e não procura investir, tendo em vista as necessidades e o baixo nível de escolaridade e desenvolvimento social da comunidade estudantil e suas famílias ! Nossas escolas estão virando uns Frankeinsteins, graças a estupidez e despreparo (falta de estudo, mesmo) desses gerenciadores inumanos! Esse problema também foi herdado da LDB, que possui alguns artigos totalmente estúpidos como o que define a que nível de escolaridade deverá se incumbir cada esfera de governo. Alguém pode me explicar por que uma prefeitura não pode investir na educação de nível médio, havendo essa demanda em suas escolas? Esse tipo de gerenciamento aposta na bem aventurança, na boa vontade gratuita dos professores e funcionários e na pseudo gratuidade dos serviços prestados pelas ONGs para educar. O único objetivo está mais do que claro, é cortar gastos para, na outra ponta, gastar com propósitos eleitoreiros, para financiar as bolsas esmola, a compra dos eleitores. Quem tem mérito e iniciativa, termina desistindo, tanta falta de razoabilidade e tanto baixo nível!
Por isso que o Lula foi vaiado no Maracanã. Desfilou a semana inteira com corruptos, a quem está e esteve sempre associado, de rabo preso: Calheros, Severinos etc. Os investimentos em obras, ou não acontecem, ou se esvaem em obras desnecessárias, não estratégicas e na corrupção. Gasta horrores com os apadrinhados e companheiros, tornando a máquina pública dispendiosa demais. Investimentos são irrisórios, ineficientes,  em vista da arrecadação e dos gastos com a máquina pública. E ainda vem economizar em setores que poderiam tirar o país desse atoleiro e inércia: a educação que já é horrível, em razão do despreparo das equipes, falta de escolaridade, de estudo, de humildade para estudar, ou,  pelo menos, investigar, pesquisar aquilo sobre o qual não se sabe ou que se sabe pouco.
E, então, pra não ser atingido por cidadãos descontentes, impede (sem aviso prévio) que o público leve alimentos à abertura do PAN, no Maracanã, e deixa todo mundo, até crianças, famintas: um presidente do FOME ZERO !!! Pior, foi não ter aberto os jogos, o que revela o quanto o cidadão Lula não sabe lidar com o estado democrático de direito que permite esses arroubos de lucidez aos cidadãos comuns, permitindo-os se manifestar quando insatisfeitos. Contudo, para ele, o presidente, só ele pode se manifestar  (o Fidel pernambucano) e a gente que tem de agüentar calado, as asneiras que ele diz em público, seja por falta de conhecimento, ou por falta de humildade, ou por ser mal assessorado, ou por achar, agora, que tudo terminou mesmo, em pizza (não para o povo), ele pode falar pelos cotovelos, de improviso, sem a menor reflexão, como a gafe que cometeu ao fazer uma analogia que quis nos fazer acreditar que, para a galinha, é difícil e complicado botar um ovo. Difícil, senhor Lula, é o senhor e o nosso prefeito não tomarem ovo podre, na cara!

Woodson Fiorini
 PUBLICADO EM
10/07/07 01:02
Verbos & Verbas
de BLOGDOPROFESSOR

Jornal Hoje em Dia - 9/7/2007
Tião Martins
smartins61@hotmail.com

Os senadores Renan Calheiros e Joaquim Roriz, que estão no negócio de bois de papel, nem imaginavam o bem que fariam aos brasileiros. Os dois devem ser do tipo ideológico que se define como franciscano, ou seja, acreditam que «é dando que se recebe». Deram o exemplo e receberam os fabulosos lucros que só o Brasil de Lula garante a um político honesto.Já que ambos são do PMDB, integram a base governista e merecem a solidariedade ativa do presidente da República, muitos leitores se sentiram motivados a imaginar explicações para essas tramas. E um deles, dicionarista amador, foi mais longe. Considerando que o presidente muitas vezes tropeça na gramática e na ética, nosso passageiro de hoje pede a palavra e faz uma inocente sugestão.Irreverente como se deve ser numa democracia, Josemar A. propõe que os futuros dicionários da língua portuguesa incorporem um verbo novinho em folha. E adverte que a novidade pode ser vizinha de malufar, mas tem significado mais abrangente. Se malufar, que é mais antigo, não foi dicionarizado, o Josemar imagina que a proposta não será aceita pelos eruditos, mas segue em frente. Com a licença da Maria do Carmo, que tem o privilégio de ser mãe da Luciana Q., nossa correspondente nos EUA, Josemar apresenta à distinta platéia o seu verbo. Lular. [Verbo totalmente irregular e de estranha conjugação, derivado de Lula]: 1. Ocultar ou encobrir com astúcia; disfarçar; fingir. 2. Não dar a perceber, apesar de ululantes e genuínas evidências; calar. 3. Fingir, simular inocência. 4. Usar de dissimulação; proceder com fingimento, hipocrisia. 5. Ocultar-se, esconder-se, fugir da responsabilidade. 6. Livrar-se de acusações indicando como culpado o amigo mais próximo, sem dó nem piedade («antes ele do que eu»). 7. Encobrir. 8. Fraudar, iludir. 9. Afirmar coisa que sabe ser contrária à verdade, acreditando que os fins justificam os meios. 10. Voar com dinheiro alheio.Por falar em dicionário, os editores e livreiros de Minas reclamam até hoje da bagunça que foi a recente Feira do Livro, em Belo Horizonte. Todos venderam menos do que esperavam, embora saibam que no país de Lula é natural que os livros se tornem descartáveis. Ainda assim, vale a pena ouvir o que esses poetas do mundo dos negócios têm a dizer.Eles contam que em São Paulo e no Rio a Prefeitura distribui entre os alunos da rede pública um vale de três reais, que a meninada só pode trocar na feira. Com essa providência, as visitas em grupo à feira de livros ganham sentido, pois os futuros leitores conquistam o direito de adquirir o seu primeiro livro. E o primeiro livro, Maria do Carmo sabe, a gente nunca esquece.Em BH, com sua Prefeitura petista, os mestres também organizaram visitas de escolares à Feira do Livro, mas ninguém teve a idéia de distribuir vales ou perguntar se a meninada tinha um dinheirinho. Por isso, legiões de alunos invadiram a feira e, frustrados pela impossibilidade de adquirir um livrinho, tumultuaram os stands e impediram que os adultos se aproximassem. Alguns dirão que foi um ato de crueldade com crianças e adultos, mas o irreverente Josemar certamente terá outra explicação: no Brasil de Lula, Renan e Roriz, é politicamente correto hostilizar editores e livros, tropeçar nos verbos e queimar as verbas.
 PUBLICADO EM
04/07/07 13:29
Esta denúncia é de SP, mas bem que parece BH...
de BLOGDOPROFESSOR
Dois alunos são suspeitos de incendiar o carro da diretora da escola onde estudam, na cidade de Piraju, interior de São Paulo. Leonor Gomes de Castro havia denunciado um dos estudantes à polícia depois que ele arrancou um dos alambrados ao lado da sala de aula.

Os suspeitos têm 15 e 16 anos. Eles teriam pulado o muro da casa da diretora e incendiaram o veículo, que estava na garagem. As janelas da casa e o telhado também foram atingidos. A diretora do colégio reclamou da falta de segurança. "Me sinto impotente, desprotegida, pois não posso fazer nada com esses alunos".

O garoto denunciado já teve passagens pela Febem. Em depoimento à polícia, um dos suspeitos confessou a autoria do incêndio. Os menores podem ser advertidos ou encaminhados à Fundação Casa (antiga Febem), dependendo da decisão da Justiça.

Outro caso de violência contra professor ocorre numa escola no município de Macatuba, também no interior paulista. Uma professora de biologia teve a calça rasgada e sofreu ferimentos após sentar numa cadeira que estava com cola de secagem rápida. A cola havia sido colocada na cadeira por cerca de 35 alunos.

Professor Geraldinho.
 PUBLICADO EM
02/07/07 13:48
DENUNCIE e DEFENDA-SE, PROFESSOR!!
de Blogdoprofessor
 Está sendo gestado uma nova reforma que irá para votação, brevemente, na Câmara dos Vereadores. Dentre os itens que pretendem cassar nossos direitos, estão:
Fim das férias em Julho!
Fim do Quinquênio
Não liberação para Licença Prêmio de seis meses a cada 10 anos de serviço!!!
O que irá restar?!!! Além disso, há uma política dúbia que está sufocando nosso Sindicato, ainda que esse não represente adequadamente a classe e esteja infestado de pessoas submetidas aos partidos políticos PSTU PSOL e PT, é o que nossa classe escolheu e deve ser respeitado como tal!!!

Acompanhe o que vem acontecendo no site do Sind-Rede BH Clicando aqui!!

ou colando o endereço abaixo no seu navegador:

http://www.redebh.com.br/

Escreva para o seu candidato ou o candidato do partido em que votou, na Câmara de Vereadores, mostrando o seu descontentamento.
Faça isso já!
Veja aqui a relação dos e-mails dos vereadores :
http://www.cmbh.mg.gov.br/index.php?option=com_vereador&Itemid=296


 PUBLICADO EM
30/06/07 15:53
REVISÃO DA ESCOLA PLURAL: fim da aprovação automática ou mais intervenção?
de Blogdoprofessor
A lei abaixo pretende acabar com a aprovação automática ou  criar mais um mecanismo externo para intervir nas escolas? A aprovação dos alunos voltarão para as mãos dos professores ou estarão a cargo do olhar de mais esse organismo fictício, pára-escolar, que atormentará os professores ou para o qual os professores terão que participar sem receber nada por isso? Isso é para nos auxiliar ou impedir que nós despachemos, rapidamente, aqueles indivíduos que se recusam sair da escola, não querem mais aprender e se submeter ao regime disciplinar da escola? Alguém conversou com o Ronaldo Gontijo e sabe pra que servirá isso?! Quando é que a decisão sobre a progressão do aluno voltará para o âmbito daquele que realmente lida com o problema, diariamente?
LEI N° 9.370 DE 18 DE JUNHO DE 2007 :Institui o Programa Municipal de Acompanhamento, Avaliação e Revisão do Regime de Ciclos com Progressão Continuada na rede municipal de ensino e dá outras providências.

CHEGA DE INTERVENÇÃO: MANDEM PARA O INFERNO ESSES PLANOS ABSURDOS E DEIXEM OS PROFESSORES FAZEREM SUA FUNÇÃO!!!!
QUE ALIBI AINDA IRÃO INVENTAR PARA NÃO TEREM QUE ADMITIR QUE A ESCOLA PLURAL OU INTEGRAL ACABOU, SIFU..., FOI PRO ESPAÇO, e já cumpriu o seu papel que foi mandar Aquela, entre outros, PRA BRASÍLIA e muitos  dos nossos alunos, professores, verbas pros quintos...!!!
PAREM DE DE MAQUIAR ESSE FRACASSO!!!! QUEREM COM MAIS ESSE ÓRGÃO FAZER O QUÊ? O MESMO QUE FIZERAM COM O BH PELA PAZ?

NAAAAAAAAAAAAADDDDDDDDAAAAAAAAAAAA!!!!!!!!!!!
ou pior
Atrapalhar nosso trabalho ainda mais!!!!

Prof. Woodson
 PUBLICADO EM
27/06/07 12:06
DIGA NÃO AO VOTO EM LISTA E AO FINANCIAMETO PÚBLICO DE CAMPANHA!!!
de Blogdoprofessor
A câmara dos deputados deve votar, HOJE, os ítens que (comprovado por pesquisas) mais de 70% dos eleitores reprovam:
O voto em lista: não saberemos mais em quem estaremos votando;
O financiamento público de campanha: a roubalheira vai ser institucionalizada!!!
Se isso for aprovado, sem uma consulta (referendo) popular, teremos uma crise no sistema democrático. Não haverá mais a representação da vontade da maioria da população que deseja, cada vez mais, controlar as atividades de seus deputados e senadores.
Essa crise poderá evoluir de tal forma que, com a desmoralização do Senado e da Câmara dos Deputados, o governo terá plenos poderes para fazer o que bem entender.
Desse modo, não teremos como impedir os governos (Poder Executivo) em sua ânsia insana de manter-se indefinidamente no poder.

Escreva para o seu candidato ou o candidato do partido em que votou, na Câmara dos Deputados, mostrando o seu descontentamento.
Faça isso já!
Veja aqui a relação dos e-mails dos deputados federais :
http://www2.camara.gov.br





 PUBLICADO EM
23/06/07 10:12
DALVO JOSÉ ROSSI - Jornal O Tempo
de BLOGDOPROFESSOR
Medo da luz

A luz proveniente da aurora - da opinião pública alimentada pelos fatos divulgados pelas inúmeras mídias - já derrubou dois relatores, calou um corregedor e está fazendo com que retornem às trevas muitos dos "epitafeiros" de primeira hora, inclusive a falsa postura democrática do "presidente" Sivá, o senador sem nenhum voto (palmas para as listas fechadas). Que essa luz continue a brilhar.

Ela será o meio para estancar o sangramento dos que velam pela democracia em nosso país. Esse é o único sangramento que de fato existe. O daqueles que querem e contribuem para viver num Brasil realmente justo e democrático e sangram diante da própria impotência ao ver a maioria dos que dizem representar o povo agirem de maneira sórdida, abjeta, como muitos dos integrantes do Conselho de Ética ao longo do processo contra Renan Calheiros.

Se as reuniões do tal Conselho, transmitidas pela TV Senado, fossem retransmitidas em horário nobre em TV aberta, e os documentos, constantes desse processo, divulgados integralmente, não precisaríamos das frases da nossa "Maria Antonieta" para derrubar nossas bastilhas. Nosso país precisa de um choque de capitalismo (Mário Covas) e outro, de maior intensidade, de democracia.

O primeiro é induzido pelo capital, apesar de toda perversidade oriunda da falsa necessidade de sua acumulação por pouquíssimos. O segundo só com a efetiva participação de alguns milhões de pessoas dispostas a se metamorfosearem em cidadãs e cidadãos. Um dia, ainda, elas se juntarão em solo brasileiro. Esse dia acontecerá uma geração depois de começarmos a praticar uma educação básica pública onde seus gestores também matriculem seus filhos.

Professor


Publicado em: 23/06/2007
 PUBLICADO EM
20/06/07 13:34
SINDICALISTAS LIBERADOS NO DIA 28/05/2007
de BLOGDOPROFESSOR
A PUBLICAÇÃO ACONTECEU HOJE, 20/06/2007
Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XIII - Nº: 2.869 - 20/06/2007 Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo Atos do Prefeito

ATOS DO PREFEITO
Por determinação judicial, coloca os servidores abaixo relacionados à disposição do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública de Belo Horizonte - SIND-REDE, com ônus para o órgão de origem, a partir de 28/05/2007:

BM NOME
34.298-3 ANA MÁRCIA REZENDE
42.343-6 ALBERTO VERAS GOMES JÚNIOR
26.902-X AURELÍCIA TEIXEIRA COSTA
77.414-X CRISTIANE NUNES DE OLIVEIRA
38.711-1 EDNÉIA ZELINA RODRIGUES
42.633-8 GERALDO AFONSO DE PAULA CORRÊA
79.148-6 GISLAINE DE SOUZA GAMA
42.397-5 HEITOR BRETAS DA BOA VENTURA
30.545-X MARIA EFIGÊNIA COSTA
33.030-6 MARIA HELENA NERY DA CRUZ
46.526-0 NEIDE DA SILVA RESENDE
38.361-2 PEDRO AFONSO VALADARES
46.912-6 ROBSON APARECIDO TORREZANI
73.446-6 SHIRLEI LOPES DA SILVA
38.457-0 SÍLVIO MATOS DAVID
77.447-6 THAÍS TAVARES LACERDA
46.100-1 VANESSA PORTUGAL BARBOSA
75.687-7 WANDERSON PAIVA ROCHA
 PUBLICADO EM
19/06/07 03:29
Filosofia e Educação: PDE (veja o vídeo abaixo ou leia, clicando aqui!)
de Blogdoprofessor
Popout
 PUBLICADO EM
19/06/07 03:29
Chalita, que "canta o amor", é o culpado? PauloGhiraldelli
de Blogdoprofessor
Clica aí e leia o artigo no Portal da Educação.
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Cadeirada - Jornal O Tempo
de BLOGDOPROFESSOR
Cadeirada foi mal-entendido, diz pai

Panificador declara que perdoa a professora agredida pelo filho; aluno já voltou para a escola

LÍVIO BARBOSA

O panificador Antônio Carlos Vitebro, pai do menor F.A.V., 15, detido por agredir com uma cadeira a professora Norma Seixas Fonseca de Almeida, disse que a desavença entre seu filho e a educadora não passou de um mal-entendido. Seu filho é estudante da 8ª série da Escola Estadual Professor Alisson Pereira Guimarães, no bairro Alípio de Melo (região Noroeste), e no último dia 23 de maio atirou uma cadeira contra a docente.

Norma teve traumatismo craniano leve e ainda permanece de licença médica. Segundo ele, o filho vai voltar para a escola, que ele acredita ser de boa qualidade, e se formar lá. “Quero que ele esqueça o que passou e se transforme em um bom homem. Foi um mal-entendido. Espero que ela e ele repensem seus atos. Ela é uma boa profissional”, afirmou Vitebro. Ele disse que perdoa a professora.

Anteontem, a juíza Valéria Rodrigues, da Vara da Infância e Juventude, inocentou o estudante. De acordo com a assessoria do Fórum Lafayete, a decisão da juíza foi baseada no relatório elaborado pela equipe técnica do Juizado, de que o menino teria agido em legítima defesa ao atirar a cadeira na professora. O estudante ficou 11 dias detido no Centro de Internação Provisória (Ceip), de onde saiu no dia 6 e voltou para a sala de aula na última segunda. “Ele não deveria ter sido preso.

Essa história acabou com a nossa família. Desmoronei ao ver meu filho naquele lugar que trata criança como bicho. Nos dias em que ele estava lá até rebelião de menores teve”, disse Vitebro. A professora Norma disse que não se trata de mal-entendido e que vai querer uma retratação da Justiça. “Tudo que estão falando é mentira. Estou de licença, mas depois do fatos apurados vou falar com a imprensa.”

Em entrevista concedida há dois dias a O TEMPO, a professora contou que não foi chamada ao Juizado para prestar qualquer esclarecimento. “Estou muito chateada com a direção da escola que não me deu quase nenhum apoio. O aluno disse em depoimento que estava sendo perseguido porque eu era candidata à eleição e da chapa contrária à que defendia, mas há dois anos a escola não tem eleições para diretor”, disse. A vice-diretora da escola, Adelina Gomes de Azevedo, disse que a instituição forneceu à professora todo o apoio necessário.


Publicado em: 14/06/2007
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Professor, reprovado, GD, deeeeezzzz!!!
de Blogdoprofessor
 Sobre artigo Folha Online - Gilberto Dimenstein pensata 05/06/2007 Socorro


Sr. Gilberto Dimenstein


Como membro desse, denominado, "bando de ignorantes" a que se referiu no artigo "Socorro" da Folha Online - de 05/06/2007 (clica aqui), venho dar-lhe todo apoio e parabenizá-lo por esculachar com esses "professores" que nada fazem para sanar os verdadeiros problemas da escola, afinal, eles estudaram para que, não é mesmo?! Além disso, eles ganham mais do que o suficiente para suprir, com tremenda criatividade, todos esses imensos buracos que as políticas sociais não alcançam fazer por nossas crianças.
Portanto, faço minhas, as suas inspiradas e respeitosas palavras. De agora em diante, os antes, amados e temidos PROFESSORES, que de uns tempos pra cá já eram chamados de TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO, por uma moderníssima visão sindical, sem aquela pompa, aquela antiquada visão que mitificava nossa profissão, serão chamados de BANDO DE IGNORANTES!!!!
Dedico, então, a todos os professores - perdão – a todo esse BANDO DE INNGNORANTES com quem, uma vez, estudei e que me conduziram, apesar das anemias que tive, as cáries (verdadeiras panelas, cavernas dignas de um estudo espeleológico), problemas de vista etc. até o Mestrado e, com sorte, quem sabe um Doutorado, os meus mais sinceros aborrecimentos. Eles nos meteram medo, realmente, porque nos 200 dias letivos de cada ano, só compareceram às aulas para assinar o boletim com caneta vermelha, impiedosamente nos reprovando a todos nós, criatórios de vermes e outras doenças. Eles foram nos cultivando e torturando, distantes, impiedosos, frios e muitos, até, verdadeiros psicopatas, BANDO DE INNNNNNGNORANTES!!! E digo mais, porque não tenho o pudor do colega GD de dizer que esses professores são, mesmo, uns ABUTRES REPROVADORES, CARNICEIROS DA MISÉRIA HUMANA, OPERÁRIOS DA DESGRAÇA INFANTO-JUVENIL, SACANAS, INDECENTES, PEDÓFILOS, TERRORISTAS!!!
Por que não nos passavam?!! Para que nos reter tanto?!! Que fase anal foi essa que nem Freud explica?!! O que eles ganhavam, nos torturando assim?!! Afinal, o que vale saber contar, ler, escrever, entender os problemas do mundo, fazer as operações fundamentais, diante da beleza e pujança da descoberta da VIDA?!!! Aquelas coisas, a gente já aprende brincando, no Orkut, navegando na Internet, mandando recadinho no celular, rebolando num show de uma Tati Quebra Barraco!!! Digo ainda muito mais, porque não tenho mais escrúpulos e quero ver essa corja, essa maldita e anacrônica "profissão" acabar de vez. Não é preciso mais estudar porcaria nenhuma!! Tudo isso se aprende até por osmose, com um IPOD no ouvido, o dia inteiro, até mesmo sem professor (DESCULPEM!) sem esse CANCER DA SOCIEDADE, sem esses BANDOLEIROS DA IGNORÂNCIA!!!
Afinal de contas, se não fossem eles, esses desnaturados CHUPA-INFÂNCIAS, esse mundo não teria se desenvolvido tanto e estaríamos agora, felizes, vivendo nas matas, nas cavernas, de preferência, sem aquelas pinturas rupestres horrorosas, feito por proto professores (DIDASCALUS IMBECIlIS) que nem sabiam pintar direito. Já repararam como eles desenham quando inventam fazer uma simples ilustração ou coisa parecida, no quadro-negro?!! Com tanto tempo ocioso e ganhando tão bem, poderiam, pelo menos, preparar melhor suas aulas, tornando-as mais interessantes para alunos raquíticos como nós. São tantos recursos didáticos avançados oferecidos nas Escolas Públicas, por aí!!! Internet "bunda larga", rapidíssima, tem aos montes e nunca são usadas. Mas, não, não, NÃO!!! Eles, esses debilóides preferem irritar nossos ouvidos com aquele giz rasgando o quadro, nos matando de escrever idiotices, enquanto ficam maquinando, se deliciando, pervertidamente, em imaginar diferentes formas que irão nos humilhar, pobres, abandonadas e inocentes criaturas, retirando nossos escassos pontos dos nossos já anêmicos corpinhos.
É preciso mesmo acabar de vez com essa CULTURA DA REPROVAÇÃO!! Nada justifica reprovar um aluno! Se não aprendeu a ler, nem escrever, nem fazer contas, interpretar, entender o mundo, em doze anos, numa escola com esses BILTRES, essas BESTAS DO APOCALIPSE, não vai mesmo aprender COISÍSSIMA ALGUMA!!! Pra que gastar mais dinheiro com coisa tão inútil e degradante?!! Melhor jogá-los, alunos e prof... (ops!) na rua, que o tráfico, as profissionais do sexo, os empresários, os políticos, os escritores, os terroristas, os padres, pastores, os DJs, os médicos, os sites pornográficos e de trabalhos prontos, os técnicos de futebol, os jornalistas, os marqueteiros, os sindicalistas, os corruptos, o trânsito irão dar conta deles e a ESCOLA DA VIDA irá ensiná-los muito melhor!! E sabe por quê????
Simplesmente porque eles não são essa CAMBADA DE VICIADOS que só sabem inventar prova, para-casa, trabalhos, gincanas, festivais, todo tipo de coisa que até a gente odeia e que faz tão mal à inteligência emocional, um jiló didático para os desamparados alunos. Antes a gente tivesse um MacDonalds do conhecimento como o Show do Milhão cheio de peladonas, bonecas Samambaia, estimulando nosso córtex, fazendo um strip-tease educacional. Não!!! A gente tem que agüentar aquelas múmias paralíticas, roucas, grisalhas, antiquadas, babando, dizendo o que devemos ser e fazer. Ensinando valores, vejam só, até parece!!! Acontece que os outros, profissionais de verdade, não são como esses estúpidos CHEIRADORES DE PÓ DE GIZ, VAGABUNDOS, OCIOSOS, eles, cheiram, fumam, tomam só o do Bom e do melhor!!!! São tudo CB, "Sangue Bão", e nunca puseram os pés numa sala de aula para dar uma aula sequer, a não ser, é claro, para serem torturados pelos tais... – que perdoem ter que dizer mais uma vez – professores. Por isso, eles entendem tanto de educação!!! Né, GD?!!!

O sem vergonha, ignorante, idiota, estúpido, reprovador, crítico, ainda
professor Woodson Fiorini de Carvalho

O link para o artigo "Socorro" , Pensata, Folha On Line é

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dimenstein/colunas/gd050607.htm
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Pensata e carta - Folha de São Paulo
de BLOGDOPROFESSOR
Opinião

São Paulo, domingo, 10 de junho de 2007

Socorro
"Sobre o artigo de Gilberto Dimenstein de 5/6 na Folha Online ("Socorro') estranhei o espanto das autoridades. Há muito sabemos das doenças que impedem que estudantes progridam na escola. Há muito professoras lutam, não só por salários, mas também por condições dignas de trabalho. Há muito chamam a atenção para crianças maltratadas pela vida. O que fizeram até hoje as autoridades espantadas pelas condições de saúde das crianças?"

MODESTA TRINDADE THEODORO - Professora aposentada (BH)
.....................................................................

Pensata - Gilberto Dimenstein
05/06/2007
Socorro

 Uma equipe de pediatras vem percorrendo escolas públicas da cidade de São Paulo, nas quais se depara com um show de horrores: uma parcela enorme de crianças com problemas de saúde, algumas das quais com doenças transmissíveis. Quase todas essas doenças poderiam ser facilmente evitadas e tratadas, o que revela o tamanho do crime - são pessoas que, por causa disso, terão muita dificuldade de aprender. Se a situação é assim numa das cidades mais ricas do país, imagine nas outras.

Os dados preliminares estão espantando as autoridades. "É de estarrecer", conta o secretário da Educação da cidade de São Paulo. "Ninguém consegue aprender nessa circunstância, por melhor que seja a escola." Encontram-se muitos alunos com anemia por carência de ferro, o que impede um mínimo de concentração.

Veja a disparidade. Os problemas dos alunos da USP, a maioria deles de classe média e alta, conseguem chamar a atenção de todo o país - e não estão nem remotamente perto dos problemas de crianças que são chamadas de burras por falta de um par de óculos ou que estão com a boca cheia de cáries e a barriga repleta de verminose. O remédio sugerido para elas, receitado por um bando de ignorantes, é a repetência para que tomem jeito e estudem melhor.

Não é possível que, diante de números tão contundentes, levantados por aqueles pediatras, não se tomem providências imediatas.
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Pagamento
de BLOGDOPROFESSOR
O pagamento referente a maio acontecerá no dia 8 (oito) de junho/2007.
 Modesta.
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Mudança na Secretaria de Educação
de BLOGDOPROFESSOR
Trechos do DOM

Diário Oficial do Município/Poder Executivo
Secretaria Municipal de Governo

ATOS DO PREFEITO

"Nomeia para cargo em comissão, nos termos das Leis nºs 7.169/96 e 9.011/05:

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
-Hugo Vocurca Teixeira, BM-74.358-9, Secretário Municipal, a partir de 01/06/2007.
-Macaé Maria Evaristo, BM-27.085-0, Secretário Municipal Adjunto, da Secretaria Municipal Adjunta de Educação, a partir de 01/06/2007. "
........................................

"Coloca à disposição, nos termos do inciso I, art. 169 da Lei Municipal nº 7.169/96, sem ônus para o órgão de origem, observada a obrigatoriedade do repasse mensal das contribuições devidas ao Fundo Previdenciário da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte:

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO / SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA
-Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva, BM-27.010-9, a partir de 01/06/2007 até 31/12/2007. "

.....................................................
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Aposentadoria
de BLOGDOPROFESSOR
Diário da Tarde
BH, 28 de maio de 2007

JORNAL DO FUNCIONÁRIO
Vicente Sanches

NA ÍNTEGRA

Por ser de grande interesse dos servidores municipais, estamos publicando na íntegra uma mensagem da professora aposentada, Modesta Trindade Theodoro: "Muitos trabalhadores da PBH que se aposentaram a partir de 2004 não tiveram reajuste no ano passado. Na época, o setor de aposentadoria nos informou que era por causa da Emenda Constitucional 41. Em nossos estudos, percebemos que carecemos de uma lei regulamentatória. Em novembro, entramos com processo interno, pois, na falta da lei, o ente federativo teria que regulamentar a situação ou pagar nos moldes das orientações normativas surgidas ao longo do período. Quem está se aposentando também precisará da lei regulamentatória. Como nada ocorreu, agendamos encontro com a Procuradoria. O procurador-adjunto nos recebeu no dia 24 de maio e pediu que enviássemos listas de aposentados que entraram com processos e não tiveram reajuste. A Procuradoria analisará a questão.

SINDICATOS

Para a elaboração da lei, representantes dos sindicatos de professores, médicos, dentistas, fiscais, arquitetos, engenheiros, entre outros, deverão se reunir e enviar à PBH um anteprojeto para análise. Se não o fizerem, a culpa caberá aos sindicatos e categorias por não se posicionarem. A menos que a prefeitura faça o projeto (é uma saída) e o envie à Câmara. Isso acontecerá caso queiramos reclamar depois. Enquanto isto, aposentados e pensionistas terão que ficar esperando e torcendo para não terem seus salários congelados novamente.".
........................


DENTISTAS

A Associação dos Servidores Municipais da Prefeitura de BH (Assemp) faz contrato com dentista para tratamento gratuito nos seguintes serviços: extração simples, limpeza e prevenção contra o câncer bucal. Para usufruir desses benefícios é necessário retirar autorização na sede da Assemp. Já para quem precisa de tratamento de canal, a Assemp mantém convênio com um dentista canalista. O atendimento é gratuito e o processo para solicitação do serviço acontece nos mesmos moldes acima. Informações: (31) 3077-8198.

NOTÍCIA URGENTE

Muitos sócios têm nos enviados textos para serem publicados no jornal, que é considerado o porta-voz do servidor. Lembramos que todos os textos são avaliados pela equipe de comunicação do jornal e são publicados levando em consideração a ordem de chegada, o espaço e a temática que deve ser de interesse de nossos leitores.
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Audiência Pública: Prestação de Contas Orçamentária do Município e da Câmara Municipal referente ao 1º quadrimestre deste ano
de Blogdoprofessor
ARNALDO GODOY - e_mail
CONVITE

A Comissão de Orçamento e Finanças Públicas da Câmara Municipal de Belo Horizonte realiza Audiência Pública na quarta-feira da semana que vem dia 30/05/07 às 10hs no Plenário Camil Caram para discutir a Prestação de Contas Orçamentária do Município e da Câmara Municipal referente ao 1º quadrimestre deste ano.

Participe, de sua opnião e verifique se os recursos do Município estão sendo bem aplicados.

Contamos com a participação de todos na fiscalização na Execução Orçamentária.

Aproveito para informar também que começa a tramitar na Câmara Municipal a Lei de Diretrizes Orçamentárias. Sendo assim é o momento ideal para a sugestão de emendas que podem ser incluídas por meio de nosso mandato. Aguardo sugestões.

Um abraço,

Vereador Arnaldo Godoy
Presidente da Comissão de Orçamento e Finanças Públicas
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Eles podem tudo
de BLOGDOPROFESSOR
Jornal O Tempo - Quarta-feira, 23 de Maio de 2007, 00h01
Eles podem tudo

LUÍS LYRIO

Podem! Eles podem, sim! Eles podem matar nossos filhos, nossos pais, nossos avós, nossos amigos mais chegados. Eles podem invadir nossas casas quando quiserem e podem também destruí-las, reduzindo-as a escombros.

Eles podem descarregar bombas e mais bombas sobre nossas cidades, promovendo horríveis genocídios em nome da paz. Eles podem torturar, manter inocentes encarcerados e calar a boca dos que protestam e denunciam seus abusos. Eles podem mentir e roubar impunemente e legislar em causa própria.

Eles podem distorcer e fabricar as ?verdades? com as quais empestam o mundo. Eles podem internar e deixar esquecidos em hospícios reais e virtuais aqueles que tentam abrir nossos olhos e nos tirar da letargia que nos leva a crer em tudo que eles dizem. Podem!

Eles podem tudo! E podem porque acreditamos que são eles que garantem nosso sagrado direito à cidadania. Graças a eles ? cremos nisso piamente ?, vivemos num mundo livre e democrático.

E todo o poder que os torna onipotentes e onipresentes se origina em nós, acuados no meio do fogo cruzado de guerras que não são nossas e cegos de medo no neomedievo globalizado.

?Ser ou não ser? já não é o nosso dilema. Há muito, trocamos nosso direito ao ?ser? pela segurança dos castelos dos nossos senhores.

Lavando suas privadas, consumindo suas inutilidades e vestindo nossas almas com suas idéias, freqüentamos seus mercados trocando dignidade por in/segurança. E, por isso, eles podem. Eles podem tudo.

Professor de história
PBH
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
CORRE O BOATO
de BLOGDOPROFESSOR
CORRE O BOATO QUE A SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO DA BELA HORIZONTE VAI-SE.FICARÁ MAIS CHIQUE, POR ENQUANTO. DIZEM QUE FICARÁ NO LUGAR DELA A MACAÉ EVARISTO. SABEM QUEM É, NÃO É? UMA EX-DIRETORA DA ESCOLA EDSON PISANI, QUE NÃO PASSOU NA REELEIÇÃO.VAMO VER NO QUE DÁ.
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
A quem interessar - Divisor 81
de BLOGDOPROFESSOR
DOM - DIA 22 DE MAIO DE 2007

Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XIII - Nº: 2.850 - 05/22/2007
Poder Executivo
Secretaria Municipal de Governo
Decreto nº 12.711 de 21 de Maio de 2007 - Anexo

DECRETO Nº 12.711 DE 21 DE MAIO DE 2007

Altera o Decreto nº 12.610, de 12 de janeiro de 2007, que "Regulamenta os artigos 4º e 5º da Lei nº 9.310, de 12 de janeiro de 2007".

O Prefeito de Belo Horizonte, no exercício de suas atribuições legais,
DECRETA:

Art. 1º - O caput e os parágrafos 1º e 2º do art. 1º do Decreto nº 12.610, de 12 de janeiro de 2007, passam a vigorar com a seguinte redação:

"Art. 1º - O abono temporário a que se refere o art. 4º da Lei nº 9.310/07 será pago aos Professores Municipais ativos e inativos, e aos pensionistas, que obtiveram provimento jurisdicional favorável e definitivo referente ao denominado "divisor 81", e que, expressamente, renunciaram ao recebimento do crédito judicial, por transação homologada em juízo, em parcelas mensais e sucessivas, a partir da data, nos prazos e valores fixados nos Anexos deste Decreto.

§ 1º - O valor do abono temporário a que se refere o caput deste artigo será reajustado anualmente, nos moldes fixados nos Anexos deste Decreto.
§ 2º - Observada a base de cálculo fixada nos Anexos deste Decreto e a situação jurídica específica dos servidores e pensionistas que fizerem jus ao abono a que se refere o caput deste artigo, incidirá imposto de renda e contribuição previdenciária sobre os valores do abono temporário." (NR)

Art. 2º - Os Anexos I, II e III do Decreto nº 12.610/07 passam a vigorar acrescidos das seguintes observações:

"OBS1: As parcelas do abono temporário, previstas neste Anexo, serão pagas a partir janeiro de 2007.
OBS2: O valor do abono temporário a que se refere este Anexo será reajustado anualmente, a partir de janeiro de 2008, pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor - INPC, acumulado dos últimos doze meses." (AC)

Art. 3º - O Decreto nº 12.610/07 passa a vigorar acrescido do Anexo V, com o conteúdo constante do Anexo Único deste Decreto.

Art. 4º - Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Belo Horizonte, 21 de maio de 2007

Fernando Damata Pimentel
Prefeito de Belo Horizonte

ANEXO ÚNICO
(Copiei parte do anexo- Caso queira vê-lo na íntegra, busque o DOM de hoje. Modesta )

RECLAMANTES
TOTAL DEVIDO EM 03/2007 - QUANTIDADE DE PARCELAS - VALOR DA PARCELA BRUTA PRINCIPAL (PARCELA QUE É BASE DE CÁLCULO PARA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. E IR) JUROS (PARCELA QUE É BASE DE CÁLCULO PARA I.R.)
HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS 22%

TOTAL DEVIDO 2.148.181,63
 9.874,76
10.125,24
 4.400,00
__________________________________________________
1-Lucia Maria Ceolin Mendes 311.942,57
 77,99
4.000,00
 1.923,80 1.076,20 800,00

2-Rene Trindade do Nascimento 582.253,42
 145,56
 4.000,00
 2.165,62
 1.834,38
 880,00
3-Marlene Carvalho do Nascimento 428.119,84
 107,03
 4.000,00
 1.930,19
 2.069,81
 880,00
4-Sueli Santos Vieira 528.932,67
 132,23
 4.000,00
 1.927,18
 2.072,82
 880,00
5-Valéria Zanini Tameirão 296.933,12
 74,23
 4.000,00
 1.927,97
 2.072,03
 880,00
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Folha de São Paulo - 20/05/2007
de BLOGDOPROFESSOR
DALVO JOSÉ ROSSI (Belo Horizonte, MG)

"Urge que algumas das entidades da sociedade civil iniciem campanha por um projeto de lei do qual conste basicamente o seguinte: 1- O roubo de dinheiro público é crime hediondo, inafiançável e imprescritível; 2 - O dinheiro roubado deverá ser integralmente devolvido aos cofres públicos; 3 - As penas serão definidas na Justiça criminal, pois roubo de dinheiro público significa morte em hospitais, morte a médio e longo prazos por falta de saneamento básico e de educação pública com qualidade; 4 - O condenado não terá direito à progressão ou a qualquer indulto."
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
O FEIO
de BLOGDOPROFESSOR
Quinta-feira, 17 de Maio de 2007, 00h02
JORNAL O TEMPO
O FEIO

MODESTA TRINDADE THEODORO

É muito comum entre as crianças. Uma chama a outra de feia e ninguém pode fazer nada. Já vi crianças chamarem algumas beldades de feias. A mim me parece que a feiúra, para elas, decorre do modo de ser da outra. É metida, portanto é feia. Entre os jovens, os critérios para chamar o outro de feio são diferentes.
Às vezes, a pessoa tem o rosto, ou o corpo, ou ambos que fogem ao padrão normal. Portanto, feia. Padrão normal é algo semelhante às lojas que vendem roupas parecidas. Quando uma peça diferente aparece, ou é por demais bela ou feia.
Começa, então, a arriação (gíria: tirar sarro). Ridicularizar é o que há de mais prazeroso para eles. Há maneiras de fazê-los parar, mas a maioria delas não é apropriada. Convém dizer que gordos e magros geralmente não são feios (já observaram?) . São chamados de "gordo", "bolota", "magrela". O intuito é magoar. Prazer para quem grita, desprazer para quem ouve. Alguns pré - adolescentes e adolescentes também não perdoam características internas.
Você é bruxa quando chama a atenção, é chato quando cobra deveres, é ridículo quando tem acne, é "quatro-olho" (o plural não interessa), estranhoso, sugão (pessoa que copia tudo das outras).
Encontram vários adjetivos para ofender, porém sofrem quando são adjetivados. Qual é a finalidade da "brincadeira" ?! Existe, mas as conseqüências podem ser catastróficas. Muitas pessoas começam a travar a língua à medida que passam os anos. Aprendem que entre o pensar e o falar existe um vale. Outras, não. Dizem ser extremamente sinceras, assim passam a "aprontar". "Enfant terrible". Tolice dar ouvidos. Quando um adulto chora por ter sido adjetivado e nem feio é, quer aparecer. Ou então se magoou de verdade, sentiu-se feio.
Quantas vezes nós, o proletariado, somos taxados de "burros" entre quatro paredes e fora delas? O pior é que muitos de nós, tantas vezes calados, tantas vezes deprimidos, tantas vezes oprimidos, aceitamos tudo o que não fazem por nós, e o que fazem de nós quando decidem que estamos mais para jegues do que para burros. Mas não nos preocupemos com questiúnculas metafóricas.
Feios muitos de nós parecemos, às favas a estética, precisamos é de trabalho com a devida remuneração, precisamos de dignidade.
Feia mesmo é a atitude daqueles que permitem que pessoas morram queimadas na rua, passem fome, peçam esmolas; que trabalhadores adoeçam por falta de tempo e plano de saúde, que morram por ter a energia cortada. Feios são aqueles que têm o poder e nada fazem para mudar situações de calamidade pública.
Desde que estejam em segurança, o resto é o resto. O povo? Ah, o povo! Vejo que nada mudou desde a época da Revolução Francesa. A nós, os brioches! E na falta deles? Afinal, são mais caros que os pães "normais". Para a guilhotina não levaremos os "reis", tampouco as "rainhas".
Será?!

Professora aposentada
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
É proibido reprovar, professora!
de BLOGDOPROFESSOR
Gostei da frase: "Aos professores do Rio, heróis mais uma vez desautorizados e humilhados, minha solidariedade. E um humilde conselho:..." leia o conselho no texto abaixo.
_________________________________________________________
Jornal do Brasil - Rio de Janeiro, 14 de maio de 2007

É proibido reprovar, professora!
Ubiratan Iorio, economista

Os professores da rede municipal desta cidade que já foi maravilhosa, doravante, não poderão mais reprovar os seus alunos! E, além da avaliação I (insuficiente), está também suprimido o conceito O (ótimo), pois, ao que parece, a Secretaria de Educação deseja evitar que se cristalize uma "elite" (palavra politicamente condenada), formada pelos melhores alunos...
É o que reza a Resolução SME 946/2007, que dispõe sobre a avaliação escolar, publicada no Diário Oficial de 27 de abril. Este novo mandamento dos pedagogos de gabinete parece voltado, primeiro, a conter a evasão escolar que, segundo suas mentes privilegiadas, tende a aumentar com o "trauma" provocado pelas reprovações; segundo, claramente, a maquiar as estatísticas; terceiro, a segurar os alunos nas escolas, para que não fiquem perambulando pelas ruas à mercê do crime, já que seus responsáveis são irresponsáveis; e, finalmente, a dar o tiro de misericórdia na classe de privilegiados malvados formada pelos que exercem a missão de ensinar.
Sim, privilegiados, porque nossos professores e professoras da rede municipal, a exemplo de seus colegas da rede estadual, ganham uma fortuna, trabalham poucas horas - o que os livra da canseira de terem de fazer a chamada "dupla regência" e de lecionar em mais de um colégio - dispõem de todos os equipamentos que a moderna tecnologia de ensino oferece, atuam em escolas em cujas cercanias nem de longe há risco de eclodirem tiroteios, são respeitados pelos educados discípulos, valorizados pela importância de sua profissão, têm todos os incentivos para se aperfeiçoarem em novos cursos e todas as motivações para permanecerem no magistério... E malvados, porque se comprazem em reprovar alunos e alunas dedicados, interessados e que buscam sempre aprender... Managgia!
Será que nossas professoras não sabem que reprovar um aluno que mata aulas e que não estuda é um crime contra a "inclusão social"? E que têm por obrigação substituir muitos pais e mães ausentes, que depositam filhos no mundo sem se preocuparem em cuidar deles?
Será possível que nossos mestres desconheçam que sua principal função não é ensinar, impor-se pelo saber e pelo respeito, mas evitar que seus alunos descambem para as estradas do tráfico e da marginalidade? Que, ao invés de ensinarem matemática, devem incentivar o uso de preservativos para os alunos? Que, em vez de ensinarem a ler, escrever e interpretar o português, sua obrigação é despertar "consciências ecológicas"? Que devem evitar lecionar a história como ela se deu e forjar-lhe o determinismo marxista, para formarem "engajados"? Ensinar a velha geografia? Não, o que importa é a "educação sexual"... Ciências? Ora, o relevante é a "consciência cidadã"...
O decreto que proíbe as professoras de reprovarem é, ao mesmo tempo, um acinte a quem preza a educação, uma absoluta falta de respeito para com o professorado e uma demonstração de como a politização da educação - tão defendida pela esquerda - reflete-se na degradação de algo que já vem sendo sucessivamente degradado, tanto pelos governos como pela arrogância dos pedagogos.
Comparar tal medida com o que acontece em países desenvolvidos, como fez o prefeito do Rio, é como confundir focinhos de porcos com tomadas, pois as condições culturais, econômicas, sociais e éticas dos alunos, bem como as condições de trabalho dos professores, são muito diferentes. A famosa "Mãe Joana" - tudo o indica - fixou residência definitivamente "neste país" infeliz, presidido por alguém que, de educação, entende tanto quanto os mosquitos da dengue de Física Quântica.
Aos professores do Rio, heróis mais uma vez desautorizados e humilhados, minha solidariedade. E um humilde conselho: não fiquem calados diante de tanta falta de respeito: chamem os pais de seus alunos e perguntem a eles se é isto o que desejam para os seus filhos! Se for, lavem as mãos e aprovem todos, pois o futuro os reprovará com um baita zero!
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Ei, mãe!
de BLOGDOPROFESSOR
Estou atrasada, o segundo domingo de maio passou, não é? Mas não pense que vou ligar para você e recitar aqueles versos de José Carlos Rebouças: "Mainha! Fazia o mundo todo conspirar, / para realizar o que eu desejava". Não cantarei aquela música escrita por Herivelto Martins e outros, tão tocada no passado, que os meus irmãos e quase todas as torcidas afirmam ser brega: "... mamãe, / Eu te lembro chinelo na mão, / O avental todo sujo de ovo, / Se eu pudesse, / Eu queria outra vez, mamãe/ Começar tudo, tudo de novo". Também, "o avental todo sujo de ovo" é o fim da picada! E ainda vai começar tudo de novo?!
Tampouco desafinarei naqueles trechos do padre Zezinho que você tanto gosta: "Eu tantas vezes vi meu pai chegar cansado/ mas aquilo era sagrado um por um ele afagava/ E perguntava quem fizera estripulias/ E mamãe nos defendia e tudo aos poucos se ajeitava". Estou tossindo um pouco, sei que ao final da cantoria você perguntará: "Como é que é?". Só para eu cantar novamente!
 Vou ligar para dizer "te amo, mãe!". Você sabe que posso até gaguejar, sou meio tímida para dizer tanta coisa, porém já me decidi. Preciso tomar coragem, afinal são apenas três palavras. Sei que você escutará a densa frase e dirá: "Deixa disso, menina!". Depois seguirá para o quarto e fingirá que procura algo. Ficará por lá um tempão. Sairá diferente, boniteza ímpar, maior do que no dia em que lhe vi pela primeira vez. Você se lembra? Pois eu, sim. Como esquecer o seu sorriso atrás da mão que o tapava suavemente? Há uma tese que diz que o bebê vê primeiro o céu da boca da mãe. Acho que o que vi foi um sorriso meio escondido. Seria uma lua crescente na horizontal, mãe? Por que você a eclipsou parcialmente?
 Ligarei. Aguarde! Como de costume, perguntarei: "E aí, véia?". Você dirá que ainda é jovem, que tem mais força do que eu em seus setenta e dois anos. Nem se lembrará que tenho quase meio século de vida. Deixarei que o silêncio complemente a minha fala. Você o escutará. Sei que começará a fungar. Dirá que está gripada. Depois, só para se certificar do que escutou: "Fala logo, meu arroz está queimando!".
 Sairá às pressas, não deixará que ninguém saiba o que eu disse. O telefone ficará mudo. Nem queira me enganar. Não desta vez! Você no quarto, fingindo que procura algo, alguém. Quem você procura hoje, mãe?

Modesta Trindade Theodoro / Professora aposentada
Belo Horizonte -MG
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Bandeiras e (r)evolução - Jornal O Tempo
de BLOGDOPROFESSOR
JORNAL O TEMPO
Sexta-feira, 11 de Maio de 2007, 00h01

Bandeiras e (r)evolução
JOSÉ MARIA THEODORO

 Chama atenção a diferença, mas não é com este propósito que uma bandeira preta se ergue dentre tantas outras em movimentos dos sem-terra, sem-teto, liga operária, estudantes, partidos políticos, movimentos sociais.
Nos atos de 7 de Setembro, inquirem se representa o luto. "Não", responde a militante moça/senhora de chapéu, "representa a luta!" Diferença fundamental entre duas vogais na escrita e significado, porém não nas conseqüências.
Junto ao suor, ao esforço de muitos que carregam suas bandeiras brancas, verdes, vermelhas, bandeiras que almejam a justiça social, a revolução, ainda que presas nas teias do partidarismo, a bandeira preta diz muito.
"Lutar sempre, esmorecer jamais!" Frase criada por Modesta Trindade que, há tempos, ergue sua bandeira de luta. Vai além, à frente, do lado, atrás. Mesmo que em alguns momentos faltem forças àquela que a carrega, intromete-se nas longas fileiras em busca de ar, tentando aposentar o suor e o cansaço.
No dia seguinte, sucumbe, para se reerguer depois. Manifestantes inquirem com simpatia o porquê de não haver inscrição nenhuma. Por que haveria? A bandeira anarquiza inclusive a anarquia, confunde, confundem-se. Nem esquerda, nem direita ou centro. Revolucionária? Sim. Evolucionária? Por que não? O poder já fragilizou nossos sonhos, palavras de ordem e suor, incorporando- se a eles. Caminha a passos largos para regulamentar o direito de greve.
Greve não é um direito, não deveria constar na Carta Magna. Greve é um dever. No 1º de Maio, passamos embaixo do elevado Castelo Branco e parte do povo continua lá, cheirando cola, tomando cachaça, que servem para esquecer a fome, bactérias, vermes, subnutrição.Esquecer a existência.
Crianças, adultos, idosos, misturados com cães e ratos, enquanto o poder absolve os envolvidos na máfia dos sanguessugas baseando-se na tese de que foram reeleitos, portanto o povo os absolveu pelo voto.
Em um tempo em que acreditar é tão difícil, visto que há tanto inacreditável, uma bandeira, sem uma palavra sequer, faz pensar, e não seguir simplesmente, gritando em catarse coletiva nossa indignação.
Contudo, cada qual, com sua bandeira, consegue liberar a agonizante tensão em que nos metemos. Paradoxo? Não. Princípio de revolução? Talvez.

Professor, mestrando em lingüística
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Pagamento
de BLOGDOPROFESSOR
O pagamento referente ao mês de abril estará disponível nos bancos no dia 9 de maio, para todos os servidores da PBH. Um abraço,
 Modesta.
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Amputação
de BLOGDOPROFESSOR
Folha de São Paulo - Cotidiano - Dia 02/05/2007

Tia de Lula sofre amputação por falta de atendimento
Corina Guilhermina da Silva, 77, procurou, sem sucesso, tratamento médico especializado durante três semanas

Médico diz que atendimento correto evitaria intervenção; prima do presidente diz que Lula ainda não ajudou a tia porque desconhece o caso

RENATA BAPTISTA
DA AGÊNCIA FOLHA

Corina Guilhermina da Silva, 77, tia do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, teve de amputar sua perna direita na última sexta-feira. Ela procurou atendimento médico especializado em Garanhuns (209 km de Recife) e Caruaru (134 km da capital) durante três semanas, mas não obteve sucesso. Ao chegar ao Hospital Jesus Pequenino, em Bezerros (109 km de Recife), ela teve de ser operada por conta de uma gangrena no pé, conseqüência de diabetes e arteriosclerose. Sua perna direita foi amputada.
O médico que realizou a intervenção, Artur de Souza Leão, disse à Folha que, se Corina tivesse recebido atendimento adequado no primeiro hospital, a amputação possivelmente não seria necessária. A reportagem não conseguiu falar com a Secretaria da Saúde de Pernambuco. Não houve expediente no órgão ontem.

Ajuda de familiares
Maria José Silva Vanderley, 42, prima do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou ontem que irá pedir a ele uma ajuda para comprar uma prótese para a mãe.
Segundo Vanderley, o presidente ainda não auxiliou a tia porque desconhece o caso. "A gente sabe que ele vai ajudar. Não tenho o endereço dele, mas vou procurar saber." Ela disse que a mãe está muito nervosa.
Corina -que é irmã do pai já falecido de Lula- mora num sítio em Caetés (239 km de Recife), com o marido. Ambos são aposentados e recebem, cada um, R$ 350 por mês.
Anteontem, Corina ganhou uma cadeira de rodas de uma emissora de rádio. Ela permanece internada, mas, segundo o médico, deve receber alta até o final da semana.
A assessoria de imprensa do Palácio do Planalto informou que não iria se pronunciar sobre o assunto.
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Contestação - Jornal Estado de Minas
de BLOGDOPROFESSOR
Jornal Estado de Minas

Educação - Leitor contesta o que vereador defende

Pedro Jorge Fonseca, Belo Horizonte

"Sobre o artigo 'Nossa educação educa?' (EM, 20/4), do vereador Carlão Pereira (PT), gostaria de comentar: 1) o salário inicial de professor da PBH (R$ 1.103) realmente não está entre os mais miseráveis, mas vem perdendo valor relativo, sobretudo nos últimos 10 anos; 2) para construir as tais 'escolas mais gostosas' de que necessitamos, é urgente que nossos colegas petistas de carteirinha voltem às salas de aula, pois parece que somente eles sabem fazer, embora a maioria abomine a idéia de voltar a segurar um giz; 3) quanto aos 'muros mais baixos', o vereador, de longe, não correria riscos, mas nós, aqui da linha de frente, só podemos aceitá-los com cerca elétrica, pois estamos mais próximos da universidade politécnica da Virgínia (EUA) do que de seu paraíso pedagógico."
_____________________________________________________________________________

Obs. Quem quiser ler o artigo do vereador e não assinar o EM, busque no "clipping" da UFMG, dia 20/4/2007.
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
"Princesinha da Lagoa".
de BLOGDOPROFESSOR
Do leitor - Jornal Hoje em Dia - 21/04/2007

Pampulha

Em resposta à carta publicada neste espaço no dia 8 de abril, intitulada "Pampulha", a prefeitura de BH informa que a proprietária do "Princesinha da Lagoa" foi notificada, em março do ano passado, para que regularizasse a situação da atividade exercida em frente ao Mineirão. Ela foi autuada três vezes e, em nenhuma destas vistorias foi feita apreensão de mercadorias ou equipamentos. No entanto, durante o Axé Brasil, em março deste ano, cumprindo o Código de Posturas, uma ampla fiscalização da prefeitura coibiu o comércio ambulante irregular no entorno do Mineirão, incluindo o "Princesinha da Lagoa". A PBH esclarece ainda que todas as ações fiscais seguiram os caminhos legais, atendendo inclusive, a uma determinação judicial.

Assessoria de Comunicação
Prefeitura de Belo Horizonte
____________ _________ _________
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Sobre política e chapéus - Jornal O Tempo
de BLOGDOPROFESSOR
Sobre política e chapéus

 A prosa sobre o chapéu deve ter sido boa. O Congresso gastou um dia discutindo o tal. Lá, não atinaram que dessa vez foi o chapéu quem ganhou a eleição, porque a mão branca havia caído em desuso. Pensei, de cara, que a discutiriam. Por que não? Na minha opinião mais vale um chapéu do que a alcunha de Mão Branca . Quando ouço lembro-me da digníssima lady Macbeth esfregando as mãos incansavelmente para retirar as manchas. No meu precário entendimento, o branco não é sinônimo de puro. Apenas passa uma imagem asséptica. Micróbios, invisíveis a olho nu, podem estar bem ali. É inevitável. Haja sabão! E agora o nobilíssimo deputado, antes suplente, ainda músico, poderá aliar o chapéu à mão. Isso no próximo "estorvo", porque voto obrigatório não passa disto. Ele não se lançará como Edigar Mão Branca, mas Edigar do Chapéu de Couro que não abandonou a Mão Branca. Poderá até pedir a Rolando Boldrin para que faça um fundo musical: "Chapéu de 'couro', e um lenço no pescoço, ...".
 É se coisificando a cada instante que muitos vencem batalhas. Ganhou notoriedade o homem. Os deputados deveriam observar os outros trajes que desfilam pelo espaço. Talvez chegassem à conclusão de que um chapéu a mais ou a menos não teria tanta importância. Por exemplo, sempre usei chapéus. De couro de vaca, de pano, flanela,... Dou no couro quando alguém me pede para tirá-lo. Há espaços onde ele não cabe. Na igreja, no necrotério. Ele próprio me avisa com antecedência. A cabeça coça. Mas sempre há uma saída. Um véu, um lenço. Porém, no Congresso véus e lenços chamam tanta atenção quanto os chapéus. Assim, a Câmara dos Deputados considera que lenços também são extravagantes. Pretende cortá-los, botar ordem na casa, ou melhor: nos trajes. Talvez fosse interessante se alguém desenhasse um uniforme para as pessoas que habitam os plenários da democracia. A querela desapareceria, a pauta do dia voltaria ao normal. O problema é que ninguém tira o que está preso à pele. As marcas, cicatrizes, manchas, ficariam mais visíveis. Cabelos, narizes, bocas então! Já pensaram? Eu lá, e alguém querendo seqüestrar meu nariz. Ai, ai, ai!
 E nós aqui, feito bestas, aguardando decisões. E eles lá, perdendo um tempo precioso com chapéus, lenços e botas. Deixem os últimos que deles cuidaremos. À pauta, excelências.
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Carta publicada - Jornais: Correio Braziliense, Estado de Minas
de BLOGDOPROFESSOR
Brasília, 18 de abril de 2007

Ditadura

O furo jornalístico do Correio Braziliense e do Estado de Minas sobre o conteúdo do livro inédito feito pelo Exército na segunda metade dos anos 80 merece aplausos. As "Memórias da ditadura" ficarão na história. Nenhum povo resiste sem que a história seja construída com fatos, fotos, provas. Assim como ele, tu e eu temos nossa história passada de pais para filhos, nós, o povo, temos nossas histórias. Na verdade, são histórias particulares que se juntam quando o objetivo é comum. Há os não citados por não serem conhecidos pelo público e pela mídia. Uma pena, pois perde o proletariado, perdemos nós.

Modesta Trindade Theodoro, Belo Horizonte (MG)
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
O furo do "Estado de Minas" e do "Correio Braziliense" sobre o conteúdo de um livro inédito feito pelo Exército na segunda metade dos anos 1980.
de BLOGDOPROFESSOR
Atualizado
Data da última atualização: 17/04/2007


MEMÓRIAS DA DITADURA

Retratos do porão
Descritos como aliados da "subversão" no livro secreto do Exército, muitos personagens acabaram se tornando referência nacional e outros caíram em desgraça

Isaías/O Cruzeiro/EM - 23/03/70

O pensador Karl Marx e o músico Chico Buarque; o governador José Serra (São Paulo) e o revolucionário Vladímir Ilitch Lenin; o comunista Luís Carlos Prestes e o filósofo Friedrich Engels; o escritor Fernando Morais e ex-presidente Juscelino Kubitschek, todos são personagens do livro secreto do Exército, numa lista que inclui mais de 1,7 mil pessoas. Dos citados é jogada no mesmo saco: quando não são chamados de comunistas, viram "subversivos" ou "terroristas". A obra tem muitos dados banais sobre eles, retiradas de jornais e revistas, e outros até hoje pouco conhecidos, que foram colhidos em investigações da comunidade de informações ou obtidas em interrogatórios de presos políticos. Na leitura das 966 páginas do livro, percebe-se uma grande variação na qualidade dos fichários consultados pelos oficiais militares, escritores do serviço secreto do Exército. A seguir, uma pequena amostra dos personagens do livro, informando como que foram retratados na obra e o que aconteceu com eles posteriormente:

José Serra
Político

• O que dizia o Exército em 1988, no livro secreto
Ex-exilado político no Chile e militante da AP (Ação Popular), Serra integrava a frente criada para propagar, no exterior, "falsas denúncias" de assassinato e tortura de presos políticos no Brasil. No esquema de disseminação de "notícias deturpadas" sobre o país, era um "ativo pombo-correio" no circuito Chile-Uruguai.

• O que aconteceu depois
Foi eleito deputado federal, senador e prefeito de São Paulo e ocupou os ministérios do Planejamento e Saúde. No ano passado, elegeu-se governador de São Paulo pelo PSDB, com 12,3 milhões de votos. Denúncias de tortura de presos políticos e eliminação de opositores no Brasil foram comprovadas até mesmo com testemunho de ex-agentes da repressão.

Antônio Callado
jornalista e escritor

• O que dizia o Exército em 1988, no livro secreto
É um dos artistas e intelectuais que, "forjados nos bares de Ipanema, tomaram a postura 'revolucionária ', sempre, porém, insuflando os outros, particularmente os jovens".

• O que aconteceu depois
Considerado um dos grandes nomes da cultura nacional, Callado recebeu diversos prêmios no Brasil e no exterior. Em 1989, foi eleito intelectual do ano pelos membros da União Brasileira de Escritores. Em novembro de 1990, representou o Brasil nas comemorações do centenário do general Charles de Gaulle, na França. Quatro anos depois, foi eleito para a Academia Brasileira de Letras. Morreu em 1997, aos 80 anos de idade.

Chico Buarque
músico

• O que dizia o Exército em 1988, no livro secreto
Autor de "canções compostas sob a ótica da visão marxista", Chico encarna a "infiltração comunista nos meios intelectuais, científicos e artísticos".

• O que aconteceu depois
Chico reafirmou-se como uma das maiores referências culturais do país. No ano de 2000, recebeu o Prêmio Roma-Brasília Cidade da Paz, concedido pela prefeitura da capital italiana, onde viveu como exilado político, entre 1969 e 1970. Publicou três livros de ficção que o projetaram como um dos grande autores nacionais. Apoiou o PT em todas as eleições para a Presidência da República e é um dos defensores do governo Lula. Permanece sendo um aliado do governo de Fidel Castro.

Geraldo Vandré
músico

• O que dizia o Exército em 1988, no livro secreto
Faz parte do grupo de artistas que serviram à operação de "infiltração" de Cuba, desencadeada em 1968, no Congresso Cultural de Havana. Com sua postura calculada, o músico foi retratado em manchetes de jornal como "mártir da censura da ditadura militar".

• O que aconteceu depois
Na volta do exílio, o autor de Prá não dizer que não falei de flores (canção-ícone da resistência à ditadura, também conhecida como Caminhando) passou a sofrer de depressão. Deixou de se apresentar em público dizendo que a imagem de mártir tinha abafado sua obra. Vivendo em reclusão, adquiriu uma obsessão com roupas e acessórios da Aeronáutica. Na década de 1990, numa solenidade da Aeronáutica, interpretou Fabiana, música que fez em homenagem à FAB. Vive em São Paulo.

Douglas Ferreira da Silva/O Cruzeiro/EM -6/4/64

Cabo Anselmo
ex-marinheiro, ex-informante da repressão

• O dizia o Exército em 1988, no livro secreto
Foi um dos líderes do movimento de marinheiros que, a partir de 1963, rebelou-se contra o comando das Forças Armadas, em apoio ás propostas radicais do presidente João Goulart. Preso na "revolução de 1964", fugiu da cadeia e saiu do país. Passou por Cuba, onde fez treinamento de guerrilha. Em 1970, voltou clandestinamente ao Brasil e foi recrutado pela VPR. No ano seguinte, “apavorado” com a prisão e morte de "subversivos", Anselmo se apresentou de forma expontânea ao Dops de São Paulo "e passou a trabalhar para a polícia". Libertado, voltou a ligar-se à VPR, "seguindo as recomendações do delegado Sérgio Paranhos Fleury,". Dois anos depois, Anselmo indicou a Fleury onde funcionava o "aparelho" da VPR em Pernambuco, informação que levou à morte seis guerrilheiros, entre eles a paraguaia Soledad Barrett Viedma, namorada de Anselmo. Jurado de morte por guerrilheiros que sobreviveram à repressão, passou a viver escondido.

• O que aconteceu depois
Pesou sobre a Anselmo a acusação de que ele era, desde 1963, um agente da CIA, com a missão de provocar agitação nas esquerdas para precipitar o golpe militar. Contudo, nada foi provado. Além de ser informante de Fleury, soube-se depois que também trabalhava para o serviço secreto da Marinha, o Cenimar, que lhe teria fornecido estrutura e dinheiro para se esconder. Em 2004, advogados de Anselmo deram entrada a um pedido de indenização na Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, argumentado que ele tinha sido prejudicado pelo regime militar. Sua reivindicação ainda não foi analisada. Ele continua vivendo escondido.

Fernando Henrique Cardoso
político

• O dizia o Exército em 1988, no livro secreto
Em 1972, quando dirigia o Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) em São Paulo, Fernando Henrique reuniu-se com o "subversivo" Istvan Jancso, que à época procurava reestruturar o Movimento Popular de Libertação (MPL).

• O que aconteceu depois
FHC foi eleito senador em 1986, pelo PMDB e, no ano seguinte, fundou o PSDB. No governo Itamar Franco, foi ministro de Relações Exteriores e da Fazenda, tendo comando a equipe que idealizou e implantou o Plano Real. Em 1994, foi eleito, no primeiro turno, presidente da República. Quatro anos depois, foi reeleito. Nos seus oito anos de governo, impôs uma agenda liberal à economia, com a privatização de dezenas de empresas, rodovias e serviços públicos. Atualmente é um dos principais líderes da oposição ao governo Lula.

Virgílio Guimarães
político

• O que dizia o Exército, em 1988, no livro secreto
Integra a Organização Revolucionária Marxista/Democracia Socialista (ORM-DS), agrupamento de esquerda clandestino. Com pretensões de tomar o poder pela luta armada e violência revolucionária, a ORM-DS finge ter se incorporado ao Partido dos Trabalhadores. O objetivo da organização a qual pertente, porém, é "assaltar a cúpula" do PT a fim de transformá-lo num "partido revolucionária".

• O que aconteceu depois
Depois de compor a Assembléia Nacional Constituinte, em 1988, Virgílio foi eleito vereador em Belo Horizonte e, em seguida, disputou e ganhou três eleições consecutivas para deputado federal. Atualmente é presidente da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados.
A ORM-DS extinguiu-se.

Pedro Casaldáliga
Religioso

• O dizia o Exército em 1988, no livro secreto
Destacado integrante da frente que divulgava no exterior "notícias deturpadas"sobre o Brasil. Textos "tendenciosos" de Casaldáliga, com "falsos" relatos de tortura e assassinato de presos políticos, eram publicados em Roma.

• O que aconteceu depois
Apesar das constantes ameaças de morte e expulsão do Brasil, Casaldáliga –bispo de São Félix do Araguaia (MT), poeta e um dos principais nomes da Teologia da Libertação em todo o mundo– continuou sua luta no país, em favor dos camponeses e contra o latifúndio. Diversas vezes, deu apoio a Cuba, inclusive em encontros pessoais com Fidel Castro, em Havana. Permanece acreditando que "o capitalismo é um pecado capital" e que o "socialismo pode ser uma virtude cardeal". Apóia o governo Lula, mas critica a demora na implantação da reforma agráfia. Aposentou-se no cargo de bispo em 2005. Ainda hoje, aos 79 anos, vive em São Félix.
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Carta - Jornal Estado de Minas
de BLOGDOPROFESSOR
Belo Horizonte, 11 de abril de 2004

OMISSÃO
Leitor quer saber qual é a posição da UNE

Milton Mariano de Souza, Governador Valadares-MG

"Estou mudado ou mudou a União Nacional dos Estudantes (UNE) ou o Brasil? Onde estava a UNE ante os desmandos do primeiro mandato de Lula? Não tomou conhecimento dos escândalos do bicho, dos Correios, do mensalão, dos aloprados dos dossiês, do dinheiro não-contabilizado do Delúbio, dos escândalos do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal, de Furnas, do valerioduto? O que tem a dizer do apagão aéreo, da falta de segurança em que vive o povo brasileiro? E da situação das estradas esburacadas, nos quais morrem milhares de brasileiros obrigados a enfrentá-las na luta pela sobrevivência e sofrendo o maior desemprego da história? Que a UNE se encha de brios, deixe as mordomias de lado e volte às ruas, pinte a cara, faça protestos. O povo quer saber o motivo de tamanho silêncio.".
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Sobre o direito de greve dos servidores
de BLOGDOPROFESSOR
JORNAL O TEMPO

Segunda-feira, 09 de Abril de 2007, 00h02
Governo prepara projeto sobre direito de greve dos servidores

BRASÍLIA – O governo pretende enviar ao Congresso até o início de maio o projeto de lei que regulamenta o direito de greve no serviço público.
O texto da minuta, em elaboração no Ministério do Planejamento, estabelecerá que os dias parados serão descontados dos salários dos grevistas e deverá fixar um limite obrigatório de 30% para o funcionamento dos serviços.
Nos setores essenciais, não poderá haver paralisações. O Planejamento considera essenciais 19 atividades, entre elas controle de vôo, emergência hospitalar, tratamento e abastecimento de água e segurança pública.
O ministro da pasta, Paulo Bernardo, diz que o projeto trará “limites e condições” para greves no funcionalismo. Ele explica que o governo já corta o ponto dos servidores nos dias paralisados, mas a Justiça sempre manda pagá-los integralmente.
"Qual a lógica de pagar se as pessoas não estão trabalhando? Hoje, como não existe regulamentação, é a maior confusão. Os servidores obtêm liminares", disse.
Bernardo nega que o caos do setor aéreo, com a greve dos controladores, tenha apressado a discussão do governo sobre greve no funcionalismo. “É preciso uma solução rápida. Há uma lacuna. Está na hora de resolver.”
Embora o assunto seja alvo de controvérsia jurídica e possa provocar reações das corporações, Bernardo não descarta a possibilidade de a regulamentação ser feita por medida provisória. "A decisão é do presidente Lula ", diz.
Apesar de o projeto de lei prever o desconto dos salários, Bernardo explica que nas negociações com os grevistas poderá haver acertos para reposição dos dias parados, principalmente em greves curtas. (Folhapress)
 PUBLICADO EM
16/06/07 12:19
Pagamento PBH
de BLOGDOPROFESSOR
Pagamento referente ao mês de março: disponível nos bancos no dia 5 (cinco) de abril. Feliz Páscoa! Abusem dos ovinhos.
 Abraços,
 Modesta.

TOTAL 919 itens

Um comentário:

Anônimo disse...

Eu sou aluno do GETECO, no entanto sou a favor que construam o CEFET lá