Professor, publique aqui!

Para publicar nesse blog envie E-mail p\ blogdoprofessor.postar@blogger.com Cc peutzenfc@yahoo.fr

Se for REGISTRADO publique aqui

Não é registrado no blog (registre aqui)



quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

PROFESSORES, BASTA!?

Basta de fingir que não é conosco. O que vem acontecendo demonstra que estamos expostos à violência consentida pela sociedade.

A notícia de um espancamento, em Porto Alegre, da professora Jane de Leon Antunes, e do assassinato do professor Kássio Vinícius Castro, publicadas nesse blog e nos jornais, deveria ter provocado uma reação sem precedentes por parte da nossa classe de professores para alertar a sociedade e as autoridades e instituições.

Quando um aluno espanca uma professora desse modo ou mata outro, por motivo de uma "nota" ou outro motivo qualquer, dentro do edifício da instituição, e não vemos nem esboço de uma reação a altura, só notícias desencontradas e confusas, estamos professores e autoridades, autorizando, de forma implícita, a sociedade a agir desse modo conosco.
Quando o delegado não prende, nem de forma preventiva, esses monstros; quando a imprensa e a polícia trata o agressor e a vítima de forma igual, deixando margem para um possível desmentido da versão da vítima ou imputando-lhe alguma culpa; quando nossos sindicatos nem esboçam uma nota de desagravo e a própria vítima, coagida, se declara culpada por não ter sido preparada para lidar com esse tipo de violência, isso autoriza qualquer um a fazer conosco qualquer coisa, independentemente do cargo ou posto que ocupamos. Não importa se somos professores de escola pública ou particular, de nível fundamental, médio, técnico ou universitário, se diretor, coordenador, reitor ou ministro da educação. Evidentemente que quem toma pancada é quem lida diariamente e diretamente com alunos e pais deles.
Essa reação apática ao espancamento dessa professora e o recente assassinato, dentre inúmeros outros, sinaliza que somos uma classe que apenas insiste, mas já não existe, não se reconhece como tal. Temos, atualmente, menos direitos que muitas minorias um dia tiveram. Somos mais perseguidos, desautorizados e destituídos de poder que muitas minorias foram e são. Nosso papel social e nossa imagem vem se degradando de tal forma que creio estarmos em situação pior do que as prostitutas (Profissionais do sexo!), os viciados, os travestis, os mendigos e até os políticos. Ser professor, hoje, deve provocar vergonha e arrependimento e ser motivo até de confissão, como se sê-lo já fosse um pecado ou o reconhecimento de ter fracassado na vida.
Esse espancamento subrepticiamente autorizado e até, de certa forma, implicitamente comemorado pelo coletivo da sociedade como uma atitude legítima de resistência a uma classe retrógada, hipócrita e até ridícula, expressada, na sua forma mais extremada, com a violação explícita e violenta da integridade física de professores deveria ser tomado pela classe como motivo suficiente para uma parada geral, com manifestações públicas por pelo menos um dia.

Essa agressão não é só sintoma da violência generalizada em que vive mergulhada a nossa sociedade, ela é sintoma de que essa mesma sociedade está assim porque não nos autoriza, enquanto uma instância social, que tem o dever de promover os bons valores e ensinar as regras do convívio civilizado, os direitos e deveres do cidadão a serem observados e seguidos, a tomar medidas para que isso efetivamente aconteça. Dar uma nota é uma dessas formas de educar. Nos desautorizar a fazer isso, implícita ou explicitamente, a dar nota, avaliar, é nos destituir do único instrumento simbólico que nos legitima legalmente a cumprir nossa função. Há muitas instâncias, até demais, nas instituições educativas e em outras instâncias, por outros meios legais, de se contestar uma mísera nota. Vide a titica que virou esse episódio da diplomação do deputado Tiririca. Nada, absolutamente nada, justifica violentar ou constranger, dentro da própria instituição, implícita ou explicitamente, um professor por DEVER avaliar seu aluno.
Assistirmos a esse festival de agressões, a essa proposital desregulamentação da profissão e da classe, sendo mostrado como uma atração de circo, como mais um dos momentos bizarros de uma sociedade inexoravelmente estúpida, sem se perceber que a causa dessa violência está contextualizada às atitudes e costumes construídos em torno da atual imagem e legitimação do professor, é admitir que, enquanto uma classe, não existimos. Só somos lembrados em páginas policiais, em momentos episódicos em que, como zumbis, somos ressuscitados, retirados do anonimato, uma classe difusa, doente, mórbida, estúpida, amorfa, preconceituosa, mentirosa, asquerosa e esquisita, enfim, maldita e perfeitamente substituível, que a sociedade ainda não conseguiu se desvencilhar de todo. Por nos sentir assim e muitos dos nossos colegas avalizarem essa nossa imagem e condição, permiti-se que membros da nossa classe, como bovinos descartáveis na arena, como parte de um permitido ritual macabro, seja espancada, perseguida, até exterminada, como recentemente fizeram com os homossexuais em São Paulo. Nesse caso, houve comoção da sociedade, decididamente reproduzida pela imprensa. No nosso caso, estes episódios são considerados como "caso isolado". Mesmo que tenham acontecido dentro dos edifícios onde trabalhamos, são insistentemente descontextualizados pela mídia e autoridades, como um conflito de outra ordem. A conseqüência disso é que eles são esquecidos e arquivados sem que se esboce a menor reação.
Afinal, reagir é admitir que somos o que somos - uma classe marginalizada - uns mais e outros, nem tanto, mas como os vampiros, todos nós deixamos de ser capazes de nos enxergar diante do espelho. Quando aparecemos assassinados ou com nossos braços engessados e dentes quebrados estampados nas manchetes dos jornais, não conseguimos mais causar suficiente comoção na sociedade, como quando homossexuais são agredidos gratuitamente nas ruas e ou as crianças são estupradas e abusadas por pedófilos ou mesmo quando mendigos são queimados em praça pública. Não estamos em condição tão exposta e frágil quanto eles?

Esquecemos que a nossa profissão é de alto risco, pois trabalhamos em situação de grande estresse e ficamos muito expostos e frágeis nas escolas. Não podemos continuar a abrir mão do apoio e proteção social que a autoridades nos vem negando.

Aceitamos ser essa classe de "indigentes" que nos tornamos ou vamos, finalmente, fazer alguma coisa para mudar isso?!!!

Professor Woodson FC

PS. O presente artigo, a princípio publicado em 13/11/10 (11h11) foi revisado e modificado com objetivo de torná-lo mais claro e acrescentar o lamentável assassinato de nosso colega de profissão.

9 comentários:

Anônimo disse...

"Esse espancamento subrepticiamente autorizado e simbolicamente partilhado e até, de certa forma, comemorado pelo coletivo da sociedade, expressado como uma violação explícita e violenta da integridade física de uma representante da nossa classe de professores..."

Meio teoria da conspiração, não?
Acredito que esse caso se deva mais a uma socio/psicopatia individual do agressor (coisa que sempre existiu) do que a uma perseguição coletiva à nossa classe. Concordo que no contexto atual somos imensamente subvalorizados financeiramente, o que implica em decadência social e às vezes pessoal, mas acho que cair em paranóia ajuda pouco. Muitas famílias (eu diria um terço na minha comunidade escolar) nos valorizam e apóiam bastante. A profissão ainda tem uma aura de respeito e dignidade, e se de fato muitos alunos nos ameaçam, isso raras vezes sai do discurso; não acredito que haja uma situação real de anomia no coletivo de estudantes ou na sociedade.

Agora, que os que podem desistem, isso é verdade. Perde a classe, perde a sociedade, e isso só vai mudar quando políticas públicas revalorizarem efetivamente a profissão.

Luciano_R_Gallo disse...

Caro anônimo,
Acho realmente que todo exagero é sinal de desequilibrio, e, nesse aspecto vc tambem peca quando diz que a sociedade nos apoia, isso está muito longe da realidade na maioria dos lugares. Se acontesse onde vc trabalha considere-se um privilegiado, pois não somos desvalorizados só financeiramente não. Acho também que deveria haver uma reação maior quanto ao fato, pois a falta de reação autoriza novos episódios. A notícia que eu escutei: O delegado responsável pelo caso ainda não havia prendido o indivíduo pois o mesmo estava foragido e a intenção dele era acusá-lo de tentativa de homicício e não de simples agressão.

Anônimo disse...

A sociedade apoia a quem interessa a ela apoiar.Tem professor, também, que pelo amor!!! Veja o caso da professora de Vespaziano, a Geisy 2. Tem um punhado de gente falando mal de professora por causa dela.Vai querer aparecer assim, de oncinha, lá no Irã.Queria ver.

Luciano_R_Gallo disse...

Claro que sim como em todas as classes existem os bons e maus profissionais... Mas vc está certo. Porém independente do apoio ou não da sociedade nossa desvalorização vai além do financeiro.
Abraços...
Eu tambem queria ver, lá no Irã...rsrsrs

Anônimo disse...

A agressão daquele aluno à professora é um ato covarde e injustificável. A sociedade tem que resposnder a essa violência e essa resposta tem que ser á altura. Caso a sociedade se omita devemos dar nossa resposta, chega e basta. Não somos capachos e depende de nós, não sermos tratados como capachos! É hora de promovermos uma grande campanha contra esse tipo de atitude. Vamos à luta!

WoodsonFC disse...

Essa perseguição que o comentário denomina " teoria da conspiração" tem diversos episódios históricos muito bem descritos em diversos regimes totalitários e pseudodemocráticos. Os professores sempre foram alvo preferencial desses regimes antidemocráticos que implantavam seu tirânico regime ou seu pseudodemocratismo sob a pretenção de resolver questões sociais ou econômicas. Não é por nada que vemos a nossa classe sendo achincalhada em diversas narrativas midiáticas. Esse desrespeito com a classe se reflete em sala de aula e a necessidade de apoio da comunidade só reflete a falta de apoio institucional.

Anônimo disse...

Na escola em que trabalho no noturno, fizemos um pacto: aqui ninguém apanha sem que o grupo revide e proteja a professora ou professor ameaçado. Primeiro a gente vai reajir, com força física e até violência se necessário. Depois de controlado o probleama a gente chama a polícia e vai para a delegacia resolver.
Uma dica: se foi ameaçado, não pague para ver. Se foi agredido faça BO e exame de corpo de delito. Mas se ainda não foi, reaja! Bata com força, baby!

ESCOLA AMBIENTAL APRENDIZES DA NATUREZA disse...

A situação de desvalorização do professor é promovida pelos governos de plantão que procuram valorizar a economia e desprezar as pessoas. A sociedade também tem perdido o interesse pela educação de qualidade.
gostaria de divulgar um blog sobre a educação e convidar a todos por uma luta maior já que nossas representações políticas não o fazem. caosnaeducacao.blogspot.com

Anônimo disse...

Professor: profissão em risco social. Cada vez mais responsabilidades, cada vez menos reconhecimento.

Escola: lugar pouco compreendido ou até abandonado pela sociedade brasileira. Mais conhecido como local onde se "deixa" o filho se segunda a sexta para o mesmo dar sossego em casa.