Professor, publique aqui!

Para publicar nesse blog envie E-mail p\ blogdoprofessor.postar@blogger.com Cc peutzenfc@yahoo.fr

Se for REGISTRADO publique aqui

Não é registrado no blog (registre aqui)



quarta-feira, 18 de maio de 2005

Violência e Ax(ch)é music

No mês de abril de 2005 nos deparamos com cenas cada vez mais marcantes de violência nas escolas da RME: um aluno do Marconi foi assassinado por outro nos arredores da escola; um aluno do Imaco passou o estilete na garganta de outro, que só não morreu devido ao corte não ter atingido a jugular; um estudante(?) atirou (de revolver calibre 22) em outro(?), na E. M Arthur Versianni Veloso. No início de maio uma aluna de quinze anos bateu no rosto de uma professora do turno da tarde no IMACO.

O que tem de diferente nisto tudo, visto que as escolas têm sempre convivido com a violência? A novidade é que as escolas citadas estão todas na região Centro-Sul, dentro ou próximo da Avenida do contorno. As agressões físicas, a falta de respeito pelo outro, sempre denunciadas como coisa da perfiferia, agora, devido a impunidade e a falta de uma política sistemática de combate ao terror, chegou ao centro, às escolas até então consideradas ilhas de excelência (quem não se lembra do Marconi e do Imaco nos anos 60, 70 e 80?).

Assim como a Europa Ocidental dos anos 40 assistia o recrudescimento da violência nazista na sua periferia e nada fazia até a guerra chegar as suas mais belas cidades, cabe a cada um de nós cidadãos e educadores, formar agora (antes tarde que nunca!) fileiras e lutar (e cobrar das autoridades) contra tal estado de coisa.

Se não houver uma atitude forte e coletiva da parte de nós trabalhadores, TODOS, das comunidades TODAS, da periferia e do centro, DA SOCIEDADE CIVIL, da imprensa, a escola pública continuará um front, uma faixa de gaza e a violência, num crescendo, nos engolirá a TODOS, como a esfinge lendária: DECIFRA-ME OU DEVORO-TE.

Chama-me a atenção, sempre que leio jornais, as reclamações de leitores e ariculistas sobre os buracos nas ruas e autoestradas, a falta/ atraso de ônibus e pelo lixo esparramado pelas ruas, praças e lotes vagos. Chama-me também a atenção o não dito e o não reivindicado: quando os cidadãos desta BH começarão a entender que todo o citado acima passa ou começa na escola? Demostram seu analfabetismo político (cidadãos comuns e jornalistas) ou seria isto apenas uma deficiência causada pela perspectiva de classe - ou ausência da mesma: classe média não usa escola pública mas tem carro e ainda anda pelas ruas e a classe proletária ainda não conseguiu se convencer do valor da educação?

Espanta-me mais ainda fatos como os vistos na abertura da Conferência Municipal de Educação: garotas de 14, 15, 16 anos, em sumárias e inocentes licras, rebolando as bundas e seios adolescentes para vereador e vereadoras, secretária de educação, professores e professoras, pais e mães e colegas de escolas, sob o patrocínio do grêmio escolar (onde está o combativo Movimento estudantil?), ao som de um muuuuuuiiiiiito pedagógico aché baiano.

Comentário de uma vereadora, líder do prefeito na câmara, presente ao local: "aaadoooro aché!!!!"
Comentário meu: E viva a escola plural!!!

7 comentários:

Nós professores disse...

Qual é a escola que estas meninas estudam? Os pais foram sequer comunicados deste show rebolado de meninas adolescentes? Autorizaram? Ficaram sabendo? a diretora ou diretor o que fez para que isto acontecesse? O ministério Público não estava presente mas o verador Paulo Lamac, representando a Câmara estava e as vereadoras Neusa Santos e Sílvia Helena (PT e PPS)estavam presentes pois foram citadas ao microfone. O que estes legisladores pensam disto? E a SMED o que diz? e o conselho municipal de educação da presidenta Analise? Tá na hora de sermos mais sérios e responsáveis!isto é uma vergonha!

Nós professores disse...

Prezado Colega: Desculpe-me invadir o seu artigo , mas não pude deixar de expressar aqui meu comentário de modo que alguma autoridade tome providências quanto ao fato ocorrido , visto que este artigo deveria na realidade ser uma denúncia , pois tais atos ferem o estatuto da criança e do adolescente .Já não é a primeira vez que tal fato ocorre : Esta tem sido a pólitica pedagógica da "Moderna Escola Plural " - de uma educação dita "Libertadora " que inverte a prioridade curricular: O importante , para os alunos da prefeitura , é saber rebolar a "bunda" mesmo, pois uma vez que as disciplinas curriculares não tem importância (neste contexto , não interessa o aproveitamento escolar nas disciplinas ) , é bom ele ir aprendendo o axé mesmo , pois vai ter que rebolar e muito , para conseguir sobreviver sem os domínios básicos das mesmas.Acrescento a isto, a faixa etária em que tal fato ocorre, talvez , indiretamente , estimulando os adolescentes para a prática da prostiuição, visto muitos não estarem psicologicamente preparados para tal incentivo .Pedro Linardi EMDO
posted by Nós professores 1:01 PM

Nós professores disse...

2 Comments

Nós professores

Onde está o movimento estudantil de verdadade que não defende estas adolescentes da exploração de seus corpos e imagens? Que gremio é este que aluga as moças de sua escola para o deleite alheio?

Anônimo disse...

Caro professor,

o verdadeiro movimento estudantil respondeu PRESENTE na última conferencia. O presidente do gremio do IMACO ( e não do Marconi como inicialmente foi dito), o oportunista que proporcionou este showzinho de mau gosto não foi eleito nem para suplente do CME apesar de ter tentado e pedido votos. Nós conseguimos, pelo contrário, eleger uma estudante combativa e CRÍTICA para o Conselho e que fará muito pela nossa classe estudantil.

Anônimo disse...

Caro professor,

o verdadeiro movimento estudantil respondeu PRESENTE na última conferencia. O presidente do gremio do IMACO ( e não do Marconi como inicialmente foi dito), o oportunista que proporcionou este showzinho de mau gosto não foi eleito nem para suplente do CME apesar de ter tentado e pedido votos. Nós conseguimos, pelo contrário, eleger uma estudante combativa e CRÍTICA para o Conselho e que fará muito pela nossa classe estudantil.

Bernardo A. Rodrigues da EMPM.

Anônimo disse...

Caro estudante ou (colega?) Bernardo,

o movimento estudantil está repleto de oportunistas como este do Gremio da E. M IMACO que nem estuda (é simplesmente matriculado)pois está na primeira série do segundo grau há pelo menos quatro anos e só sobrevive na escola por ter apoio de alguns professores que se beneficiam de seu apoio político.
A própria prefeitura e o Conselho fazem vistas grossas a este tipo de comportamento. Fui professora na IMACO até 2004 e este desocupado que se dizia representante dos alunos só fazia mal para a escola e apregoava a divisão entre o corpo discente e docente. Mandava meninos de 14 anos desrespeitarem professoras que tem idade para ser mães deles.
Na minha atual escola a prática é outra e o grêmio escolar e os professores promovem atividades conjuntas e não há esta animosidade toda.
Parabéns por sua visão clara e politizada. Me desculpe se entendi mal, mas me parece que voce é aluno, é isso mesmo?

Me desculpe não me identificar, mas não o faço por motivo óbvios.

Uma professora da Rede.

Anônimo disse...

NEUSA SANTOS É UMA ANTA COM ESTRELA NO PEITO.